Heitor Gomes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Heitor Vilela Gomes
Informação geral
Nome completo Heitor Vilela Gomes
Local de nascimento Santos, São Paulo
 Brasil
Gênero(s) Rock, hardcore melódico, punk rock
Ocupação(ões) baixista
compositor
Instrumento(s) baixo
Gravadora(s) independente
Afiliação(ões) Charlie Brown Jr., CPM 22, Chorão, Thiago Castanho, André Pinguim Ruas, Bruno Graveto, Badauí, Japinha, Luciano

Heitor Vilela Gomes (Santos) é um baixista e compositor brasileiro.

Heitor é filho do renomado baixista brasileiro Chico Gomes. Começou a tocar com o Charlie Brown Jr em 2005 até 2011. Tocou de Julho de 2011 até inicio do ano de 2016 no CPM 22.[1] e após fez parte da banda Pavilhão 9 saindo no final de 2017.

Heitor Utiliza baixos Music Man StingRay 5, Fender Precision 4 e Gianninnis. Tem como influências seu Pai, Chico Gomes, Marcus Miller, Stuart Hamm, Jaco Pastorius, Flea e Victor Wooten.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Heitor já tocou em muitas bandas, uma delas chamada Fusion, na qual o baterista era Bruno Graveto, que também fez parte do Charlie Brown Jr. Atualmente Bruno toca na banda "Strike".

Em 2005, com a separação quase total da banda, foi convidado por Thiago Castanho, que voltava a banda, junto com Pinguim. Os três já tinham tocado juntos em Santos e no mesmo ano gravaram o seu primeiro álbum na nova fase da banda, Imunidade Musical. As linhas de baixo do álbum têm um grande destaque, com levadas de Slap como O Futuro é Um Labirinto Para quem não Sabe O Que Quer e Liberdade Acima de Tudo. Há o uso da técnica de triplo domínio em Senhor do Tempo, e várias outras linhas muito bem trabalhadas, como O Nosso Blues, Skate Vibration e Criando Anticorpos.

Gravou ainda com a banda os álbuns Ritmo, Ritual e Responsa (2007) e Camisa 10 (Joga Bola até na Chuva) (2009). Saiu do Charlie Brown Jr. em 2011 e logo passou a integrar o CPM 22 no lugar de Fernando Sanches.[1] Saiu do CPM 22 em 2016 e no segundo semestre de 2017, assumiu o baixo da banda Pavilhão 9 até o final do mesmo ano, atualmente está com seu projeto Gomes do 8, que desenvolve a técnica do "triplo domínio" em um contrabaixo de 8 cordas, tocando algumas músicas covers de alguns artistas e até do próprio Charlie Brown Jr.

Referências

  1. a b Redação (29 de Julho de 2011). «CPM 22 anuncia ex-Charlie Brown Jr. como novo baixista da banda». sítio Música Uol. Consultado em 20 de Junho de 2012