DMN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a sigla em inglês de "Default Mode Network" (Rede de modo padrão), veja Rede de modo padrão.
DMN
Informação geral
Origem São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Rap
Período em atividade 1989–atualmente
Integrantes Markão II
Elly
Max
DJ Slick[1]
Ex-integrantes Xis
Eli Efi

DMN é um grupo de rap de São Paulo, Brasil, formado em 1989 pelos integrantes Markão II, Elly, Max e DJ Slick. Alcançou sucesso com a canção "Homem de Aço", premiada no Hutúz como uma das melhores da década.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

O DMN surgiu em 1989 quando quatro pessoas envolvidas em batalhas de rimas em São Paulo reuniram-se para dar origem a um grupo. Eram Markão II, Elly, Max, Eli Efi, Xis e DJ Slick. A primeira aparição importante do grupo foi na coletânea Consciência Black, Vol II, na canção "Isso não se faz", que tratava do racismo com negros mundo afora.[3] No ano seguinte, a banda lançou o seu primeiro trabalho próprio, o álbum Cada Vez Mais Preto, com canções como "4P" e "Como Pode Estar Tudo Bem".

Porém o sucesso do grupo inicia com a composição da música "Homem de Aço", em 1998, a qual teve grande alta popularidade entre os jovens e veiculações constantes nos veículos de mídia. A canção tem a participação especial de Edi Rock dos Racionais MC's, foi indicada ao Video Music Brasil 1998[4] e foi eleita como uma das melhores músicas da década no Prêmio Hutúz de 2009.[2] O segundo álbum, chamado Saída de Emergência foi produzido por Edi Rock, com destaque para as canções "Cisco" e "Racistas otários" (com Mano Brown, Edi Rock e KL Jay); álbum no qual o grupo firma-se na escala do rap nacional.[3] No mesmo ano, teve três indicados no Hutúz: Slick em Dj de Grupo, Saída de Emergência em Álbum do Ano e o grupo em si no Artista do Ano.[5]

Em 2002, foi lançado o CD DMN: Ao Vivo, também disponibilizado em DVD,[6] tendo o DMN lançado em 2003 seu quarto trabalho, esperado pelos fãs, chamado Essa é a Cena, com as canções faixa-título e "Jão", que tornou-se uma das mais tocadas nas rádios do Brasil no ano.[3] Elly produziu o disco enquanto Markão II compôs a maioria das letras. O CD ainda teve a participação de Lino Krizz, Sandrão e Maionese (SP Funk). O tema foi principalmente a diferença social, mas também teve descontração e amor[3] em duas faixas.

Atualmente, além de compor músicas, os integrantes do DMN tem participado de projetos que planejam a conscientização de jovens habitantes de periferia em todo o país, e também promover palestras, debates e incentivos a comunidade.[3]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

DVDs[editar | editar código-fonte]

Single[editar | editar código-fonte]

  • "H. Aço" (1999)

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Ref
2009 Prêmio Hutúz Melhores músicas da década [2]

Referências

  1. «RAP na Fita - DMN». www.rapnafita.hpg.ig.com.br. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  2. a b c «.:. HUTÚZ 10 ANOS.:.». www.hutuz.com.br. Consultado em 5 de Dezembro de 2009. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 
  3. a b c d e «DMN em Música do MySpace – Transmissão gratuita de MP3s, Fotos & Vídeos». myspace.com. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  4. «DM.com.br - DM Revista - Roteiro - Da Redação». www.dm.com.br. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  5. «Cliquemusic: Matéria: Prêmio Hutus anuncia seus indicados». cliquemusic.uol.com.br. Consultado em 9 de Janeiro de 2010 
  6. «:: Rap Nacional::». www.rapnacional.com.br. Consultado em 11 de Janeiro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: DMN