Cock rock

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Robert Plant do Led Zeppelin, considerado um dos atos fundamentais para o desenvolvimento do cock rock, no palco em Nova Iorque, em 1973.
Suzi Quatro, a primeira baixista feminina a se tornar uma grande estrela do rock, no palco do Bad Kissingen (Alemanha), em 2011.

Cock rock é um subgênero do rock, que enfatiza uma forma agressiva da sexualidade masculina. Se desenvolveu no final da década de 1960, ganhou destaque na década de 1970 e 1980, e continua no século XXI.

Características[editar | editar código-fonte]

Cock rock é um gênero musical.[1][2][3] Philip Auslander usa a descrição de Simon Frith das características do gênero:

"O desempenho do cock rock significa um compromisso explícito, bruto, a expressão 'magistral' da sexualidade ... interpretes de cock rock são agressivos, arrogantes, sempre desenhando a atenção do público as suas proezas e controle. Seus corpos estão em exposição ... microfones e guitarras são símbolos fálicos (ou são acariciados como corpos femininos), a música é alta, ritmicamente insistente, construída em torno de técnicas de estimulação e liberação. Letras são assertivas e arrogantes, mas as palavras exatas são menos significativas do que os estilos vocais envolvidos, os gritos estridentes e cantos."[4]

Uso do termo[editar | editar código-fonte]

O significado do termo cock rock mudou ao longo do tempo. Foi mencionado pela primeira vez por um autor anônimo na publicação feminista underground Rat sediada em Nova Iorque, em 1970,[5] para descrever a indústria da música dominada por homens e tornou-se um sinônimo para o hard rock, enfatizando a expressão agressiva da sexualidade masculina, as letras muitas vezes misóginas e uso de imagética fálica.[6] O termo foi usado pelos sociólogos Simon Frith e Angela McRobbie em 1978 para apontar ao contraste entre a predominância masculina sub-cultural do cock rock que era "agressiva, dominadora e arrogante" e as estrelas teenybop mais feminizadas com a música pop.[7] O Led Zeppelin foi descrito como "os fornecedores por excelência de 'cock rock'".[8] Outros atos de formação incluem os Rolling Stones, The Who e Jim Morrison do The Doors.[9]

Em 1981, Frith descreveu as características do cock rock de uma forma que poderia se aplicar a artistas do sexo feminino, não apenas do sexo masculino.[4] Em 2004, Auslander usou esta descrição das características do gênero para mostrar que Suzi Quatro (a primeira baixista mulher a se tornar uma grande estrela do rock) é uma mulher do cock rock.[10]

Desde os anos 1980, o termo tem sido por vezes intercambiável ​​com o hair metal ou glam metal.[11] Exemplos deste gênero incluem: Mötley Crüe, Ratt, Warrant, Extreme, Cinderella, Pretty Boy Floyd, Jackyl, L.A. Guns, e Poison. Apesar do nome, muitas destas bandas tiveram ou têm grandes números de fãs femininas.[12] O documentário paródia This Is Spinal Tap é uma paródia aclamada do gênero.[13] No século XXI, houve um ressurgimento do gênero com o movimento sleaze de metal na Suécia, com atos, incluindo Vains of Jenna.[14]

Artistas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Burton, Jack (Primavera de 2007). «Dude Looks Like A Lady: Straight Camp and the Homo-social World of Hard Rock». Universidade de Edimburgo. Forum, University of Edinburgh Postgraduate Journal of Culture & the Arts (em inglês). 04. 10 páginas  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  2. DeLane Doktor, Stephanie (2008). «Covering the tracks: exploring cross-gender covers of the Rolling Stones' 'Satisfaction'» (PDF). Universidade da Geórgia. 24 páginas 
  3. Ramirez, Michael (2007). «Music, gender, and coming of age in the lives of indie rock performers» (PDF). Universidade da Geórgia (em inglês). 1 páginas 
  4. a b Frith, Simon (1981). Sound Effects: Youth, Leisure, and the Politics of Rock 'n' Roll (em inglês). Nova Iorque: Pantheon Books. p. 227. ISBN 978-0-3945-0461-2 
    Citado em Auslander, Philip (28 de janeiro de 2004). «I Wanna Be Your Man: Suzi Quatro's musical androgyny» (PDF). Reino Unido: Cambridge University Press. Popular Music (em inglês). 23 (2). 1 páginas. doi:10.1017/S0261143004000030 
  5. T. Cateforis, The Rock History Reader (CRC Press, 2007), ISBN 0-415-97501-8, p. 125.
  6. R. Shuker, Popular Music: the Key Concepts (Abingdon: Routledge, 2005, 2ª edi., 2005), ISBN 0-415-28425-2, pp. 130-1.
  7. M. Leonard, Gender in the Music Industry: Rock, Discourse and Girl Power (Aldershot: Ashgate Publishing, 2007), ISBN 0-7546-3862-6, pp. 24-6.
  8. a b c S. Waksman, Instruments of Desire: the Electric Guitar and the Shaping of Musical Experience (Cambridge, MA: Harvard University Press, 2001), ISBN 0-674-00547-3, pp. 238-9.
  9. P. Auslander, Performing Glam Rock: Gender and Theatricality in Popular Music (University of Michigan Press, 2006), ISBN 0-472-06868-7, p. 201.
  10. a b Auslander, Philip (28 de janeiro de 2004). «I Wanna Be Your Man: Suzi Quatro's musical androgyny» (PDF). Reino Unido: Cambridge University Press. Popular Music (em inglês). 23 (1). doi:10.1017/S0261143004000030 
  11. C. Klosterman, Fargo Rock City: a Heavy Metal Odyssey in Rural Nörth Daköta (Simon and Schuster, 2001), ISBN 0-7434-0656-7, pp. 100-1.
  12. R. Moore, Sells Like Teen Spirit: Music, Youth Culture, and Social Crisis (Nova Iorque, NI: New York University Press, 2009), ISBN 0-8147-5748-0, pp. 109-110.
  13. J. Gottlieb and G. Wald, "Smells like teen spirit: riot girls, revolution and independent women in rock", na A. Ross e T. Rose, edi, Microphone Fiends: Youth Music & Youth Culture (Londres: Routledge, 1994), ISBN 0-415-90908-2, p. 259.
  14. M. Brown, "Vains of Jenna", Allmusic. Página visitada em 19 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]