Som Nosso de Cada Dia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Som Nosso de Cada Dia
Informação geral
Origem São Paulo, SP
País Brasil
Gênero(s)
Período em atividade 1971–1978, 1993–1995, 2008–2010, 2017-presente
Gravadora(s)
Integrantes
  • Pedro Baldanza
  • Pedro Calasso
  • Marcello Schevano
  • Fernando Cardoso
  • Edson Ghilardi
Ex-integrantes
  • Manito
  • Pedrinho Batera
  • Dino Vicente
  • Paulinho Esteves
  • Tuca Camargo
  • Egídio Conde
  • Rangel
  • Marçalzinho
  • Marcinha
  • Tony Osanah
  • Thiago Furlan
  • Jorge Canti

Som Nosso de Cada Dia é um grupo musical brasileiro de rock progressivo - apesar de ter algumas músicas compostas nos gêneros funk e soul - formado em 1971 na cidade de São Paulo. É conhecida por ter lançado dois álbuns de estúdio nos anos 1970 com êxito em círculos específicos, Snegs - de 1974 - e Som Nosso - de 1977. Após o seu término em 1978, a banda retornou aos palcos em diversas oportunidades, tendo sua última volta ocorrido em 2017 e durado até os dias de hoje.

História[editar | editar código-fonte]

Formação e primeiro término[editar | editar código-fonte]

Formado originalmente por Manito (teclados, saxofone e flauta), Pedro Baldanza, o "Pedrão" (guitarra e baixo) e Pedrinho Batera (bateria e vocais) na cidade de São Paulo em 1971.[1] Era uma banda diferente das outras que existiam por não contarem com um guitarrista solando, mas apenas um baixista que tocava guitarra eventualmente em algum trecho de alguma música. O grupo era centrado na figura de Manito que já havia feito sucesso com o grupo de rock da Jovem Guarda Os Incríveis. As coisas começaram lentamente até a banda passar a participar de festivais. Em uma dessas apresentações, foram vistos por olheiros da gravadora GEL que recomendaram a contratação da banda para o lançamento de um álbum de estúdio. Com a contratação, no ano de 1973, enfrentaram problemas com a gravadora, principalmente tempo escasso de estúdio para realizar as gravações e problemas com os equipamentos do estúdio. Assim, acabaram tendo que realizar as gravações e mixagem de seu álbum de estreia em apenas uma semana em um estúdio que estava com problemas na mesa-de-som.[2]

Após a gravação, passaram a enfrentar outro problema: a gravadora não se animou com o material e colocou o disco na geladeira, adiando o seu lançamento indefinidamente. O grupo continuou fazendo shows e isto rendeu um convite para abrirem os shows que o cantor estadunidense Alice Cooper faria no Rio de Janeiro e em São Paulo. Foram cinco shows em julho que levaram a uma exposição gigante da banda que agradou o público: o maior show no Anhembi, em São Paulo, teve público de mais de 130 mil pessoas (estimativas chegaram até a falar em 158 mil pessoas[3]). Com a boa repercussão - especialmente dos teclados de Manito na canção "Massavilha", a gravadora resolve lançar o disco e, assim, após quase um ano da sua gravação, Snegs é lançado em 1974. Com o lançamento do disco, o grupo passa a se apresentar como atração principal em diversos festivais, como o primeiro Festival de Águas Claras e o festival Rock da Garoa, ambos em 1975.[2][4]

Nesta época, gravam um segundo disco contendo uma suíte intitulada "Amazônia", que passam a tocar em apresentações ao vivo. O disco acabaria não sendo lançado pela gravadora e, em novembro de 1975, Manito anuncia sua saída da banda.[5] Os membros remanescentes decidem continuar e a banda passa por diversas formações nos anos seguintes. Em 1976, assinam contrato com a gravadora Discos CBS e lançam, no ano seguinte, Som Nosso, contando com: Dino Vicente, Paulinho Esteves e Tuca Camargo (teclados); Egídio Conde (guitarra); Rangel e Marçalzinho (percussão); e Marcinha e Tony Osanah (vocais).[2][4] Neste disco, a banda também gravou temas influenciados pela música negra[6] e pelo funk de James Brown, com dois lados bem delimitados: um com música dançante; e outro com música progressiva.[7] Após passar por dificuldades para se manter fazendo shows, o grupo acaba em 1978.[8]

Retorno da banda nos anos subsequentes[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1993, o grupo volta com a formação original para gravar uma faixa bônus - "O Guarani" - para o relançamento em CD de Snegs, em comemoração aos seus 20 anos de lançamento. Esta volta rende, ainda, duas apresentações em outubro de 1994 - acompanhados por Jean Trad, na guitarra, e Homero Lotito, nos teclados - que resultariam na gravação de um álbum ao vivo, Live '94, lançado pelo selo Progressive Rock Worlwide no mesmo ano. No ano seguinte, morre Pedrinho Batera, levando a banda a novo hiato.[8][5][9]

Em 2004, foi lançado mais um registro fonográfico de apresentações da banda. Desta vez, os membros remanescentes escolheram faixas de diversas fitas cassete existentes com apresentações do grupo entre os anos de 1975 e 1976 e lançaram A Procura da Essência – Ao Vivo 1975-1976, pela gravadora Editio Princeps. O disco conta com os músicos Pedrão Baldanza (baixo), Pedrinho Batera (bateria), Egidio Conde (guitarra), Dino Vicente e Tuca Camargo (teclados) e Rangel (percussão).[5]

Em 24 de abril de 2008, o Som Nosso retornou mais uma vez para apresentações na Virada Cultural Paulista. O show ocorreu em um Teatro Municipal lotado e a banda tocou o primeiro álbum na íntegra. Além de Manito e Pedro Baldanza, participaram como músicos de apoio: Thiago Furlan e Jorge Canti (vocais), Marcelo Schevano (guitarra e flauta), Fernando Cardoso (teclados) e Edson Guilardi (bateria). O sucesso da apresentação levou a banda a realizar novas apresentações, como no festival Psicodália de 2009 e na mesma Virada Cultural Paulista de 2009, desta vez na Praça da República para uma plateia estimada em 35 mil pessoas.[10] Entretanto, O novo regresso é forçado a uma nova pausa em 2010, quando Manito passa a ter problemas de saúde devido a um câncer de laringe, o que o levaria à morte no ano seguinte.[11]

Em 2011, novo registro ao vivo é lançado pela banda, Ao Vivo no Aquarius, pelo selo Museu do Disco. Dessa vez, uma performance realizada em 1976 no Teatro Aquarius (atualmente, Teatro Zaccaro) com os músicos Pedrão Baldanza (baixo e vocais) Egídio Conde (guitarra), Dino Vicente (teclados), Pedrinho Batera (bateria e vocais) e Rangel (percussão e vocais).[12]

Em 2012, a Rede Globo usou a canção funk "Pra Swingar", faixa de abertura do segundo álbum da banda, na abertura da minissérie Suburbia.[7]

A partir de 2017, com novo relançamento do Snegs em CD, a banda retorna e passa a tocar em festivais e shows pelo país.[9][13]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Discografia dada pelo IMMUB[14] e pelo Discogs.[15]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • 1994 - Live '94 (Progressive Rock Worlwide)
  • 2004 - A Procura da Essência – Ao Vivo 1975-1976 (Editio Princeps)
  • 2011 - Ao Vivo no Aquarius (Museu do Disco)

Singles[editar | editar código-fonte]

  • 1978 - Black Rio / Identificação (Discos CBS)

Referências

  1. «Dados Artísticos». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. N.d. Consultado em 30 de março de 2013 
  2. a b c Ben Ami Scopinho (27 de abril de 2017). «Som Nosso de Cada Dia: a essência após mais de 40 anos». Clic RBS. Consultado em 23 de maio de 2019 
  3. Lizbeth Batista (2 de junho de 2011). «Alice Cooper, pioneiro dos mega shows de rock no Brasil». O Estado de S. Paulo. Consultado em 24 de maio de 2019 
  4. a b Mairon Machado (22 de setembro de 2011). «Maravilhas do Mundo Prog: Som Nosso de Cada Dia – Sinal da Paranóia [1974]». Consultoria do Rock. Consultado em 23 de maio de 2019 
  5. a b c Marcos A. M. Cruz (26 de agosto de 2004). «Som Nosso de Cada Dia - Entrevista exclusiva com Pedro Baldanza». Whiplash.net. Consultado em 27 de maio de 2019 
  6. Silvio Essinger (20 de dezembro de 2000). «Clássicos do samba-soul reeditados em CD». CliqueMusic 
  7. a b Renato Damião (2 de novembro de 2012). «Autor do tema de "Suburbia" diz que soube por amigos que canção de 1976 virou trilha da série». UOL 
  8. a b Mairon Machado (10 de novembro de 2013). «Discografias comentadas: Som Nosso de Cada Dia». Consultoria do Rock. Consultado em 20 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  9. a b «O Som Nosso de Cada Dia revisita o rock progressivo de "Snegs"». IMMUB. 4 de maio de 2018. Consultado em 23 de maio de 2019 
  10. Cláudio Fonzi (26 de janeiro de 2009). «Som Nosso de Cada Dia: O Retorno de uma Lenda». Whiplash.net. Consultado em 20 de janeiro de 2014 
  11. Roger Marzochi (9 de setembro de 2011). «Morre, aos 68 anos, o músico Manito». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de janeiro de 2014 
  12. «Som Nosso de Cada Dia ‎– Ao Vivo no Aquarius». Discogs. N.d. Consultado em 27 de maio de 2019 
  13. Mairon Machado (18 de abril de 2017). «Entrevista Exclusiva: Pedro Baldanza (Som Nosso de Cada Dia)». Consultoria do Rock. Consultado em 27 de maio de 2019 
  14. «Som Nosso de Cada Dia». IMMUB. N.d. Consultado em 23 de maio de 2019 
  15. «Som Nosso de Cada Dia». Discogs. N.d. Consultado em 23 de maio de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BRAMBILLA, Edemilson Antônio e SAGGIORATO, Alexandre. A banda Som Nosso de Cada Dia e o Brasil da década de 1970. XIV Encontro Estadual de História - Democracia, Liberdades, Utopias. Porto Alegre: ANPUH-RS, 2018.
Crystal Clear app kguitar.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.