Scalene

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Scalene
Informação geral
Origem Brasília, Distrito Federal
País Brasil
Gênero(s) Stoner Rock
rock alternativo
Indie rock
rock experimental
metal alternativo
Período em atividade 2009 - 2022 (hiato)
Gravadora(s) Som Livre / SLAP
Afiliação(ões) Supercombo
Medulla
Far From Alaska
Inky
Alaska
Ricardo Ponte
Selvagens à Procura de Lei
Integrantes Gustavo Bertoni
Tomas Bertoni
Lucas Furtado
Ex-integrantes Alexia Fidalgo
Philipe Nogueira
Página oficial [1] Site oficial.

Scalene é uma banda brasileira de stoner rock formada em Brasília no ano de 2009. Eles já lançaram 5 EPs, 5 álbuns de estúdio e 1 álbum ao vivo.[1] A banda participou da segunda temporada do reality show musical Superstar, da Rede Globo, onde terminou como vice-campeã. Foi vencedora do Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa 2015/2016 com o álbum Éter[2].

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formação e influências (2009-2012)[editar | editar código-fonte]

Formada no início de 2009, a banda contava com Alexia Fidalgo (ex-vocalista) Gustavo Bertoni (guitarrista e atual vocalista), Tomás Bertoni (guitarrista e backing vocal), Lucas Furtado (baixista e backing vocal) e Philipe Nogueira (bateria e backing vocal). A banda foi fortemente influenciada por grupos como Queens of the Stone Age, Radiohead,Interpol, O'Brother e Thrice. Em um dado momento, Alexia Fidalgo deixou a banda.

No ano de 2012 continuaram a compor para o seu próximo álbum, e durante um show em Brasília tocaram o acústico ao vivo do Mashup de “Dear Rosemary” e “Somebody That I Used To Know”. Nomeado “Rosemary That I Used To Know”, a música ganhou um vídeo como presente de natal para os fãs.[3]

Álbum Real/Surreal e Crescimento da banda (2013 - 2014)[editar | editar código-fonte]

Em 2013, a Scalene lançou o single e o clipe de "Danse Macabre", inspirado no seriado Dexter, que foi um enorme sucesso. O vídeo faz parte do material do segundo álbum, que foi gravado em casa. Lançado em 14 de Agosto e dividido em duas partes cada uma com nove faixas, o disco explora a dualidade entre o palpável e o imaginário, os sonhos e a realidade. O álbum, mesmo sendo independente, foi produzido por Lampadinha (Charlie Brown Jr, CPM22, Hateen, Titãs) e Diego Marx, figurou na lista de melhores do ano em vários sites e blogs especializados em música, como Tenho Mais Discos Que Amigos, ShowLivre e Collectors Room.[4]

Superstar e Álbum Éter (2015)[editar | editar código-fonte]

Em 2015, o Scalene começou o ano fazendo parte do line up de festivais renomados como Lollapalooza Brasil e South by Southwest (SXSW), em Austin, Texas, EUA.[5][6] Também chegou a tocar no programa Super Star da Rede Globo, alcaçando grande sucesso e o segundo lugar na competição.[7]

Em 18 de maio a banda lançou seu terceiro álbum independente intitulado Éter, novamente com a produção de Lampadinha e Diego Marx. O álbum contém 12 faixas produzidas no final de 2014 e início de 2015. Uma delas, "Terra", teve a participação de Mauro Henrique, conhecido por cantar na banda Oficina G3. O show de lançamento do álbum aconteceu no Teatro Mars em São Paulo no dia 30 de Maio. Além do Scalene, tocaram também as bandas Supercombo (os seus integrante amigos dos integrantes banda e também concorreram no Superstar) e a banda Medulla. O nome do álbum remete ao termo usado desde a Grécia antiga para a hipotética substância que preencheria o vazio do universo e seria o meio de propagação da luz. Era considerada um quinto elemento, mais leve e estável, que harmoniza os elementos clássicos: água, fogo, terra e ar. O disco contém sonoridade e temática que trazem uma sensação de busca pela transcendência e evolução pessoal.[8] Éter possui composições na mesma linha do disco anterior Real/Surreal, mas agora com letras e sonoridades mais elaboradas e sublimes. Como se tivessem pegado o excesso criativo do álbum passado e transformado em algo mais concentrado e ainda versátil. Melodia nos vocais e peso nos riffs, climas e dinâmicas que se alternam com facilidade e muita distorção são temas que fazem parte do rock moderno da Scalene. As influências de Queens of the Stone Age, Them Crooked Vultures e Thrice continuam soando muito bem.[9] O álbum foi vencedor do Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa 2015/2016, empatando com o álbum Derivacivilização, do Ian Ramil.[2]

DVD em Brasília, Magnetite, Rock in Rio e +gnetite (2016 - 2018)[editar | editar código-fonte]

Em 2016 a banda lançou o 'EP Entrelaços / Inércia' com duas faixas que fizeram parte do primeiro DVD ao vivo do grupo.[10] Em 18 de julho a banda lançou um DVD ao vivo pela SLAP intitulado 'Ao Vivo em Brasília' produzido por Diego Marx, contendo quase duas horas de duração e 22 faixas dos álbuns Real/Surreal e Etér além dos singles “Inércia” e “Entrelaços” e as inéditas “Vultos” (que ganharia uma versão de estúdio em 2018) e "XXIII" (Instrumental de abertura do disco).[11]

No dia 17 de julho, foi divulgado pelo site 'Tenho Mais Discos Que Amigos' que o novo álbum se chamaria Magnetite e seria lançado no dia 18 de agosto pela SLAP / Som Livre. O portal adiantou também o nome das 12 faixas do álbum.[12] Em 27 de julho, a banda compartilhou as músicas 'Ponta Do Anzol' e 'Cartão Postal' como material de divulgação. O show de lançamento oficial de Magnetite ocorreu no dia 30 de setembro no John Bull Pub em Curitiba. Na semana anterior, a banda se apresentou no Palco Mundo na sétima edição do Rock in Rio.[13]

Scalene durante show no Panta no Rock Festival 2018

Em 2018, devido ao sucesso do Magnetite, a banda lança o álbum "+gnetite", que é uma continuação do ultimo álbum. O +gnetite possui 7 faixas, dessas 7 faixas, 3 – Impulso, Tempo e Zamboni – apresentam músicas inéditas de autoria de integrantes da Scalene. Outras 4 músicas – Cartão postal, Maré e Phi – são composições lançadas originalmente no álbum Magnetite e reapresentadas no EP +gnetite com o que a Scalene caracteriza como "novos olhares". Música previamente lançada pela banda no DVD Ao vivo em Brasília, Vultos completa o repertório do EP, ganhando pela primeira vez um registro de estúdio.[14] Um fato curioso é que o título da canção Zamboni faz homenagem ao sobrenome de um fã da banda, Luana Zamboni, responsável pelo viral em que diz estar ;chapadona de riff de guitarra; após um show do Scalene. Como a faixa foi construída em riffs de guitarra, demos esse nome à ela e é uma homenagem ao nosso público;, explica Gustavo Bertoni, vocalista da banda, em nota da assessoria.[15]

No mesmo ano, a banda fez parceria com Francisco, El hombre e lançou o single "Clareia" que ganhou um clipe que teve direção de Stéfano Loscalzo, que já trabalhou anteriormente com a banda dos irmãos Bertoni e também com o grupo Scatolove. No vídeo, as bandas se enfrentam em uma eletrizante partida de futebol de sabão. Enquanto isso, a torcida assiste ao jogo com raça, caras pintadas, cartazes e vuvuzelas.[16]

Protesto, Respiro e Corona Vírus (2019 - presente)[editar | editar código-fonte]

Historicamente, em 2019, o Brasil estava repleto de atritos entre ideologias políticas, principalmente pela posse de Jair Bolsonaro como presidente da república. Uma das suas propostas era legalizar o armamento para a população e como forma de prosteto para tal idéia, Scalene, juntamente com o rapper BK, lançam "Desarma". Sobre a inspiração da canção, o vocalista Gustavo Bertoni diz que a ideia era tentar entender minimamente o pensamento das pessoas que são a favor do armamento. “Esse assunto estava na minha cabeça no sentido do comportamento humano mesmo. Causas e consequências do medo”, reitera Gustavo ao enfatizar a proposta do single.[17] O instrumental navega entre as características dos artistas e a experimentação com novas sonoridades, e é acompanhado por uma letra que se desenvolve pelos versos – compostos e cantados por BK – e atinge o ápice nos refrães cantados por Gustavo. O encontro entre o grupo brasiliense e o rapper carioca foi extremamente produtivo. Com o tema definido e a parte instrumental gravada, ambos se encontraram no estúdio Casa do Mato, no Rio de Janeiro. A partir disso, o guitarrista Tomás Bertoni conta que “a gravação acabou rolando mais rápido do que imaginávamos, em poucos takes já estava pronta”.[18]

Em julho, a banda lança o disco "Respiro", trazendo uma sonoridade bem diferente do que o grupo havia proposto nos trabalhos anteriores, o álbum precisou ser digerido pelos fãs e até mesmo pelos autores.[19] As canções nasceram todas no violão, os arranjos incorporaram influências de post-rock, música eletrônica, R&B e trip-hop ao contexto brasileiro. “É o Scalene de uma forma que ninguém viu até agora e isso é bem empolgante para gente”, diz Lucas Furtado sobre o novo espetáculo. “A energia ainda estará lá, mas canalizada de uma forma diferente”, completa.[20] O álbum foi eleito um dos 25 melhores álbuns brasileiros do segundo semestre de 2019 pela Associação Paulista de Críticos de Arte.[21]

Em 2020, em virtude da Pandemia da COVID-19, os shows da banda foram cancelados e fizeram lives para ajudar instituições de caridade. Sobre a época, o guitarrista Tomás Bertoni diz rindo de nervoso "Acabei de sair de uma reunião com o contador para perguntar como faz para declarar falência". Apesar de estar exagerando um pouco a situação estava realmente complicada "Para que a gente tem CNPJ? Para emitir a nota de uma live a cada mês que deve rolar com algum cachê?", questiona Bertoni. A Scalene fazia em média 4 a 5 shows por mês, mas nem conseguiu "engatar o ano" por conta da medidas de isolamento. Sem previsão de mudança de cenário rapidamente, os músicos conversaram, fizeram algumas reduções nos custos da banda e concluíram que, apesar da crise, conseguem viver com o capital de giro e a renda dos serviços de streaming até dezembro.[22]

Em novembro, a Scalene lançam o single "O Rio", juntamente com a banda Selvagens à Procura de Lei, gravado e produzido durante a quarentena, cada integrante na sua casa.[23] Foi produzido por Diego Marx. A canção é resultado da vontade que as duas conceituadas bandas de rock nacional tinham de gravar juntas. Gustavo Bertoni, vocalista da Scalene, conta: "Quando fomos assistir a um show do Selvagens no início deste ano ficamos intrigados com a energia que a música deles têm. Queríamos fazer algo perto da linguagem deles. Foi então que compus uma música que achei que ficaria legal no som deles e trouxemos alguns elementos nossos pra dentro disso." O lançamento tem uma melodia suave e a letra traz uma mensagem propícia à reflexão sobre as inconstâncias da vida. "Falamos bastante sobre que caminho a letra deveria seguir e meio que de forma natural e unânime quisemos falar sobre a busca interior. Essa coisa de procurar ser fiel a você, mesmo nas curvas do caminho da vida", diz Rafael Martins, dos Selvagens.[24]

Participação no Super Star[editar | editar código-fonte]

Em 3 de maio, a banda tocou a música "Surreal" na noite de Audições do Programa SuperStar da Rede Globo. No programa responsável pelo sucesso da banda Malta, Scalene conseguiu 89% de aprovação do público, além de elogios dos jurados. Escolheram Paulo Ricardo (RPM) para ser seu padrinho e ajudá-los na disputa. Logo depois da apresentação, o site oficial da banda ficou indisponível por congestionamento por quase uma semana.[7] No dia seguinte a banda alcançou 31 pontos de popularidade no site Vagalume, sendo o 37ª artista no ranking. Assim, a banda passou para a próxima fase, concorrendo a quinhentos mil reais, um contrato com a gravadora Som Livre e um carro.[25] Duas semanas depois, em 17 de maio, a música escolhida foi "Danse Macabre". Com 86% a banda seguiu em frente e repetiu o sucesso, o site oficial da banda caiu novamente e a popularidade subiu para 72 pontos, sendo o 9ª artista mais visto segundo o site Vagalume. Thiaguinho, um dos jurados do programa, pediu para a banda cantar a música "Amanheceu", que em palavras dele, "Me fez chorar em casa, me lembrando da minha mãe". Imediatamente a música se tornou uma das mais buscadas da banda e o clipe, que já estava disponível, tomou grande notoriedade.[26] No dia 7 de Junho, para o SuperFiltro a banda tocou uma das faixas do novo álbum: Náufrago. Conseguiu 77%, junto ao público e ao jurados. E passou novamente para a próxima fase, o Top 12. Paulo Ricardo já havia dito que a Scalene é uma "banda pronta" e na ocasião disse que é a favorita.[27] Em 21 de junho, todas 11 primeiras bandas que se apresentaram tomaram notas em até 80%, a maioria foi em 60. Durante a exibição surgiu a hipótese de várias pessoas estarem entrando no aplicativo porém votando "Não" em todas as bandas senão suas favoritas. A Scalene, então, foi a última a se apresentar, e atendeu ao pedido de Thiaguinho, com a música" Amanheceu", e com uma letra simpática para as mães, eles atingiram 86%. Pela 2ª vez a maior nota da noite. O site da banda caiu mais uma vez e alcançaram 52 pontos de popularidade.[28] No final da temporada, no dia 12 de julho de 2015, o Scalene apresentou as músicas "Nunca Apague a Luz" do EP Cromático no Top 4 conquistando 60% dos votos, "Legado" do álbum Éter atingindo 59% no Top 3 e "A Luz e a Sombra" do álbum Real/Surreal na última etapa chegando a 55%, encerrando sua trajetória no reality em segundo lugar.[29]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Gustavo Bertoni - Voz, Guitarra, Teclado Sintetizador & Violão.
  • Tomás Bertoni - Guitarra, Teclado Sintetizador, Violão & Backing Vocal.
  • Lucas Furtado - "Lukão" - Contrabaixo Elétrico, Sintetizador Analógico & Backing Vocal.

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Alexia Fidalgo - Voz
  • Philipe Nogueira - "Makako" - Bateria & Backing Vocal

Membros de turnê[editar | editar código-fonte]

  • Samyr Aissami - Teclado Sintetizador, Guitarra & Percussões Acústicas.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Scalene

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado
2016 Prêmio Quem Melhor Banda Scalene Venceu
Grammy Latino Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa Éter Venceu
2021 Grammy Latino Melhor Álbum de Rock ou Música Alternativa em Língua Portuguesa Fôlego

Referências

  1. «Biografia - Banda Scalene | Banda Scalene». Arquivado do original em 7 de julho de 2015 
  2. a b «Do DF, Scalene e Hamilton de Holanda vencem Grammy em Las Vegas». Música no Distrito Federal. 17 de novembro de 2016 
  3. «Retrospectiva 2012 | Banda Scalene». Consultado em 24 de junho de 2015. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  4. «OQTPH: Review de "Real/Surreal"da Banda Scalene | Tracklist». Consultado em 24 de junho de 2015 
  5. «Scalene | Lollapalooza Brasil» 
  6. «Scalene | SXSW 2015 Event Schedule» 
  7. a b «Scalane consegue 89% com música autoral e escolhe Paulo Ricardo - SuperStar - Catálogo de Vídeo». Consultado em 24 de junho de 2015 
  8. «Banda Scalene - Banda de Rock em Brasília DF». Arquivado do original em 22 de maio de 2015 
  9. «Lançamento: escute o álbum ÉTER nas principais plataformas digitais | Banda Scalene». Consultado em 24 de junho de 2015. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  10. «Scalene lança EP com as inéditas "Entrelaços" e "Inércia"». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 11 de março de 2016 
  11. «Scalene lança primeiro DVD pronto para liderar o rock nacional». Consultado em 25 de agosto de 2016 
  12. Aiex, Tony (28 de julho de 2017). «Scalene lança duas músicas do seu novo disco, "Magnetite"». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 29 de julho de 2017 
  13. «Banda brasiliense Scalene será atração no Rock in Rio 2017». Metrópoles. Consultado em 29 de julho de 2017 
  14. «Scalene estende álbum de 2017 com EP em que apresenta três músicas inéditas». G1. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  15. (20 de abril de 316). «Banda Scalene lança disco '+gnetite', desdobramento do 'magnetite'». Acervo. Consultado em 6 de novembro de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. Pinheiro, Pedro Henrique (19 de outubro de 2018). «Scalene e Francisco, El Hombre se enfrentam no clipe da incrível "Clareia", assista». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  17. Ernani, Felipe (29 de março de 2019). «Atrações do Lollapalooza Brasil, Scalene e BK se juntam no single "Desarma"». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  18. Internet (amdb.com.br), AMDB. «Rolling Stone · Scalene e rapper BK se unem para música contra a posse de armas; ouça Desarma». Rolling Stone. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  19. Ernani, Felipe (25 de novembro de 2019). «Scalene busca reinvenção em show de "Respiro" em Brasília; resenha e fotos». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  20. «Banda Scalene lança seu novo disco 'Respiro' com influências de post-rock e música eletrônica». CartaCampinas. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  21. Antunes, Pedro (7 de dezembro de 2019). «Os 25 melhores discos brasileiros do 2º semestre de 2019, segundo a APCA [LISTA]». Rolling Stone Brasil. Grupo Perfil. Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  22. «Banda também é empresa: Scalene fala como foi afetado pela crise e desativa CNPJ». G1. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  23. Valadão, Katielly (3 de novembro de 2020). «Scalene e Selvagens à Procura de Lei anunciam a parceria "O Rio"». Nação da Música. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  24. Dermatini, Nicole (6 de novembro de 2020). «Selvagens À Procura de Lei e Scalene lançam single inédito: "O Rio"». Kboing. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  25. «SuperStar: uma disputa de bandas que tem até rock» 
  26. «Sandy 'perde a compostura' com rock da Scalene, que marca 86% dos votos» 
  27. «Scalene garante 77% dos votos e conquista Paulo Ricardo: 'Favorita!'». Consultado em 24 de junho de 2015 
  28. «Scalene canta música autoral que emocionou Thiaguinho e chega a 86%» 
  29. Gshow, TV Globo (13 de julho de 2015). «Scalene faz balanço sobre participação: 'Aprendemos muito'». Consultado em 13 de julho de 2015