Ferréz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Reginaldo Ferreira da Silva
Ferréz
Ferréz em 2012
Pseudônimo(s) Ferréz
Nascimento 29 de dezembro de 1975 (48 anos)
São Paulo, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Rapper, Escritor e empreendedor
Género literário Romance, conto, poesia
Magnum opus Capão pecado (2000)
Página oficial
Blog.ferrezescritor.com.br

Ferréz, nome artístico de Reginaldo Ferreira da Silva (São Paulo, 29 de dezembro[1] de 1975) é um romancista, contista, poeta e empreendedor brasileiro. Costuma utilizar em suas obras a chamada "literatura marginal", por ser desenvolvida na periferia das grandes cidades e tratar de temas relacionados a este universo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ferréz começou publicando fanzines.[2] Dotado de linguagem influenciada pela variante linguística usada na periferia de São Paulo, Ferréz já publicou diversos livros, entre eles Fortaleza da Desilusão (1997), Capão Pecado (2001), Amanhecer Esmeralda (2005), Ninguém É Inocente em São Paulo (2006), Deus foi almoçar (2012) e Os ricos também morrem (2015).[3][4]

Ferréz é fundador do 1DaSul, grupo interessado em promover eventos e ações culturais na região do Capão Redondo, ligados ao movimento hip-hop. A ONG Interferência que trabalha com crianças da Zona Sul e fundou o Selo Povo, editora independente.[5]

Em 1995, fundou a banda punk Fugitivos da Fema, tem um programa pela "Ferréz em construção" onde entrevista pessoas para comentar sobre cultura.[6] Em junho de 2019 anunciou uma parceria com o canal Comix Zone, para criar uma editora de quadrinhos homônima.[7]

Em 2021, criou o Podcast Avesso com os Estúdios Flow.

Obras do autor[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Fortaleza da desilusão - 1997
  • Capão pecado - 2000
  • Manual prático do ódio - 2003
  • Amanhecer esmeralda - 2004
  • Ninguém é inocente em São Paulo - 2006
  • Inimigos não mandam flores - 2006
  • Cronista de Um Tempo Ruim - 2009
  • Deus foi almoçar - 2011
  • O pote mágico - 2012
  • Os ricos também morrem - 2015
  • O demônio de Frankfurt - 2021

Referências

  1. «"Biografia Ferréz (BR 1975-12-29)». escritas.org. Consultado em 2 de outubro de 2023 
  2. «"Escritores periféricos alcançam mais gente. O povão vem com nóis", diz Ferréz». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 24 de junho de 2022 
  3. Rossi, Marina (27 de abril de 2015). «"Até hoje eu não sei o que é pior: a igreja ou a droga"». El País. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  4. Sugayama, Soraya. «Entrevista | Ferréz - A quebrada sou eu». Cândido. Biblioteca Pública do Paraná. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  5. https://paginacinco.blogosfera.uol.com.br/2017/03/22/ferrez-a-crueldade-das-pessoas-ja-superou-a-ficcao/
  6. «TV Cultura, a TV que faz bem». www.tvcultura.com.br. Consultado em 2 de fevereiro de 2010 
  7. Naranjo, Marcelo (2 de julho de 2019). «Canal Comix Zone vira editora e lança A Canção de Roland, do canadense Michel Rabagliati». Universo HQ. Consultado em 28 de setembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ferréz
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.