Ritmo Alucinante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) filme de 2005 conhecido no Brasil como "Ritmo Alucinante", veja Roll Bounce.
Ritmo Alucinante
Brasil
1975 •  cor •  84 min 
Direção Marcelo França
Elenco Rita Lee
Erasmo Carlos
Cely Campello
Raul Seixas
Género documentário
Musical
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Ritmo Alucinante é um documentário musical brasileiro de 1975, dirigido por Marcelo França. É um registro cinematográfico do Hollywood Rock, festival de rock realizado em janeiro de 1975 no Estádio General Severiano, no Rio de Janeiro, no qual teriam comparecido 40 mil pessoas.[1] Intercalando as apresentações de cantores e grupos do chamado "rock nacional", flashes do público e uma rápida entrevista da repórter Scarlet Moon com Erasmo Carlos e Cely Campello. Na parte final, um irreverente e explosivo show de Raul Seixas, que encerra a apresentação lendo o polêmico manifesto da "Sociedade Alternativa", projeto que lhe trouxera problemas com perseguições políticas do regime militar que governava o país na época, os quais também alcançaram o parceiro Paulo Coelho. O nome do festival deriva da marca de cigarros "Hollywood", da empresa patrocinadora Souza Cruz, o que levou Raul Seixas a comentar que "estava nas bocas". Foi o primeiro Hollywood Rock, apesar de não oficialmente, pois outros eventos com esse nome só voltariam a ser realizados no país vários anos depois.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A primeira apresentação mostrada é de Rita Lee com os Tutti Frutti, grupo que formou depois da saída dos Mutantes. Em seguida aparecem o Vimana (com Lulu Santos) e O Peso. Erasmo Carlos foi o próximo e antes da exibição da apresentação, aparece numa entrevista reclamando da censura e das tarifas alfandegárias que encareciam a compra dos instrumentos musicais importados. Também diz que a música brasileira não é apenas samba e que, ao ser indagado que o rock da época era bem diferente do antigo rock'n roll, responde que mesmo se derem outro nome para o som apresentado, "é tudo rock". Os próximos a se apresentarem são os irmãos Celly e Tony Campelo. A cantora interpreta seu antigo sucesso "Estupido Cúpido". A parte final é toda dedicada à apresentação de Raul Seixas, que interpreta conhecidas composições como "Como Vovó já Dizia", "Al Capone" e "Sociedade Alternativa", dentre outros números musicais.

Referências

  1. Guias Práticos Nova Cultural Vídeo 1991 - pag.580

Ver também[editar | editar código-fonte]