Cachorro Grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o álbum homônimo do grupo, veja Cachorro Grande (álbum).
Cachorro Grande
Informação geral
Origem Porto Alegre,  Rio Grande do Sul
País  Brasil
Gênero(s) Rock and roll, rock de garagem, hard rock, blues-rock, rock psicodélico
Período em atividade 1999 - 2019
Gravadora(s) Independente
OutraCoisa
Deckdisc
Trama
Midas Music/Universal Music
Coqueiro Verde Records
Afiliação(ões) Malvados Azuis, Gabardines, Júpiter Maçã, Os Efervescentes, Os Hipnóticos, Locomotores, Os Malas e Cuias, Os Reprisados
Integrantes Beto Bruno
Marcelo Gross
Gustavo X
Rodolfo Krieger
Pedro Pelotas
Gabriel Azambuja
Ex-integrantes Jerônimo Lima
Página oficial www.cachorrogrande.com.br

Cachorro Grande foi uma banda gaúcha de rock and roll formada em 1999, na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Seus integrantes são Beto Bruno (vocal), Marcelo Gross (guitarra), Rodolfo Krieger (baixo), Pedro Pelotas (teclado) e Gabriel Azambuja (bateria). A primeira formação contava ainda com Jerônimo Lima "Bocudo" no baixo, que saiu para dar lugar a Krieger, após o lançamento do álbum Pista Livre e da gravação do Acústico MTV: Bandas Gaúchas, em 2005. A banda tem oito álbuns de estúdio lançados, um álbum ao vivo e um DVD ao vivo.

História[editar | editar código-fonte]

Antigas bandas dos integrantes[editar | editar código-fonte]

Beto Bruno, o vocalista, era dos Malvados Azuis, bem como o ex-baixista Jerônimo Bocudo, que hoje toca nos Locomotores. Rodolfo Krieger, baixista atual, já foi vocalista dos Gabardines e guitarrista e vocalista da banda Os Efervescentes. Marcelo Gross já tocou bateria na banda de Júpiter Maçã e n'Os Hipnóticos. Gabriel Azambuja, Alex Cunha e Pedro Pelotas fazem parte da sua primeira banda.

A origem do nome[editar | editar código-fonte]

O nome Cachorro Grande foi sugerido por Beto Bruno. Logo depois, contou com o aval de Marcelo Gross e do restante da banda. A origem veio do fato que, no início da banda, ainda sem músicas próprias, faziam parte do repertório do grupo covers de bandas como The Rolling Stones, The Beatles e The Who. Para escolher quais canções tocar, era uma "briga de cachorro grande", expressão usada no Rio Grande do Sul para se referir a algo muito complicado. Então, o nome da banda ficou Cachorro Grande.[1]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em 2001 é produzido o primeiro álbum de estúdio da banda, homônimo, Cachorro Grande, que teve pouca divulgação. Lançado por uma gravadora pequena, não alcançou o grande público, mas levou-os a tocar em diversos festivais de bandas independentes ampliando assim a sua base de fãs. Ainda assim o disco contém canções que mais tarde se tornaram conhecidas como "Lunático", "Sexperienced" e "Debaixo do Chapéu".

Sucesso e reconhecimento nacional[editar | editar código-fonte]

Em 2004 lançam o seu segundo disco, As Próximas Horas Serão Muito Boas. Rejeitado anteriormente por outra gravadora sob pretexto de ser "não comercial", o projeto só foi em frente graças ao músico Lobão, que lançou o disco em sua revista OutraCoisa. A consequência foi uma maior distribuição, garantindo à banda maior visibilidade. O crescente sucesso a partir das músicas "Hey Amigo" e "Que Loucura!" despertou o interesse da gravadora Deckdisc, que assinou contrato com a banda.

Em 2005, é lançado o álbum Pista Livre, produzido por Rafael Ramos e masterizado no lendário estúdio Abbey Road, em Londres (o mesmo utilizado pelos Beatles), foi o disco que mais alcançou repercussão entre o público. Com maior refinamento técnico, o disco conta com músicas que receberam bastante destaque nas emissoras de rádio do Brasil, tais como: "Você Não Sabe o que Perdeu", "Sinceramente" e "Bom Brasileiro".

A banda permaneceu com sua formação original por cinco anos, até a saída do baixista Jerônimo Lima, o "Bocudo" em 2005, logo após a gravação do Acústico MTV: Bandas Gaúchas. Bocudo formou com outros músicos a banda Locomotores, e em seu lugar entrou Rodolfo Krieger, que até então era vocalista e guitarrista da banda Os Efervescentes.

Em maio de 2007, a banda lança o quarto álbum de estúdio, Todos os Tempos, com produção de Rafael Ramos. São doze canções e o primeiro single foi "Você me Faz Continuar", com inspirações na banda escocesa Primal Scream e nos Rolling Stones; o segundo foi "Roda-gigante", como conta o Beto Bruno em entrevista: "Foi para fazer esse tipo de som que eu quis ser músico"; e o terceiro e último single foi "Conflitos Existenciais". O disco conta com a particularidade de ter músicas compostas também pelo baterista Gabriel Azambuja, o tecladista Pedro Pelotas e o baixista Rodolfo Krieger.

Na segunda quinzena de junho de 2009, foi lançado o álbum Cinema.[2][3] O disco foi gravado em rolo analógico de duas polegadas. Foi o primeiro disco da banda a ser lançado em vinil de alta fidelidade em edição especial.

Saída da Deckdisc e Baixo Augusta[editar | editar código-fonte]

Após a turnê do álbum Cinema, a banda iniciou as gravações do novo disco, Baixo Augusta[4] , no dia 11 de abril de 2011, pela gravadora Trama, com produção própria. Grande parte das sessões de estúdio foram transmitidas ao vivo pela TV Trama[5]. Na época, também foi anunciado o álbum solo de Marcelo Gross.[4]

O álbum foi lançado em lançado em dezembro de 2011 no formato digital e em fevereiro de 2012 no formato físico.

DVD Ao Vivo no Circo Voador[editar | editar código-fonte]

No dia 25 de março de 2011, a banda participou de um evento organizado pela MTV Brasil no Circo Voador, templo do rock nacional, localizado no bairro da Lapa, no Rio de Janeiro ao lado das bandas Sabonetes, Martin e Eduardo (projeto formado por Martin Mendonça e Duda Machado, guitarrista e baterista da Pitty respectivamente), Joe e a Gerência (liderado por Joe, ex-baixista da Pitty), Pública e Vivendo do Ócio.[6]

Inicialmente, o registro era apenas pessoal, mas após o lançamento do álbum Baixo Augusta, a banda decidiu lançar o show em DVD. Dois anos depois, o álbum chega as lojas pela produtora Conteúdo Musical em parceria com o selo Midas Music, de propriedade do produtor e empresário Rick Bonadio, com distribuição da Universal Music.

O show conta com 15 faixas, extras e a regravação de Sympathy for the Devil, clássico dos Rolling Stones, com participação especial do cantor Lobão.[7]

Costa do Marfim[editar | editar código-fonte]

No início de 2014 a banda entrou em estúdio com o produtor Edu K, da banda DeFalla[8], visando novas direções musicais. O disco foi nomeado ''Costa do Marfim'', uma homenagem ao estúdio no qual foi gravado. O álbum foi patrocinado e lançado pela grife Cavalera[9] e teve o primeiro single, Como Era Bom, incluída na trilha sonora da 23ª temporada de Malhação, da Rede Globo. Outra faixa de destaque foi a música O Que Vai Ser.

Rolling Stones em Porto Alegre e Electromod[editar | editar código-fonte]

Em 2 de março de 2016, a banda abriu o show dos Rolling Stones pela América Latina Olé Tour 2016, no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Segundo o vocalista Beto Bruno, foi o show mais importante da vida de cada um dos integrantes[10].

Em meados do mesmo ano, a banda entrou em estúdio novamente com o produtor Edu K, para a gravação do oitavo álbum de estúdio, intitulado Electromod, lançado em 5 de agosto pela Coqueiro Verde Records[11]. No show feito em Curitiba, no dia 15 de julho, a banda lançou o primeiro single do álbum, a faixa-título Electromod.[12] A segunda música de trabalho foi Tarântula.

Saída de Marcelo Gross e turnê de despedida[editar | editar código-fonte]

Em 02 de Maio de 2018, a banda demite Marcelo Gross, guitarrista e membro fundador do grupo. O vocalista Beto Bruno disse que a ruptura foi acontecendo aos poucos: "Já faz alguns anos que sentimos um certo afastamento dele a respeito do processo criativo da banda". Para substituí-lo, o guitarrista Gustavo X foi convidado.[13]

Depois, em novembro, a banda anunciou em sua conta do Facebook uma parada usando o disco ao vivo Clássicos "para anunciar uma turnê final de celebração à vida do grupo gaúcho e não à sua parada". Também foi anunciado que Marcelo Gross faria com eles a turnê de despedida.[14] Em entrevistas, o vocalista Beto Bruno e o baixista Rodolfo Krieger comentaram que o clima da banda já não estava bom há tempos, com brigas e discussões desde a gravação do álbum Electromod.[15]

Influências[editar | editar código-fonte]

Beatles, Rolling Stones, Kinks, The Who, Os Mutantes, Small Faces, Supergrass.[16]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • 2013 - Cachorro Grande ao Vivo no Circo Voador
  • 2018 - Cachorro Grande: Clássicos

Álbuns split[editar | editar código-fonte]

Videografia[editar | editar código-fonte]

DVDs[editar | editar código-fonte]

  • 2013 - Cachorro Grande ao Vivo no Circo Voador

Singles[editar | editar código-fonte]

Turnês[editar | editar código-fonte]

  • "Turnê Cachorro Grande" (2001-2004)
  • "Turnê As Próximas Horas Serão Muito Boas" (2004-2005)
  • "Pista Livre Tour" (2005-2007)
  • "Turnê Todos Os Tempos" (2007-2009)
  • "Tour Cinema" (2009-2011)
  • "Baixo Augusta Tour" (2011-2013)
  • "Turnê DVD Ao Vivo no Circo Voador" (2013-2014)
  • "Costa do Marfim Tour" (2014-2016)
  • "Turnê Electromod" (2016-2018)
  • "Turnê Clássicos" (2018)
  • "Turnê de Despedida" (2018-2019)

Formação[editar | editar código-fonte]

Linha do Tempo[editar | editar código-fonte]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Açorianos[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação Resultado
2006[19] Destaque Nacional Cachorro Grande Venceu
2012[20] Disco de Pop Baixo Augusta Indicado
2013[21] DVD do Ano Cachorro Grande - Ao Vivo no Circo Voador Indicado

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Entrevista ao Programa do Jô
  2. Novo disco do Cachorro Grande sai em junho; veja capa de "Cinema"
  3. Cinema de Cachorro Grande
  4. a b «No estúdio com a cachorrada». Os Armênios. 31 de março de 2011. Consultado em 15 de abril de 2011 
  5. «Cachorro Grande grava novo disco na TV Trama». Som Vinil. 9 de abril de 2011. Consultado em 11 de abril de 2011 
  6. Sabonetes, Martin e Eduardo, Lobão e Cachorro Grande no Circo Voador
  7. Cachorro Grande: veja capa e track-list do DVD ao vivo
  8. http://www.portalrockpress.com.br/modules.php?name=News&file=print&sid=5315
  9. http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/02/1414309-grifes-patrocinam-lancamentos-de-bandas-brasileiras.shtml
  10. 'Mais importante da vida', diz Beto Bruno sobre show antes dos Stones
  11. [Cachorro Grande volta a latir com ‘Electromod’
  12. «"Ter uma banda de rock é uma postura política", diz guitarrista da Cachorro Grande». Gazeta do Povo. Consultado em 15 de julho de 2016 
  13. «Cachorro Grande demite Marcelo Gross, membro fundador e guitarrista da banda». Folha de S.Paulo. 2 de maio de 2018. Consultado em 6 de março de 2019 
  14. Aiex, Tony (13 de novembro de 2018). «Cachorro Grande anuncia volta de guitarrista em turnê de despedida». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 6 de março de 2019 
  15. «As tretas e os bastidores que levaram ao fim da Cachorro Grande». entretenimento.uol.com.br. Consultado em 6 de março de 2019 
  16. «Atrações - NOTÍCIAS - Cachorro Grande». gshow.globo.com. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  17. Música Nova: Cachorro Grande, com “Como era bom”
  18. «Cachorro Grande divulga "Tarântula", segundo single de "Electromod"». Consultado em 10 de agosto de 2016 
  19. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. «Vencedores do Prêmio Açorianos de Música - 2006». Consultado em 2 de maio de 2018 
  20. Zero Hora (18 de junho de 2013). «Prêmio Açorianos de Música é na próxima terça, dia 25; confira os indicados». Consultado em 7 de maio de 2018 
  21. Zero Hora (25 de março de 2014). «Prêmio Açorianos de Música divulga lista completa de indicados». Consultado em 7 de maio de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]