Made in Brazil (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Made in Brazil
Informação geral
Origem São Paulo, SP
País  Brasil
Gênero(s)
Período em atividade 1967 - atualmente
Gravadora(s) RCA Victor, RGE Discos, Vinil Records, Made in Brasil Records,Sony BMG
Integrantes Oswaldo Vecchione
Celso Vecchione
Tony Babalu
Rick Vecchione
Fábio Brum
Octavio Bangla
Roberta Abreu
Tiago Mineiro
Ex-integrantes Debora Vecchione,Cornelius Lucifer,Franklin Paolillo e Percy Weiss
Página oficial Made in Brazil

Made in Brazil é uma banda brasileira de rock de São Paulo, sendo uma das bandas de rock and roll mais antigas em atividade no Brasil, devido à sua longevidade.[1]

É uma importância no panorama roqueiro dos anos 70, é considerada uma lenda do gênero.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A banda foi formada em 1967 no bairro da Pompeia, na cidade de São Paulo pelos irmãos Oswaldo Vecchione (baixista) e Celso Vecchione (guitarrista).

Em 1969, foram os primeiros a usar maquiagem artística em shows, pintando o rosto e partes do corpo nas performances ao vivo.[3]

Em 1974, gravam seu álbum de estreia, Made in Brazil, pela RCA Victor, conhecido como "disco da banana" (pois trazia o desenho de uma banana na capa principal), que é considerado um dos melhores discos de rock brasileiro da década de 1970. Trazia um rock vigoroso e com vocais muito bem elaborados por Cornélius Lúcifer. Ele apresenta o primeiro grande hit do grupo: "Anjo da Guarda". Esse disco conta ainda com o baterista Rolando Castello Júnior, que logo depois formaria a banda Patrulha do Espaço.

Em 1975, é lançado seu segundo álbum de estúdio, Jack, O Estripador, já com Percy Weiss nos vocais e Ezequiel Neves na produção, que trazia as músicas "Jack o Estripador", "Quando a Primavera Chegar", "Batatinhas", entre outras. Vendeu aproximadamente 90 mil cópias.[4] Na turnê deste disco, no Rio, Ney Matogrosso fez vocais de apoio para a banda, enquanto o Roberto de Carvalho tocou guitarra.[5] No mesmo ano ano participam da coletânea Implosão do Rock.

Em 1977, a banda grava o álbum Massacre, porém o álbum foi totalmente censurado pela ditadura militar, que proibiu de ser lançado na época, sendo lançado somente em 2005. O show de lançamento do disco também foi vetado em sua estreia no antigo Teatro Aquários. Localizado na região mais boêmia da cidade, o bairro do Bixiga, o teatro foi lacrado e os equipamentos da banda confiscados. Após dias de tensas negociações, que incluíram um show privado para apenas 3 censores em um auditório com capacidade para 1200 espectadores , o show foi liberado sob várias condições, entre as quais a troca de nove músicas e mudanças drásticas no cenário e divulgação.[6]

Em 1978, a banda lança o álbum "Paulicéia Desvairada", seu maior sucesso. O disco, que faz uma homenagem ao poeta Mario de Andrade, teve, entre os principais sucessos, "Gasolina", "Uma Banda Made in Brazil" e a faixa-título "Pauliceia Desvairada".[7]

No ano seguinte, em 1979, eles fizeram dois shows homéricos no extinto Playcenter, no festival Rock & Jeans, em São Paulo. A banda se apresentou ao lado da ala de ritmistas da Mocidade Alegre, algo, até então, surpreendente para um grupo de rock.

Em 1981, lançam Minha Vida É Rock 'n' Roll, com o baixista Oswaldo assumindo também a função de vocalista principal, que exerce até a atualidade.

Em 1986, lançam os álbuns ao vivo Made Pirata - Volumes I e II.

Em 1990, gravam ao vivo o disco "In Blues" no SESC Pompeia, em São Paulo.[8]

Em 1997, é lançado o álbum "Sexo, Blues & Rock N" Roll".

Em 2008, é lançado o álbum Rock de Verdade!.[9]

Em 2016, a banda lança o DVD 48 Anos, gravado ao vivo no Centro Cultural São Paulo.[10]

Em 2017, em comemoração aos 50 anos[11] de banda, é realizada a exposição "Viva Made in Brazil" no Centro Cultural São Paulo. Também realizaram dois shows comemorativos, um acústico com os convidados João Gordo (Ratos de Porão), Serguei, Netinho (Os Incríveis), Théo Werneck e ex-integrantes históricos; e um elétrico com os convidados Eduardo Araujo, João Gordo (Ratos de Porão), Pompeu (Korzus), Clemente (Inocentes), Serguei, Netinho (Incríveis) e ex-integrantes históricos.[5]

No início de 2021, a banda publicou sua nova música "Minha Banda de Rock (Todo Dia Quero Tocar)".[12]

Atualmente (2021), a formação conta com Oswaldo no vocal e baixo, Celso na guitarra, Rick Vecchione na bateria, Bangla no sax, Guilherme Ziggy Mendonça na guitarra, Tiago Mineiro nos teclados e Solange Blessa e Rubens "Rubão" Nardo" nos vocais

A banda foi incluída no Guinness por ser a banda em atividade que teve o recorde de maior número de formações do mundo (são mais de 200).[3] A banda, inclusive, já contou com a participação de 126 músicos diferentes.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual (2021)[editar | editar código-fonte]

  • Oswaldo Vecchione (Vocal, baixo, guitarra, violão e gaita)
  • Celso “Kim” Vecchione (Guitarra, violão, baixo, teclado e backing vocals)
  • Octavio Lopes Bangla (Sax, desde 1979)
  • Guilherme Ziggy (Guitarra, desde 2013)
  • Tiago Mineiro (Teclados, desde 2009)
  • Rick Vecchione (Bateria)
  • Solange Blessa (Vocais desde 2017)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • Made Pirata - Vol. I (RGE Discos, 1986)
  • Made Pirata - Vol. II (RGE Discos, 1986)
  • In Blues (Vinil Records, 1992)
  • Fogo na Madeira (acústico, Made in Brazil Records, 2000)
  • Fogo na Madeira 2 (acústico, Made in Brazil Records, 2001)

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • Acervo Especial - Made in Brazil (BMG, 1995)

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • Implosão do Rock (RCA Victor, 1975)
  • Metal Rock (RGE Discos, 1985)
  • Acervo Especial - Rock (BMG, 1992)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gabriel Pillar Rossi, ed. (2004). «Versão nacional». Mundo Estranho apresenta Rock!. São Paulo: Editora Abril. p. 78 
  2. «Dicionário Cravo Albin». 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2017 
  3. a b «Made in Brazil, banda que já teve mais 203 formações, comemora 50 anos de carreira - Cultura». Estadão. Consultado em 28 de março de 2021 
  4. «Entrevistão com Oswaldo Vecchione líder do Made in Brazil». Vi Shows. 23 de janeiro de 2015. Consultado em 28 de março de 2021 
  5. a b «Made in Brazil relembra 50 anos: 'Fomos perseguidos pela ditadura'». R7.com. 2 de novembro de 2017. Consultado em 28 de março de 2021 
  6. «Made In Brazil: disco censurado pelo regime militar sai em vinil». whiplash.net. Consultado em 28 de março de 2021 
  7. «Made in Brazil comemora 50 anos de carreira com dois shows em SP». ISTOÉ Independente. 18 de janeiro de 2017. Consultado em 28 de março de 2021 
  8. «Folha de S.Paulo - Disco - Lançamentos: Made in Brazil - 16/03/1999». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 28 de março de 2021 
  9. «Oswaldo Vecchione, um dos fundadores da banda Made in Brazil, sofre AVC». VEJA. Consultado em 28 de março de 2021 
  10. «Made in Brazil». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 28 de março de 2021 
  11. «Made In Brazil: Banda completa 50 anos de carreira!». whiplash.net. Consultado em 28 de março de 2021 
  12. «Made in Brazil: mostrando música nova após recuperação de Oswaldo Vecchione; ouça». whiplash.net. Consultado em 28 de março de 2021