SP Funk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SP Funk
Informação geral
Origem São Paulo,  São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Hip hop, rap
Período em atividade 1995 - presente
Gravadora(s) Trama
Afiliação(ões) Cabal, Thaíde, Lino Krizz, Sabotage, RZO, Z'África Brasil, Xis, Rappin' Hood, Chorão, Mr. Catra, Jorge Ben Jor, entre outros.
Integrantes Mr. Bomba
Tio Fresh
Maionese
DJ Qap
Ex-integrantes Primo Preto
DJ Negralha

SP Funk é um grupo brasileiro de rap e hip hop, formado em 1995 na cidade de São Paulo. Até o momento, lançou dois álbuns de estúdio.

Carreira[editar | editar código-fonte]

O SP Funk iniciou suas atividades em 1995, quando Primo Preto (produtor musical) e Mr. Bomba decidiram criar uma banda de rap para tocar nas festas e baladas da região. Primo Preto deixou logo no ano seguinte o grupo para se tornar VJ da MTV, sendo substituído por dois rappers: Maionese e Tio Fresh, então DJ e vocal do MRN (Movimento e Ritmo Negro). Acompanhado dos dois, veio DJ Negralha, que posteriormente foi contratado pela banda de rapcore O Rappa.[1] Depois de um tempo sem um disc jockey, o SP Funk trouxe DJ Qap, que permanece na atual formação do grupo.[2] Mr. Bomba explica o posicionamento não-gangsta do grupo: "O crime alastrou na sociedade, está cada vez alistando mais gente na rua, recrutando mais moleque novo e eles escutam o quê? Escutam rap. Vão aonde, vão em show de rap. Aí tem acertos de conta, treta, tiro... Episódios como a morte do Sabotage. Temos que valorizar um pessoal mais da paz."[2]

O grupo foi apadrinhado por Thaíde e DJ Hum no ano de 1997 na coletânea da gravadora Trama chamada Rima Forte, com a faixa "Fúria de Titãs".[3] Quatro anos depois, em setembro de 2001, foi lançado o primeiro álbum de estúdio do SP Funk, intitulado O Lado B do Hip-Hop, que contou com participação de artistas como Thaíde e Hum, Z'África Brasil, Sabotage e RZO, além de impulsionar a carreira do rapper Xis.[2][4][5] Este álbum - que vendeu 30 mil cópias - impulsionou a carreira do SP Funk, que então realizou shows para diversos artistas consagrados, como os americanos Ja Rule e Snoop Dogg.[2] Com um enfraquecimento nos shows ao passar dos anos, o SP Funk se viu obrigado a lançar um outro álbum para continuar com o sucesso. Tá pra Nóiz, do final de 2006, propõe a integração do rap a cultura brasileira.[6] Teve a participação de artistas como Mr. Catra, Lino Crizz, Negra Li e o baixista de Jorge Ben Jor[2] e produção de DJ Hum.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • O Lado B do Hip-Hop (2001)
  • Tá Pra Nóiz (2006)

Referências

  1. «Hoje tem Dj Negralha, do Grupo O Rappa, no Hip Hop Chic!». musicasc.com.br. Consultado em 30 de julho de 2010  Texto "Musica SC - O Portal de Entretenimento Musical de Santa Catarina" ignorado (ajuda)[ligação inativa]
  2. a b c d e Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome n
  3. «RIMA FORTE - MusicaPopular.org». musicapopular.org. Consultado em 30 de julho de 2010 
  4. «SP Funk on Yahoo! Music». new.music.yahoo.com. Consultado em 30 de julho de 2010 
  5. «Cliquemusic : Artista : SP Funk». cliquemusic.uol.com.br. Consultado em 30 de julho de 2010 
  6. «Sp Funk lança em Curitiba/PR o cd Tá Pra Nóiz». noticiario-periferico.com. Consultado em 30 de julho de 2010  Texto " Noticiário Periférico " ignorado (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]