Chorão (cantor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Chorão
Chorão em 2008
Informação geral
Nome completo Alexandre Magno Abrão
Também conhecido(a) como Chorão
Nascimento 9 de abril de 1970
Local de nascimento São Paulo, SP
 Brasil
Morte 6 de março de 2013 (42 anos)
Local de morte São Paulo, SP
 Brasil
Gênero(s) Skate punk, rap rock, hardcore melódico, rap metal, rock alternativo, reggae, hardcore punk, ska, rap
Instrumento(s) Vocal, guitarra
Período em atividade 19882013
Outras ocupações Skatista, empresário, roteirista
Gravadora(s) Virgin, EMI, Sony Music
Afiliação(ões) What's Up,[1] RZO, Sabotage, Marcelo D2, João Gordo, Negra Li, MV Bill

Alexandre Magno Abrão (São Paulo, 9 de abril de 1970São Paulo, 6 de março de 2013),[2][3] mais conhecido pelo seu nome artístico Chorão, foi um cantor, compositor, skatista, cineasta, roteirista e empresário brasileiro. Foi o vocalista, principal letrista e co-fundador da banda santista Charlie Brown Jr., formada em 1992 junto com Renato Pelado, Marcão, Champignon e Thiago Castanho, sendo o único integrante a participar de todas as formações. Com o Charlie Brown, lançou dez discos, que venderam mais de cinco milhões de cópias.[4][5][6][7] Teve uma infância e adolescência difícil ,[8] a sua mãe era doméstica, fazia pasteis, cozinhava pra fora pra ele entregar.[9] Chorão vivia na rua, ia mal na escola, parou de estudar na sétima série, e frequentemente tinha problemas com a polícia. Com 21 anos, foi convidado a integrar uma banda com Champignon chamada What's Up, acabou não dando certo, então montou o Charlie Brown Jr.[10][11] Em 2007,Chorão roteirizou e dirigiu o filme O Magnata. Em 2009 lançou sua marca de roupas a DO.CE. Foi encontrado morto em seu apartamento, em 6 de março de 2013, em São Paulo/SP, vítima de uma overdose de cocaína.[12]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Alexandre Magno Abrão nasceu em 9 de abril de 1970 na cidade de São Paulo. Quando tinha 11 anos, os seus pais separaram-se. Na escola nunca foi muito bem, fez até a sétima série em São Paulo. Depois estudou um pouco em Santos e parou. Sempre estudou em escola estadual, se metia com os piores da turma e não dava certo. Quando ele quis levar a sério, foi pra escola particular, mas seu pai não tinha condição de pagar. Ele ia fazer a prova e chegavam:

Ele não aguentou esse tipo de humilhação e parou de estudar. Aos 14 anos, Chorão passou um acontecimento muito grave na sua vida, a sua mãe teve um derrame e quase morreu. Foi nessa época que ele começou a andar de skate, uma das suas paixões. Nessa época Chorão começou a se interessar mais por música, e começou a comprar muitos discos, mas nunca teve dinheiro pra comprar, mas sempre dava um jeito. Ouvia Suicidal Tendencies, Grinders, Garotos Podres, Olho Seco, Ratos de Porão que viriam a ser influência grande para sua vida. Seu primeiro skate, foi feito com um shape velho e umas rodas de patins, que os caras mais velhos montaram pra ele, e começou com a galera do Ibirapuera. No começo só queria fazer parte da galera, depois de um ano já estava correndo campeonato, tirando em segundo, estava sempre entre os três, quatro, cinco primeiros, mesmo com um tênis inferior. Correu um Brasileiro no Sul e passou em primeiro num dia, no outro dia chegou em terceiro porque tinha saído pra beber, para comemorar. Ele pensava mais era na diversão, no Freestyle (estilo de vida) de viver viajando, ficar de favor no quarto dos outros, era moleque, e tinha a casa do pai pra morar, não ligava muito para o dinheiro. Até a hora em que a crise o bateu em 1989, parou porque não tinha tênis pra andar, logo depois nasceu seu filho, e por ai teve que parar para trabalhar. Chorão já foi muito brigão, arrumava briga com qualquer um que olhasse pra ele e se metia com a polícia, já foi preso varias vezes, por falta de documento, averiguação, briga. Uma de suas prisões foi que:

Mas ele passou a viver melhor a partir do momento em que teve que aceitar a sua responsabilidade, lá pelos 22 anos. "Seu pai não tinha dinheiro, queria ajudar, mas não tinha dinherio, sua mãe era doente (sofreu um derrame na década de 1980), não tinha condição de estudar, não conseguia emprego fixo por não ter se formado em nada, tinha um filho. Então tinha que fazer alguma coisa da sua vida." Chorão já trabalhou em vários empregos, como corretor de imóveis, trabalhou em duas imobiliárias, uma de seu pai, e outra em Santos. Era um péssimo corretor e ainda por cima não tinha sorte. Foi mandado embora das duas imobiliárias, na do seu pai, ele o mandava embora sempre, ele mandava embora num dia, e ele voltava no outro, mandava de novo, e ele voltava. Seu pai tentou depois um negócio com cartões de Natal, era pra Chorão vender cartões de porta em porta. Pra ele era muita humilhação, uns compravam e outros mandam voltar depois, também não deu certo. Com esses rolos, Chorão já foi despejado várias vezes, sempre arrumava um dinheiro para alugar apartamento de temporada, pagava os primeiros três meses e ficava até e botarem pra fora. Nas duas vezes em que ele não saldou a dívida, confiscaram seus móveis ("dai que veio a inspiração pra fazer a música "Confisco"). Mas hoje não deve mais nada pra ninguém, a única mulher que ficou devendo, pagou com o primeiro dinheiro que recebeu da gravadora.

Carreira[editar | editar código-fonte]

What's Up[editar | editar código-fonte]

Lá pelos seus 21 anos, ele estava um bar de Santos chamado Creperie, bebâdo. Tinha separado da sua namorada com quem era casado, e era show de uma banda chamada Matrix, o vocalista saiu pra beber água, ele não perdeu tempo e já subiu no palco, e falou: “Aí, agora é comigo!, pegou o microfone e começou a berrar, berrar, levou uma letra do Suicidal Tendencies meio que no improviso. Ele estava caindo por cima de todo mundo, tipo bêbado chato, mas depois um moleque o chamou e disse: “Estamos precisando de um vocalista, você não quer fazer um teste amanhã?”. Os caras marcaram o teste às 2 da tarde, ele chegou às 11 da manhã. Lhe deram a letra, era em inglês, ficou difícil, pois seu inglês se limita a nome de manobra, e um pouco de cinema. Aí um dos integrantes o ensinou mais ou menos a música, a música e a banda se chamavam What’s Up. Berrou, berrou, berrou, e quando ele saiu, ouviu o guitarrista dizer: “Melhor, a gente não vai arrumar mesmo”. Dois dias depois eles iam gravar para uma coletânea da rádio 95, de Santos. A banda já tinha mandado uma fita com aquela música e sido selecionada, mas no meio tempo brigaram e o vocalista saiu.

Sobre a coletânea, a banda não falou nada pra ele, e quando foi pro estúdio, fazia dois, três dias que cantava. E estava muito rouco, depois do teste, os caras disseram: "Pô, legal a tua voz não acaba!". Chegou em casa já sem voz e assim ficou dois dias. Foi gravar sem voz nenhuma e mesmo assim ficou legal, berrou o máximo, até o cara do estúdio o elogiou: "Esse cara é muito engraçado, canta pulando, esse moleque tem mó personalidade, não sabe cantar nada, mas vai longe”. Mas o disco acabou nem saindo, não se sabe o por quê. Quando o baixista da What's Up banda saiu, Chorão veio a conhecer Champignon, o novo baixista, uma criança de apenas 12 anos na época, que viria ser parceiro de banda, depois no Charlie Brown Jr..

Charlie Brown Jr[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Charlie Brown Jr.

Tempos depois, Chorão e Champignon decidiram convidar o baterista Renato Pelado, vindo de bandas da cidade como Ecossistema, Jornal do Brasil, entre outros projetos. Mais tarde, Marcão e Thiago Castanho completaram a primeira formação da banda Charlie Brown Jr. A banda, ainda sem nome, continuou a se apresentar na cidade. "Fundei e batizei a banda com esse nome em 1992. Foi uma coisa inusitada. Trombei (literalmente) com uma barraca de água de coco que tinha o desenho do Charlie Brown, aquele personagem do Charles Schulz, mais conhecido por ser o dono do Snoopy. E o "Jr" é pelo fato de sermos filhos do rock", se explica Chorão pelo fato de a banda se considerar "filha" de uma geração de músicos e bandas como Raimundos, nos anos 90 Chorão considerava Rodolfo Abrantes, o vocalista dessa banda, como o melhor do brasil , Nirvana, Red Hot Chili Peppers, Nação Zumbi, e Planet Hemp.

A sonoridade do grupo tinha influências de grupos como Sublime, Bad Brains, 311, misturando hardcore, skate e reggae. Por volta de 1993, já com esta formação da banda, eles começaram a tocar no circuito underground de Santos e São Paulo e a fazer shows em vários eventos de skate. As primeiras apresentações do quinteto aconteceram em Santos e São Paulo, especialmente em campeonatos de skate. Uma fita demo foi entregue a Rick Bonadio, presidente da Virgin Records no Brasil e produtor dos Mamonas Assassinas, que se interessou pelo grupo e os contratou. De uma demo de três faixas surge o primeiro disco do CBJr, produzido por Tadeu Patolla e Rick Bonadio com o selo da Virgin Records. Nasce então o álbum Transpiração Contínua Prolongada. O álbum foi produzido por Tadeu Patolla (ex-Lagoa 66), o álbum é bem recebido pelas rádios com as faixas "O Coro Vai Comê!", "Proibida pra Mim (Grazon)", "Tudo que Ela Gosta de Escutar" e "Gimme o Anel", vendendo 500 mil cópias. Na época, o baixista Champignon era menor. Consequentemente, sempre que a banda se apresentava em casas noturnas, era necessária uma autorização judicial para que o jovem baixista acompanhasse o grupo.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Morte do pai[editar | editar código-fonte]

Em meados de 2000, Chorão perdeu seu pai:

A banda, compreendendo a falta que seu pai fazia, decide parar e dar um tempo, até Chorão, realmente acostumar-se com a ideia de ter perdido alguém muito especial. O que levou ele a pensar em parar na banda, o que você pode encontrar na letra de: "Ouviu-se falar" e "Talvez a metade do caminho". Passaram-se seis meses até Chorão se olhar no espelho e, ver sua barba crescida, sua barriga, por engordar 20 kg, ficar em casa e não fazer nada, sem motivação... Então ele viu que não era bem isso que ele queria. Durante o mesmo tempo os outros integrantes, Champignon, Thiago Castanho, Marcão e Renato Pelado continuaram estudando e praticando sua música. Na verdade a banda estava pronta de novo, iria começar um novo capítulo.

Vida Religiosa[editar | editar código-fonte]

Rina conheceu Chorão em 2005, durante um culto na sede da Bola de Neve em Boissucanga. Levado por amigos, o cantor se apresentou pelo nome verdadeiro, Alexandre, e durante o louvor cantou, bateu palmas e sorriu, relata o apóstolo. Chorão ia sair depois do louvor, mas Rina insistiu e ele ficou para ouvir uma pregação sobre a fé de Tomé, e "como o apóstolo teve que lidar com o fato de não ter crido, enquanto todos os outros creram na ressurreição de Jesus; sobre como termos de lidar com o sentimento de frustração por termos falhado com Deus, conosco e decepcionado aqueles que nos amam". Antes de ir embora, o cantor disse: "Ainda não estou pronto, mas vou chegar lá..." Em 2007, na gravação do primeiro DVD da Bola de Neve, Chorão foi levado pelos amigos Glauco e Tarobinha, para uma noite de louvor no Credicard Hall, em São Paulo. Rina pregou "sobre a importância da adoração e de usarmos nossos dons e talentos para glória dele". No final, o apóstolo lembra "ele de pé, com a mão direita levantada, entre muitas pessoas, convidando Jesus para habitar em seu coração. Quando voltei à galeria, o encontrei quebrantado e o escutei dizer: "pastor, da primeira vez, no litoral, estava com os dois pés atrás, hoje com os dois na frente... tô chegando pastor, minha fé hoje é viva..." Rina conta que depois de um tempo, Chorão avisou ter composto a música "Só os loucos sabem" falando do que viveu naquela noite. A letra diz: "Agora eu sei exatamente o que fazer, bom recomeçar, poder contar com você, pois eu me lembro de tudo irmão, eu estava lá também. Um homem quando esta em paz, não quer guerra com ninguém. Eu segurei minhas lágrimas, pois não queria demonstrar a emoção, Já que estava ali só pra observar e aprender um pouco mais sobre a percepção, Eles dizem que é impossível encontrar o amor sem perder a razão, Mas pra quem tem pensamento forte, o impossível é só questão de opinião".

Rodolfo Abrantes conta também que depois de convertido a Jesus Cristo, teve encontros com Alexandre que o pediu para que falasse sobre isso para ele. E numa outra vez durante uma gravação de um CD gospel de Rodolfo, também houve interesse de Chorão em conhecer a palavra de Deus.

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Suposto Ataque a um Jovem, em Santos[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2003, um rapaz de 17 anos foi até uma delegacia em Santos-SP e fez um B.O. contra o Chorão. Segundo o jovem, Chorão teria dado com um tapa em seu rosto, quando ele disse que não gostava do Charlie Brown Jr.[13] Em comunicado, Chorão informou que apenas "agrediu verbalmente" o rapaz, já que ele teria dito palavras 'depreciativas' sobre o CBJr. Ele complementa dizendo que o garoto queria "1 minuto de fama".[14]

Discussão com Badauí, do CPM22[editar | editar código-fonte]

Em 2003, durante show realizado em SP, Chorão chamou Badauí (vocalista do CPM 22) para a briga, após não gostar de ler comentários sobre ele em revista.[15]

Dias após a morte de Chorao, Badauí deu uma entrevista ao Portal R7 afirmando que eles haviam se acertado e que as polêmicas tinham ficado no passado. Segundo Badauí, apesar de termos umas desavenças no passado, as coisas ficaram esclarecidas entre nós e é uma pena que a gente não tenha fortalecido uma amizade.[17]

Comercial para a Coca-Cola, Briga com Marcelo Camelo e Discussão ao Vivo com uma fã[editar | editar código-fonte]

Em 2002, Chorão foi o garoto-propaganda de uma peça publicitária da Coca-Cola, divulgando a promoção “No Estilo”[18] Esta parceria com a Coca-Cola teve seu auge em 2006 na ação “Estúdio Coca-Cola”, um programa veiculado na MTV que promovia encontros musicais inusitados. Em 2008, o projeto mistura o rock do Charlie Brown Jr. com a MPB de Vanessa da Mata.[18]

Segundo Cláudia Colaferro, diretora de marketing da Coca-Cola, "o Charlie Brown Jr., encabeçado pelo Chorão, apareceu como o representante da geração que tem entre 14 e 19 anos." Por isso a escolha.[19]

Em 2004, Marcelo Camelo, vocalista da banda Los Hermanos, numa entrevista concedida para a revista da Oi, criticou a participação do Chorão no comercial "No Estilo" da Coca-Cola[20] (Camelo disse: "esse negócio de fazer comercial para Coca-Cola é um desdobramento da indústria, a gente rejeita esse negócio de vender atitude".[21] E depois: "o Charlie Brown Jr. é uma banda da qual temos discordâncias estéticas... são precursores deste estilo que combatemos."[22]). As declarações dadas por Camelo deixaram Chorão extremamente irritado. O primeiro encontro dos 2 após a polêmica declaração de Camelo se deu num voo, ocorrido no dia 2 de julho de 2004 (ambas as bandas iriam se apresentar no Piauí Pop Festival). Percebendo que Camelo estava no mesmo voo, Chorão jogou uma indireta, em voz alta: "Vou atropelar as bandas que falam mal do Charlie Brown." Após o voo, no aeroporto de Fortaleza, Camelo teria se aproximado de Chorão, que o agrediu com um soco.[23][24][25] Chorão alegou que também foi ameaçado e agredido.[26] Logo após a briga entre eles ter ganhado repercussão na imprensa, a assessoria do Charlie Brown divulgou uma nota lamentando a discussão, afirmando que os ânimos se exaltaram de ambas as partes e garantindo que foi um incidente isolado.[27]

Alguns dias após o incidente, Chorão formalizou um pedido de desculpas via site oficial da banda.[20]

Mesmo assim, alguns dias mais tarde, a banda Los Hermanos abriu 2 processos contra Chorão: Uma na cidade do Rio de Janeiro, pedindo indenização por danos morais e materiais. O outro em São Paulo, no qual o grupo exigiu mais R$ 43 mil para compensar os cachês de shows e eventos que foram cancelados após a agressão.[28]

Meses depois, uma adolescente que estava na plateia do programa “Altas Horas” questionou o Chorão a respeito desta polêmica passada. Além de responder rispidamente que não devia satisfação a ninguém, ele ainda cantou versos ofensivos direcionados a ela: “a patricinha da plateia usava piercings, roupas e até a calcinha comprada pelo papai". Envergonhada, a espectadora fez gestos obscenos e chorou.[29] Ele se defendeu falando que a jovem queria humilhá-lo em rede nacional.

Em 2009, no Programa Ensaio, exibido pela TV Cultura, o Charlie Brown Jr. se apresentou e Chorão deu depoimentos sobre vários aspectos da carreira da banda, inclusive o incidente com Marcelo Camelo. Chorão contou que durante um bom tempo se sentia perseguido pessoalmente por Camelo, que isso vinha lhe irritando e que, quando a confusão aconteceu, foram os integrantes do Los Hermanos que partiram pra cima dele, que teria apenas se defendido. Por fim, ele fala que não tinha nada contra Marcelo Camelo e ironicamente, diz: “Camelo, eu te amo. Sem você o Brasil não seria o mesmo.”[30]

Em 2015, 2 anos após a morte de Chorão, e 11 do incidente, o processo aberto pelo Los Hermanos ainda estava em trâmite na justiça.

Crises de Relacionamento com os Integrantes do CBJr.[editar | editar código-fonte]

Em 2005, devido às constantes brigas que aconteciam desde o início da banda, Chorão se desentendeu com todos os membros originais do Charlie Brown Jr., que se despediram da banda.

Na época, ele inclusive contratou novos instrumentistas, e acabou virando o único remanescente da formação original.

6 anos após o incidente, Champignon e Marcão voltaram a tocar no grupo.

Porém, num show realizado em 2012, em Apucarana no Paraná, Chorão fez um discurso contra o baixista Champignon no meio da apresentação. Ele falou mal do parceiro com quem dividia o palco no momento, afirmando que o mesmo só decidiu voltar para a banda por causa de dinheiro. Champignon, então, deixou o palco, e o show prosseguiu sem o baixista. Chorão ainda ironizou a atitude do colega brincando com a plateia: “Alguém sabe tocar baixo ai?”, disse.[21]

Dias depois do incidente, os dois publicaram um vídeo na internet pedindo desculpas aos fãs.[31]

Expulsão de um voo[editar | editar código-fonte]

Em 2008 Chorão foi expulso de um voo que ia para Manaus, acusado pela Gol de ter se recusado a desligar um aparelho eletrônico e insultado a tripulação.[32]

Problemas com as drogas e a separação da segunda mulher[editar | editar código-fonte]

Em uma entrevista dada dias após a morte de Chorão, sua ex-mulher, a estilista Graziela Gonçalves, afirmou que o cantor era dependente de drogas, e que a dependência piorou em 2005, quando ele ficou triste com o fim da formação original da banda. Ela informou que a dependência "Não era de crack, mas sim de cocaína".[33] Graziela disse que ela, a primeira mulher do músico, Thais Lima, o filho dele, Alexander, então com 23 anos, e a empresária da banda, chegaram a procurar um advogado para providenciar a internação involuntária de Chorão.[34]

O apartamento do cantor, na zona oeste da capital paulista, seria o reduto de Chorão para o consumo de drogas, o que incomodava Graziela. Por conta disso, em meados de 2012, após 15 anos de casamento, Chorão e Graziela se separaram.[36]

Na mesma entrevista dada dias após a morte do vocalista, ela afirmou que havia se separado de Chorão há seis meses em uma tentativa de “trazê-lo de volta”, por conta da dependência química do músico.[37] A estilista revelou ainda que ela e Chorão nunca chegaram a se separar definitivamente e tiveram muitas separações durante a relação, por conta da dependência de drogas do cantor.[38]

Em dezembro de 2012 Chorão confessou no Caldeirão do Huck que ainda gostava da ex-mulher, mas que se sentia solteiro e que a canção Céu Azul foi inspirada nela.[40]

Morte[editar | editar código-fonte]

O corpo de Chorão foi encontrado por seu motorista Kleber Atalla na madrugada de 6 de março de 2013 no apartamento que ocupava esporadicamente no bairro de Pinheiros, em São Paulo.[41][42][43][44] Segundo a polícia, que descartou inicialmente a hipótese de homicídio, o apartamento encontrava-se em grande desordem, com garrafas vazias de bebida, embalagens de remédios e marcas de sangue.[41][42][43][44]

O delegado Itagiba Franco afirmou que Chorão passava por uma depressão devido à separação da mulher, a estilista Graziela Gonçalves.[45] Ele ainda informou que o músico era procurado pelos outros integrantes do Charlie Brown Jr. desde o meio-dia de terça-feira (5 de março). Segundo a Folha de S.Paulo, a polícia acredita que a morte pode ter acontecido entre segunda e terça-feira (04 e 5 de março, portanto), devido ao estado que o corpo foi encontrado.[46]

Chorão teve uma overdose de cocaína, apontou o laudo necroscópico da Polícia Técnico-Científica de São Paulo.O laudo considera resultados do exame toxicológico número 5054/2013 do Instituto Médico-Legal (IML) feito no corpo. O exame toxicológico apontou que o corpo apresentava 4,714 microgramas da droga por mililitro de sangue. Segundo os peritos, foi possível concluir, a partir dos testes, que a causa da morte foi "intoxicação exógena devido à cocaina".[12]

No início da tarde do dia de sua morte, a hashtag #LutoChorão já estava há algumas horas na liderança dos trending topics mundiais do Twitter, e a notícia sobre sua morte era o assunto mais lido nos principais portais do Brasil.[18]

Velório e funeral[editar | editar código-fonte]

O velório de Chorão, aberto ao público, iniciou-se na noite do dia 6 de março no ginásio Arena Santos, e durou até as 13 horas do dia 7 de março. Mais de cinco mil pessoas passaram pelo local.[47][48] A partir desse horário, ficou restrito aos familiares e amigos.[49] Entre os famosos, estiveram presentes os integrantes das bandas Charlie Brown Jr. e NX Zero, Digão e Canisso, do Raimundos, rappers como Mano Brown e Dexter, os atores Sandro Pedroso e Alexandre Frota, e o skatista Sandro Dias.[50] Às 15 horas, o corpo seguiu em cortejo para o cemitério, em uma limousine do serviço funerário. A carreata passou pelo centro de treinamento CT Rei Pelé, e em frente ao estádio do Santos, na Vila Belmiro.[51]

Seu corpo foi enterrado no quinto andar do Memorial Metrópole Ecumênica, o cemitério vertical de Santos, localizado no bairro do Marapé, em uma cerimônia fechada ao público,[51] mas sob muitos aplausos.[52]

Em frente à pista de skate, na Vila Mathias, dezenas de mensagens e vasos de flores foram deixados na calçada.

Reações e Legado[editar | editar código-fonte]

"Com a morte de Chorão, o rock brasileiro perde uma referência, um ídolo à moda antiga."[53]
Thiago Ney, jornalista, colunista do IG

Para Kiko Nogueira, colunista do site Diário do Centro do Mundo, "Chorão será lembrado por seus fãs pelo som pesado e competente que fazia, mistura de hip hop e hard rock, pelas letras que, paradoxalmente, eram entendidas como lições de vida – e pela morte trágica, evitável e fora de época."[54]

Já segundo nota da MTV Brasil "A banda Charlie Brown Jr. foi um grande sucesso e o músico deixa um legado musical pra além de ícone de uma ou mais gerações, sua memória estará em uma coleção de grandes hits que deram uma roupagem pop e acessível ao tripé hardcore, rap e reggae, parte fundamental do universo do skate.".[55]

Nasi, vocalista do Ira!, afirma que "Chorão foi um ícone da geração de 90. Ele deixa um legado de bons discos, além do reconhecimento da parceria skate e rock brasileiro.[56]

Para além da música, Chorão deixou legado para o skate, esporte que praticava e ajudou a difundir.[57]

Gustavo Sirotsky, produtor do festival Planeta Atlântida acredita que a morte de Chorão representa o fim da banda. "Assim como o Legião Urbana marcou e não seguiu quando ficou sem seu líder, o Charlie Brown também fica sem líder, portanto, é dificil continuar.".[58]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

  • A prefeitura da cidade de Santos decretou luto oficial de três dias pela morte do cantor.[59] No dia 07/03/2013, a câmara de vereadores da cidade prestou uma homenagem ao vocalista em uma sessão que contou com "um minuto de silêncio" e com a presença do filho de Chorão.[60]
  • No dia de sua morte, a MTV Brasil prestou homenagem ao vocalista com uma programação especial, dedicando sua grade ao líder do Charlie Brown Jr..[61]
  • Alguns programas de televisão fizeram homenagens ao músico, como Pânico na Band,[62] Caldeirão do Huck,[63] Altas Horas,[64] Ensaio,[65] TV Xuxa, Mais Você, dentre outros.
  • No dia de sua morte, fãs de Chorão fizeram uma campanha - com mais de 24 mil compartilhamentos no facebook - para que a abertura do seriado jovem Malhação do dia 6 de março de 2013 fosse Te Levar, sucesso marcante do Charlie Brown Jr. nas temporadas iniciais da trama.[66] O seriado homenageou o cantor colocando a música no encerramento do capítulo.[67]
  • Fãs da banda prestaram homenagens através de cartazes e mensagens escritas na pista de skate criada pelo cantor,[68][69] além de mensagens nas redes sociais.[70] No dia de sua morte, menções ao vocalista na rede social Twitter dominavam a lista de tópicos mais comentados em todo o mundo.[71]
  • A banda americana Guns N' Roses homenageou Chorão, por meio de mensagens no Facebook e Twitter. O grupo dedicou uma de suas canções ao cantor. "De luto pela perda de nosso irmão brasileiro, RIP [descanse em paz] Chorão. Esta `Don`t cry` tocando aqui é para você", escreveu o grupo de rock.[72] Ao saber disso, o baixista Champignon se disse orgulhoso por saber que a banda americana conhecia o som do Charlie Brown Jr..[73]
  • O Santos Futebol Clube, time pelo qual Chorão torcia, fez um homenagem ao seu torcedor ilustre usando imagens dele na Vila Belmiro e em shows, na qual ele aparece usando o uniforme do time[74] Além disso, o time santista jogou de luto a partida diante do Atlético de Sorocaba (a primeira após sua morte),[75] e com uma camisa especial, na qual estava estampado "Dias de Luta, Dias de Glória" nas suas mangas[76] (esta camisa também foi doada ao filho do Chorão[77]). A direção ainda pediu que fosse respeitado um minuto de silêncio antes do jogo em homenagem a Chorão. O silêncio foi repetido na semana seguinte, no jogo diante do Guarani, dentro da Vila Belmiro.[75] Santista fanático, Chorão era figura frequente nos jogos da equipe e era amigo dos jogadores.[78]
  • O cantor Mr. Thug mostrou uma tatuagem em homenagem a Chorão, com a frase "A vida me ensinou a nunca desistir, nem ganhar, nem perder mas procurar evoluir", que é parte de uma das composições de Chorão, uma foto da tatuagem foi postada em seu Instagram.
  • O lutador de MMA Vinny Loureiro prometeu homenagear Chorão usando uma música do Charlie Brown Jr. quando for entrar no ringue em sua próxima luta.[79]
  • Várias celebridades prestaram homenagens em redes sociais, como Marcos Mion, Racionais MCs, Rodrigo Lombardi, Projota, Guilherme Leicam, Marcelo Mancini, Pe Lanza, Rodrigo Simas, Grazi Massafera, O Rappa, Zé Ramalho, entre outros.[80] No campo esportivo, também houve homenagem de muitos atletas.[81]
  • O cantor sertanejo Lucas Lucco homenageou Chorão através de uma música, intitulada “Ninguém podia prever”.[82]
  • A banda O Rappa homenageou o vocalista na abertura de um show, com a exibição de um video com imagens de um texto dando adeus ao vocalista e com trechos de letras do próprio compositor.[83] Este mesmo video foi publicado no canal do Youtube da banda, no dia 10/03.[84]
  • O Grupo Bonde da Stronda homenageou Chorão com várias mensagens durante a abertura de seu show em Campo Grande/MS no dia 9 de março de 2013. Foi também exibida uma antiga mensagem de Chorão mandando um alo para o Bonde da Stronda. O grupo abriu seu show com a música "Lutar Pelo o que é Meu" de Charlie Brown Jr.[85]
  • Geraldo Alckmin, governador do estado de São Paulo à época da morte do vocalista, batizou uma pista de skate localizada no Parque da Juventude, na zona Norte da capital paulista, com o nome do cantor. A justificativa da homenagem foi porque Chorão sempre apoiou os skatistas.[86]
  • A ex-esposa do vocalista prestou uma homenagem ao Chorão publicando duas mensagens no site oficial da banda. Ressalte-se que quando o cantor morreu, eles estavam separados.[87]
  • A banda A Banca saiu em uma turnê nacional em homenagem ao músico chamada "Chorão Eterno", no qual eles tocam canções de toda a carreira do Charlie Brown Jr..[88]
  • Em Homenagem ao cantor, uma rua em Franco da Rocha foi apadrinhada pelo seu nome completo Rua Alexandre Magno Abrão, rua qual fica localizado o bairro Residencial Santo Antônio .

A morte de Chorão teve repercussão não só nacional, como internacional, onde sua morte foi destacada nos jornais Latin Times (que o apelidou de "Big Crying"), Huffington Post, The Washington Post, U-T San Diego, além da Billboard norte-americana.[89][90]

Outras atividades[editar | editar código-fonte]

Garoto propaganda do Skate[editar | editar código-fonte]

Para além da música, Chorão deixou legado para o skate, esporte que praticava e ajudou a difundir.[57] Considerado um ativista do skate, Chorão incluía essa paixão nas letras, nos clipes, nos shows e até chegou a construir sua própria pista, em Santos[92].

Sua paixão pelo skate nasceu no começo da década de 80.[93] Conhecido como um dos “Ibiraboys”, ele foi vice campeão paulista na modalidade freestyle, e competiu em uma das lendárias etapas do brasileiro em Garatinguetá.[93] Poucos dias depois do músico aparecer morto, um vídeo foi publicado no YouTube mostrando o ainda jovem Chorão, com apenas 16 anos, dando entrevista – provavelmente pela primeira vez – ao programa "Grito de Rua", famoso programa da década de 80 sobre skate.[94]

Mesmo após conquistar a fama pela música, Chorão continuou muito ligado ao skate. Num dos principais momentos da história do Charlie Brown Jr., com a banda sendo eleita a revelação na premiação anual da MTV Brasil, em 1998, Chorão fez questão de soltar, já com o prêmio na mão, : “Skate na veia dos irmãos!”... Desde então, Chorão passou a representar o ícone de estilo de vida do skatista.[95]

No dia 6 de novembro de 2006, ele inaugurou o Chorão Skate Park em Santos, um espaço para skatistas e músicos que tem como destaque uma das melhores pistas de skate do Brasil,[96] com uma distribuição de obstáculos que está em sintonia com o que há de mais atual com os parques de skate no mundo.

Em janeiro de 2009, o músico lançou sua grife de roupas voltada para os skatistas, intitulada DO.CE ("dose certa"), em festa promovida em São Paulo.[97]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o cantor se aventurou no cinema, com o filme O Magnata[98], dirigido pelo videomaker Johnny Araújo. Chorão foi escritor e roteirista, além de participar do filme junto com o Charlie Brown Jr. e integrar a trilha sonora do mesmo. Antes de morrer, ele anunciou um novo filme "O Cobrador" do qual ele mesmo escreveu o roteiro.

Livro[editar | editar código-fonte]

Antes de morrer, Chorão pretendia lançar um livro contando a história da banda desde o início. Seu filho, Alexandre Abrão, sabendo desse desejo de seu pai, correu atrás para realizar o sonho de seu pai, e em 2017 lançou o livro Eu Estava Lá Também – Um Livro Criado por Chorão.

Estilo[editar | editar código-fonte]

"Meu estilo de vida liberta a minha mente, sou completamente louco, mas um louco consciente"
Letra de Tamo Aí na Atividade, composta pelo próprio Chorão.

Chorão não abriu mão do seu jeito simples mesmo depois da fama. As camisetas largas, bermudas compridas e os bonés de aba reta eram sua marca registrada. A corrente comprida com aros largos e o relógio eram os principais acessórios que o cantor costumava usar.[99]

Segundo o portal G1, "Chorão tinha um estilo próprio. Criou uma música com ar de rock pesado. Tinha seus momentos românticos e mantinha uma conversa com o rap. Com outros artistas, fez parcerias com mais harmonia, como com a cantora Negra Li."[100]

Para Gustavo Brigatti, do site ClicRBS, "Chorão ditou moda e influenciou sua geração pois soube explorar temáticas predominantes na adolescência, como mulheres, festas e conflitos juvenis". David Oaski, do Ideologia Rock, vai no mesmo caminho, afirmando que "Chorão sempre falou sobre a realidade nua e crua das ruas, diversão, mulheres, putaria, skate, diversão, etc, enfim, tudo que aqueles que têm espírito jovem são apaixonados."[101]

André Barcinski, crítico musical do jornal Folha de S.Paulo, afirmou que que "o discurso e a imagem de Chorão – skatista, desbocado, fã de punk rock e rap – encontrou muitos fãs, especialmente entre a juventude. Foi o mais próximo que a música “mainstream” brasileira teve de um herói punk."[102]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Como escritor e roteirista
Atuações
Ano Filme Papel
2007 O Magnata Ele mesmo

Discografia[editar | editar código-fonte]

Chorão em Outubro de 2012, no show de lançamento do DVD Música Popular Caiçara em Porto Alegre.

Fita Demo[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

DVDs[editar | editar código-fonte]

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Como músico[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Indicação Resultado Ref.
2003 Meus Prêmios Nick (MPN) Cantor do Ano Venceu
2006 Meus Prêmios Nick (MPN) Cantor do Ano Indicado
2008 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2008 "Melhor Cantor do Ano" Indicado [112]
2011 Meus Prêmios Nick (MPN) Cantor Favorito Indicado

Com o CBJr[editar | editar código-fonte]

VMB
  • 1998 - Banda Revelação: "Proibida pra Mim"
  • 2001 - Escolha da Audiência: "Rubão, o Dono do Mundo"
  • 2001 - Melhor Videoclipe de Rock: "Rubão, o Dono do Mundo"
  • 2003 - Escolha da Audiência: "Papo Reto (Prazer É Sexo, o Resto É Negócio)"
  • 2003 - Melhor Videoclipe de Rock: "Só por Uma Noite"
Grammy Latino
  • 2005 - Melhor Álbum de Rock Brasileiro: "Tâmo aí na Atividade"
  • 2010 - Melhor Álbum de Rock Brasileiro: "Camisa 10 Joga Bola Até na Chuva".
Multishow
  • 2007 - Melhor Canção: "Senhor do Tempo"
  • 2008 - Melhor Videoclipe: "Pontes Indestrutíveis"

Como skatista[editar | editar código-fonte]

  • Vice-campeão paulista de skate (modalidade free-style).[93]

Referências

  1. «Produtores recordam participação de Chorão em primeira banda do cantor». G1. 7 de março de 2013. Consultado em 11 de março de 2011 
  2. Tomaz, Kléber (6 de abril de 2013). «Um mês após morte de Chorão, delegado diz que caso foi 'fatalidade'». Portal G1. Consultado em 15 de junho de 2013. ... comprovou que overdose de cocaína matou o artista em 6 de março. 
  3. Rocha, Ará (4 de abril de 2013). «Laudo do IML confirma morte de Chorão por overdose de cocaína». O Fuxico. Consultado em 15 de junho de 2013. ... morte do cantor, ocorrida em 6 de março último. 
  4. «Frases Chorão». Consultado em 11 de maio de 2012 
  5. «Chorão salta do palco para apartar briga em festival em Curitiba - Músico também fez discurso sobre sua relação complicada as drogas». Consultado em 11 de maio de 2012 
  6. «Chorão-Pensador». Consultado em 11 de maio de 2012 
  7. «Chorão». Consultado em 11 de maio de 2012 
  8. «Chorão teve problemas com ex-companheiros do Charlie Brown Jr». Consultado em 11 de maio de 2012 
  9. «Chorão, do Charlie Brown Jr., completa 40 anos nesta sexta-feira». Consultado em 11 de maio de 2012 
  10. «Após recesso, Chorão lança novo CD do Charlie Brown Jr». Consultado em 11 de maio de 2012 
  11. «O Novo Filme do Chorão Charlie Brown Jr – O Magnata». Consultado em 11 de maio de 2012 
  12. a b Overdose de cocaína matou cantor Chorão, conclui laudo do IML Página visitada em 4 de abril de 2013
  13. cliquemusic.uol.com.br/ Vocalista do Charlie Brown Jr. tem problemas com a lei
  14. cifraclubnews.com.br/ Chorão, vocal do Charlie Brown, agride menor em supermercado
  15. opovo.com.br/cearaerock/ Japinha fala sobre CPM 22, Hateen, Chorão, livro, faculdades, projetos e show em Fortaleza
  16. pcg.com.br/ O CPM 22 esteve nos estúdios da Costa Verde FM e Toddy de Moura bateu um papo com os caras, que falaram, entre outras coisas, sobre o lançamento do seu novo CD, "Felicidade instantânea".
  17. entretenimento.r7.com/ Apesar de discussões, músicos do CPM 22 lamentam a morte de Chorão em vídeo: "Descanse em paz"
  18. a b c meioemensagem.com.br/ Chorão, a voz de uma geração na publicidade
  19. folha.uol.com.br/ A "rebeldia" do Charlie Brown Jr. engarrafada pela Coca-Cola
  20. a b revistaquem.globo.com/ Chorão se desculpa pela agressão a Marcelo Camelo
  21. a b virgula.uol.com.br/ Chorão dá esporro em Champignon em show no Paraná
  22. whiplash.net/ Los Hermanos e Chorão: A opinião de André Forastieri sobre o atrito
  23. cultura.estadao.com.br/ A briga de Chorão com Marcelo Camelo
  24. globoplay.globo.com/ Chorão agride Marcelo Camelo no aeroporto de Fortaleza
  25. diversao.terra.com.br/ Chorão quebra o nariz de Marcelo Camelo em avião
  26. g1.globo.com/ Um ano após a morte, Chorão é alvo de processos e disputa por bens
  27. g1.globo.com/ Chorão teve polêmicas com artistas, em avião e no palco; relembre
  28. entretenimento.r7.com/ Briga de Marcelo Camelo e Chorão continua na Justiça dois anos após a morte do líder do Charlie Brown Jr.
  29. exame.abril.com.br/ As polêmicas criadas por Chorão, do Charlie Brown Jr.
  30. tenhomaisdiscosqueamigos.com/ O dia em que Chorão disse que “amava” Marcelo Camelo
  31. divirta-se.uai.com.br/ Chorão e Champignon pedem desculpas aos fãs pela internet
  32. musica.terra.com.br/ Chorão, do 'Charlie Brown Jr', é expulso de voo
  33. tribunahoje.com/ "Era cocaína", diz ex-mulher de Chorão sobre drogas na casa no cantor
  34. advivo.com.br/ A morte de Chorão e o consumo de drogas
  35. fofoki.com/ "Faz quatro anos que ele voltou a cheirar", diz ex de Chorão
  36. musica.uol.com.br/ Chorão não queria se internar para tratar dependência de drogas, diz amiga da família
  37. folhape.com.br/ Chorão é sepultado sob comoção
  38. portalguaira.com/ Ex-mulher de Chorão afirma quer fez o que pôde para salvar o cantor
  39. fofoki.com/ Além de legado, Chorão deixou disco inédito, lembra Champignon
  40. tvg.globo.com/ Chorão conta inspiração para 'Céu Azul' e confessa ainda gostar da ex-mulher
  41. a b «Vocalista do Charlie Brown Jr é encontrado morto em SP». Portal G1. 6 de março de 2013. Consultado em 6 de março de 2013 
  42. a b «Chorão, do Charlie Brown Jr, é encontrado morto em São Paulo». Portal Terra. 6 de março de 2013. Consultado em 6 de março de 2013 
  43. a b Alves, Martha (6 de março de 2013). «Chorão, do Charlie Brown Jr., é encontrado morto em São Paulo». Portal Folha de S.Paulo. Consultado em 6 de março de 2013 
  44. a b «Morre Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr». Portal O Estado de S. Paulo. 6 de março de 2013. Consultado em 6 de março de 2013 
  45. entretenimento.r7.com/ Chorão passava por depressão devido à separação da mulher, diz delegado
  46. jconline.ne10.uol.com.br/ Vocalista do Charlie Brown Jr. é encontrado morto em São Paulo
  47. estadao.com.br/ Lágrimas e aplausos marcam o enterro de Chorão em Santos
  48. g1.globo.com/ Milhares de fãs dão o último adeus a Chorão durante a madrugada
  49. entretenimento.br.msn.com/ Sônia Abrão e mãe de Chorão encerram velório do cantor; corpo segue para funeral
  50. g1.globo.com/ Corpo de Chorão deixa ginásio e segue em cortejo para enterro
  51. a b gazetaonline.globo.com/ Corpo de Chorão será sepultado às 17 horas em Santos
  52. fofoki.com/ Sob aplausos, Chorão é sepultado em cemitério de Santos
  53. colunistas.ig.com.br/ Criado em uma era pré-MP3, Chorão reinou no Brasil
  54. diariodocentrodomundo.com.br/ O rock não devia mais ter mártires como Chorão
  55. mtv.uol.com.br/ Chorão, do Charlie Brown Jr, morre em São Paulo
  56. musica.uol.com.br/ "Apesar das brigas, éramos amigos", diz Champignon sobre Chorão; veja repercussão
  57. a b lancenet.com.br/ Apaixonado por skate, Chorão deixou legado no esporte
  58. zerohora.com.br/ Charlie Brown Jr. foi a atração que mais tocou no Planeta Atlântida
  59. g1.globo.com/ Prefeito de Santos decreta luto oficial de três dias por morte de Chorão
  60. musica.uol.com.br/ Filho de Chorão vai à Câmara de Santos agradecer homenagem ao pai
  61. jconline.ne10.uol.com.br/ MTV dedica programação desta quarta-feira (6/3) a Chorão
  62. tvuol.uol.com.br/ Pânico presta sua homenagem ao cantor Chorão
  63. ibahia.com/ Luciano Huck faz homenagem à Chorão no Caldeirão
  64. globotv.globo.com/ Serginho Groisman faz uma homenagem a Chorão
  65. zerohora.clicrbs.com.br/ TV Cultura reprisa neste domingo entrevista com Chorão
  66. g1.globo.com/ Fãs de Chorão fazem campanha para abertura de Malhação ser "Te levar"
  67. tvg.globo.com/ Reveja a homenagem de Malhação ao cantor Chorão, do Charlie Brown Jr.
  68. g1.globo.com/ Fãs de Chorão prestam homenagens em pista de skate criada pelo cantor
  69. musica.uol.com.br/ Pistas de skates de Santos recebem homenagens a Chorão
  70. tecmundo.com.br/ Morte de Chorão causa comoção nas redes sociais
  71. g1.globo.com/ Veja a repercussão da morte de Chorão nas redes sociais
  72. g1.globo.com/ Guns N' Roses homenageia Chorão e dedica música 'Don't cry' ao cantor
  73. odia.ig.com.br/ Champignon sobre morte de Chorão: "Não tem como continuar sem ele"
  74. extra.globo.com/ Torcedor do Santos, Chorão recebe homenagens do Peixe, de Robinho, Montillo e até Elano
  75. a b esportes.br.msn.com/ Santos lamenta morte de Chorão e prepara série de homenagens ao músico
  76. esporte.uol.com.br/ Santos estampará nome de música de Chorão em homenagem ao cantor
  77. esportes.terra.com.br/ Em homenagem a Chorão, Santos entrega camisa ao filho do cantor
  78. lancenet.com.br/ Santista fanático, vocalista da banda Charlie Brown Jr. é encontrado morto
  79. mmaspace.net/ Lutador vai homenagear Chorão em sua próxima luta
  80. ego.globo.com/ Famosos prestam homenagem a Chorão nas redes sociais
  81. lancenet.com.br/ Atletas prestam homenagens a Chorão
  82. g1.globo.com/ Cantor sertanejo lança música em homenagem a Chorão
  83. redetv.com.br/ O Rappa faz homenagem a Chorão em abertura de show; veja o vídeo
  84. oglobo.globo.com/ O Rappa presta homenagem a Chorão
  85. http://www.saradosdobrasil.com/2013/03/bonde-da-stronda-faz-homenagem-a-chorao-durante-show-em-mato-grosso-do-sul.html
  86. folha.com/ Alckmin vai batizar pista de skate em homenagem a Chorão
  87. br.omg.yahoo.com/ Ex-mulher de Chorão presta homenagem ao cantor na internet
  88. g1.globo.com/ Último show de 'A Banca' foi uma homenagem para Chorão
  89. «Jornal destaca morte de Chorão e o chama de "Big Crying"». Terra  Música. 7 de Março de 2013. Consultado em 17 de abril de 2013 
  90. «Morte de Chorão repercute na mídia internacional». Agência Brasil. Panorama Brasil. 7 de Março de 2013. Consultado em 17 de abril de 2013 
  91. virgula.uol.com.br/ Skatista que apelidou Chorão lembra do passado do músico no esporte: “Ele nunca largou o skate”
  92. gauchazh.clicrbs.com.br/ Da "Malhação" ao cinema: cinco motivos pelos quais Chorão é o ícone de uma geração
  93. a b c espn.uol.com.br/ Relembrando o skate e a música de Chorão
  94. musica.uol.com.br/ Vídeo mostra Chorão aos 16 anos em programa sobre skate
  95. revista CemporcentoSKATE, edição #75 - junho de 2004
  96. «SP Mix Festival é neste fim de semana! Atrevida, 2006» 
  97. «Chorão faz lançamento de sua marca de roupas em São Paulo EGO, 2009» 🔗 
  98. «O Magnata Omelete, Marcelo Hessel, 2007» 🔗 
  99. pratafina.com.br/ O Estilo de uma geração: Chorão
  100. g1.globo.com/ Inquieto e de personalidade forte, Chorão criou estilo próprio no rock
  101. whiplash.net/ Ideologia Rock: R.I.P. Alexandre Magno Abrão, o Chorão
  102. andrebarcinski.blogfolha.uol.com.br/ Chorão foi ídolo “punk” do pop brasileiro
  103. musica.uol.com.br/ Paulinho Vilhena em novo filme de Chorão
  104. jconline.ne10.uol.com.br/ Chorão era fã de Chico Science e gravou com Otto
  105. discogs.com/ Tribo de Jah - A Bob Marley
  106. musica.terra.com.br/ Chorão encarna Renato Russo em DVD
  107. discogs.com/ Various ‎– Cidade Do Samba
  108. discogs.com/ Banda The Originals ‎– Pra Todo Mundo Ouvir
  109. [1]
  110. catracalivre.folha.uol.com.br
  111. opovo.com.br/ Cercada de teclados, Marina Elali joga Luiz Gonzaga e Zé Dantas em seu frouxo balaio pop
  112. rollingstone.com.br/ Prêmio Multishow divulga indicados

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Chorão (cantor)