Libertários

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Partido Libertários
(LIBER)
Pela liberdade de escolher

Partido Libertários Logo.png
Presidente André Rufino
Fundação 20 de junho de 2009 (13 anos) Belo Horizonte
Sede São Paulo e Brasília
Ideologia Libertarismo[1][2][3][4]
Libertarianismo civil
Anarcocapitalismo
Antiestadismo
Liberalismo clássico
Liberalismo econômico
Liberalismo cultural
Não-intervencionismo Voluntarismo
Espectro político Extrema-direita[5][6]
Think tank LIBER
Ala jovem Liber Jovem
Ala Feminina Liber Mulher
Afiliação internacional Interlibertarians[7]
Alianza Libertaria[8]
Cores      Amarelo
     Preto
Símbolo eleitoral
Partido Libertários Mascote.png
Página oficial
libertarios.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Partido Libertários (LIBER) é uma organização política brasileira de tendência libertária listada entre os partidos políticos em formação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Foi fundada em 20 de junho de 2009, em Belo Horizonte.[9]

História[editar | editar código-fonte]

A ideia de criar o Libertários surgiu em uma comunidade da rede social Orkut, no ano de 2006.[10] O LIBER teve seu programa e estatuto publicados no Diário Oficial da União em janeiro de 2010.[11] Sobre o registro, a jornalista Sonia Racy escreveu "era o que faltava" em sua coluna.[12]

Entre as atividades políticas, realizou manifestação na orla do Rio de Janeiro contra o PNDH 3.[13] Tem participado de fóruns e seminários liberais, como o Seminário de Economia Austríaca[14] e Fórum Liberdade e Democracia, em Belo Horizonte.[15] Além disso, o Libertários organizou e participou de manifestações contra o modelo de concessão dos transportes[16] e pela desregulamentação do mercado.[17] Por defender veementemente a economia de mercado com mínima interferência estatal, o partido é por vezes associado à nova direita.[18]

O Libertários é filiado ao Interlibertarians, associação internacional de partidos e organizações libertárias.[7] e à Alianza Libertária de Iberoamérica.[8]

Eventos[editar | editar código-fonte]

  • 21 de Novembro de 2005: É criada a comunidade do partido no Orkut, onde os fundadores começam a discutir seriamente a ideia de criar um partido libertário no Brasil.
  • 20 de Junho de 2009: Fundação do partido em Belo Horizonte.
  • 19 de Janeiro de 2010: Publicação do Estatuto e Programa no Diário Oficial da União.
  • 10 de Abril de 2010: 2ª Reunião Nacional, em Porto Alegre.
  • 11 de Novembro de 2010: Obtenção do CNPJ.
  • 10 de Abril de 2011: 3ª Reunião Nacional em Porto Alegre e eleição do novo diretório nacional.
  • 12 de Maio de 2012: 4ª Reunião Nacional, em São Paulo.
  • 10 de Setembro de 2012: Lançamento da Campanha LIBER500.
  • 2018: Surgimento de uma comissão provisória no Mato Grosso do Sul, que em 2020 se tornou diretório.
  • 2019: Surgimento de uma comissão provisória no Rio de Janeiro, que em 2020 se tornou diretório.
  • 2 de Maio 2020: Lançamento de uma campanha para entrada de novos membros no LIber.
  • Junho de 2020: totalizando diretórios em RS, PR, SP, RJ, MG, GO, DF, MS. e TO. Também foram criado grupos de desenvolvimento na região Norte e Nordeste, além dos estados de SC, ES e MT.

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Libertarismo

O partido defende o libertarismo.[1][2][3][10][19] No Diagrama de Nolan é possível identificar a ideologia como oposta ao autoritarismo, adotando os pensamentos como os de Ayn Rand, Murray Rothbard, e Robert Nozick, porém se distingue no que tange à interferência do Estado na economia. Do mesmo modo, apoia políticas de livre mercado, isto é, seu foco ideológico reside nos pensamentos de Ludwig von Mises, Friedrich Hayek, e Milton Friedman. No que tange ao pensamento econômico, o partido possui grande identificação com a Escola Austríaca e o liberalismo clássico.[20]

No âmbito social e de política cultural defendem tópicos como o fim da proibição de todas as drogas ilegais, liberdade de acesso e porte de armas para defesa pessoal e de propriedade, liberdade de associação e orientação sexual, como a união civil e casamento homoafetivo. Ainda, a abolição de leis que proibam a prostituição e os jogos de azar. Também posicionamentos contra o serviço militar obrigatório, contra o voto compulsório e contra impostos.[21][22][20]

Em entrevista ao Instituto País Melhor, Bernardo Santoro, ex-presidente do LIBER, define o libertarismo como "uma filosofia política baseada nos princípios da soberania individual, não-iniciação da agressão e auto-propriedade. Portanto, para o libertarianismo, o homem é dono de si mesmo, do seu corpo e do resultado da mistura do seu trabalho com a natureza, o que resulta na criação de um sistema jurídico fortemente baseado na propriedade privada e de um sistema econômico baseado no livre-mercado e na livre interação entre indivíduos".[1]

Processo de registro[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o partido está em processo de recolhimento de assinaturas que serão entregues ao Tribunal Superior Eleitoral para que se chegue ao mínimo de 500.000 assinaturas, mais de 6.000 pessoas já assinaram.

Diretórios[editar | editar código-fonte]

Nota: a tabela a seguir está organizada por ordem alfabética dos estados.

Relação de diretórios em Junho de 2020
Diretórios
Nacional UF Cidade Endereço Status
Nacional Facebook Ativo
Regional N Norte Em formação
NE Nordeste Em formação
BA Salvador Inativo
CE Fortaleza Inativo
DF Brasília Inativo
ES Vitória Em formação
GO Goiânia Em formação
MA São Luís Inativo
MS Campo Grande Facebook Em formação
MT Cuiabá Em formação
MG Belo Horizonte Em formação
PA Belém Em formação
PB João Pessoa Inativo
PR Curitiba Em formação
RJ Rio de Janeiro Em formação
RN Natal Inativo
RS Porto Alegre Facebook Em formação
SC Florianópolis Em formação
SE Aracaju Inativo
SP São Paulo Facebook Em formação
TO Palmas Em formação

Expansão[editar | editar código-fonte]

Em 2020, o LIBER iniciou um programa de expansão, reativando vários de seus diretórios inativos – como o de Belo Horizonte em Minas Gerais. Com isso, também veio a formação de novos diretórios em Porto Alegre (RS) e Vitória (ES).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «IPM entrevista Bernardo Santoro, presidente do LIBER, partido que defende o libertarianismo». Consultado em 4 de março de 2013. Arquivado do original em 17 de março de 2013 
  2. a b Heywood, Andrew (2017). Political Ideologies: An Introduction 6th ed. Basingstoke: Macmillan International Higher Education. pp. 14–17. ISBN 9781137606044. OCLC 988218349 
  3. a b Carlson, Jennifer D. (2012). "Libertarianism". In Miller, Wilburn R., ed. The Social History of Crime and Punishment in America. London: Sage Publications. p. 1006. ISBN 1412988764. "There exist three major camps in libertarian thought: right-libertarianism, socialist libertarianism, and left-libertarianism; the extent to which these represent distinct ideologies as opposed to variations on a theme is contested by scholars."
  4. Francis, Mark (December 1983). "Human Rights and Libertarians". In Australian Journal of Politics & History. 29 (3): 462-472. ISSN 0004-9522 "Scholars distinguish libertarian views on the nature of property rights and capital, usually along left–right or socialist–capitalist lines"
  5. Casimiro, Flávio Henrique Calheiros (2016). «A nova direita no Brasil : aparelhos de ação político-ideológica e a atualização das estratégias de dominação burguesa (1980-2014)». Consultado em 13 de junho de 2021 
  6. Solano, Esther (25 de setembro de 2018). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. [S.l.]: Boitempo Editorial 
  7. a b Aliança Internacional dos Partidos Libertários - Interlibertarians
  8. a b Alianza Libertária de Iberoamérica - Alianza Libertaria
  9. Novos partidos
  10. a b Partido nascido no Orkut prega o ultraliberalismo
  11. «DOU 19/01/2010.». Consultado em 27 de junho de 2020. Arquivado do original em 4 de novembro de 2012 
  12. Era o que faltava
  13. Manifestantes protestam contra programa de direitos humanos do governo federal
  14. José Fucs. Em defesa do ultraliberalismo. Época, Edição 622, 17 de abril de 2010.
  15. Juliana Cipriani e Alessandra Mello. FHC apoia faxina e CPI, In: 1º Caderno, Estado de Minas. Belo Horizonte, 30 de agosto de 2011, p. 4.
  16. Grupo político protesta contra modelo de concessões de transporte público
  17. Em protesto contra a tarifa zero, grupo pede privatização de serviços públicos
  18. Jovens se organizam e tentam criar legendas da ‘nova direita’
  19. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome libertariosAnarquistasMises
  20. a b «Comércio e economia - Programa - Partido Libertários». Consultado em 30 de Junho de 2021. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2020 
  21. «Programa - Partido Libertários». Consultado em 30 de Junho de 2021. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2020 
  22. «Direitos individuais - Programa - Partido Libertários». Consultado em 30 de Junho de 2021. Cópia arquivada em 13 de junho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]