365 (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
365
Informação geral
Origem São Paulo, São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Pós-punk
Punk Rock
Período em atividade 1985 - 2016
Gravadora(s) Baratos Afins
Continental
Unimar Music
Radar Records
Afiliação(ões) Lixomania, Inocentes, Ratos de Porão, Fogo Cruzado
Integrantes Carlos "Finho" Telhada
Ari Baltazar
Miro de Melo
Luiz Cecílio
Página oficial http://www.banda365.com

O 365 é uma banda de rock, formada em São Paulo em 1983.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1983, com os ex-integrantes da primogênita banda punk paulistana Lixomania e um ex-integrante do Psykóze, com influências do punk-rock e new wave, a banda contava com Miro de Melo na bateria (ex-Lixomania e Guerrilha Urbana), Tiquinho (guitarra) e Adauto (baixo), também ex-integrantes do Lixomania, e o ex-vocalista do Psykóze, Oclinhos. Nesse mesmo período, o 365 se apresenta no festival de Juiz de Fora, ao lado de Erasmo Carlos, entre outros grandes nomes. A banda , porém, não se parecia nem um pouco com o 365 que hoje se conhece. O projeto é abandonado depois de poucas apresentações.

Em 1985, já com Mingau (ex-Ratos de Porão) no baixo, entram para banda o vocalista Finho e o guitarrista Ari Baltazar, que junto com Miro, constituem a formação definitiva da banda. Todo o repertório anterior é descartado. Finho e Ari assumem as composições da banda com um estilo voltado para o pós-punk. Sua música foi intitulada por alguns críticos como rock de combate.

Em 1986 é lançado o disco-mix contendo as músicas "São Paulo" e "Canção para Marchar", a canção "São Paulo" torna-se um grande sucesso e posteriormente um clássico do rock nacional. Com a repercussão positiva, em 1987 lançam seu primeiro álbum homônimo, contendo entre outras músicas, uma versão de "Grândola, Vila Morena", música do cantor e compositor português Zeca Afonso. A música original foi utilizada, na década de 70, como senha de sinalização durante a Revolução dos Cravos, em Portugal.

No ano de 1989, com o baixista Callegari (ex-Inocentes) substituindo Mingau, lançam seu segundo álbum, Cenas de um Novo País, com destaque para as músicas "Berço Esplêndido!, "Cegos Movimentos", "Anos 70" e a agregação de novos elementos ao som do grupo.

Desde a formação do grupo, os músicos fizeram inúmeros shows em todo o Estado de São Paulo e outras importantes cidades brasileiras, além de antológicas apresentações em programas de TV, como o Cassino do Chacrinha, Raul Gil, Bolinha, Boca Livre, Viva a Noite, Vitrine, A Fábrica do Som, Turma da Cultura, Metrópoles, Perdidos na Noite e outros. Realizaram vários shows dentro e fora do Estado de São Paulo, além de apresentações em programas de Rádio e TV, como Estúdio ao Vivo Transamérica, Verão Vivo da Bandeirantes, Programa Livre, entre outros.

Voltaram a gravar em 1995, participando da coletânea inglesa Oi! It's a World Invasion, vol. 2, com as músicas "Pamela"(Finho e Ari)' e uma versão de "Violência e Sobrevivência" do Lixomania. Após esta gravação, o baterista Miro de Melo lançou com a banda Fogo Cruzado um álbum homônimo, o vocalista Finho e o guitarrista Ari Baltazar formaram a banda M.M.D.C., participando da coletânea Urbanoise e lançando o álbum Non Ducor Duco.

No mesmo ano, a banda passa a ser liderada pelo novo vocalista Tony Amorim (Inverga Mas Num Kebra), por quase 6 anos de estrada, traçando assim a coletânea 1987/1997, organizada por Miro e Tony.

Em 1998, sai a coletânea 365 - 1987/1997, organizada por Miro de Melo contendo sucessos do grupo com materiais de fitas e gravações ao vivo.

Em 2005, lançam o álbum Do Outro Lado do Rio no Estúdio Midas em São Paulo. No CD contém a música Manhã de Domingo, feita em homenagem a banda Mamonas Assassinas. O CD que contou com a participação de Mingau no contrabaixo.

Em 2012, Finho inicia carreira solo. Após pouco mais de dois anos, em agosto de 2014, Finho retorna à banda, retomando o trabalho iniciado na década de 80. Finho lança Paramita, disco solo onde ficam expostas as raízes da sonoridade e da poética do 365.

Em 2016, Finho sai novamente do grupo, que interrompe as atividades. Com isso, o baterista Miro de Melo passa a se dedicar ao seu novo projeto, intitulado Os Bregapunks e ao Lixomania.[1]

Formação Atual[editar | editar código-fonte]

  • Carlos Finho - Voz
  • Ari Baltazar - Guitarra
  • Miro de Melo - Bateria
  • Luiz Cecílio - Baixo

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de Estúdio[editar | editar código-fonte]

  • "São Paulo"/"Canção para Marchar" (Disco-mix, 1986, Continental)
  • 365 (LP, 1987, Continental)
  • Cenas de um Novo País (LP, 1990, Continental)
  • Do Outro Lado do Rio (CD, 2005, Unimar Music)
  • O Destino (CD, 2013, Radar Records)

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • Não São Paulo II (LP, 1986, Baratos Afins)
  • 365 - 1987/1997 (CD, 1998)
  • 365 - 1987/2001 (CD, 2001)
  • 365 - 1987/2007 (CD, 2008)
  • Sucessos em Dose Dupla: 365/Cenas de um Novo País (CD, 2011, Warner Music Brasil)[2]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • Oi! It's a World Invasion, vol. 2 (CD, 1995, Step-1 Music)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.