Samba-reggae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Samba Reggae
Origens estilísticas Samba, reggae, funk, soul
Contexto cultural Década de 1980 e 1990
Instrumentos típicos Agogô, percussão, atabaque, tambor, pandeiro
Popularidade Bastante popular na Bahia
Outros tópicos
Axé music, pagode baiano

Samba-reggae é um gênero musical nascido no estado da Bahia criado e difundido pelo maestro Neguinho do Samba.[1] Como o próprio nome sugere, é uma fusão entre o samba brasileiro e o reggae jamaicano, representado fortemente na figura do negro.[1] Por ser um gênero de origem baiana, é erroneamente chamado de axé music.[2] [3] [4]

Como precursores do ritmo que se espalhou pelo Brasil e pelo mundo, principalmente com as batidas do grupo Olodum, estão Margareth Menezes, Daniela Mercury, Carlinhos Brown, Timbalada, Banda Mel, Banda Reflexus.

História[editar | editar código-fonte]

O samba-reggae, nasceu da difusão do samba duro (uma variante do samba de roda)[5] com o reggae e o funk apresentando dois tambores, um pandeiro, um atabaque, uma guitarra ou viola eletrônica no lugar do cavaquinho e instrumentos da música latina, com forte influências do merengue, da salsa e de candomblé.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Margareth Menezes (3 de abril de 2014). «A história do samba-reggae». Revista Raça Brasil. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  2. G1 lista 15 músicas para entender o axé e o carnaval baiano
  3. Margareth Menezes. (abril 2014). "A música para divulgar valores". Revista Raça Brasil (186). Editora Minuano.
  4. A diferença entre Axé Music e Afropop
  5. Almerinda Guerreiro (2000). A trama dos tambores: a música afro-pop de Salvador Editora 34 [S.l.] p. 21. 8573261757, 9788573261752. 
  6. Adonay Ariza (2006). Eletronic samba: a música brasileira no contexto das tendências internacionais Annablume [S.l.] pp. 306 a 309. 8574196037, 9788574196039. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]