Marabaixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O marabaixo é uma manifestação folclórica amazônica, que inclui ritmo musical e também uma dança de roda de origem africana, típica da região norte, no estado do Amapá, no Brasil. O nome também se aplica ao tambor utilizado nesse estilo musical, chamado de "caixa de marabaixo"

Atualmente esta manifestação folclórica é a maior tradição cultural da região, realizada durante os festejos em louvor aos santos padroeiros das comunidades afro-descendentes do Amapá, sendo um dos símbolos da cultura amapaense. Na região metropolitana de Macapá ocorre anualmente a festa religiosa denominada de "ciclo do marabaixo" ou a “festa do ciclo”, composto por missas, novenas, procissões, bailes populares, dança e rituais do marabaixo durante aproximadamente sessenta dias".

Origem[editar | editar código-fonte]

A origem do Marabaixo ocorreu em Marrocos, onde o mar era o lugar mais próximo das terras natais dos africanos escravizados. Assim, como forma de expressar seus lamentos diários criaram o "mar-a-baixo". Trazido para o Brasil no século XVIII na transferência da colônia portuguesa de Mazagan (atual El Jadida), no Marrocos, para a fundação da comunidade Nova Mazagão, no Amapá.

Ciclo do Marabaixo[editar | editar código-fonte]

O ciclo do Marabaixo é a maior manifestação cultural do Estado do Amapá. É um ritual de origem africana, que compõe algumas festas católicas populares em comunidades negras da área metropolitana da cidade de Macapá, capital do Estado.

Embora sua origem seja pouco definida, o Marabaixo é uma dança da cultura africana, provavelmente trazida pelos negros que chegaram ao Estado do Amapá no século XVIII, para a construção da Fortaleza de São José. Além destes, aportaram na região, famílias vindas da África, fugidas das guerras entre mouros e cristãos.

Ritual[editar | editar código-fonte]

Os homens ornam os chapéus com flores e ramos da murta enquanto as mulheres, de saias rodadas e coloridas e toalhas sobre os ombros. Todos dançam sobre si mesmas e ao redor dos tocadores de caixas, de forma ora carregada de tristeza ou alegria.

Ao som de tambores confeccionadas em madeira cavada, os participantes dançam ao redor dos tocadores respondendo ao "ladrão" tirado por um cantador(a)[1], às vezes surgem "desafios" com momentos de improvisação. Existem diversos tempos de toque da caixa de marabaixo de acordo com o canto, denominados "dobrados da caixa".

Referências

  1. Brandão, Alessandro (27 de julho de 2017). «Jovens do Amapá mantêm a tradição do movimento cultural Marabaixo». Rapidinhas. Agência Jovem de Notícias. Consultado em 2 de outubro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]