Tony Babalu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tony Babalu
Tony Babalu 2014 (Live).JPG

Tony Babalu 2014 - Foto Osmar Santos Jr.
Informação geral
Nome completo A. Medeiros Jr.
Nascimento 29/12/1953
Origem São Paulo (Brasil)
País Brasil Flag of Brazil.svg
Gênero(s) Instrumental / Rock / Blues / Funk
Instrumento(s) Guitarra
Modelos de instrumentos Fender Stratocaster 1972
Período em atividade 1970 - atualmente
Gravadora(s) Amellis Records
Página oficial http://www.tonybabalu.com

Tony Babalu é representante da 2ª geração de guitarristas do rock brasileiro[1]. Compositor, arranjador, produtor, diretor e guitarrista, é, segundo Okky de Souza (crítico musical), "o mais completo guitarrista brasileiro, capaz de brilhar em todos os gêneros ligados ao pop e de mergulhar fundo na herança inestimável dos bluesmen que moldaram o som do final do século XX"[2].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tony Babalu iniciou sua carreira na década de 70, no bairro da Pompéia, em São Paulo, como guitarrista da banda Made in Brazil, sendo compositor (com Oswaldo Vecchione) de 9 das 12 faixas do disco "Paulicéia Desvairada", considerado pela “Folha de S. Paulo” uma das quatro obras fundamentais do rock brasileiro dos anos 70[3]. Entre essas faixas destacam-se “Gasolina”, “Amanhã é um Novo Dia” e “Uma Banda Made in Brazil” (relançadas em CD pela BMG/Ariola).

Nos anos 80, Babalu participou do festival MPB 80 (TV Globo) com a música "Cidade Louca" (Tony Babalu/Eliana Ribeiro - arranjo Amilson Godoy), lançada em EP pela Tapecar com o grupo Artigo de Luxo, e integrou a banda Quarto Crescente (que lançou disco homônimo pela Fermata)[4].

Em 1989, fundou a banda de funk rock Bem Nascidos e Mal Criados[5], que se tornou conhecida no cenário cultural alternativo da cidade.

Em 2003, gravou seu primeiro trabalho instrumental, o CD autoral Balada na Noite, em que executou e programou todos os instrumentos e trabalhou a fusão “Jazz-Rock-Blues”, com lançamento exclusivo na web.

Entre 2005 e 2007, foi responsável pela direção e produção dos CDs "Noite Proibida" (Marise Marra) e "Maga Lieri" (Maga Lieri), ambos lançados pelo selo Amellis Records.

Até 2011, Babalu realizou shows que percorreram diversas fases de sua carreira em locais como MIS-SP (Museu da Imagem e do Som), Galeria Olido, Centro Cultural SP, SESCs, SESIs e outros, e eventualmente participou do trabalho de amigos como a banda Made in Brazil, a banda belga Mind Priority, a cantora Penha Pinheiro e músicos como Duofel e Madan, com quem gravou a canção "Vamos Todo Mundo" (Madan/Paulo Flexa), música-tema da Marcha Mundial Pela Paz e Pela Não-Violência (2009).

Em 2012, o guitarrista fundou o power trio de rock instrumental BETAGROOVEBAND, ao lado de Marina Abramowicz (bateria) e PV Ribeiro (baixo), com o qual tem se apresentado em diversos espaços culturais da cidade de São Paulo.

Em 2014, Babalu lançou o álbum instrumental "Live Sessions at Mosh", composto de 6 temas que misturam ritmos brasileiros e latinos à essência negra do funk, rock e blues. Gravado ao vivo no estúdio Mosh (São Paulo/SP), com captação analógica, o que inclui as tradicionais fitas de rolo, o processo de gravação foi elaborado e executado de forma a garantir todos os elementos de uma apresentação ao vivo[4]. A banda recrutada por Tony Babalu, também produtor do CD, conta com Franklin Paolillo na bateria, Adriano Augusto nos teclados e Leandro Gusman no contrabaixo. O disco foi lançado pelo selo Amellis Records com distribuição da Tratore.

Em 2017, enquanto preparava seu próximo disco, "Live Sessions II", o guitarrista participou do renomado projeto Instrumental Sesc Brasil, realizando o pré-lançamento de seu novo álbum no Teatro Anchieta, do Sesc Consolação. O programa resultante do show estreou na SescTV em julho, com apresentação da jornalista Patrícia Palumbo, e foi disponibilizado integralmente na internet[6]. No mesmo período, Tony Babalu teve sua trajetória retratada no documentário "Passagem de Som", também produzido e exibido pela SescTV e disponível online[7].

Em agosto, o CD "Live Sessions II", composto de seis temas instrumentais que passeiam pelas diversas vertentes entre a pegada do rock e o suingue do funk, chegou às lojas e plataformas digitais com lançamento do selo Amellis Records e distribuição da Tratore. Seguindo o conceito de seu antecessor, o novo álbum se constrói a partir de uma atmosfera vintage e orgânica que norteia todas as fases de sua concepção. Com captação analógica e ao vivo, sem overdubs ou emendas, explora os limites da improvisação e dinâmica costurando-os com riffs e grooves marcantes. Ao lado de Tony Babalu, também compositor e produtor de todas as músicas do disco, estão Adriano Augusto (teclados), Leandro Gusman (baixo) e Percio Sapia (bateria).

Em dezembro, Tony Babalu vence o Troféu Cata-Vento 2017 na categoria Rock. O prêmio é uma iniciativa do produtor musical Solano Ribeiro e da Rádio Cultura, e desde 2007 destaca os melhores da produção musical independente.[8]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 2017 - CD "Live Sessions II", de Tony Babalu, lançado pela Amellis Records/Tratore.
    • Produção Musical
    • Arranjos
    • Composição de todas as faixas
    • Guitarra
  • 2014 - CD "Live Sessions at Mosh", de Tony Babalu, lançado pela Amellis Records/Tratore.
    • Produção Musical
    • Arranjos
    • Composição de todas as faixas
    • Guitarra
  • 2014 - CD "Falhas da Percepção", do violonista e pianista Nicholas Abdo, lançado pela Amellis Records/Tratore.
    • Produção Musical
  • 2008 - “Rock de Verdade”, da banda Made in Brazil, lançado em CD pela Made in Brazil Records:
    • Guitarra Solo: Faixa 12 - "Festa na Pompéia";
  • 2006 - CD “Novo Endereço”, da cantora Penha Pinheiro, lançado pela Amellis Records/Tratore:
    • Composição: Faixas 2 – “Novo Endereço”, 4 – “Pago Pra Ver”, 7 – “Não Consigo Te Deixar”, 9 – “Tão Down”;
  • 2005 - “Balada na Noite”, de Tony Babalu, lançado digitalmente pela Amellis Records/iMúsica:
    • Arranjos;
    • Guitarras;
    • Programação Sequencer (baixo, teclados e bateria) em todas as faixas;
    • Composição de todas as faixas;
  • 2005 - CD “Noite Proibida”, da guitarrista, cantora e compositora Marise Marra, lançado pela Amellis Records/Tratore:
    • Direção Musical;
    • Produção Artística e Geral;
  • 2005 - CD “Maga Lieri”, da cantora e compositora Maga Lieri, lançado pela Amellis Records/Tratore:
    • Direção Artística
    • Co-Produção Musical (com Luiz Carlos Maluly): Faixa 7 – “De Repente Nunca Mais”;
    • Co-Produção Musical (com Luiz Carlos Maluly): Faixa 8 – “Meus Sinais”;
    • Guitarra Solo; Composição: Faixa 2 – “Tua Canção”;
    • Guitarra Solo: Faixa 3 – “Sotaque Soul”;
  • 2001 - CD “Fogo na Madeira II – Acústico - Made in Brazil Ao Vivo”, da banda Made in Brazil, gravado ao vivo no Teatro do SESI (São Paulo/SP) e no Bourbon Street (São Paulo/SP), e lançado pela Made in Brazil Records:
    • Violão;
    • Baixo: Faixa 3 - "Amanhã É Um Novo Dia";
  • 2000 - CD “Fogo na Madeira – Acústico - Made in Brazil Ao Vivo”, da banda Made in Brazil, gravado ao vivo no Delta Blues Bar (Campinas/SP) e no Bourbon Street (São Paulo/SP), e lançado pela Made in Brazil Records:
    • Violão em todas as faixas;
  • 2000 - “MPBlues”, CD do guitarrista Duca Belintani, lançado pela gravadora Eldorado:
    • Composição: Faixa 3 - “Tão Down";
    • Composição: Faixa 11 – “Bonnie”;
  • 1998 - “Sexo, Blues & Rock’n Roll”, da banda Made in Brazil, lançado em CD pela Made in Brazil Records:
    • Assistente de Direção;
    • Guitarra Rítmica em todas as faixas;
    • Guitarra Solo: Faixa 1 - "Remédio Pra Dormir";
  • 1986 - “Made Pirata Vol. II”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RGE em 1986 e relançado em CD pela BMG em 1999:
    • Assistente de Produção;
    • Assistente de Direção;
    • Guitarras em todas as faixas;
  • 1986 - “Made Pirata Vol. I”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RGE em 1986 e relançado em CD pela BMG em 1999:
    • Assistente de Produção;
    • Assistente de Direção;
    • Guitarras em todas as faixas;
    • Guitarra Solo: Faixa 3 - "Não Transo Mais";
  • 1986 - “Deus Salva... o Rock Alivia”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RGE em 1986:
    • Direção e Coordenação de Estúdio;
    • Guitarras: Faixa 11 - "Malvina's (O Pessoal do Rock)";
    • Composição: Faixa 8 – “Cometa Rock”;
  • 1981/1999 - “Minha Vida É Rock and Roll”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RCA em 1981 e relançado em CD pela BMG em 1999:
    • Guitarras em todas as faixas;
    • Baixo: Faixas: 1 - "Fim de Semana", 3 - "Menina", 6 - "Assopraram a Velhinha", 9 - "Caraíbas 93", 11 - "Gatinha Fujona", 12 - "Me Faça Sonhar (Parte I)" e 13 - "Me Faça Sonhar (Parte II)";
    • Composição: Faixa 11 - “Gatinha Fujona”;
  • 1981 - “Quarto Crescente”, da banda Quarto Crescente, lançado em LP pela Fermata:
    • Guitarras;
  • 1980 - Compacto “Cidade Louca”, da banda Artigo de Luxo, lançado em compacto simples pela Tapecar:
    • Diretor Artístico e Geral;
    • Produtor Artístico e Geral;
    • Violão;
    • Composição;
  • 1978/1999 - “Paulicéia Desvairada”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RCA em 1978 e relançado em CD pela BMG em 1999:
    • Arranjos de base;
    • Guitarras em todas as faixas;
    • Violões: Faixas 2 – “Amanhã É Um Novo Dia”, 5 - "Você Me Machucou" e 8 - "Chuva";
    • Percussão: Faixas 7 - "Uma Banda Made in Brazil" e 11 - "Não Estou Nem Aí...";
    • Composição: Faixas 1 - “Gasolina”, 2 - “Amanhã É Um Novo Dia”, 3 - “Eu Vou Estar com Você”, 4 - “Eu Não Sei se Mudaria”, 5 - “Você Me Machucou”, 7 - “Uma Banda Made in Brazil”, 8 - “Chuva”, 9 - “Finge que Tropeça” e 10 - “Massacre”;
  • 1977/2005/2015 - “Massacre”, da banda Made in Brazil, gravado em 1977 pela RCA, lançado oficialmente em 2005 pela Made in Brazil Records, em CD, e em 2015 pela Mafer Records, em vinil:
    • Baixo;
    • Violões;
    • Guitarra Rítmica;
    • Guitarra Solo;
    • Composição: Faixas 1 – “Massacre”, 2 – “Amanhã É Um Novo Dia”, 3 – “Uma Banda Made in Brazil”, 4 – “Dia de Assumir”, 6 – “Eu Vou Estar com Você”, 8 – “Eu Não Sei Se Mudaria”, 9 – “Chuva”, 11 – “Você Me Machucou” and 12 – “Finge que Tropeça”;
  • 1976/1999 - “Jack O Estripador”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RCA em 1976 e relançado em CD pela BMG em 1999:
    • Guitarra rítmica em todas as faixas;
    • Guitarra Solo: Faixa 8 – “Não Transo Mais”;
    • Baixo: Faixa 3 – “O Cigano”;
  • 1974/1999 - “Made in Brazil”, da banda Made in Brazil, lançado em LP pela RCA em 1974 e relançado em CD pela BMG em 1999:
    • Guitarra Rítmica em todas as faixas;
    • Composição: Faixa 5 – “Intupitou o Trânsito”;

Referências

  1. «Emoção em solos de guitarra» (PDF). São Luís. O Estado do Maranhão. 3 de agosto de 2014. Consultado em 8 de maio de 2017 
  2. «Tony Babalu lança disco de inéditas». Portal SUCESSO!. 24 de junho de 2014. Consultado em 8 de maio de 2017 
  3. Menezes, Thales de (16 de março de 1999). «Made in Brazil: A banda paulistana formada nos anos 70 tem seus quatro primeiros álbuns relançados em dois CDs pela BMG e continua na ativa». São Paulo/SP. Folha de S. Paulo. Consultado em 8 de maio de 2017 
  4. a b Gavin, Cesar (20 de dezembro de 2015). «Tony Babalu - Live Sessions at Mosh». Consultado em 8 de maio de 2017 
  5. Monteiro, Antonio Carlos (16 de dezembro de 2014). «Tony Babalu: Uma vida rock'n'roll». Itapira/SP. Megaphone Cultural. Consultado em 8 de maio de 2017 
  6. «Tony Babalu - Programa Instrumental Sesc Brasil». 9 de julho de 2017. Consultado em 16 de setembro de 2017 
  7. «Programa Passagem de Som - documentário sobre Tony Babalu». 9 de julho de 2017. Consultado em 16 de setembro de 2017 
  8. «Tony Babalu vence o Troféu Cata-Vento 2017». 8 de dezembro de 2017. Consultado em 9 de dezembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Oficiais[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Sobre o CD "Live Sessions II" (2017)

Sobre o CD "Live Sessions at Mosh" (2014)

Relacionados[editar | editar código-fonte]