Chico César

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Chico César
26 Prêmio da Música Brasileira (18697427215).jpg
Chico César em 2015, no
26º Prêmio da Música Brasileira.
Informação geral
Nome completo Francisco César Gonçalves
Nascimento 26 de janeiro de 1964 (53 anos)
Origem Catolé do Rocha,  Paraíba
Nacionalidade  brasileiro
Gênero(s) MPB
Instrumento(s) Voz, Violão
Período em atividade 1991 – presente
Página oficial ChicoCésar.com

Francisco César Gonçalves (Catolé do Rocha, 26 de janeiro de 1964), conhecido pelo nome artístico Chico César, é um cantor, compositor, escritor e jornalista brasileiro.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Nascido no município de Catolé do Rocha, interior da Paraíba, aos dezesseis anos foi para João Pessoa, onde se formou em jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba.

Nessa época, entrou para o grupo Jaguaribe Carne, o qual fazia poesia de vanguarda.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Jornalista e músico[editar | editar código-fonte]

Pouco depois, aos 21, mudou-se para São Paulo. Trabalhando como jornalista e revisor de textos da Editora Abril,[1] aperfeiçoou-se em violão, multiplicou as composições e formou seu público. Sua carreira artística tem repercussão internacional. A maioria de suas canções são poesias de alto poder de encanto linguístico.

Em 1991, foi convidado para fazer uma turnê pela Alemanha, e o sucesso o animou a deixar o jornalismo para dedicar-se somente à música. Formou a banda Cuscuz Clã e passou a apresentar-se na casa noturna paulistana Blen Blen Club. Em 1995 lançou seu primeiro disco Aos Vivos e seu primeiro livro Cantáteis, cantos elegíacos de amizade (ed. Garamond).

Tornou-se nacional e internacionalmente conhecido em 1996 pela canção "Mama África".[2][3] O videoclip da música ganhou o prêmio de "Melhor Videoclipe de MPB" no MTV Video Music Brasil (VMB) de 1997 e é considerado um dos marcos da MTV Brasil.[4][5][6]

Em 2007 participou do filme Paraíba, Meu Amor, do cineasta suíço Jean Robert-Charrue, cuja música tema é de sua autoria.[7][8]

Secretário da cultura paraibana[editar | editar código-fonte]

Chico César tomou posse na presidência da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) em maio de 2009. De janeiro 2011 a dezembro de 2014 foi Secretário de Cultura do estado da Paraíba.[9]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio
Composições para intérpretes
Ano Música Intérprete Coletânea
2005 Pensar em Você Daniela Mercury Belíssima - Trilha Sonora Nacional e Balé Mulato
1996 À Primeira Vista Daniela Mercury Rei do Gado - Trilha Sonora e Feijão com Arroz

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Chico César

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Carlos Alberto Farias de Azevêdo Filho (1º de setembro de 2009). «Leituras de Veja». Observatório da Imprensa. Consultado em 3 de agosto de 2014 
  2. Santos, Kywza (2010). O reggae como expressão da negritude moderna na música popular brasileira (PDF). II MUSICOM. São Luiz 
  3. Som Brasil (30 de agosto de 2013). «Integrante do movimento nordestino, Chico César interpreta seu sucesso 'Mama África'». Globo Play. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  4. MZA Music (10 de agosto de 2009). Chico César - Mama África. YouTube 
  5. «Ganhadores do VMB». Folha de S.Paulo. 16 de agosto de 1997. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  6. Marcos Lauro (2 de janeiro de 2016). «28 músicas que completam 20 anos em 2016». Billboard Brasil. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  7. Glauco Araújo (15 de junho de 2008). «Cineasta suíço mostra documentário sobre forró no Festival de Montreaux». G1 – Brasil. Consultado em 3 de agosto de 2014 
  8. Da redação (10 de fevereiro de 2008). ««Pirataria não é um problema dos músicos»». Swissinfo. Consultado em 3 de agosto de 2014 
  9. Tiago Dias (30 de junho de 2016). «Chico César fala de corrupção na música, mas diz: "política não é esgoto"». UOL Entretenimento. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  10. Walter de Silva. «Prêmio Sharp & Música Regional». Brazilian Music UpToDate. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  11. «Edição 1996». Prêmio da Música Brasileira. 7 de dezembro de 2015. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  12. «APCA divulga "Os Melhores de 1996"». Folha de S.Paulo. 11 de dezembro de 1996. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  13. «Confira todos os vencedores do Prêmio Globo Melhores do Ano». 11 de dezembro de 2016 
  14. «Chico César». Paraíba Criativa. 3 de agosto de 2015. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  15. «Ganhadores do VMB». Folha de S.Paulo. 16 de agosto de 1997. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  16. «Prêmio da Música Brasileira divulga lista dos indicados de 2016». Arte e cultura no portal do Estadão. 17 de maio de 2016. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
  17. «Chico César é finalista do Prêmio Jabuti». Rubão. 23 de outubro de 2016. Consultado em 28 de janeiro de 2017 
Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.