Armando Martins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Armando Martins
Informação geral
Nome completo Armando Martins
Nascimento 1970 (49 anos)
País  Brasil
Gênero(s) rap
Ocupação(ões) DJ
Produtor musical
Instrumento(s) Disc jokey
Período em atividade década de 1980-presente
Afiliação(ões) Circuit Power

DJ Armando Martins ([onde?], 1970) é um DJ brasileiro, mais conhecido por apresentar na década de 1990 o programa de rádio denominado Projeto Rap Brasil da Rádio Metropolitana. Também é proprietário da marca Circuit Power.

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Referências

A história do famoso Armando Martins começa bem antes do Projeto Rap Brasil que foi ao ar no início dos anos 90 pela rádio Metropolitana FM.


Armando Martins começou de forma humilde e foi ganhando admiradores e ouvintes nos anos 80, quando grandes equipes de som possuíam programas na BANDEIRANTES FM, ao qual viveu o auge da black music neste período, porem Armando venho com seu programa nas tardes de domingo em uma emissora nada conhecida e muito pequena para a época, a Brasil 2000. Emissora que se localizava no Alto da Lapa, bairro nobre da cidade de São Paulo, me lembro muito bem que Armando trazia novidades e musicas não tocadas por outras emissoras, ele não buscava a programações comerciais que todos faziam na época, tanto que lançou os hits de Emanon, Rita Line, U.T.F.O, Bally Boys e muitos outros.


De imediato fez eco nas periferias de Sampa, jogando muita musica nova, sorteios e brindes desejáveis.


Mais Armando Martins ainda estava satisfeito, queria fazer mais pela eclosão musical negra, então partiu para os mega eventos no Palmeiras F.C, casa de grandes e históricos eventos nos anos 70 e 80, mais ao final dos anos 80 eis que surge o evento ao vivo com nada mais, nada menos que WHODINI !!! Grupo de Rap no auge dos anos 80 com o hits I'ma Ho. assim se deu o start para grandes grupos e cantores da Black Music. Falar nos dias de hoje em ter um show com grupos estrangeiros não é nenhuma novidade, mais para a época que não tínhamos internet, redes sociais, contatos nos EUA e com uma grande dificuldade e diferenças diversas financeiras, no próprio hip hop que até então era chamado apenas de RAP.


Na sequencia Armando Martins passou a fazer parte das grandes equipes de som, inclusive migrando para a BANDEIRANTES FM com participação na programação de sábados a tarde com a Equipe da Circuit Power lado a lado com a Chic Show, Zimbabue, Black Mad e uma mistura de equipe no Programa Balanço Geral.


A galera da musica negra ganhava espaço, diversas casas noturnas por todas as regiões de São paulo e interior e a Circuit Power fazia a festas em uma grande quantidade destas casas, chegando a tocar em mais de 8 casas na mesma noite, para isto precisa ter uma discoteca muito grande, milhares de discos de vinil, tendo em vista que a era digital por meio de MP3 e outras mídias digitais que nem se sonhava em existir, o próprio CD era uma tecnologia inalcançável para as pessoas da periferia e se fazia também uma novidade de ponta, assim o vinil dominava com seus toca discos.


Já na reta final dos anos 80 e inicio dos anos 90 Armando Martins vem inovando e como um foguete fez uma rádio quase que sem ouvintes se tornar a emissora mais ouvida por jovens de todas as classes e regiões, surge então a Nova FM Record 89,7, com uma programação rica em musicas da Black Music, House, Dance e com lançamento do estilo Hagga Murff, uma mistura de Rap com Reggae, estourando na audiência, varias festas de rua, pedágios da emissora com filas quilométricas de carros para adquirir um simples adesivo e o mais best de todos, o lançamento dos discos de vinil na famosa Galeria da 24 de maio com DJs das casas noturnas e os discos eram jogados para a galera, lotação absoluta ao entorno da 24 de maio (região central de SP).


Mesmo assim Armando Martins não parou, permaneceu com sua trajetória e começou a dar oportunidades a DJs nada conhecidos, como o Cobra, Dj Zulu, eu mesmo toquei para o Armando e tudo começou com visitas aos estúdios da Metropolitana FM que recebia o nome de METRÔ FM (98,5), foram diversas visitas, um dia ele ao telefone me pediu para soltar uma musica e lá fui eu, tocando um um par de MK II no estúdio e ao vivo, ele só observou e de lá para frente surge a oportunidade, vamos tocar no Tio San (Z/N de SP). Um sonho realizado, mais durou pouco, afinal a vida de Dj exigia muito investimento.


Porem Armando Martins fez com que a Rádio Metropolitana transitasse de uma simples emissora com alguns ouvintes para a audiência número 1 de São Paulo todas as noites durante a semana com Black internacional, na sequencia o verdadeiro e primeiro programa de Hip Hop Nacional que foi o PROJETO RAP BRASIL e a presença de Paulo Brow o mito na história da Black Music em informações, e assim na sequencia com uma programação noturna de românticas com o locutor Paulo Rosa com o programa São Paulo a Noite.

Partindo assim para as tarde dos finais de semana com muita Black Music e com a locutora e diretora da Rádio Maura Torres que lançava muito samba e Pagode que até então nesta época era muito forte os lançamentos e os eventos.


Desta forma contribuo com alguns momentos deste grande Dj que eu vivi e presenciei nas rádios, uma pena que hoje as rádios e os programas não chegam nem perto do que foi na década de 80, posso afirmar que Armando Martins fez a diferença para esta geração e para o Rap Nacional, dando oportunidade onde todos fechavam as portas, no qual o estilo musical era criticado.


Robson Maziero