Fausto Fawcett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fausto Fawcett
Fawcett sendo entrevistado para o talk show Diverso, da TV Brasil, em 2012
Informação geral
Nome completo Fausto Borel Cardoso
Nascimento 10 de maio de 1957 (60 anos)
Local de nascimento Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
 Brasil
Gênero(s) Rap rock, New Wave, funk, pós-punk, rock experimental
Ocupação(ões) Cantor-compositor, guitarrista rítmico, letrista, romancista, contista, dramaturgo, jornalista, ator, roteirista
Instrumento(s) Vocal, guitarra rítmica
Período em atividade 1986 – atualmente
Gravadora(s) WEA, Chaos
Afiliação(ões) Laufer, Samuel Rosa, Rogério Skylab, Fernanda Abreu, Herbert Vianna, O Rappa, Regininha Poltergeist

Fausto Borel Cardoso (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 10 de maio de 1957), mais conhecido por seu nome artístico Fausto Fawcett, é um cantor-compositor, guitarrista rítmico, letrista, romancista, contista, dramaturgo, jornalista, ator e roteirista brasileiro, famoso por suas frequentes colaborações com o também músico Laufer e por ser um grande expoente do rap rock e da literatura cyberpunk no Brasil. Suas composições mais famosas são o sucesso de 1987 "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá" e "Rio 40 Graus", gravada por Fernanda Abreu em 1992.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fausto Borel Cardoso nasceu em 10 de maio de 1957 no Rio de Janeiro. Formou-se em Jornalismo pela PUC-RJ (onde conheceu e travou amizade com Laufer) em 1983, e em seu tempo livre costumava encenar curtos esquetes teatrais misturando poesia e música em clubes e cafés do Rio, sob o nome artístico Fausto Fawcett – uma homenagem a uma de suas atrizes favoritas, a falecida Farrah Fawcett.[2][3]

Começou sua carreira musical em 1986, por sugestão de um de seus amigos de faculdade, o cineasta Cacá Diegues, e assinou com a WEA (atual Warner Music Group) para lançar seu álbum de estreia, Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros, no ano seguinte. Descrito como uma "obra conceitual sobre uma Copacabana Blade Runner",[4] foi responsável por difundir sua canção de maior renome, "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá", que já foi incluída nas trilhas sonoras da telenovela O Outro e dos filmes Lua de Fel (de Roman Polanski) e Tropa de Elite (de José Padilha), e já recebeu um cover de Fernanda Abreu. Seu sucessor de 1989, Império dos Sentidos, produzido pelo vocalista d'Os Paralamas do Sucesso Herbert Vianna, é uma "ópera porno-futurista" que continua com a sonoridade experimental e minimalista do predecessor. Uma fotografia da então modelo Sílvia Pfeifer foi usada como arte de capa do álbum.[4]

Em 1990 Fawcett publicou seu primeiro romance, Santa Clara Poltergeist, pela Editora Eco. Foi seguido por Básico Instinto, uma antologia de contos, lançado pela Relume-Dumará em 1992. Ambos os livros serviram de base para seu terceiro álbum, também chamado Básico Instinto, de 1993. Logo após parou de gravar álbuns para se dedicar à sua carreira literária, apesar de ainda fazer shows ocasionalmente e colaborar com outros músicos (como Rogério Skylab, Fernanda Abreu e Samuel Rosa do Skank, com quem escreveu "Balada do Amor Inabalável" do álbum Maquinarama, de 2000). Também estrelou no filme de terror de 2016 Vampiro 40° como Vlak, um vampiro que também é traficante de drogas.[5] O filme foi baseado numa série exibida pelo Canal Brasil em 2010, Vampiro Carioca, roteirizada por Fawcett e por sua vez baseada no livro As Aventuras do Vampiro Carioca, de Lúcia Chataignier.[6]

Fawcett já publicou cinco livros, sendo o mais recente a novela Pororoca Rave (2015). Outros dois trabalhos, Cachorrada Doentia e o "romance infantil" Loirinha Levada, anunciados por ele em fins da década de 2000/início da década de 2010, ainda permanecem inéditos. Em 2014, Santa Clara Poltergeist e Básico Instinto, que estavam fora de catálogo por anos, foram republicados pela editora curitibana Encrenca.[7] A Encrenca também publicou uma adaptação para os quadrinhos de "Kátia Flávia, a Godiva do Irajá", ilustrada por Iuri Casaes.[8] Desde 2016 Fawcett está trabalhando num longa-metragem inspirado em "Kátia Flávia" – Maitê Proença está sendo cogitada para o papel principal.[9]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Fawcett é um grande entusiasta da cultura popular, e o demonstra por intermédio de sua vasta gama de influências musicais e literárias; entre elas estão os Rolling Stones, os Sex Pistols, o movimento da Jovem Guarda, William Blake, Cruz e Sousa, Bob Kane, Anthony Burgess, Jean-Paul Sartre, Charles Baudelaire, Paulo Leminski, Clarice Lispector, Aldous Huxley, Jorge Mautner, Antônio Calado, Dalton Trevisan, William Gibson e Rubem Fonseca.[10]

Era famoso por sempre ser visto bebendo nos anos 1980, o que veio a lhe acarretar problemas no fígado e no coração; desde 2008 é abstêmio.[11]

Torce para o Fluminense Football Club.[11]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum
1987 Fausto Fawcett e os Robôs Efêmeros
1989 Império dos Sentidos
  • Gravadora: WEA
  • Formato: Vinil
1993 Básico Instinto
  • Gravadora: Chaos
  • Formato: CD

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Rogério Skylab

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Santa Clara Poltergeist (Editora Eco, 1990; relançado em 2014 pela Editora Encrenca)
  • Básico Instinto (Relume-Dumará, 1992; relançado em 2014 pela Editora Encrenca)
  • Copacabana Lua Cheia (Dantes, 2000)
  • Favelost (Martins Fontes, 2012)
  • Pororoca Rave (Tinta Negra, 2015)
  • Cachorrada Doentia (inédito)[8]
  • Loirinha Levada (inédito)[12][13]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Associação Cultural Videobrasil – Fausto Fawcett
  2. Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira – Fausto Fawcett
  3. «FAUSTO FAWCETT E OS ROBÔS EFÊMEROS — WEA, 1987». O Som do Vinil. Consultado em 29 de maio de 2017 
  4. a b Last.fm – Fausto Fawcett
  5. Revista de Cinema – Vampiro 40°
  6. Guilherme Genestreti (16 de junho 2016). «Fawcett é morto-vivo que vaga por submundo carioca em 'Vampiro 40°'». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de julho de 2017 
  7. Sandro Moser (2 de dezembro de 2014). «Editora relança livros de Fausto Fawcett». Gazeta do Povo. Consultado em 19 de maio de 2017 
  8. a b Sílvio Essinger (4 de novembro de 2014). «Fausto Fawcett volta à cena com performance, novos livros, filme e HQ». O Globo. Consultado em 19 de maio de 2017 
  9. Bruno Astuto (17 de abril de 2016). «Fausto Fawcett quer Maitê Proença para viver Kátia Flávia no cinema». Época. Consultado em 19 de maio de 2017 
  10. Ramon Mello (11 de maio de 2010). «Fausto Fawcett, a escrita profética». Saraiva Conteúdo (em Portuguese). Consultado em 19 de maio de 2017 
  11. a b Rodrigo Casarin (2 de julho de 2016). «'Kátia Flávia é o meu Batman' – Uma água com Fausto Fawcett». Página Cinco (em Portuguese). Consultado em 19 de maio de 2017 
  12. Encrenca entrevista Fausto Fawcett
  13. Jotabê Medeiros (18 de janeiro de 2010). «O vampiro de Copa». Estadão. Consultado em 19 de maio de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]