Dead Fish

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dead Fish
Informação geral
Origem Vitória, Espírito Santo
País  Brasil
Gênero(s) Punk rock, hardcore punk, hardcore melódico
Período em atividade 1991 - atualmente
Integrantes Rodrigo
Marco Antônio (Marcão)
Ric Mastria
Alyand
Ex-integrantes Arroz
Murilo
Hóspede
Giuliano
Marcel

Marcelo Buteri
Ratão Maldonado
Capilé
Bambo
Vitor Zorzal
Xande
Andre
Página oficial www.deadfishoficial.com

Dead Fish é uma banda brasileira de hardcore que se formou em Vitória, Espírito Santo, no ano de 1991. O grupo lançou quatro discos e inúmeras demos antes de romper a barreira independente. Composto, atualmente, por Rodrigo Lima (vocal), Marcos Melloni (bateria) e Ricardo Mastria (guitarra). O grupo conquistou projeção no âmbito nacional através do disco Zero e Um lançado pela Deckdisc em 2004, com produção de Rafael Ramos e mixado por Ryan Greene, responsável por faixas-símbolo do hardcore mundial.

História[editar | editar código-fonte]

Vitória, Espírito Santo, início dos anos 90. Um grupo de amigos que curtia andar de skate resolveu se reunir para tocar juntos. Sem qualquer pretensão e inspirados por Dead Kennedys, Inocentes e 7 Seconds, Marcelo “Suicidal” (vocal), Marcel Dadalto (guitarra solo), Gustavo “Arroz” Buteri (guitarra base), Leonardo “Formiguinha” (baixo), e "Rato" Maldonado (Bateria) (que posteriormente foi substituído por Leandro “Nô”) formaram o Stage Dive. Pouco tempo depois, Rodrigo Lima assumiu os vocais e é onde a história começa de verdade. Não tinham instrumentos e não sabiam tocar. Aprenderam a fazer, fazendo. De covers de Ramones, Bad Brains e Bad Religion, logo passaram a compor suas próprias canções e a fazer os primeiros shows. Descobriram que já existiam bandas chamadas Stage Dive, então escreveram alguns nomes em um papel. O sorteado foi Dead Fresh Fish, que acabou reduzido para Dead Fish. Em 1995 lançam a demo tape "Re-Progresso" e três anos depois, seu primeiro CD chamado Sirva-se pelo selo capixaba Lona! Records. O álbum vendeu mais de dez mil cópias durante um ano de divulgação, fato incomum para uma banda independente, principalmente no começo daquela década. Após o primeiro álbum, lançaram Sonho Médio. O álbum é histórico para o hardcore brasileiro. Apesar da proposta para continuar na Lona! Records, decidiram que queriam fazer eles mesmos a produção e distribuição de um novo álbum. Criaram um selo fictício, a princípio só para “ter o que colocar na capa”, e assim nasceu a Terceiro Mundo Produções Fonográficas (que além de lançar material do Dead Fish viria a lançar CDs de bandas como Sugar Kane e Noção de Nada) em 1999 e Afasia em 2001. Giuliano, até então guitarrista, resolveu deixar a banda no mesmo ano. O álbum tem uma sonoridade diferente dos antecessores, representando, em partes, a fase pela qual a banda estava passando. Durante a finalização do álbum, que iria se chamar Iceberg, começaram a surgir conflitos internos entre os integrantes.

As opiniões e atitudes de Giuliano passaram a divergir muito com o que Nô e Rodrigo estavam dispostos a fazer. O clima pesou nos shows e nos ensaios e, para evitar o fim da banda, reuniram-se com Alyand e Murilo e chegaram ao consenso de que a saída de Giuliano era a melhor alternativa. Em dezembro de 2002 gravaram um álbum ao vivo no Hangar 110 em São Paulo. Em meados de 2003 Murilo, o outro guitarrista do Dead Fish, deixa a banda que ameaça acabar. No fim do mesmo ano, eles recebem uma proposta de uma gravadora, a Deckdisc. A banda aceita a proposta, chama Philippe e Hóspede para assumir as guitarras e entram em estúdio para gravar o quarto disco de inéditas, o Zero e Um de 2004. No mesmo ano, o Dead Fish ganha projeção nacional ao receber o VMB de banda revelação,[1] lançando seu primeiro DVD, o MTV Apresenta Dead Fish. Em 2006, lançam mais um álbum pela mesma gravadora chamado Um Homem Só e tem relançadas sua primeiras demo tapes pelo selo Läjä Records, sob o título de Demo Tapes, que ainda conta com diversos vídeos da banda, além de flyers e cartazes de shows do início da carreira. Em 2007, a banda fez 20 shows na Alemanha e República Tcheca.[2] No fim de dezembro do mesmo ano, o guitarrista Hóspede acaba saindo da banda por motivos não explicados. No final de 2008, o baterista Nô deixa a banda por motivos pessoais, sendo substituído por Marcão (Ação Direta). O último registro de Nô, foi comandando as baquetas da banda em Contra Todos. Muitas pessoas entraram e saíram da banda, mas a saída de Nô foi certamente a mais significativa, pelo menos para Rodrigo. Os dois eram amigos de longa data, começaram juntos a história do Dead Fish e o real motivo por eles romperem nunca foi divulgado. Nesse mesmo ano, foram os vencedores do Video Music Brasil 2009 na categoria melhor videoclipe de hardcore.[3] Em 2011 a banda comemorou 20 anos de atividades.[4] lançando no ano seguinte o registro, Dead Fish 20 Anos Ao Vivo no Circo Voador.

Em 24 de setembro de 2013, Philippe Fargnoli deixa o Dead Fish depois de 10 anos de estrada, alegando se dedicar a outros projetos musicais, novas bandas, estudar bastante e aprofundar mais o trabalho como produtor musical em seu estúdio.[5] Posteriormente o mesmo foi efetivado na banda CPM 22. Dias depois, o Dead Fish anunciou a entrada do novo guitarrista da banda, Ric Mastria, ex-guitarrista do Level Nine e atualmente guitarrista da banda de hardcore Sugar Kane. Apesar de entrar no Dead Fish, Ric deixou claro que não deixará o Sugar Kane por assumir a guitarra em outra banda.[6]

Em 9 de junho de 2014, o Dead Fish criou um projeto no site de financiamento coletivo Catarse para levantar fundos para a gravação do novo álbum.[7] O álbum, intitulado "Vitória", foi lançado em 2015, nos formatos de CD e LP, pelo selo Red Star Recordings.[8]

No dia 14 de dezembro de 2018, foi comunicado a saída do baixista Alyand. Em 30 de maio de 2019, sai o álbum "Ponto Cego", marcando a volta da banda à Deckdisc.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Arroz - guitarra (de 1991 até 1997)
  • Leonardo “Formiguinha” - baixo (de 1991 até 1996)
  • Murilo Queiroz - guitarra (de 1997 até 2003)
  • Hóspede - guitarra (de 2003 até 2007)
  • Giuliano - guitarra (de 1997 até 2001)
  • Marcel - guitarra
  • Leandro Pretti (Nô) - bateria (de 1991 até 2009)
  • Marcelo Buteri - guitarra
  • Capilé - guitarra
  • Bambo - guitarra
  • Vitor Zorzal - guitarra
  • Xande - guitarra
  • Rafael - guitarra
  • Philippe Fargnoli - guitarra (de 2003 até 2013) Atualmente no CPM 22
  • Rato Maldonado - Bateria (1991, de janeiro a abril)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Estúdio[editar | editar código-fonte]

  • Sirva-Se (1998, Lona! Records)
  • Sonho Médio (1999, Terceiro Mundo Produções Fonográficas)
  • Afasia (2001, Terceiro Mundo Produções Fonográficas)
  • Metrofire (Sob o nome de Projeto Peixe Morto. A banda não considera este disco como parte da discografia oficial e sim como um projeto paralelo). (2002, Terceiro Mundo Produções Fonográficas)
  • Zero e Um (2004, Deckdisc)
  • Um Homem Só (2006, Deckdisc)
  • Contra Todos (2009, Deckdisc)
  • Vitória (2015, Independente)
  • Ponto Cego (2019, Deckdisc)

EPs[editar | editar código-fonte]

Demos[editar | editar código-fonte]

  • Demo #1 (1993)
  • (Re)Progresso...? (1995)

Ao vivo[editar | editar código-fonte]

Splits[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

Clipes[editar | editar código-fonte]

  • Sonho Médio (1999)
  • Proprietários Do 3º Mundo (2001?)
  • Noite (2001)
  • Tango (2002)
  • Zero E Um (2004)
  • Você (2004)
  • Bem-Vindo Ao Clube (2005)
  • Obrigação (2006)
  • Autonomia (2009)
  • Vitória (2015)
  • Selfegofactóide (2015)
  • Sausalito (2017)
  • Cara Violência (2017)

DVD[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pitty e Marcelo D2 ganham principais prêmios do VMB 2004, Folha.com, visitado em 26-03-2011
  2. Dead Fish fará 20 shows na Alemanha e República Tcheca, Folha.com, visitado em 26-03-2011
  3. Banda Fresno é a grande vencedora do VMB, Folha.com, visitado em 26-03-2011
  4. Dead Fish comemora 20 anos de banda em João Pessoa Arquivado em 11 de maio de 2011, no Wayback Machine., Portal Paraíba 1, visitado em 8-06-2011
  5. «Pronunciamento da banda sobre a saída de Phillipe». Consultado em 25 de setembro de 2013. Arquivado do original em 28 de setembro de 2013 
  6. «Dead Fish anuncia quem será seu novo guitarrista». Consultado em 30 de setembro de 2013 
  7. «dead fish @ disco novo». 9 de junho de 2014. Consultado em 10 de junho de 2014 
  8. «Dead Fish: banda libera novo álbum "Vitória" para audição». 2 de março de 2015. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  9. http://musica.uol.com.br/ultnot/2010/03/10/dead-fish-e-mukeka-di-rato-terao-musicas-raras-lancadas-em-vinil.jhtm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]