Live Sessions at Mosh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Live Sessions at Mosh
Álbum de estúdio de Tony Babalu
Lançamento 3 de setembro de 2014
Gravação 28 e 29 de dezembro de 2012[1] 
Estúdio(s) Mosh Studios (São Paulo/SP)[2] [3]  
Gênero(s) rock, bluesworld musicmúsica instrumental[4]  
Duração 47:55
Formato(s) CD, streaming, download digital
Gravadora(s) Amellis Records
Produção Tony Babalu[5]  
Cronologia de Tony Babalu
Live Sessions II
(2017)

Live Sessions at Mosh é um álbum instrumental do guitarrista Tony Babalu, gravado ao vivo no Mosh Studios (São Paulo/SP) e lançado em 2014 pela Amellis Records, com distribuição da Tratore.[6]

Concepção e gravação[editar | editar código-fonte]

O processo de gravação, feito de forma analógica, ocorreu durante dois dias em dezembro de 2012 e foi elaborado e produzido de forma a garantir todos os elementos de uma apresentação ao vivo, sem overdubs ou emendas.[7] [8] O resultado é um álbum com seis longos temas[9] repletos de improvisações, diálogos e experimentações diversas calcadas em influências de rock, blues, baladas e grooves, que por sua vez remetem às formações individuais de cada músico e em que se destacam diferentes nuances de dinâmica e sutileza.[10]  A atmosfera especial e cheia de adrenalina que envolve o processo de captação e registro da obra pode ser conferida no vídeo-bônus que acompanha o CD físico, filmado durante a execução da faixa de abertura, Valsa à Paulistana[11], e recentemente disponibilizado no YouTube oficial do artista.[12] 

A banda recrutada por Tony Babalu para o projeto conta com os experientes Franklin Paolillo na bateria, Adriano Augusto nos teclados e Leandro Gusman no contrabaixo.[13] [14]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Título Duração
1. "Valsa à Paulistana"   8:52
2. "Pompeia's Groove"   4:58
3. "Suzi"   9:00
4. "Brazilian Blues"   11:49
5. "Halley 86"   8:57
6. "Vecchione Brothers"   4:19
Duração total:
47:55

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Músicos
Estúdio 
Clipe Valsa à Paulistana

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. R. R. Júnior, Fernando (24 de novembro de 2014). «Tony Babalu - Live Sessions at Mosh». Rock on Stage. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  2. «Mosh Studios - site oficial». 7 de outubro de 2020. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  3. Gavin, Cesar (6 de agosto de 2014). «Guitarrista Tony Babalu lança disco novo». Vitrola Verde. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  4. Chacur, Fabian (25 de fevereiro de 2015). «Tony Babalu esbanja classe e experiência em seu novo CD». Mondo Pop. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  5. Pimentel, Luís (24 de junho de 2014). «Revista MB recomenda: 'Live Sessions at Mosh'». Revista Música Brasileira. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  6. Bozzo Jr., Carlos (30 de agosto de 2014). «Guia da Folha - Livros, Discos, Filmes». São Paulo/SP. Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  7. Rolfsen, Lucas (novembro de 2014). «Temperos do Coração». Revista da Cultura. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  8. Vaughan, Daniel (10 de outubro de 2014). «Lista do R7 também destaca o disco de Tony Babalu». Portal R7. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  9. Barbieri, Antonio Celso (14 de julho de 2014). «Tony Babalu: Live Sessions at Mosh, 6 faixas perfeitas!». Barbieri - Memórias do Rock Brasileiro. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  10. Dourado, Camila (setembro de 2015). «5 perguntas para Tony Babalu». Guitar Player. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  11. «Tony Babalu - 'Valsa à Paulistana' (vídeo-bônus)». 9 de abril de 2020. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  12. «Tony Babalu - YouTube Oficial». 7 de outubro de 2020. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  13. Cardoso, Isabel (27 de junho de 2014). «Tony Babalu lança disco instrumental». Teresina/PI. Meio Norte. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  14. «Bom CD instrumental de Tony Babalu». Blog do Emilio Pacheco. 30 de junho de 2014. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  15. «CD Live Sessions at Mosh - Tony Babalu». Blog do Luiz Domingues. 13 de julho de 2014. Consultado em 29 de setembro de 2020 

 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]