Marcelo Camelo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marcelo Camelo
Marcelo Camelo.jpg
Marcelo Camelo durante um show.
Informação geral
Nome completo Marcelo de Souza Camelo
Também conhecido(a) como Camelo, Napão
Nascimento 4 de fevereiro de 1978 (39 anos)
Origem Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Rock Alternativo
MPB
Samba
Indie-rock
Instrumento(s) violão, guitarra, baixo, bateria
Período em atividade 1997-
Gravadora(s) Abril Music, Sony/BMG, Zé Pereira
Afiliação(ões) Los Hermanos
Mallu Magalhães
Maria Rita
Miguel Araújo
Banda do Mar
Rodrigo Amarante
Página oficial marcelocamelo.com.br

Marcelo de Souza Camelo (Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1978) é um cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista brasileiro.[1] Era vocalista e guitarrista da banda de rock alternativo Los Hermanos. Atualmente, segue cantando e tocando na Banda do Mar, com Fred Ferreira e Mallu Magalhães, sua atual esposa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Filho de Ernesto Camelo e da pintora naif Ana Camelo, Marcelo nasceu na cidade do Rio de Janeiro, tendo crescido em Jacarepaguá, zona oeste da cidade, onde morou até seus quinze anos. É o filho mais velho do casal tendo como irmão caçula o escritor Thiago Camelo. Além de seu pais sua família era formanda em maioria por artistas, músicos escritores entre outros, como exemplo seu tio Bebeto Castilho. Teve seus primeiros contatos com o rock quando se tornou fã da banda de hard-rock Bon Jovi, Poison e Skid Row. Desde jovem já aprendera a tocar teclado, bateria, violão.[2]

Seu contato com o rock alternativo se daria em sua época de faculdade, quando participava ativamente de um fanzine com Alex Werner chamada DooStraw, uma junção de Doo referência ao álbum Doolittle dos Pixies com a palavra straw de significado transladado palha, devido aos desenhos feitos por Alex á revista, voltado para a cena musical do Rio de Janeiro, no qual entrevistaria, inclusive, Alexandre Kassin, à época, membro da banda Acabou La Tequila, uma das maiores influências musicais de Camelo, e assim outras bandas como Little Quail and The Mad Birds, Planet Hemp, Ratos de Porão, Gangrena Gasosa, Pato Fu.[3] [4]

Los Hermanos[editar | editar código-fonte]

Foi cursando Jornalismo, na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, que Marcelo Camelo iniciou os primeiros contatos com o palco, tendo formado as bandas Drive By, Barnabé e Minanina's Popcorn antes de iniciar as formações da banda que viria a se chamar Los Hermanos. Até então estudantes da PUC-RJ, Marcelo Camelo e Rodrigo Barba formaram uma banda que contrapunha o peso do hardcore com a leveza de letras sobre o amor. Com a entrada dos músicos Bruno Medina, Rodrigo Amarante e Patrick Laplan a banda gravou, em 1997 seus primeiros materiais: as demos "Chora" e "Amor e Folia".

Em 1999, Marcelo Camelo lançou o primeiro álbum da banda Los Hermanos tendo escrito doze das quatorze faixas do álbum. O sucesso do álbum foi puxado pela música "Anna Júlia", que se conquistou expressão mundial e também com versão em inglês de Jim Capaldi e o segundo single, "Primavera". Na entrega do prêmio Multishow de 2000, Marcelo Camelo demonstrou estar embaraçado ao ganhar de Chico Buarque na categoria de melhor música, com "Anna Julia". Envergonhado, disse: "Cara, eu não sei nem o que falar. Eu me sinto envergonhado de ganhar um prêmio em uma categoria em que o Chico Buarque esteja competindo".

Dois anos depois, em 2001, o baixista Patrick Laplan desintegra-se da banda, alegando divergências musicais e o grupo lança o álbum "Bloco do Eu Sozinho", acrescentaram-se levadas melancólicas do Samba, da Bossa Nova e de outros ritmos latinos. O guitarrista Rodrigo Amarante, passou a ter mais espaço na banda, com composições como "Retrato Pra Iaiá", o single "Sentimental", "Cher Antoine" e "A Flor" essa com Marcelo Camelo que compôs "Todo Carnaval tem seu Fim" como primeiro single do disco.

O ano de 2003 chegava e já na Sony Music BMG, os Hermanos lançaram o álbum "Ventura". Antes chamado de "Bonança", foi o primeiro disco brasileiro a "vazar" em sua fase de pré-produção. O terceiro álbum apresentava um Los Hermanos multi-facetado. Nas composições de Marcelo de "Samba a Dois" ao pop rock de "O Vencedor" ou dos diálogos de "Conversa de Botas Batidas" e "Do Lado de Dentro", "Ventura" vinha com status do álbum que consolidaria a banda no cenário nacional. O primeiro single, "Cara Estranho" e em seguida vieram "O Vencedor" e "Último Romance", essa última de Rodrigo Amarante, que assinou cinco das quinze músicas do CD e passou a se destacar como compositor do cenário. A cantora Maria Rita em seu álbum homônimo, gravou três músicas de Marcelo Camelo: "Santa Chuva", "Cara Valente" e "Veja Bem Meu Bem". Os shows passaram a abrigar uma legião de fãs que passaram a ser a marca registrada da banda.

Em 2005 chega o quarto CD da banda, "4", o álbum mostrava um conteúdo mais introspectivo e uma aproximação mais impactante com a MPB. O disco, no entanto, seria considerado "irregular" pela grande crítica. Seja no violão de "Sapato Novo" e na bossa de "Fez-se Mar", ou a predominância de um clima saudoso nas letras de Camelo e Amarante, "4" dividiu novamente o público. O álbum teve como single de bastante repercussão a música "O Vento" do guitarrista Rodrigo Amarante. Seguiram-se a esse single "Condicional" e "Morena", ambas as músicas com clipes lançados ao mesmo tempo.

Posteriormente Bloco do Eu Sozinho e Ventura, respectivamente, em 2001 e 2003. Esses dois álbuns figuram na lista elaborada pela revista Rolling Stone dos 100 maiores discos da música brasileira.[5]

Até início de 2007, Marcelo manteve um blog no canal eletrônico G1 da Globo.com. No sitio, Camelo tentou apropriar-se de formas diferentes de postar crônicas e poemas, como textos datilografados ou até mesmo manuscritos.

Carreira Solo[editar | editar código-fonte]

Em 2008, depois de anunciado o hiato da banda, o compositor lançou seu primeiro disco intitulado 'Sou'. O álbum, que traz uma capa-poema do artista plástico Rodrigo Linares, foi lançado primeiramente na internet, por meio do site Sonora, do portal Terra. O disco traz 14 faixas compostas por Marcelo Camelo, sendo duas executadas exclusivamente pela pianista Clara Sverner, uma das convidadas especiais do disco. Além dela, a banda paulistana Hurtmold, a cantora Mallu Magalhães e o sanfoneiro Dominguinhos, marcam presença no álbum. A música "Janta" que conta com a participação de Magalhães, foi incluída pela revista Rolling Stone como a melhor faixa de 2008.[6]

Em abril de 2010, as faixas para o que seria o segundo álbum de estúdio da carreira solo de Marcelo estava no processo final de de gravação e o próprio autor já tinha anunciado que DC no momento sem nome seria lançado em três meses.[7] Porém Camelo resolveu mudar tudo e mudou de São Paulo morava com sua esposa e voltou para sua antiga cidade Rio de Janeiro diz ele após terminar o trabalho intitulado Toque Dela: "Para as minhas demandas, estava faltando outro tipo de estética. Fiz uma parada estratégica para ouvir o que tinha gravado. Trouxe [as faixas] para o Rio, e elas soam totalmente diferentes aqui e em São Paulo. Já no avião o disco vai mudando."

Marcelo Camelo passou a ser conhecido também como um entrevistado difícil. São frequentes os tropeços de jornalistas na frente de Camelo. Devido ao que alguns jornalistas classificam como má-vontade, Camelo muitas vezes vagueia em certas respostas. Desse modo, vários vídeos de gafes jornalísticas são sucesso em sites de compartilhamento de vídeos. Entre os mais famosos, há o vídeo que mostra uma jornalista de uma afiliada da Rede Globo de Brasília chamando Marcelo Camelo de Marcelo Campelo, erro que é grifado, de modo sarcástico, pelo guitarrista Rodrigo Amarante. Outro vídeo bastante acessado é o que se refere a uma entrevista no festival Ceará Music. A relação do músico e de sua banda Los Hermanos com a mídia em geral por muitas vezes gerou polêmica. Em uma entrevista à extinta Revista Bizz, Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante começaram a gravar o que o entrevistador perguntava, fato que teria gerado constrangimento no jornalista. Entre outros motivos, o músico já afirmou que começaram a adotar esse tipo de atitude para se proteger de possíveis distorções por parte da mídia.

Banda do Mar[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2014, Camelo anunciou sua nova banda, a Banda do Mar, com Mallu Magalhães e Fred Ferreira.

Produções de discos[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Los Hermanos[editar | editar código-fonte]

Carreira Solo[editar | editar código-fonte]

Banda do Mar[editar | editar código-fonte]

Indicações e premiações[editar | editar código-fonte]

  • A música "Janta" foi eleita a melhor música brasileira do ano de 2008 pela revista Rolling Stone, com destaque para a participação de Mallu Magalhães. Já o site Scream & Yell, que anualmente reúne cerca de 100 jornalistas para uma votação, elegeu, dentre 158 músicas citadas, "Janta" como a sexta melhor música brasileira do ano.
  • O site Scream & Yell também elegeu a capa de Sou, feita por Rodrigo Linares, como a segunda capa de CD brasileiro mais bonita do ano de 2008, perdendo apenas para o disco Artista Igual Pedreiro, da banda Macaco Bong.
  • Marcelo Camelo venceu como Melhor Cantor do Prêmio Multishow de Música Brasileira 2011 pelo voto do júri.
  • A revista Rolling Stone elegeu a música "Vermelho" do álbum Toque Dela como a quinta melhor música nacional de 2011, enquanto o site Rock 'n' Beats a elegeu em quarto no mesmo ano.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]