Ricardo Chaves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ricardo Chaves
Informação geral
Nome completo Ricardo Chaves Pedreira de Freitas
Nascimento 11 de junho de 1963 (53 anos)
Origem Salvador, BA
País  Brasil
Gênero(s) axé music
Instrumento(s) voz
Página oficial www.ricardochaves.com.br

Ricardo Chaves Pedreira de Freitas ou simplesmente Ricardo Chaves (Salvador, 11 de junho de 1963) é um cantor brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ricardo Chaves iniciou a carreira como baixista de um grupo de rock chamado Fim da Picada. Mais tarde, em 1982, tornou-se cantor de axé music no bloco da Banda Pinel, a convite de Durval Lélys (que seria posteriormente o vocalista do Asa de Águia),[1] onde permaneceu por cinco anos. Formou-se em Administração de Empresas.

Após ser vocalista da banda de rock Cabo de Guerra, seguiu na carreira solo em 1986, gravando seu primeiro disco no ano seguinte, intitulado Era Matéria, pela gravadora RCA. Também em 1987, puxou o bloco Frenesi e, entre 1988 e 1992, foi o puxador do bloco Eva.[2]

Em 1993, comandou o bloco Crocodilo, para o qual compôs seu principal sucesso: a música "O Bicho". Em 1995, comandou o bloco Coruja, permanecendo por seis anos. Em 2002, retornou ao bloco Crocodilo. Em 2003, lançou seu trio elétrico independente, o Off Road. Desde 2007, comanda o bloco O Bicho.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1987 - Era Matéria
  • 1988 - Ricardo Chaves
  • 1990 - Reencontro
  • 1991 - Via Principal
  • 1992 - O Bicho
  • 1993 - Clareia
  • 1994 - Sempre Demais
  • 1995 - Segredos
  • 1996 - Vem Ser Feliz
  • 1997 - Jogo de Cena
  • 1998 - Ricardo Chaves Ao Vivo
  • 1999 - Futuro do Passado
  • 2000 - O Circo
  • 2002 - O Show
  • 2004 - Cantador de Alegria
  • 2007 - Ricardo Chaves - Ao Vivo em Salvador (CD/DVD)
  • 2009 - Um estado de Espítiro - Carnatal 2008

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em 2011, o cantor foi indiciado pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte a prestar esclarecimentos sobre uma contratação superfaturada em que consta seu nome. Na ocasião, ele foi "convidado" a falar sobre o valor cobrado de R$ 270 mil à Prefeitura de Guamaré (RN) por uma apresentação no Carnaval daquele ano. O valor do cachê chamou a atenção porque há muito tempo o cantor já não estava em evidência, o que tornaria o valor cobrado abusivo. Também foi contratado sem licitação pública, mas por intermédio de três produtoras locais, em três cidades diferentes. Por haver intermediários entre a produtora do artista e os contratantes, a contratação não poderia ter sido dispensada. Em 2013, envolvido em mais uma operação do gênero do MPRN, Ricardo Chaves foi citado uma segunda vez em contratações suspeitas.

Em 2013, Ricardo se envolveu em mais uma polêmica ao criticar a organização do Carnaval de Salvador, onde não consegue destaque desde a folia de 2002, quando teve que deixar o bloco Corujas para dar espaço para Ivete Sangalo, numa briga entre os sócios do bloco que foi parar na justiça.

De acordo com Chaves, caberia ao Conselho de Carnaval questionar até quando esse esquema de aluguel de vagas está somando a festa. "Não tô reclamando que não tenho vaga para sair, se eu quisesse pagar, eu sairia, eu tôa qui pra dizer que os números mentem, os turistas estão deixando de vir para cá. Se você tá feliz com a festa, comemore, se não, saia na rua com sua faixa de protesto, ano que vem é a gestão efetiva de uma nova administração, é quando as coisas podem mudar".

Referências

  1. Ricardo Chaves Americanas, acessado em 14 de janeiro de 2010
  2. Ricardo Chaves hoje em Aracaju Correio de Sergipe, acessado em 14 de janeiro de 2010
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.