Psicodália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Psicodália
Psicodália
L1004403.jpg
Psicodália 2014
Período de atividade 2001 - atualmente
Número de edições 20 (2017)
Local(is) Rio Negrinho, SC Brasil
Gênero(s) Rock, Folk, Rock Psicodélico, MPB
Página oficial Psicodália

O Festival Psicodália é um festival de música independente e artes, voltado principalmente para o rock e suas vertentes como folk e rock progressivo/rock psicodélico, porém flerta também com outros estilos, como jazz, blues, clown music, hard rock, soul, música indiana e rock rural. Desde 2005, o festival ocorre anualmente, geralmente alternando entre o Réveillon e o Carnaval, abstendo-se da tradição carnavalesca. Atualmente, o evento é sediado no município de Rio Negrinho (SC).[1]

O Psicodália conta em sua maioria com bandas da região sul do Brasil, havendo sempre atrações especiais de artistas consagrados. Além de música, são promovidas outras atividades como oficinas que envolvem temas ligados à arte (dança, artesanato), ecologia e saúde, exibição de filmes, peças de teatro, recreação infantil e adulta, exposições, bazar, entre outras. A consciência ecológica e comunitária também fazem parte da proposta deste evento. Os participantes ficam acampados numa grande área na zona rural do município, onde é montada a estrutura do evento.[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Psicodália 2014

O Festival Psicodália teve início em 2001 com o projeto piloto Angrastock em Angra dos Reis (RJ). [4][5] O objetivo inicial era criar espaço para que bandas independentes e de qualidade pudessem divulgar seu trabalho. A primeira edição contou com 150 participantes. [6][7]

O ano de 2003 contou com a criação do Movimento Psicodália, de seu manifesto, e a organização dos festivais por Klauss Pereira, Manuela Santana, Alexandre Osiecki e Julianna Henriques. A sede do evento foi transferido para o município de Lapa (PR), espaço que contava com área de camping, cachoeiras e estacionamento para 2.500 carros. Até 2005, as edições eram alternadas com festivais de inverno na cidade de Antonina (PR), que continha alojamento coberto para até 200 pessoas, portaria, banheiros, restaurante, lanchonete e bar aberto.

Entre 2006 e 2009, o Psicodália foi realizado anualmente em uma chácara de São Martinho (SC). O local oferecia toda a estrutura necessária para receber até 3.000 pessoas. Contava com pousada, restaurante colonial, cantina, lanchonete, bares, estacionamento, portaria 24 horas, área de shows coberta, três áreas de camping e banheiros. Nesse período a rádio Kombi foi criada para transmitir música e informações diariamente na área do festival, e o lixo gerado pelo evento era recolhido com a seleção de materiais reciclados.[8] As principais atrações dessas edições foram Patrulha do Espaço (2006), Sérgio Dias (2007), Casa das Máquinas (2008), e Som Nosso de Cada Dia e Pata de Elefante (2009).[3]

Desde 2010 o evento é anualmente sediado na fazenda Evaristo, localizada na estrada dos Bugres do município de Rio Negrinho (SC). O local possui 300.000 metros quadrados de área verde (com lagoas, trilhas, cascata), e conta ainda com 3 palcos (com cobertura para o público), praça de alimentação, saloon e bares diversos, mercearia, banheiros, tirolesa, unidade móvel de saúde, cinco áreas de camping e estacionamento para bicicletas, carros, motos, ônibus e motorhome.[9][10][11]

Hoje, o Psicodália atrai em torno de 5.000 pessoas a cada edição, tem o respeito da cena cultural do eixo sul e cobertura da imprensa regional. O objetivo inicial do grupo se tornou ainda mais consistente e se expandiu. Atualmente a visão geral é desenvolver o cenário musical, tornando-o mais profissional e incentivando as bandas a produzirem mais e melhor. Ao mesmo tempo, propõe formação de público, preparando a audiência para ouvir músicas de bandas independentes e tornando-a mais crítica. [2][12] Segundo um de seus organizadores: "O Movimento Psicodália é uma iniciativa que visa, além de integrar o público, descobrir novos talentos. Acreditamos que o incentivo à produção de música própria, numa época em que a indústria comercial domina o Mercado, seja de grande importância. Então, nos shows as bandas executam somente suas composições próprias, sem qualquer música 'cover'. O objetivo deste regulamento é incentivar as bandas a produzirem músicas próprias, fomentando o desenvolvimento do talento músico-teatral dos músicos e aproximando o público da essência das bandas. O Movimento Psicodália acredita que existem muitos artistas produzindo material de qualidade mas este trabalho não chega ao público pelo fato deles serem independentes".[7]

Edições[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de edições do Psicodália

Principais Atrações[editar | editar código-fonte]

Principais atrações
Alceu Valença (2013) Almir Sater (2014) Ave Sangria (2011)
Blindagem (2010) Blues Etílicos (2013) A Bolha (2012)
Casa das Máquinas (2008,2012) Di Melo (2014) Gong (2014)
Hermeto Pascoal (2013) Made in Brazil (2004,2014) Moraes Moreira (2014)
Os Mutantes (2010,2013) Patrulha do Espaço (2006) Paulinho Boca de Cantor (2012)
Sá & Guarabyra (2012) Sérgio Dias (2007) Som Nosso de Cada Dia (2019)
O Terço (2011) Terreno Baldio (2010) Tom Zé (2011,2014)
Traditional Jazz Band (2011,2014) Wander Wildner (2014) Yamandu Costa (2014)

Participações[editar | editar código-fonte]

Bandas participantes de 2006 a 2014
Nome Quant. Anos
Gato Preto / Confraria da Costa (PR) 8 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
Plá (PR) 8 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2014
Casa de Orates (SC) 7 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
Goya (PR) 7 2006 2007 2008 2009 2011 2012 2013
Sopro Difuso (PR) 7 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2014
Cadillac Dinossauros (PR) 6 2008 2009 2010 2012 2013 2014
Electric Trip (RS) 6 2007 2008 2009 2010 2011 2013
Sopa (PR) 6 2006 2007 2008 2009 2010 2011
O Sebbo (PR) 6 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Bandinha Di Dá Dó (RS) 4 2009 2010 2012 2013
Davi Henn (PR) 4 2011 2012 2013 2014
Calibrados (PR) 3 2006 2007 2008
Skrotes (SC) 3 2013 2015 2016
O Conto (PR) 3 2009 2010 2011
Dingo Bells (RS) 3 2012 2013 2014
Leandro Lopes 3 2012 2013 2014
Pata de Elefante (RS) 3 2009 2010 2012
Plástico Lunar (SE) 3 2009 2010 2012
Seres Inteligíveis Vindos do Hiperurano (PR) 3 2006 2007 2009
Terra Celta (PR) 3 2011 2012 2013
Trem Fantasma 3 2009 2010 2011
Variantes (SC) 3 2006 2007 2008
Zé Trindade (MG) 3 2009 2010 2011

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Durante o festival, as compras são efetuadas com o Dália e o Psicocente (dinheiro oficial do evento).[4]
  • O festival possui algumas expressões 'sui generis' repetidas a cada edição: o refrão de uma música da banda Bandinha Di Da Dó "Doce doce doce doce, doce doce doce, doce doce doce", o refrão da música Maracatu Atômico do Chico Science & Nação Zumbi: " Anamauê, auêia, aê"; o grito introdutório de Immigrant Song da banda Led Zeppelin, e o clássico "Wagneeeeeeeeeer!!!".[4][9]
  • A edição de 2013 do festival Morrostock contou com a colaboração da equipe do Psicodália para o fornecimento de estrutura e ferramentas para alimentação, instalação completa para pizzaria e dois gerentes, além de distribuição de adesivos do Psicodália 2014, exibição de vídeos e exposição e venda de alguns itens do bazar Psicodália. [13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fabio Bispo (fevereiro de 2011). «Psicodália reune em Rio Negrinho atrações de peso durante os dias de carnaval» (em português). Jornal Notícias do Dia. Consultado em 23 de maio de 2014 
  2. a b Camila Eiroa (8 de março de 2014). «Revival Hippie» (em português). Revista Trip. Consultado em 26 de maio de 2014 
  3. a b Clara Bóia (13 de janeiro de 2007). «Psicodália de Carnaval 2007» (em português). Overmundo. Consultado em 23 de maio de 2014 
  4. a b c «Festival Psicodália» (em português). Revista Noize. 11 de março de 2008. Consultado em 26 de maio de 2014 
  5. Rachel Coelho (11 de fevereiro de 2007). «Maringá no Psicodália» (em português). O diário (Maringá). Consultado em 26 de maio de 2014 
  6. «Arte, natureza e rock and roll no Carnaval» (em português). Laguna em foco. 26 de janeiro de 2008. Consultado em 26 de maio de 2014 
  7. a b Claudio Fonzi (27 de novembro de 2009). «Festival Psicodália: Mutantes, Terreno Baldio e Blindagem» (em português). Whiplash. Consultado em 26 de maio de 2014 
  8. Fabiano Cruz (13 de abril de 2009). «Festival Psicodália de 2009» (em português). Alquimia Rock Club. Consultado em 23 de maio de 2014 
  9. a b «Conheça a estrutura» (em português). Sítio do Psicodália. Consultado em 26 de maio de 2014  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "psico_estr" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  10. «Virada psicodélica» (em português). Gazeta do Povo. 31 de dezembro de 2009. Consultado em 23 de maio de 2014 
  11. Tony Mokan (09 de dezembro de 2009). «Festival Psicodália em edição histórica de ano novo apresenta Mutantes, Terreno Baldio e Blindagem» (em português). Portal Região Rock. Consultado em 23 de maio de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  12. Claudio Fonzi (5 de fevereiro de 2008). «Resenha - Psicodália (São Martinho, Santa Catarina, 1 a 05/02/08)» (em português). Whiplash. Consultado em 23 de maio de 2014 
  13. Rafael Pampoch (02 de outubro de 2013). «Psicodália apoia Morrostock» (em português). Sítio do Psicodália. Consultado em 23 de maio de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Cultura é um esboço relacionado ao Projeto Cultura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.