Serguei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o LP de 1991, veja Serguei (álbum de 1991).
Disambig grey.svg Nota: Para o álbum de 2002, veja Serguei (álbum de 2002).
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 07 de junho de 2019; editado pela última vez em 20 de julho de 2019) Twemoji 1f464.svg
Serguei
Informação geral
Nome completo Sérgio Augusto Bustamante
Também conhecido(a) como O Divino do Rock
Nascimento 8 de novembro de 1933
Origem Rio de Janeiro, RJ
País Brasil
Morte 7 de junho de 2019 (85 anos)
Local de morte Volta Redonda, RJ
Gênero(s) rock
blues-rock
hard rock
rock psicodélico
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1966–2019
Gravadora(s) Blues Time Records
Baratos Afins
RCA BMG Ariola
Afiliação(ões) The Centaurs
Banda Cerebelo
Última Banda
The Rose Blues Band
Banda Pandemonium
Página oficial Portal Serguei

Sérgio Augusto Bustamante (Rio de Janeiro, 8 de novembro de 1933Volta Redonda, 7 de junho de 2019),[1] mais conhecido como Serguei, foi um cantor e compositor brasileiro.[2] Segundo o Cravo Albin, apesar de nunca ter obtido sucesso comercial, é considerado uma lenda do rock brasileiro e também o precursor brasileiro do visual andrógino em shows.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido na cidade do Rio de Janeiro, era filho único de um executivo da IBM, Domingos Bustamante, e da dona de casa Maria. Nos anos 90, Serguei visitava regularmente Dona Maria que ainda conservava seu apartamento na Barra da Tijuca. Na infância, ele teve um amigo russo que lhe chamava de "Sergei" (em russo: Сергей , variação de "Sérgio" em russo), porque tinha dificuldade em pronunciar seu nome corretamente, passando assim a usar a variação do nome como nome artístico em sua carreira.

Aos 12 anos, foi morar com Lia Anderson, sua avó materna, em Long Island, Nova Iorque, onde participou de festivais estudantis. De volta ao Brasil, em 1955, trabalhou no Banco Boavista (onde foi demitido), e depois como comissário de bordo na Loyd Aéreo, Cruzeiro do Sul, Panair (onde foi demitido após derrubar uma bebida sobre Gina Lollobrigida)[3] e Varig, sendo também demitido após uma bebedeira em Madrid, na Espanha.[2]

Em uma entrevista dada em 2009 no Programa do Jô, Serguei revelou que adorava cantar durante os voos: "Cantava a bordo. Uma vez imitei a Dalva de Oliveira. Mas eu cantava rock, Elvis Presley, ...", disse.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Segundo o próprio Serguei, sua carreira musical começou em junho de 1951, quando fez seu primeiro show "numa festa de São João, aos 18 anos", quando lembrou numa entrevista.[5] Depois, retornou aos Estados Unidos onde continuou sua carreira, participando de festivais voltados para estudantes.[6]

Em meados dos anos 1960, Serguei começou a tornar-se conhecido no Brasil cantando com o grupo The Youngsters, uma das bandas de apoio de Roberto Carlos.[2] Em 1967 é retratado pela revista Intervalo (sendo chamado de o "cantor alucinado") em plena Avenida Rio Branco onde realiza um protesto hippie e desfila com um cartaz em que se lia:

Em 1969, esteve no famoso Festival de Woodstock,[8] e no final deste mesmo ano, o cantor, que era panssexual, afirmou ter mantido um relacionamento afetivo com a cantora americana Janis Joplin, em Long Island. Essa suposta relação foi um dos motivos pelo qual ficou conhecido,[8][9] mas o cantor entra em contradições cronológicas em suas entrevistas;[10] não há como confirmar, uma vez que a própria cantora morreu em 1970.[11]

Ainda em 1969, apresentou-se no "Programa Flávio Cavalcanti", no qual fez uma performance pop-tropicalista e quase atingiu Márcia de Windsor, uma das juradas, com uma banana.

Em 1970, o compacto “Ouriço/O Burro Cor de Rosa”, foi recolhido pela ditadura militar por considerar a música Ouriço subversiva. Serguei, então, foi chamado a depor e logo liberado.

Em 1972, retornou definitivamente ao Brasil, e foi morar na cidade de Saquarema, no Estado do Rio de Janeiro, onde viveu até o ano de seu falecimento.[2]

Em 1973, o apresentador Flávio Cavalcanti deu a Serguei o Troféu Policarpo, de "pior cantor do ano".[12][2] Alguns programas antes, o apresentador chegou a quebrar seus discos no ar.

Em 1979, em uma tentativa da gravadora de lança-lo como cantor “latino”, Serguei gravou o compacto “Samba Salsa”, de samba e ritmos caribenhos. Atualmente este compacto é um raro item de colecionador.

Anos 1990 e a volta da popularidade[editar | editar código-fonte]

Serguei só voltaria a ficar em evidência novamente nos anos 1990, após fazer shows em duas edições do Rock in Rio: Apresentação solo no Rock In Rio II (1991) e uma participação especial no show de Sylvinho Blau Blau no Rock In Rio III (2001); fez também aparições como espectador no Rock in Rio IV e Rock in Rio V.

Sua apresentação solo no Rock In Rio II (1991) aparece na íntegra no DVD Na cama com Serguei, de 2018[13]. Já sobre sua apresentação no Rock In Rio III (2001), Serguei conta que Axl Rose o quis conhecer "porque eu abaixei as calças no palco, mas eu estava muito cansado e preferi ir embora. Mas eu adoro o Guns N’ Roses."[14]. Serguei conta que Axl disse: "Pelo amor de Deus, segurem esse louco que eu tenho que conhecê-lo."[15]

Em 1999, o livro "Serguei, O Anjo Maldito", de João Henrique Schiller foi lançado.

Em 2004, Serguei desfilou pela grife Cavalera na São Paulo Fashion Week, realizada no Pavilhão da Bienal do Parque do Ibirapuera, zona sul de São Paulo, com a famosa camisa "Eu Comi a Janis Joplin".[16]

Em seus últimos anos, o cantor participou de diversos programas na televisão. Em 2010, trabalhou como jurado do programa "Festival Ridículos", comandado pelo humorista e apresentador Tom Cavalcante na emissora de televisão RecordTV. No ano seguinte, participou de alguns quadros do programa Show do Tom, da Rede Record; e em 2012, foi entrevistado no programa Agora é Tarde. Serguei foi um dos artistas que mais teve convites e aparições no Programa do Jô, apresentado por Jô Soares, de quem foi um grande amigo.

Em 2011, o Multishow produziu o programa "Serguei Rock Show", que contou com 10 episódios, e a participação de roqueiros como Rogério Skylab e Zéu Brito.[2]

Em 2016, o documentário Serguei, O Último Psicodélico, que conta sua biografia, foi lançado[17].

Em 2018, mais uma biografia - As Alucinações de Serguei, de Rodrigo Barros e Paulo-Roberto Andel - foi lançada.

Considerado o roqueiro mais antigo do Brasil, Serguei fez shows ao lado de sua banda, a Pandemonium,[8] que o acompanhou de 2008 até sua morte. Era considerado cantor oficial do grupo Hells Angels (motoclube internacional).[2]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Saúde e Falecimento[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Morte de Serguei

Em abril de 2013, sentindo fortes dores no corpo, devido a fibromialgia, Serguei foi internado no Hospital Nossa Senhora de Nazareth, em Saquarema, Rio de Janeiro. Voltou para casa após alguns dias, mas duas semanas depois retornou, passando mais dois dias internado. Ao ser liberado novamente, declarou estar tomando remédios e querer voltar a fazer shows, pois já se sentia bem.[18]

Em maio de 2019, novamente foi internado no mesmo hospital para tratar de um forte quadro de desidratação, desnutrição e pneumonia. O artista também apresentava um quadro inicial de Alzheimer, mas mesmo assim reconheceu seus amigos no leito hospitalar, onde respondia bem ao tratamento.[19] No final do mesmo mês o quadro de saúde de Serguei piorou, e ele foi transferido de helicóptero para o Hospital Zilda Arns, localizado em Volta Redonda. O cantor ficou internado na UTI, e na manhã do dia 7 de junho de 2019 faleceu devido a uma falência de múltiplos órgãos.[20]

Templo do Rock[editar | editar código-fonte]

Em sua residência, na cidade de Saquarema, foi criado o "Museu do Rock",[8][9] administrado por Serguei, constituído com peças de roupas, discos, prêmios, livros, cartazes, filmes em VHS e outros materiais sobre a vida do cantor. Sua residência é um ponto turístico da cidade. A casa foi construída pelo empresário e ambientalista Russell Wid Coffin em um terreno doado pela prefeitura em 2006 e chegou a receber mais de 20 mil visitantes.

Em 2010, a prefeitura de Saquarema fez uma ampliação em casa, reformando-a. Serguei recebia uma verba mensal da prefeitura para manter o Templo do Rock, que é considerado um local histórico para a cidade.[2]

Após a morte do cantor, a Secretaria de Comunicação de Saquarema avisou que "o local ficará designado à Secretaria Municipal de Educação e Cultura para coordenar as ações de preservação, mantendo-o como patrimônio cultural do município, levando a história de Serguei e do Rock brasileiro para as futuras gerações".[5]

Estilo e Legado[editar | editar código-fonte]

No entender de Fabian Chacur, do MondoPop, "sempre lembrado como o cara que namorou a Janis Joplin, Serguei é o roqueiro em estado puro. Seu canto é rouco, frequentemente desafinado, gritado, mesmo. Mas com uma personalidade que supera toda e qualquer deficiência, com uma assinatura própria e forte".[21] Já para Mauro Ferreira, do G1, "Serguei será sempre mais lembrado pela irreverência e pela atitude do que pela música. Ele foi tão rock'n'roll que nem precisou construir uma obra sólida como cantor para se tornar um símbolo deste gênero rebelde pela própria natureza".[22]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Documentários[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Ref.
2014 Serguei Íntimo [23]
2015 O Anjo Maldito do Rock Brasileiro [24]
2016 Serguei, O Último Psicodélico [25]
2018 Na Cama com Serguei [26]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Personagem Info Ref.
1954 Toda Vida em Quinze Minutos Creditado como "Sergio Augusto" [27]
2016 Lua em Sagitário Ele Mesmo [28]

Internet[editar | editar código-fonte]

Ano Programa Emissora Papel Info Ref.
2011 Serguei Rock Show Multishow Apresentador Websérie [29]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Programa Emissora Papel Info Ref.
2010 Festival Ridículos RecordTV Jurado [30]
2011 Show do Tom RecordTV
2012 Mandrake HBO Brasil Cafetina Alexandra Episódios "A Investigação" e "Robin Hood de Copacabana" [31]

Livros[editar | editar código-fonte]

Biografias

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Resultado Ref.
1973 Troféu Policarpo - Programa Flávio Cavalcanti Pior Cantor do Ano Venceu [12][2]

Referências

  1. Alves, Jean. «EXCLUSIVO: Serguei falece aos 85 no Hospital Regional em Volta Redonda | Sul Fluminense Online». Consultado em 7 de junho de 2019 
  2. a b c d e f g h i j «Serguei». Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  3. «Com R$ 76 na conta, cantor Serguei passa dificuldades». Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de fevereiro de 2016 
  4. gshow.globo.com/ Morre Serguei: relembre participações emblemáticas do cantor no Programa do Jô
  5. a b odia.ig.com.br/ Serguei: a despedida do verdadeiro maluco beleza do rock brasileiro
  6. terra.com.br/ Paulo Ricardo, Gugu e mais famosos lamentam morte do roqueiro Serguei:"Pioneiro"
  7. Julio César (21 de outubro de 1967). «Sergei protesta descalço». Revista Intervalo, Ano V, nº 249, página 52-53/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 21 de abril de 2019 
  8. a b c d Lígia nogueira (16 de agosto de 2009). «Roqueiro mais velho do país, Serguei relembra Janis Joplin e Woodstock». G1. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  9. a b Paulo Lima (2010). «Serguei está na moda». IstoÉ. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  10. Sílvio Anaz. «Lendas do Rock - O caso de Serguei com Janis Joplin». How Stuff Works. Arquivado do original em 21 de junho de 2015 
  11. «Você já ouviu falar que Janis Joplin pegou o Serguei?». R7. 18 de novembro de 2014 
  12. a b mapadecultura.rj.gov.br/
  13. rodoinside.com.br/
  14. ego.globo.com/ Serguei conta que não conheceu Axl Rose porque estava cansado
  15. Revista Monet
  16. folhadelondrina.com.br/ MODA - O amor está no ar
  17. mondopop.net/ Serguei, o Último Psicodélico, um documentário certeiro e delicioso
  18. «Médico visita Serguei em casa após saída do hospital de Saquarema, RJ». G1. 30 de abril de 2013 
  19. «Serguei responde bem a tratamento para reverter quadro de desnutrição e desidratação». G1. Consultado em 13 de maio de 2019 
  20. «Serguei responde bem a tratamento para reverter quadro de desnutrição e desidratação». G1. Consultado em 13 de maio de 2019 
  21. mondopop.net/ Serguei e banda Pandemonium mostram casamento perfeito no CD Bom Selvagem
  22. g1.globo.com/ Serguei se eterniza como encarnação do espírito libertário do rock'n'roll
  23. rotacult.com.br/ Canal Brasil homenageia Serguei
  24. rollingstone.uol.com.br/ Serguei: O Anjo Maldito do Rock Brasileiro
  25. mondopop.net/ Serguei, o Último Psicodélico, um documentário certeiro e delicioso
  26. universodorock.com/ Roqueiro Serguei ganha DVD documentário lançado por Marcio Baraldi
  27. conexaojornalismo.com.br/ Filme faz homenagem ao maluco "Serguei Psicodélico" - vídeos
  28. outraspalavras.net/ Lua em Sagitário leva às telas a questão agrária
  29. oglobo.globo.com/ Aos 77 anos, o folclórico roqueiro Serguei ganha um programa de variedades no site do Multishow
  30. entretenimento.r7.com/ Cantor Serguei diz quem são suas divas da música
  31. atdigital.com.br/ Serguei e Edy Star – As aventuras sexuais dos Inclassificáveis

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Serguei
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.