Lewis Call

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Lewis Call é um notável acadêmico estadunidense cujas reflexões são centrais a corrente filosófica conhecida como pós-anarquismo. Ele é mais conhecido por seu livro Anarquismo Pós-Moderno lançado em 2002, no qual apresenta suas reflexões baseadas nas reflexões propóstas por filósofos anarquistas pós-modernos como Friedrich Nietzsche e escritores cyberpunks como William Gibson e Bruce Sterling.[1] Call possui diversos escritos sobre a interseção entre o pós-anarquismo e a ficção científica, abrangendo filósofos e autores como Gilles Deleuze, Jean Baudrillard, Octavia Butler, Samuel Delany e Ursula K. Le Guin.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

A graduação de Call inclui um bacharelato da Universidade da Califórnia, San Diego, seguido de um mestrado e doutorado em História Moderna Européia na Universidade da Califórnia, em Irvine, terminando seus estudos em 1996. Sua tese de doutorado foi intitulada, Nietzsche como crítico e Cativeiro do Iluminismo.[2] Ele é um professor assistente no Departamento de História da Universidade Estadual Politécnica da Califórnia em San Luis Obispo, onde ensina história intelectual, economia política e história da tecnologia de redes. Call também detém a posição de Editor Associado da Anarchist Studies, uma revista internacional de teoria anarquista. Ele recebeu o Prêmio Distinguished Professor da Faculdade Associação Califórnia (California Polytechnic) em 2005, e seu papel "Sounds Like Kinky Business to Me: Subtextual Textual e Representações de poder no Buffyverse Erótico" ganhou o prêmio "Mr. Pointy Buffy para Bolsas de Estudos" do jornal Slayage em 2008.[3] Call é um dedicado praticante de Tai Chi Chuan.[1]

Pensamento[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: pós-anarquismo

Call é creditado juntamente com Saul Newman e Todd May pelo desenvolvimento de suas raízes no pós-anarquismo francês no pensamento anarquista pós-moderno e clássico.[4] Call tem buscado desenvolver a teoria pós-anarquista com base no trabalho de Friedrich Nietzsche, que rejeita o conceito cartesiano do "tema". A partir da qual uma forma radical de anarquismo é possível; o tornar-se anarquismo. Este anarquismo não tem um eventual objectivo, nem fluxo para "ser", não é um estado final de desenvolvimento, nem de uma forma estática da sociedade, mas sim se torna permanente, como um meio sem fim. Call crítica as noções liberais de linguagem, consciência, racionalidade e de uma perspectiva anarquista, argumentando que elas são inerentes ao poder econômico e político dentro da organização do Estado capitalista.[5]

Entre outros interesses da investigação de Call incluem história intelectual, estudos de ficção científica, e história do poder erótico.

Referências

  1. a b Call, Lewis (2002). Postmodern Anarchism. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 9780739105221  Parâmetro desconhecido |localidade= ignorado (ajuda)
  2. Call, Lewis. "Lewis Call - Nietzsche as Critic and Captive of Enlightenment".
  3. "Mr. Pointy Award Nominations, 2008" Arquivado em 28 de outubro de 2008, no Wayback Machine.. Slayage. Retrieved February 27, 2009.
  4. "Power, Subjectivity, Resistance:Three Works on Postmodern Anarchism". New Formulation 2 (2). Winter/Spring 2004.
  5. Martin, Edward J. (June 2003). "Call, Lewis Postmodern Anarchism". Perspectives on Political Science.

Bibliografia selecionada[editar | editar código-fonte]

  • Postmodern Anarchism. Lexington: Lexington Books. 2002. ISBN 9780739105221 
  • «Structures of Desire: Erotic Power in the Speculative Fiction of Octavia Butler and Samuel Delany». Rethinking History. 9 (2/3). 2005 
  • «Anarchy in the Matrix: Postmodern Anarchism in the Novels of William Gibson and Bruce Sterling». Anarchist Studies. 7 (2) 
  • «A brief history of Anarchist Studies (so far)». Anarchist Studies. 15 (2) 
  • Call, Lewis. (2007). «Postmodern Anarchism in the Novels of Ursula K. Le Guin». SubStance. 36 (2): 87–105. ISSN 0049-2426. doi:10.1353/sub.2007.0028 
  • «A is for Anarchy, V is for Vendetta: Images of Guy Fawkes and the Creation of Postmodern Anarchism». Anarchist Studies. 16 (2) 
  • «'Sounds Like Kinky Business to Me': Subtextual and Textual Representations of Erotic Power in the Buffyverse». Slayage: the Online International Journal of Buffy Studies. 6 (4). 2007. Consultado em 23 de julho de 2010. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2008 
  • «'This Wondrous Death': Erotic Power in the Science Fiction of James Tiptree, Jr.». Science Fiction Studies. 34 (1): 59 – 86. 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]