DMN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
DMN
Informação geral
Origem São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Rap
Período em atividade 1989–atualmente
Integrantes Markão II
Elly
Max
DJ Slick[1]
Ex-integrantes Xis
Eli Efi

DMN é um grupo de rap de São Paulo, Brasil, formado em 1989 pelos integrantes Markão II, Elly, Max e DJ Slick. Alcançou sucesso com a canção "Homem de Aço", premiada no Hutúz como uma das melhores da década.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

O DMN surgiu em 1989 quando quatro pessoas envolvidas em batalhas de rimas em São Paulo reuniram-se para dar origem a um grupo. Eram Markão II, Elly, Max, Eli Efi, Xis e DJ Slick. A primeira aparição importante do grupo foi na coletânea Consciência Black, Vol II, na canção "Isso não se faz", que tratava do racismo com negros mundo afora.[3] No ano seguinte, a banda lançou o seu primeiro trabalho próprio, o álbum Cada Vez Mais Preto, com canções como "4P" e "Como Pode Estar Tudo Bem".

Porém o sucesso do grupo inicia com a composição da música "Homem de Aço", em 1998, a qual teve grande alta popularidade entre os jovens e veiculações constantes nos veículos de mídia. A canção tem a participação especial de Edi Rock dos Racionais MC's, foi indicada ao Video Music Brasil 1998[4] e foi eleita como uma das melhores músicas da década no Prêmio Hutúz de 2009.[2] O segundo álbum, chamado Saída de Emergência foi produzido por Edi Rock, com destaque para as canções "Cisco" e "Racistas otários" (com Mano Brown, Edi Rock e KL Jay); álbum no qual o grupo firma-se na escala do rap nacional.[3] No mesmo ano, teve três indicados no Hutúz: Slick em Dj de Grupo, Saída de Emergência em Álbum do Ano e o grupo em si no Artista do Ano.[5]

Em 2002, foi lançado o CD DMN: Ao Vivo, também disponibilizado em DVD,[6] tendo o DMN lançado em 2003 seu quarto trabalho, esperado pelos fãs, chamado Essa é a Cena, com as canções faixa-título e "Jão", que tornou-se uma das mais tocadas nas rádios do Brasil no ano.[3] Elly produziu o disco enquanto Markão II compôs a maioria das letras. O CD ainda teve a participação de Lino Krizz, Sandrão e Maionese (SP Funk). O tema foi principalmente a diferença social, mas também teve descontração e amor[3] em duas faixas.

Atualmente, além de compor músicas, os integrantes do DMN tem participado de projetos que planejam a conscientização de jovens habitantes de periferia em todo o país, e também promover palestras, debates e incentivos a comunidade.[3]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

DVDs[editar | editar código-fonte]

Single[editar | editar código-fonte]

  • "H. Aço" (1999)

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Ref
2009 Prêmio Hutúz Melhores músicas da década [2]

Referências

  1. «RAP na Fita - DMN». www.rapnafita.hpg.ig.com.br. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  2. a b c «.:. HUTÚZ 10 ANOS.:.». www.hutuz.com.br. Consultado em 5 de Dezembro de 2009 
  3. a b c d e «DMN em Música do MySpace – Transmissão gratuita de MP3s, Fotos & Vídeos». myspace.com. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  4. «DM.com.br - DM Revista - Roteiro - Da Redação». www.dm.com.br. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  5. «Cliquemusic: Matéria: Prêmio Hutus anuncia seus indicados». cliquemusic.uol.com.br. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  6. «:: Rap Nacional::». www.rapnacional.com.br. Consultado em 11 de Janeiro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: DMN