Balé Mulato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Balé Mulato
Álbum de estúdio de Daniela Mercury
Lançamento 25 de outubro de 2005
Gravação Abril— Julho de 2005
Estúdio Ilha dos Sapos e Estúdio Canto da Cidade (Salvador, Bahia)[1][2]
Gênero(s)
Duração 51:21
Formato(s)
Gravadora(s) EMI
Produção
  • Ramiro Musotto
  • Alê Siqueira
  • Daniela Mercury
Cronologia de Daniela Mercury
Clássica
(2005)
Baile Barroco
(2006)
Singles de Balé Mulato
  1. "Topo do Mundo"
    Lançamento: 11 de outubro de 2005
  2. "Levada Brasileira"
    Lançamento: Janeiro de 2006

Balé Mulato é o oitavo álbum de estúdio da cantora brasileira Daniela Mercury, lançado em 25 de outubro de 2005 pela EMI. Após o lançamento de Carnaval Eletrônico (2004) e Clássica, que apresentaram mudanças em seu estilo musical, Mercury foi vista como "prepotente" pelos críticos musicais. Com Balé Mulato, Mercury voltou ao uso da axé music como elemento principal de suas canções. O álbum recebeu críticas positivas por parte dos críticos musicais, que parabenizaram a cantora por voltar às suas raizes, comparando-o com seu disco anterior Feijão com Arroz (1996).

Balé Mulato foi certificado ouro pela Pro-Música Brasil (PMB), por vendas de 40.000 cópias. "Topo do Mundo", foi a primeira faixa a ser lançada como single. "Levada Brasileira" foi o segundo single do disco, sendo trabalhada para o Carnaval de 2006. Com a canção, Mercury foi vencedora do Troféu Band Folia, ganhando um prêmio de melhor música pela faixa. O single promocional "Olha o Gandhi Aí", também venceu o mesmo troféu em 2005. A faixa "Pensar em Você" fez parte da trilha sonora nacional da novela da Rede Globo, Belíssima (2004-05).

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento de Carnaval Eletrônico (2004), uma experimentação com a música eletrônica, e Clássica, um registro de um concerto com músicas jazz e bossa nova, Mercury foi vista como "prepotente" pelos críticos musicais. A cantora a respeito disso declarou: "Eu sou uma cantora de música popular brasileira e tenho o direito de experimentar. Não sou acomodada. Tenho atitude e sei o que quero".[3] Ela então decidiu reconectar-se com suas raízes brasileiras. Com o lançamento de um novo álbum, Balé Mulato, o primeiro pela gravadora EMI,[4] Mercury voltou ao uso da axé music como elemento principal de suas canções.[5] A cantora disse que algumas canções do disco podem ser "simples" ou "complicadas" demais:

"Este disco tem canções simples, mas que pra mim são muito bonitas e fazem com que as pessoas se identifiquem. Não é uma questão comercial, é uma questão de devolver para a população algo que é seu. Já outras músicas correm o risco de ser complicadas demais, mas acho que tem que ter esse entrave. Você não pode restringir o vocabulário de um disco".[6]

Arte da capa[editar | editar código-fonte]

A capa de Balé Mulato foi fotografada por Mário Cravo Neto, na quadra da escola de samba Beija Flor de Nilópolis, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, e feita pelo artista plástico Gringo Cardia. O encarte do disco se desdobra e mostra ensaio de fotos do Carnaval e dos morros.[6] Hagamenon Brito do Correio da Bahia comparou a obra ao álbum da cantora Feijão com Arroz, lançado em 1996, dizendo: "O próprio espírito de mix rítmico, de miscigenação do disco de 1996, está presente no projeto gráfico de agora, assinado por Gringo Cardia".[7]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas.[1]
Folha de S. Paulo 2 de 4 estrelas.[6]

Balé Mulato recebeu críticas positivas por parte dos críticos musicais, que haviam afirmado que a cantora havia se perdido nos álbuns anteriores em termos musicais. Rubens Lisboa do website Infonet deu uma crítica positiva ao álbum, considerando-o um dos melhores de sua discografia, e dizendo que "Em seu novo trabalho, Daniela retoma a mistura pop baiana que caracteriza a melhor fase de sua carreira, enveredando por um axé mais tradicional e básico sem, contudo, torná-lo simplista". Complementou dizendo que Balé Mulato era "um disco feito com categoria sob medida para os amantes dos baticuns e similares", mas também observou que "Como compositora, Daniela continua irregular, porém acertou ao dosar sua produção autoral".[5]

Hagamenon Brito do Correio da Bahia criticou positivamente Balé Mulato, dizendo que ele soava como uma atualização de Feijão com Arroz (1996), e que a cantora continuava com a saudável mania de tentar conciliar mercado e qualidade.[7] Ronaldo Evangelista, escrevendo para a Folha de S. Paulo, deu duas estrelas para o álbum numa escala que vai até quatro, afirmando que "por muitos anos, Daniela Mercury foi 'acusada', nas entrelinhas, de não ter voz própria e atirar para todos os lados [...] em 'Balé Mulato', a cantora não é mais do que ela mesma. Estão ali as músicas que incitam à festa, os refrões que se repetem à exaustão, as baladas no violão, as percussões que se misturam com ritmos eletrônicos, as covers de MPB e a animação e potência da sua voz". No entanto, também percebeu que "O problema é que muita coisa não funciona pelo esforço exagerado para tornar aquilo aceitável e pop. [...] Daniela Mercury e seu disco novo têm muitas qualidades, são agradáveis e devem encontrar seu público. Mas, em alguns momentos, é tudo apenas desinteressante".[6]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Mercury durante um concerto em Tel Aviv, Israel, em 2007

Como parte da turnê de divulgação para Balé Mulato, Mercury interpretou a canção em 30 de novembro de 2005 no programa da Rede Globo, Mais Você.[8] A cantora também foi ao Programa do Jô em 8 de dezembro para falar sobre o álbum e o cancelamento de seu show no Vaticano devido à sua posição favorável ao uso de preservativos como forma de prevenção à AIDS, além de ter cantado "Topo do Mundo" e seu sucesso anterior "Ilê Pérola Negra (O Canto do Negro)", de seu álbum Sol da Liberdade (2000).[9] Alguns dias depois, em 19 de dezembro, ela compareceu ao programa Hebe, apresentado por Hebe Camargo no SBT, e novamente cantou "Topo do Mundo".[10] Em fevereiro de 2006, Mercury foi a Portugal para divulgar o álbum, aparecendo em diversos programas da televisão portuguesa, como HermanSIC e Só Visto! da RTP, e K7 Pirata da SIC.[11]

Ainda no mesmo mês, três músicas do álbum, "Topo do Mundo", "Levada Brasileira" e "Pensar em Você", chegaram aos celulares da operadora TIM Brasil em truetone, formato digital para execução em telefones portáteis.[12] Em 2 de abril, ela participou do Domingão do Faustão, onde recebeu discos de ouro, por Balé Mulato e pelo DVD Baile Barroco.[13] No dia 22, a cantora retornou ao programa Hebe, que comemorava sua milésima edição, e cantou "Levada Brasileira".[14] Em 8 de maio, ela cantou "Pensar em Você" no Domingo Legal e falou sobre os concertos que faria durante a Copa do Mundo FIFA de 2006 na Alemanha.[15] Em 11 de junho, Mercury marcou presença na estreia do programa Tudo é Possível da Rede Record, e cantou "Levada Brasileira" além de sucessos anteriores como "O Canto da Cidade", "Rapunzel" e "Maimbê Dandá".[16]

A turnê de divulgação do disco foi iniciada em 11 de março de 2006, no Citibank Hall. O cenário da turnê foi assinado pelo artista plástico Joãozito, que continha panos de chita evocavam a estética das favelas brasileiras com imagens de inspiração barroca.[17] O concerto do dia 17 de setembro de 2006, no Farol da Barra, em Salvador, foi gravado para um lançamento em CD e DVD. A apresentação gratuita fez parte das comemorações dos 60 anos do Sesc.[18] O DVD, intitulado Balé Mulato - Ao Vivo e dirigido por Lírio Ferreira, foi lançado em novembro do mesmo ano.[19] Um ano depois, em 8 de novembro de 2007, o trabalho recebeu o Grammy Latino de melhor álbum de música regional ou de raízes brasileira, o primeiro da cantora após quatro indicações frustradas.[20]

Singles[editar | editar código-fonte]

"Olha o Gandhi Aí" foi lançada como um single promocional em 2005, para o Carnaval, e acabou sendo adicionada à lista de faixas de Balé Mulato. A faixa foi vencedora do Troféu Band Folia, como melhor música.[21] "Topo do Mundo" foi lançada como o primeiro single oficial do trabalho em 11 de outubro de 2005.[22] Um vídeo musical acompanhante para "Topo do Mundo" foi dirigido por Lírio Ferreira, e foi inspirado pelo Mito de Penélope. Nele, Mercury é uma costureira em um barracão de escola de samba à espera do seu amor que se encontra preso não se sabe bem o porquê. Ela trabalha em seu vestido de porta-bandeira, preparando-se para o Carnaval.[23] "Levada Brasileira" foi o segundo single oficial do disco, sendo trabalhada para o Carnaval de 2006. Com a faixa, Mercury foi novamente vencedora do Troféu Band Folia, ganhando um prêmio de melhor música pela canção.[24]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

CD
N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Topo do Mundo"  
  3:06
2. "Levada Brasileira"   Pierre Onasis, Edilson   3:36
3. "Amor de Ninguém (O Amor)"   Jorge Papapa   3:54
4. "Balé Popular"   Onassis, Edilson   3:45
5. "Toneladas de Amor"   Márcio Mello   4:07
6. "Nem Tudo Funciona de Verdade"   Tenison Del Rey, Gerson Guimarães   2:52
7. "Pensar em Você"   Chico César   3:13
8. "Quero Ver o Mundo Sambar"   Daniela Mercury   4:05
9. "Aquarela do Brasil"   Ary Barroso   4:33
10. "Meu Pai Oxalá"     2:58
11. "Eu Queria"  
  • Onassis
  • Xel Guima
  • Edilson
  3:28
12. "Sem Querer"   Mercury   4:31
13. "Olha o Gandhi Aí"  
  • Tonho Matéria
  • Jo Vieira
  3:42
14. "Água do Céu"  
  • Mercury
  • Jorge Zarath
  3:55
Duração total:
51:21

Paradas e certificações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Daniela Mercury - Balé Mulato». AllMusic. Consultado em 13 de março de 2016 
  2. «Daniela Mercury muda de gravadora». Carnaxé. Outubro de 2005. Consultado em 13 de março de 2016 
  3. «30 anos do Axé: O canto dessa cidade é dela, a "Rainha do Axé", Daniela Mercury». Aratu Online. 16 de janeiro de 2015. Consultado em 13 de março de 2016 
  4. «DANIELA MERCURY assina com a EMI Music». EMI. 4 de outubro de 2005. Consultado em 13 de março de 2016. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2007 
  5. a b Lisboa, Rubens (30 de janeiro de 2006). «Musiqualidade». Infonet. Consultado em 13 de março de 2016 
  6. a b c d Evangelista, Ronaldo (11 de novembro de 2005). «Daniela Mercury retoma a multiplicidade do pop». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de março de 2016 
  7. a b As donas do canto: o sucesso das estrelas-intérpretes no carnaval de Salvador
  8. «Daniela Mercury: alegria contagiante». Gshow. 30 de novembro de 2005. Consultado em 17 de maio de 2017 
  9. http://www.carnaxe.com.br/history/2005/dez/dez_39.htm
  10. «Daniela Mercury no Programa Hebe». Hebe. 19 de dezembro de 2005. SBT 
  11. http://www.carnaxe.com.br/history/2006/fev/fev_68.htm
  12. http://www.carnaxe.com.br/history/2006/fev/fev_59.htm
  13. http://www.carnaxe.com.br/history/2006/abr/abr_106.htm
  14. http://www.carnaxe.com.br/history/2006/abr/abr_107.htm
  15. http://www.ofuxico.com.br/noticias-sobre-famosos/audiencia-dominical-mantem-faustao-e-gugu-no-topo/2006/05/08-25988.html
  16. http://www.carnaxe.com.br/history/2006/jun/jun_108.htm
  17. http://www.procasamanaus.com.br/noticias/bahia-rumo-manaus
  18. Feitosa, Beto (13 de setembro de 2006). «Daniela Mercury grava novo DVD». ZiriGuidum. Consultado em 17 de maio de 2017 
  19. Feitosa, Beto. «A festa de Daniela Mercury». ZiriGuidum. Consultado em 17 de maio de 2017 
  20. «Daniela Mercury ganha Grammy de Música Regional». Terra Networks. 8 de novembro de 2007. Consultado em 17 de maio de 2017 
  21. «Chiclete é o grande vencedor do Troféu Band Folia». Carnasite. 9 de fevereiro de 2005. Consultado em 8 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de março de 2014 
  22. «DANIELA MERCURY assina com a EMI Music». EMI. 4 de outubro de 2005. Consultado em 8 de maio de 2017. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2007 
  23. «DANIELA MERCURY grava novo clipe». EMI. 14 de outubro de 2005. Consultado em 8 de maio de 2017. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2005 
  24. Scalco, Janice (28 de fevereiro de 2006). «Daniela Mercury é Carmem Miranda em noite dourada». Terra Networks. Consultado em 8 de maio de 2017 
  25. «DANIELA MERCURY - BALÉ MULATO (ALBUM)». Portuguesecharts.com. Consultado em 26 de maio de 2017 
  26. «CERTIFICADOS». Pro-Música Brasil. Consultado em 7 de maio de 2017 
  27. «Balé Mulato de DANIELA MERCURY também em Portugal». EMI. 3 de abril de 2006. Consultado em 7 de maio de 2017. Cópia arquivada em 16 de junho de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]