Rock no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rock brasileiro)
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Rock brasileiro
Cazuza, um dos principais nomes do rock brasileiro
Origens estilísticas Rock
Contexto cultural Década de 1950
Instrumentos típicos Vocal
guitarra elétrica
baixo
bateria
teclado
Outros tópicos
Bandas

O rock brasileiro (mais conhecido no Brasil como rock nacional) teve início no final da década de 1950, conquistando maior popularidade na década de 1980.

Década de 1950[editar | editar código-fonte]

O "pontapé inicial" do rock no Brasil foi Nora Ney (conhecida cantora de samba-canção) quando gravou o considerado primeiro rock, "Rock Around the Clock", de Bill Haley & His Comets (trilha dos filme Sementes da Violência), em outubro de 1955, para a versão brasileira do filme.[1] Em uma semana a canção já estava no topo das paradas (mas Nora Ney nunca mais gravou nada no gênero, tirando a irônica "Cansei do Rock", em 1961). Em dezembro, a mesma canção recebia versão em português, "Ronda das Horas" (por Heleninha Ferreira) e outra gravada pelo acordeonista Frontera, não tão bem sucedidas quanto a "original".[2] Em janeiro do ano seguinte, a canção ganhou uma versão por Marisa Gata Mansa.[3]

Tim Maia, Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Jorge Ben foram influenciados pelo rock and roll e rockabilly. Tim, Roberto, Arlênio Silva, Edson Trindade e Wellington integraram o grupo vocal The Sputniks. Tanto Tim quanto Jorge eram conhecidos como "Babulina", por conta da pronuncia inusitada de "Bop-A-Lena", interpretado por Ronnie Self. Ambos também foram influenciados por Little Richard,[4][5] cujo estilo era fortemente influenciado pelo boogie woogie. Roberto Carlos aprendeu a batida do rock no violão ao ver Tim executar Long Tall Sally, de Little Richard. O grupo The Sputniks foi desfeito após Tim descobrir que Roberto iria se apresentar como o "Elvis Presley brasileiro" no programa o Clube do Rock de Carlos Imperial. Tim convenceu Imperial a se apresentar como o "Little Richard" brasileiro. Conhecendo Tim desde a infância, Erasmo integrou o grupo The Snakes, grupo criado após o fim do The Sputniks, com Arlênio, China e Edson Trindade.[6]

Em 1957, foi gravado o primeiro rock original em português, "Rock and Roll em Copacabana", escrito por Miguel Gustavo (futuro autor de "Pra Frente Brasil") e gravada por Cauby Peixoto,[1] no mesmo ano, é lançado o filme Sherlock de Araque, nele Carlos Imperial e Paulo Silvino (com o pseudônimo Dixon Savannah) aparecem cantando Calypso Rock e Let’s Rock Together,[7] no ano seguinte, Cauby foi acompanhado pelo grupo The Snakes na canção na canção That's Rock, composta por Carlos Imperial no filme "Minha Sogra é da Policia" (1958).[8]

Entre 57 e 58, diversos artistas gravaram versões de músicas americanas, como "Até Logo, Jacaré" ("See You Later, alligator"),"Meu Fingimento" ("The Great Pretender" do grupo de doo-wop The Platters) e "Bata Baby" (Long Tall Sally de Little Richard).[9]

Embora em 57 o grupo Betinho & Seu Conjunto, de "Enrolando o Rock" (também gravada por Cauby Peixoto) tenha alcançado grande fama[9], os primeiros ídolos do rock brasileiro foram os irmãos Tony e Celly Campelo que, em 1958, lançaram o compacto Forgive Me/Handsome Boy, que vendeu 38 mil cópias. Tony gravaria mais dois singles até seu álbum em 1959, e Celly estourou em 1959 com "Estúpido Cupido" (120 mil cópias vendidas), chegando a ter boneca própria (com a qual aparece na capa de seu LP "Celly Campello, A Bonequinha Que Canta").

Erasmo pediu, a Tim, que lhe ensinasse a tocar violão. Ele aprendeu as primeiras notas: mi, lá e ré. Com elas, pôde tocar várias canções de rock. Quando Roberto precisou da letra de Hound Dog, gravada por Little Richard e Elvis, Arlênio o apresentou a Erasmo.

Parecia o fim do rock and roll: o Clube do Rock era cancelado nos Estados Unidos; Chuck Berry era preso por abuso de menor; Jerry Lee Lewis se casava com uma prima menor de idade; Little Richard resolvia abandonar o rock e se tornar pastor evangélico; e Buddy Holly, Ritchie Valens e The Big Bopper morriam em um acidente de avião. Logo, os jovens seriam influenciados pela bossa nova e pelo violão de João Gilberto.

Em 1959, Tim Maia viaja para os Estados Unidos, onde forma o grupo vocal The Ideals.[10]

Os Campello também apresentariam Crush em Hi-Fi na Rede Record, programa totalmente voltado para a juventude, que revelou diversas bandas.Outros programas também surgiram para aproveitar a "febre" como Ritmos para a Juventude (Rádio Nacional-SP)[1], Clube do Rock (Rádio Tupi -RJ) e Alô Brotos! (TV Tupi).

Década de 1960[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Iê-iê-iê
Roberto Carlos, líder e principal ídolo da Jovem Guarda.
Álbum de estreia dos Mutantes, lançado em 1968.

Em 1960, surgira até a Revista do Rock,[9] que elegeu o estreante Sérgio Murilo como "Rei do Rock" brasileiro.

Roberto Carlos chegou a tentar uma carreira como cantor de bossa nova, agenciado por Carlos Imperial, em 1961 lança seu primeiro álbum Louco por Você de 1961, que foi um fracasso, até que dois anos depois, lança um disco de rock, Splish Splash. A faixa-título, versão de uma canção de Bobby Darin, e Parei na Contramão rapidamente tornam-se hits. O álbum traz outras canções dele, Erasmo e Luiz Ayrão.[6] Erasmo e os Snakes gravam o compacto Calypso Rock, surgem também os cantores Demétrius, Eduardo Araújo, Ronnie Cord, Albert Pavão entre outros.[11]

O começo da década também foi marcado pelo surgimento de grupos de rock instrumental e surf music como The Jet Blacks, The Jordans e The Clevers[6] (futuros Os Incríveis), e do cantor Ronnie Cord, que lançaria dois "hinos": Biquíni de Bolinha Amarelinha, versão de Hervé Cordovil para Itsy Bitsy Teenie Weenie Yellow Polkadot Bikini e a rebelde Rua Augusta.[12]


Roberto Carlos se tornaria o maior ídolo do Rock Brasileiro dos anos 60 e, posteriormente, o maior nome da música brasileira. Em 1964, obteve mais sucessos como É Proibido Fumar (mais tarde regravada pelo Skank) e O Calhambeque Aproveitando o sucesso, a Rede Record lançou o programa Jovem Guarda, apresentado por Roberto ("Rei"), seu amigo Erasmo Carlos ("Tremendão") e Wanderléa ("Ternurinha"). Só nas primeiras semanas, atingira 90% da audiência.

Seguindo o sucesso do programa Jovem Guarda , surgem outros artistas, Renato e seus Blue Caps, Golden Boys, Jerry Adriani e Dick Danello, que tinham seu som inspirado nos Beatles (o gênero apelidado "iê-iê-iê") e no rock primitivo (rock and roll e rockabilly). A Jovem Guarda também levou a todo tipo de produto e filmes como Roberto Carlos em Ritmo de Adventura (seguindo a trilha de A Hard Day's Night e Help! dos Beatles). O chamado "Som da Jovem Guarda" é marcado pelo uso do Órgão Hammond por Lafayette.[13][14]

Apesar disso, os artistas da MPB "declararam guerra" ao iê-iê-iê da Jovem Guarda, chegando a um protesto de Elis Regina, Jair Rodrigues, entre outros, conhecido "Passeata contra as guitarras elétricas".[15] O programa terminaria em 1968, com a saída de Roberto Carlos.

Em continuidade a corrente contrária ao estilo da jovem guarda, surgia a Tropicália, um estilo basicamente composto por uma mistura de ritmos nacionais com o toque único de rock psicodélico.[16] Apesar da forte repressão por parte da indústria musical, em 1966, uma nova banda surge, Os Mutantes. Composta por Rita LeeArnaldo Baptista e Sérgio Dias, o grupo com seu deboche e som inovador, foi revelado no programa de Ronnie Von,[17][16] contudo, o trabalho teve pouco impacto no mercado.[18] Artistas do iê-iê-iê, como Erasmo Carlos e Eduardo Araújo, também experimentariam a psicodelia nos anos seguintes.[19] No mesmo ano, o cantor Serguei fez sua estreia em compactos.[20]

Em 1967, a dupla Caetano Veloso e Gilberto Gil faria as canções "Alegria, Alegria" e "Domingo no Parque", apresentadas no III Festival da Rede Record. No ano seguinte, o álbum Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band fascinou a dupla, levando a apresentações vaiadas em festivais de Record e Excelsior, e ao álbum coletivo Tropicália ou Panis et Circensis, com Mutantes, Gal Costa, Tom Zé, Torquato Neto, Capinan, Rogério Duprat e Nara Leão, considerado um dos melhores álbuns brasileiros da história.

Além de Os Mutantes, outras bandas de apoio acompanharam os tropicalistas, tais Beat Boys e Os Baobás, que acompanharam Caetano Veloso e Os Brazões, que acompanharam Gal Costa.[17] Os Mutantes também criariam carreira grandiosa, com álbuns elogiados a partir de 1968 e chegando a ser descoberta até por Kurt Cobain, do Nirvana. O grupo começaria a se desmanchar com a saída de Rita Lee, em 1973.

Também nesse período, canções nos gêneros soul music e funk são encontradas nas trabalhos de Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Eduardo Araújo e Tim Maia (recém-chegado dos Estados Unidos.[18][19][20][4] Jorge Ben ficaria conhecido como criador do samba-rock,[21] subgênero que também chegou a ser explorado por Erasmo Carlos.

Em 1968, o grupo baiano Raulzito e os Panteras, liderado por Raul Seixas lança seu único álbum de mesmo nome, apesar disso, Raul é ajudado por Jerry Adriani, o grupo se torna banda de apoio de cantor, que também grava algumas de suas composições de Raul, além, artistas como Trio Ternura e Renato e Seus Blue Caps (grupo que teve Erasmo Carlos como membro por um curto período),[22] tiveram canções compostas pelo artista.[23]

No ano de 1969, a cantora Gal Costa lançava o álbum Gal (álbum de 1969) considerado por muitos como o mais psicodélico, experimental e radical de toda a sua carreira, graças as influências gritantes que a cantora buscou de Janis Joplin e Jimi Hendrix em meio às guitarras raivosas e cortantes de Lanny Gordin e às mixagens sujas propositalmente.[24]

Também em 1969, a banda gaúcha Liverpool grava o álbum Por Favor, Sucesso, nome tirado da canção de Carlinhos Hartlieb defendida pelo grupo no II Festival Universitário da Música Popular, o álbum misturava psicodelia e música brasileira,[25] mais tarde o grupo mudaria o nome para Bixo da Seda, focando-se no rock progressivo.[26]

Década de 1970[editar | editar código-fonte]

Primeiro disco dos Secos & Molhados, lançado em 1973.

O endurecimento do Regime militar levou Caetano e Gil ao exílio em Londres, onde viveram de 1969 a 1972. Durante o período, gravaram dois discos considerados dos seus melhores: Transa (Caetano) e Expresso 2222 (Gil).

Após sair dos Mutantes no final de 1972, Rita Lee iniciou sua carreira solo, acompanhada do grupo Tutti Frutti. É nesse período que ela lança o seu mais memorável álbum: Fruto Proibido (1975), disco este que contém os sucessos "Agora Só Falta Você", "Esse Tal de Roque Enrow" e "Ovelha Negra". Arnaldo Baptista também gravou o aclamado Lóki? (1974). Os Mutantes ainda atravessaram a década convertidos ao rock progressivo, passando por várias formações e dissolvendo-se em 1978.

Também em 1972, a banda Lee Jackson formada por Marcos Maynard, Luiz Carlos Maluly, Cláudio Condé, Marco Bissi e Sérgio Lopes, fez sucesso com o single "Hey Girl",[27] que teve uma versão em português gravada pela banda The Fevers. Em 1976, a banda lançou o álbum Bill Haley presents Lee Jackson - featuring Rock samba. Com a participação do veterano Bill Halley, o álbum trazia versões de canções de rock estrangeiras com influências de samba.[28] A banda foi desfeita em 1979, contudo seus membros se tornaram executivos de gravadoras e produtores musicais.[29]

Em 1973, surgiram os Secos & Molhados, liderados por João Ricardo, com Ney Matogrosso como vocalista. A banda fazia a chamada "poesia musicada", gravando canções elaboradas como "Rosa de Hiroshima" e "Prece Cósmica", bem como canções menos poéticas e mais divertidas como "O Vira". Dois álbuns e um ano depois, em 1974, o grupo com sua formação clássica (João, Ney e Gerson Conrad) se desfez.

Também em 1973, Raul Seixas inicia uma carreira solo, chegando a vender 600.000 compactos de "Ouro de Tolo" em poucos dias. Seixas se tornaria "o bardo dos hippies" com músicas debochadas como "Mosca na Sopa" e "Maluco Beleza", esotéricas como "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás" e "Gita", e motivacionais como "Metamorfose Ambulante" (composta pelo músico aos 14 anos) e "Tente Outra Vez".

A banda Paulo Bagunça e a Tropa Maldita lança o álbum homônimo misturando psicodelia, samba e soul. Apesar do fracasso, o álbum se tornou cult.[30] Ex-membro da banda, o músico Macau ficaria conhecido anos depois com a canção "Olhos Coloridos", gravada por Sandra de Sá.[31]

Movimentos surgiram em outros locais do Brasil: em Minas Gerais, o Clube da Esquina, com influências de Beatles e do rock britânico da época, era liderado por Milton Nascimento e Lô Borges, tendo Beto Guedes com um de seus membros. No Nordeste, havia a "nova onda" dos Novos Baianos e a chamada "Invasão Nordestina", formada por artistas que misturaram a música do nordeste brasileiro ao rock, como Fagner, Zé Ramalho, Belchior[32] e Alceu Valença.[33]

Mesmo com o pouco espaço na mídia, várias bandas, artistas e estilos se destacavam no circuito underground da época: o progressivo regional de O Terço (que chegou a gravar um álbum em inglês voltado para o mercado italiano); o hard rock do Made in Brazil e da Patrulha do Espaço; o rock rural de Sá, Rodrix e Guarabyra (uma espécie de folk rock brasileiro);[34] o rock psicodélico, progressivo e funk do trio Som Nosso de Cada Dia;[35][36] o rock progressivo do Moto Perpétuo, grupo liderado por Guilherme Arantes; o hard progressivo do Casa das Máquinas. Também se destacam o músico e poeta Walter Franco; os bem humorados do Joelho de Porco (considerados pioneiros do punk rock no Brasil); os grupos A Bolha e Som Imaginário, que, em meados da década, excursionaram com Erasmo Carlos e Milton Nascimento respectivamente. Apesar do estilo progressivo, A Bolha também fez incursões no hard rock[37], enquanto o Som Imaginário buscava o experimentalismo e um flerte com a MPB, assim como A Barca do Sol, banda formada pelo arranjador Jaques Morelenbaum. A soul music também foi explorada por outros artistas ligados a Jovem Guarda, como os artistas Trio Ternura, Trio Esperança, Gerson King Combo, ex-coreógrafo do programa Jovem Guarda,[38] e Miguel de Deus,[39] ex-Os Brazões.[40]

pirados no Festival de Woodstock, surgem eventos similares no país, como o Festival de Verão de Guarapari, realizado em 1971 na cidade de Guarapari.[41] Em 1975, surgiram o Festival de Águas Claras, na Fazenda Santa Virgínia, em Iacanga, interior de São Paulo,[42] o festival Banana Progressiva, realizado no Teatro da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.[37] e o Hollywood Rock, patrocinado pela companhia Souza Cruz, no Rio de Janeiro. Deste último, participaram os grupos Vimana, O Peso, Rita Lee & Tutti Frutti, além dos cantores Erasmo Carlos, Raul Seixas e os irmãos Celly e Tony Campelo. As apresentações foram registradas no documentário Ritmo Alucinante, lançado no mesmo ano.

No final da década, apesar de pouquíssimos representantes jovens na música brasileira, surge uma leva de grupos predecessores da geração seguinte do rock brasileiro, que incorporavam elementos da MPB, do Tropicalismo e do Clube da Esquina, porém com uma nova linguagem. Entre esses conjuntos estão A Cor do Som, que foi apadrinhado por Gilberto Gil, Caetano Veloso e pelos Novos Baianos; o grupo 14 Bis, banda de Flávio Venturini, recém saído de O Terço, foi acolhido pelo Clube da Esquina; e o Roupa Nova, originado da banda Os Famks, banda formada por músicos experientes em bailes desde a década de 1960. Ambos tornaram-se conhecidos nacionalmente entre 1979 e 1980.

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Atribui-se a esta década a popularização e a verdadeira "explosão" do rock no Brasil, a princípio com o surgimentos de banda independentes divulgadas em fanzines.[43] Algumas bandas como Titãs e Os Paralamas do Sucesso permanecem ativas até hoje, fazendo apresentações por todo o país. Outros grupos e artistas da época, como Engenheiros do Hawaii, liderado por Humberto Gessinger, e Legião Urbana, foram imortalizados e tocam nas rádios até hoje, devido ao grande sucesso entre o público, principalmente adolescentes e jovens.

Também foram criadas casas de show, como Noites Cariocas e Circo Voador (Rio) e Aeroanta, Carbono 14, Lira Paulistana, Madame Satã e Napalm (São Paulo). Importantíssimas para a formação do cenário roqueiro da época.

As primeiras bandas a fazerem sucesso foram os paulistanos Gang 90 e as Absurdettes, com o hit Perdidos na Selva (inscrita no festival MPB Shell 81) e liderados pelo jornalista Júlio Barroso e os cariocas da Blitz, formados em torno do Circo Voador, tornando-se um fenômeno através do sucesso Você Não Soube me Amar. Também já existiam conjuntos formados por músicos experientes, como Radio Taxi, Herva Doce e os cantores Eduardo Dussek e Marina Lima, que vinham destacando-se desde o final da década anterior, porém, começaram a flertar com o rock a partir deste período.

As bandas mais cultuadas da época formam um Quarteto Sagrado[carece de fontes?]. Entre elas estão Os Paralamas do Sucesso, originários do Rio de Janeiro, haviam se conhecido antes em Brasília e começaram a tocar na garagem de um dos integrantes. Os paulistanos dos Titãs, inicialmente formado por nove integrantes e influenciados pela new wave e pela MPB. Os cariocas do Barão Vermelho, surgidos em 1982 e liderados por Cazuza e Roberto Frejat. E a mais influente, Legião Urbana, liderada por Renato Russo e emplacando inúmeros sucessos que chegaram ao topo das rádios. Em pouco tempo, Cazuza e Renato passaram a serem considerados os principais letristas da história do rock brasileiro.

Vários locais do Brasil tinham seus circuitos de rock. No Rio de Janeiro, surgiram os já citados Blitz, Barão Vermelho e Os Paralamas do Sucesso, as bandas Kid Abelha e Biquini Cavadão, o cantor Leo Jaime e o fim do grupo Vímana (cultuadíssimo na década de 1970) revelou Lulu Santos, Lobão (também ex-Blitz) e Ritchie. Surgem também a banda João Penca e Seus Miquinhos Amestrados, que apresentava uma mistura de estilos das década de 1950 e 1960, como rockabilly,[1] surf rock e doo wop[44] e grupos de soul e funk como Conexão Japeri e Brylho, que teve como baixista o músico Arnaldo Brandão (ex-A Bolha e futuro integrante do Hanói-Hanói).[1] Da primeira saiu o cantor Ed Motta e da segunda, Claudio Zoli, [45] que na década de 1990, chegou a integrar o grupo Tigres de Bengala, ao lado de Ritchie e Vinícius Cantuária.[46]

Em São Paulo, além dos Titãs, surgiram as principais bandas paulistas, Ultraje a Rigor, RPM e Ira!. Outro acontecimento importante foi a chamada Vanguarda Paulista, liderada por Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção. Houve também o movimento Punk paulistano, auxiliados pelo então radialista Kid Vinil, formado pelas bandas Inocentes, Cólera, Ratos de Porão, Olho Seco, Lixomania e culminando no festival O Começo do Fim do Mundo, realizado no SESC Pompeia em 1982. Posteriormente, outros grupos de temática punk foram formados, como Garotos Podres, 365 e Não Religião. Surgiu uma cena independente e experimental que girava em torno dos selos Baratos Afins e Wop Bop Discos, como Fellini, Cabine C, Agentss, Azul 29, Violeta de Outono, Voluntários da Pátria, Smack, Akira S e As Garotas Que Erraram, Gueto, Muzak, Nau, Mercenárias, o rockabilly do Coke Luxe, liderados por Eddy Teddy[47] e até mesmo os grupos Korzus e Golpe de Estado, representantes do heavy metal e do hard rock respectivamente. Tal como no Rio de Janeiro, influenciados pelo soul e pelo funk surge Skowa e a Máfia[45] e no Hard Rock também se destaca a banda Taffo, liderados pelo guitarrista Wander Taffo, com a presença dos irmãos Andria e Ivan Busic, futuros integrantes do Dr. Sin.

Em Brasília, o Aborto Elétrico (em que Renato Russo tocara) gerou a Legião Urbana e o Capital Inicial (que acabou se fixando em São Paulo). Outros destaques vindos da capital brasileira são a Plebe Rude com os sucessos Até Quando Esperar e Proteção e grupos que tornaram-se cult, como Finis Africae e Detrito Federal. Outros grupos surgidos no período foram Little Quail and The Mad Birds, formado por Gabriel Thomaz (guitarra e vocais) Zé Ovo (baixo e vocais) e Berma (bateria, posteriormente substituído por Bacalhau), que apresentava uma mistura de punk rock e rockabilly[48] e Raimundos, formado por Digão na bateria e Rodolfo Abrantes na guitarra[49]. As duas bandas mantinham amizade, a ponto dos Raimundos gravarem canções de Little Quail, porém ambos se profissionalizaram somente na década seguinte.[50]

Na Bahia, chegou ao sucesso o Camisa de Vênus, banda de Marcelo Nova.

No Rio Grande do Sul, os Engenheiros do Hawaii e Nenhum de Nós chegaram ao sucesso nacional. Também surgiram bandas de menor projeção como TNT, Taranatiriça, Cascavelletes, Os Replicantes, Bandaliera, Garotos da Rua e DeFalla.

Tiveram outros grupos que ficaram marcados pelo grande sucesso que fizeram na época, como as bandas Sempre Livre, Hanói Hanói, Metrô, Magazine (liderada por Kid Vinil), Zero, Heróis da Resistência (liderada por Leoni, ex-Kid Abelha), Picassos Falsos, Uns e Outros, Egotrip, Tokyo, grupo que revelou Supla e Hojerizah, essa última seria desfeita e na década de 1990, o vocalista Toni Platão iniciaria carreira solo. Os cantores Kiko Zambianchi, Celso Blues Boy e Fausto Fawcett também surgiram na década de 1980.

Em Minas Gerais, surge o grupo brasileiro de maior sucesso internacional, o Sepultura, que toca o subgênero thrash metal, com letras em inglês. Também em Minas, é formado o Sexo Explícito, banda alternativa com a sonoridade voltada para o pós-punk, tornando-se "embrião" do Pato Fu. Outra banda a conseguir algum destaque no exterior (Japão) foi a paulista Viper, que também escrevia letras em inglês, e que ajudou a desenvolver um estilo que viria a ser chamado de metal melódico no Brasil. O Viper foi também responsável por revelar o vocalista Andre Matos, que participaria de duas grandes bandas brasileiras, o Angra e o Shaman.

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Fernanda Takai, vocalista do Pato Fu.

Dentre as novidades da década, está o surgimento da MTV Brasil, em 1990. O período ficou marcado pelo enorme crescimento da indústria do videoclipe no Brasil, além da emissora musical oferecer oportunidades de divulgação pra inúmeras bandas que estavam em início de carreira. Com isso, todos os grupos de destaque na época, tiveram seus clipes veiculados no canal.

Surgiram também festivais alternativos importantes para a divulgação do cenário independente, como o Abril pro Rock, em Recife e as grandes gravadoras voltaram a apostar em grupos novos, através de pequenos selos, como Chaos, pertencente à Sony Music e Banguela Records, criado pelos Titãs em parceria com o produtor Carlos Eduardo Miranda e distribuído pela Warner Music.

Membros de bandas surgidas na década de 1980 formam o projeto paralelo inspirado em The Beatles, chamado Os Britos, formada inicialmente por Dado Villa-Lobos (Legião Urbana), Guto Goffi e Rodrigo Santos (Barão Vermelho) e George Israel (Kid Abelha).[51]

O primeiro grande grupo da década foram os mineiros Skank, que misturavam rock e reggae[52]. Ao longo dos anos, outros grupos mineiros surgiriam, como Jota Quest, que misturavam pop rock, soul e funk.[53], Pato Fu, Virna Lisi e Tianastacia.

Em Recife despontou o movimento Mangue beat. Liderados por Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A, as bandas misturavam percussão pernambucana com guitarras pesadas, conquistando a crítica.

Surge em São Paulo a rádio Kiss FM.[54] Outras rádios que se denominavam rádios de rock no estado, a 89 FM e 97 FM, começam a divulgar a data de 13 de julho como Dia Mundial do Rock, inspirado na declaração do músico Phil Collins durante o Live Aid, evento realizado em 13 de julho de 1985, apesar da declaração vir de um músico estrangeiro, a data só é comemorada no Brasil.[55]

Entre 1994 e 1995 dois grupos foram bem sucedidos pelo humor, os brasilienses Raimundos, com o ritmo forrocore (forró+hardcore)[56][57] e os guarulhenses Mamonas Assassinas, parodiando do heavy metal ao sertanejo, chegando a fazer 3 shows por dia e venderem 1,5 milhão de cópias.

Alguns rappers tiveram ligação íntima com o rock, como Gabriel o Pensador, o Planet Hemp (que defendia a descriminalização da maconha) e o Pavilhão 9 (que falava de violência policial).

O Sepultura teve um crescimento de popularidade nos anos 90, através dos álbuns Arise e Chaos A.D., culminando em Roots, disco que fez da banda uma das principais do heavy metal mundial na época e lhes rendeu razoável exposição no mainstream. Pouco tempo depois, Max Cavalera, membro fundador e front man, saiu da banda, dando lugar a Derrick Green.

Seguindo o caminho do Sepultura, o Angra também gravou músicas em inglês, misturando power metal com ritmos tipicamente brasileiros. A banda alcançou sucesso na cena heavy metal brasileira e reconhecimento mundial, sendo muito bem recebidos na França e principalmente no Japão.

Outros destaques da década são O Rappa e Cidade Negra, representando a ligação do reggae com o rock, Charlie Brown Jr., com influências do skate punk e vocais rap, Cássia Eller, com um repertório de Cazuza, Renato Russo e Nando Reis, e Los Hermanos, que surgiram com Anna Júlia, canção pop que não combinava com a imagem intelectual da banda.

Outro fato da década é que todas as bandas do "quarteto sagrado" do rock da década de 1980 (exceto a Legião) tiveram de se reinventar para reconquistar o grande público. Os Paralamas, depois de uma fase experimental, voltaram às paradas com Vamo Batê Lata (1995), o Barão Vermelho, com o semi-eletrônico/dance-rock Puro Êxtase (1998)[58] e os Titãs, com seu Acústico MTV (1997). Outro grupo que conseguiu se renovar foi o Kid Abelha, com os álbuns Meu Mundo Gira Em Torno de Você (1996), que trouxe a versão de Na Rua, na Chuva, na Fazenda de Hyldon e Remix (1997).[59]

Depois de um tempo, surgiram Wilson Sideral e Flávio Landau (ambos irmãos de Rogério Flausino vocalista do Jota Quest). Sideral emplacou nas rádios brasileiras sucessos como Não Pode Parar e Zero a Zero. Já Landau obteve maior reconhecimento na década seguinte.

O rock gaúcho continuou muito bem representado pela banda Cidadão Quem, pelos cantores Wander Wildner (ex-Replicantes) e Júpiter Maçã (ex-Cascavelletes), entre outros nomes de projeção local.

Também tiveram grupos de carreira mais curta, como Rumbora, Skuba, Virgulóides e O Surto, banda conhecida pelo hit A Cera. Outros alcançaram status de artistas cult, como o já citado Little Quail and The Mad Birds, Mulheres Q Dizem Sim, Yo-Ho Delic e Pin Ups. As duas últimas compunham suas músicas em inglês e o Little Quail gravou dois álbuns até ser extinto em 1996.[48]

A década também ficou marcada pela perda de Cazuza, em 1990 e Renato Russo seis anos depois, dois dos maiores ícones da história do rock brasileiro, além da morte de Chico Science, em 1997 e o trágico acidente de avião que vitimou o grupo Mamonas Assassinas um ano antes.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Pitty em uma apresentação.
Beto Bruno, vocalista do Cachorro Grande.

O ano de 2001 foi um ano "trágico" para o rock brasileiro: Herbert Vianna, dos Paralamas, sofreu acidente de ultra-leve e ficou paraplégico (mas voltou a tocar); Marcelo Fromer, dos Titãs, morreu atropelado; Marcelo Yuka, baterista de O Rappa, foi baleado, ficou paraplégico e saiu da banda e Cássia Eller faleceu.

Algumas bandas da década de 1990 passaram por muitas mudanças: o líder dos Raimundos, Rodolfo, converteu-se ao protestantismo e saiu da banda para formar o Rodox (que também acabaria algum tempo depois) e atualmente faz carreira solo com músicas gospel. A banda Skank buscou um estilo mais britpop e cheio de experimentalismo nos álbuns Cosmotron (2003) e Carrossel (2006), mas, mais tarde, voltaria às origens no álbum Estandarte (2008).

Surgiram as bandas Detonautas Roque Clube, Reação em Cadeia, CPM 22, Tihuana, Cachorro Grande e a cantora Pitty, que tomaram a atenção da mídia durante toda a década. No cenário underground, destacaram grupos como Autoramas, de Gabriel Thomaz (ex-Little Quail),[48] Bidê ou Balde, Matanza, Dead Fish, Hateen, Gram, Ludov, Moptop, Forgotten Boys, Vanguart, Móveis Coloniais de Acaju, Cidadão Instigado, Mopho, Relespública, Garotas Suecas e Cansei de Ser Sexy.

No heavy metal brasileiro, embora permaneçam underground, viu-se o surgimento de novas bandas que conseguiram projeção internacional: Shaman, Hangar, Mindflow, Hibria, Torture Squad, Burning in Hell e Shadowside. As bandas consagradas da década passada, como Dr. Sin, permaneceram como grandes nomes na cena metálica, que teve Sepultura e Angra ainda como suas principais figuras. Igor Cavalera deixou o Sepultura em 2006, sendo substituído por Jean Dolabella, que também saiu do grupo e foi substituído por Eloy Casagrande, que era da banda de heavy metal católico Iahweh. O Angra também passou por mudanças em sua formação: Andre Matos, Luis Mariutti e Ricardo Confesori saíram, sendo substituídos por Eduardo Falaschi, Felipe Andreoli e Aquiles Priester, respectivamente. Andre Matos, juntamente com os outros ex-membros do Angra, formaram o Shaman, que logo alcançou o status de grande banda. Atualmente, Andre Matos segue em carreira solo.

Ainda nos anos 2000, começaram a surgir bandas de rock com influências do emocore, do hardcore melódico e do pop punk, que ganharam muito destaque graças à internet e às redes sociais, como Orkut e Fotolog. Entre os maiores destaques, estão as bandas Nx Zero, Fresno, Forfun, Strike, e Gloria, que utilizam letras simples, que tratam de sentimentos e emoções, altamente populares para o público jovem.

Surgem bandas em homenagem à Jovem Guarda: Lafayette & Os Tremendões, formada por Lafayette, Gabriel Thomaz, Érika Martins, Melvin, Renato Martins, Nervoso e Marcelo Callado[60] e The Originals, formada por ex-membros das bandas The Fevers, Renato e seus Blue Caps e Os Incríveis.[61]

A década foi bastante profícua para o cenário roqueiro de Minas Gerais. Influenciadas pelo pop rock alternativo e pela onda de bandas independentes na cena musical americana, surgiram as bandas Falcatrua (2000), Graveola e o Lixo Polifônico (2004), Transmissor (2006), Deveras (2007) entre outras.[62]

Em 2006, a banda Os Mutantes se reúne novamente para um concerto em Londres, mas não com todos membros originais: participam Sérgio Dias, Arnaldo Baptista, Dinho Leme e a cantora Zélia Duncan assume os vocais no lugar de Rita Lee.[63] No ano seguinte, Arnaldo e Zélia saem da banda para se dedicar a projetos solos.[64] Em 2008, a cantora Bia Mendes entra para o grupo.[65]

Também em 2006, surge a banda Sambô, que assim como Lee Jackson nos anos 70, gravou canções de rock internacional em ritmo de samba.[66][67][68]

Em 2009, Supla e o irmão João Suplicy formam a dupla Brothers of Brazil, misturando punk rock, samba e bossa nova.[69]

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

O Terno em apresentação.
Suricato, destaque na primeira temporada do talent show Superstar, exibido pela Rede Globo.

Na última década, surgiu no cenário alternativo alguns grupos com inúmeras vertentes, indo do Indie ao Stoner Rock, passando pela MPB, pela psicodelia e pelo Rock Brasileiro da década de 1980. Entre essas bandas estão Vivendo do Ócio, Selvagens à Procura de Lei, Vespas Mandarinas, O Terno, Boogarins, Maglore, Far From Alaska, Apanhador Só, The Baggios, Marrero e Ego Kill Talent.

Surgiram também artistas que vêm se destacando por revisitarem o repertório de alguns nomes da geração 80 do rock nacional, como os grupos Nem Liminha Ouviu[70], nome criado em homenagem ao produtor homônimo e interpretando bandas que surgiram no cenário underground da época e Urbana Legion[71], em referencia à Legião Urbana e formada por integrantes do Tihuana, Charlie Brown Jr., A Banca e Bula. A última citada também faz parte do circuito roqueiro atual.

Membros de bandas da década de 1980 formaram o Panamericana, projeto dedicado ao rock latino-americano. O supergrupo é formado por Dado Villa-Lobos, Charles Gavin, Dé Palmeira e Toni Platão.[72]

Outra tendência que entrou em destaque no cenário musical brasileiro foram as chamadas bandas coloridas, especialmente dedicado para o público feminino jovem e tem como suas principais características as roupas coloridas, óculos new wave, uso de sintetizadores e letras agitadas e alegres.[73] No início da década, o movimento rotulado como Happy Rock, dominou as paradas de sucesso através das bandas Restart, Cine e Hori. A moda, criticada por nomes como Dinho Ouro Preto, Lobão e Tico Santa Cruz[74][75], acabou perdendo força pouco tempo depois, sendo que todos os grupos não permaneceram na grande mídia e encerraram suas atividades.

Talvez o único fenômeno roqueiro recente, Malta, vencedora da primeira temporada do programa Superstar, da Rede Globo, se tornou uma das bandas de maior popularidade do país, tendo seu álbum de estreia, intitulado Supernova, como um dos mais bem sucedidos do ano de 2014, com a certificação de disco de platina triplo, equivalente a 300 mil cópias vendidas. O grupo venceu a atração musical com 74% dos votos[76], mas o sucesso foi efêmero e o vocalista Bruno Boncini deixou a banda em junho de 2016[77].

O talent show também revelou o grupo folk Suricato e as bandas Move Over, Supercombo, Scalene e Versalle[78][79], que se destacaram nas primeiras edições do programa, realizadas em 2014 e em 2015. Ambas conquistaram prestígio no cenário indie e também no mainstream, participando de grandes festivais, como as últimas edições do Rock in Rio e do Lollapalooza[80][81][82]. Já em sua última temporada, exibida em 2016, os grupos Preto Massa, Playmobille, Pagan John, Powertrip, Valente, e os finalistas Plutão Já Foi Planeta, Bellamore e OutroEu puderam mostrar seus trabalhos[83][84].

Apesar do gênero estar ausente da grande mídia e fora das FMs nacionais, a década também se destacou pela volta das chamadas Rádios Rock, como a 89 FM a Rádio Rock, em São Paulo[85] no final de 2012 e a Rádio Cidade FM, no Rio de Janeiro, que durou de 2014 a 2016. Ao lado da internet, as emissoras de rádio citadas têm sido os principais veículos de divulgação da cena roqueira atual. Contudo, 2015 foi o primeiro ano da história em que o rock brasileiro não esteve entre as 100 canções mais tocadas nas rádios do país, segundo pesquisa da Crowley Broadcast Analysis.[86] No ano seguinte, a mesma situação ocorreu.[87]

Desde 2011, alguns grupos vêm retomando suas atividades, entre elas RPM, Ira!, Camisa de Vênus[88], Barão Vermelho (com Rodrigo Suricato nos vocais[89]) Picassos Falsos, Viper e Gram. Outras voltaram para eventuais turnês comemorativas, como Kid Abelha (em sua última turnê [90]) e até mesmo Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, novamente dividindo palcos e celebrando 30 anos do lançamento do primeiro disco da Legião Urbana[91].

A década também teve mortes de figuras notórias, como Redson Pozzi, líder da banda Cólera, o cantor e guitarrista Celso Blues Boy, Chorão e Champignon, vocalista e baixista do Charlie Brown Jr. respectivamente, Helcio Aguirra, guitarrista do Golpe de Estado[92], Renato Rocha, ex-baixista da Legião Urbana, Percy Weiss, ex-vocalista do Made in Brazil e da Patrulha do Espaço[93], o músico gaúcho Júpiter Maçã, Peninha, percussionista do Barão Vermelho[94], o cantor e radialista Kid Vinil[95] e Karl Franz Hummel, ex-guitarrista do Camisa de Vênus.[96]

Em 2016, Moraes Moreira, Baby do Brasil, Pepeu Gomes, Paulinho Boca de Cantor e Luiz Galvão remontam a banda Novos Baianos.[97] No mesmo ano, a Rede Globo lança a telenovela Rock Story, cuja trama apresenta a ascensão da música pop no país e a queda do rock.[98] A novela chegou ao fim em junho de 2017.[99]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Arthur Dapieve. Editora 34, ed. Brock: o rock brasileiro dos anos 80 - Coleção Ouvido musical. 1996. [S.l.: s.n.] 11 páginas. ISBN 9788573260083 
  2. José Ramos Tinhorão (1990). História social da música popular brasileira. [S.l.]: Editorial Caminho. 267 páginas 
  3. Rock nacional: um país no embalo das "horas"
  4. a b Motta, Nelson. Vale Tudo - O Som e a Fúria de Tim Maia Editora Objetivax, 2007. ISBN 9788539000807
  5. «Jorge Ben Jor». Fapesp, Roda Viva 
  6. a b c Paulo Cesar de Araújo. Roberto Carlos em Detalhes [S.l.]: Editora Planeta, 2006. 9788576652281
  7. Paulo Silvino foi um monstro do humor – e do rock!
  8. Rodrigo Faour (2001). Bastidores: Cauby Peixoto, 50 anos da voz e do mito. [S.l.]: Editora Record. 117 páginas. 9788501061119 
  9. a b c Marcelo Fróes. Editora 34, ed. Jovem guarda: em ritmo de aventura. 2005. [S.l.: s.n.] ISBN 9788573261875 
  10. Ricardo Setti. «Um brasileiro chamado Jim». Veja. Consultado em 2 de dezembro de 2012 
  11. 25 clássicos que marcaram os primeiros primeiros passos do rock nacional
  12. rollingstone.uol.com.br/ Rolling Stone Brasil - As 100 Maiores Músicas Brasileiras
  13. Estrela da Jovem Guarda, órgão segue vivo e influente na música brasileira atual
  14. Opinião: Som do órgão da Jovem Guarda foi contribuição ao rock mundial
  15. Especial Guitarra Elétrica - Yes, nós temos guitarra
  16. «Roqueiras». Frames 
  17. A psicodelia dos 60 & 70 no Brasil, da garagem às misturas regionais
  18. Especial O Rei dá samba: Da bossa ao iê-iê-iê - O Dia
  19. Pedro Alexandre Sanches (18 de abril de 2011). «A discografia de Roberto Carlos, álbum por álbum». IG 
  20. «"Espero que Roberto Carlos não censure meu livro", disse Eduardo Araújo, convidado ao lado de Sylvinha do Bate-Papo UOL». UOL 
  21. Samba Rock
  22. Renato e Seus Blue Caps
  23. Elton Frans (2000). Raul Seixas: a história que não foi contada. [S.l.]: Irmãos Vitale. pp. 99 e 100. ISBN 9788574070872 
  24. «GAL 1969, O PSICODÉLICO». MANIFESTO JEOCAZ LEE-MEDDI. 21 de setembro de 2008 
  25. Raro álbum do Liverpool ganha reedição em vinil na Europa
  26. Por favor, gravadoras
  27. Guia de Livros - Banda de Milhões
  28. Sambô e companhia: um atentado ao rock (e ao samba)
  29. A história da banda mais importante do pop brasileiro
  30. Músico da cena psicodélica brasileira, Paulo Bagunça morre aos 72 anos
  31. Morre Paulo Bagunça, ícone da música underground carioca dos anos 1970
  32. Os vioelétricos: Sem perder a ternura
  33. Livro conta a história da música psicodélica produzida no Brasil
  34. Sá, Rodrix & Guarabira, os 'pais' do rock rural, nos anos setenta
  35. Renato Damião (2 de novembro de 2012). «Autor do tema de "Suburbia" diz que soube por amigos que canção de 1976 virou trilha da série». UOL 
  36. «Som Nosso de Cada Dia». Cliquemusic 
  37. a b The Bubbles/A Bolha, uns 'bolhas' que mudaram o rock nacional
  38. Simoninha encerra 'Show somos soul' na Caixa Cultural, em Brasília
  39. Luciano Marsiglia. «Rock Brasileiro 1976 - 1977 - O movimento Black Rio: Desarmado e perigoso». Super Interessante 
  40. 1977 - Miguel de Deus - O início do samba rock
  41. Revista Veja, edição 128, 17 de fevereiro de 1971
  42. Revista Veja, edição 680, 16 de setembro de 1981
  43. Henrique Magalhães (2013). Marca da Fantasia, ed. O rebuliço apaixonante dos fanzines. 3. [S.l.: s.n.] ISBN 978-85-7999-077-9 
  44. Hot 20- João Penca e Seus Miquinhos Amestrados
  45. a b Soul Brasil
  46. Claudio Zoli
  47. Eddy Teddy e Coke Luxe, pioneiros do rockabilly no Brasil
  48. a b c A profundidade de '1,2,3,4' (a história do Little Quail and The Mad Birds)
  49. "A forma como ele saiu do Raimundos nos impede de ter amizade", diz Digão sobre Rodolfo
  50. Gabriel Thomaz fala dos 15 anos do Autoramas e suas músicas crocantes
  51. Bate-papo com Os Britos
  52. Skank relembra época em que era "banda de reggae de ex-integrante do Sepultura"
  53. Jota Quest faz show no Recife e Rogério Flausino avalia: 'Somos a resistência do pop rock'
  54. Scalla FM sai para dar lugar à saudosa Kiss FM - Folha de S.Paulo, 08 de dezembro de 2000
  55. Kid Vinil (14 de julho de 2010). «Semana do rock, só no Brasil». Yahoo! 
  56. Ricardo Schott (Janeiro de 1995). «Raimundos: A corrida do ouro». Super Interessante 
  57. Rótulo de "forró-core" atrapalhava mais que ajudava, diz Raimundos
  58. Barão Vermelho traz tecno e clássicos a SP
  59. Kid Abelha
  60. Lafayette & Os Tremendões: homenagem à Jovem Guarda
  61. Clima de Jovem Guarda com The Originals e Trepidant's
  62. Calazans, Ricardo (20 de setembro de 2012). «Cinco bandas de Minas Gerais por Henrique Portugal, do Skank». O Globo. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  63. Mutantes levam público ao delírio em Londres - BBC Brasil, 23 de maio de 2006
  64. Arnaldo Baptista e Zélia Duncan saem dos Mutantes
  65. Mutantes lançam canção inédita, mas sem Arnaldo, Rita e Zélia
  66. «O Rock Samba do interior de São Paulo». Saraiva Conteúdo. 14 de outubro de 2011 
  67. Sambô e companhia: um atentado ao rock (e ao samba)
  68. É rock ou é pagode? Conheça os grupos que fazem a mistura para agradar todas as tribos
  69. Supla e João Suplicy assinam com gravadora dos EUA
  70. Nem Liminha Ouviu divide plateia com show de covers brasileiros no Lolla
  71. Urbana Legion: tributo ao Legião invadindo o Brasil e o exterior
  72. Nunes, Samuel (3 de Abril de 2013). «Banda Panamericana faz show de estreia em Curitiba nesta quarta-feira». G1. Consultado em 24 de Maio de 2014 
  73. Sérgio Martins (9 de junho de 2010). "A alegria dos pais". Revista Veja Edição 2168.
  74. 'Restart faz Fresno parecer Dostoievski', diz Dinho Ouro Preto
  75. Tico Santa Cruz critica a banda Restart
  76. É campeã! Malta conquista 74% dos votos e vence o SuperStar
  77. «Banda Malta anuncia saída do vocalista Bruno Boncini: 'Não é o fim'». Ego. Consultado em 20 de junho de 2016 
  78. Top 12: Supercombo, Kita e Scambo deixam a disputa do SuperStar
  79. Versalle e Scalene colocam o rock na final do Superstar
  80. Scalene, de Brasília, abre Lollapalooza neste domingo, em São Paulo
  81. Versalle|Lollapalooza Brasil
  82. Suricato recebe bem Raul Midón, que rouba a cena no Palco Sunset
  83. «'Top 12': Bandas disputam dez vagas na reta final do 'SuperStar'». tv. Consultado em 20 de junho de 2016 
  84. «Fulô de Mandacaru, Outro Eu, Plutão Já Foi Planeta e Bellamore estão na Final do SuperStar | Superstar | gshow». gshow. Consultado em 20 de junho de 2016 
  85. "Rádio Rock" volta ao ar à 0h desta sexta em SP com o nome UOL 89FM
  86. Ortega, Rodrigo (6 de janeiro de 2016). «Rock nacional some do top 100 anual de rádios do Brasil; sertanejo domina». G1. Grupo Globo. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  87. «Rock: fora das 100 mais tocadas nas rádios do Brasil em 2016» 
  88. Camisa de Venus: Marcelo Nova anuncia volta para tour de 35 anos
  89. «Frejat deixa Barão Vermelho e é substituído por Rodrigo Suricato». O Globo. 17 de janeiro de 2017 
  90. Kid Abelha anuncia oficialmente o fim da banda e agradece aos fãs
  91. Legião Urbana faz show de novos talentos em São Paulo
  92. «Hélcio Aguirra, guitarrista da banda Golpe de Estado, morre aos 56 anos» 
  93. «Morre Percy Weiss, ex-vocalista da banda de rock Made In Brazil». Música em Campinas e Região. 14 de abril de 2015 
  94. «Percussionista do Barão Vermelho, Peninha morre aos 66 anos no Rio - Últimas Notícias - UOL Música». Consultado em 25 de setembro de 2016 
  95. «Morre Kid Vinil, músico, radialista e incentivador do rock brasileiro». O Globo. 19 de maio de 2017 
  96. «Morre Karl Franz Hummel, ex-guitarrista da banda Camisa de Vênus». G1. 8 de junho de 2017. Consultado em 8 de junho de 2017 
  97. «Após 17 anos, Novos Baianos estreia turnê em São Paulo». 24 de junho de 2016. Consultado em 1 de agosto de 2016 
  98. Novela musical, 'Rock story' põe em cena a dicotomia entre rock e pop
  99. «'Rock story' chega ao fim nesta segunda-feira; confira alguns finais». Extra Online 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]