Arquidiocese de Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Arquidiocese de Braga
Archidiœcesis Bracarensis
Sé Catedral Metropolitana Primacial de Braga
Localização
País Portugal Portugal
Território Provincia eclesiástica de Braga.svg
Distrito de Braga, além de
Santo Tirso, Póvoa de Varzim e Vila do Conde
Dioceses sufragâneas Aveiro
Bragança-Miranda
Coimbra
Lamego
Porto
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Estatísticas
Área 2 832 km²
Arciprestados Amares
Barcelos
Braga
Cabeceiras de Basto
Celorico de Basto
Esposende
Fafe
Guimarães e Vizela
Póvoa de Lanhoso
Terras de Bouro
Vieira do Minho
Vila do Conde/Póvoa de Varzim
Vila Nova de Famalicão
Vila Verde
Paróquias 551
Sacerdotes 495
Informação
Denominação Católica Romana
Rito Romano e Bracarense
Criação da diocese Século III
Elevação a arquidiocese Século IV
1070 (950 anos)
Restauração da Sé
Catedral Sé de Braga
Padroeiro São Martinho de Dume
Governo da arquidiocese
Arcebispo Jorge Ferreira da Costa Ortiga
Bispo auxiliar Nuno Manuel dos Santos Almeida
Vigário-geral José Paulo Leite de Abreu
Valdemar Gonçalves
Jurisdição Arquidiocese Metropolitana Primacial
(Sé Primaz das Espanhas)
Contatos
Endereço Rua S. Domingos, 94 B, 4710-435 Braga
Página oficial www.arquidiocese-braga.pt
dados em catholic-hierarchy.org

A Arquidiocese de Braga é uma Arquidiocese Metropolitana portuguesa sediada em Braga, tendo o seu prelado o título de Primaz das Espanhas.[1] Tem 8 Dioceses sufragâneas integradas na sua Província Eclesiástica.

Data, pelo menos, do século III, sendo conhecido do primeiro período da sua história apenas o Bispo Paterno cujo nome figura nas actas do Concílio de Toledo de 397. Não obstante, a tradição faz de São Pedro de Rates o primeiro bispo da cidade, cerca do ano 45 da nossa era.

Por doação do Conde D. Henrique, de 1112 a 1790[n 1] os Arcebispos de Braga detiveram o senhorio de juro e herdade da cidade de Braga, com jurisdição temporal. Nesse período o título oficial dos prelados bracarenses era Arcebispo e Senhor de Braga, Primaz das Espanhas.

Desde 1999 é Arcebispo Primaz de Braga Dom Jorge Ortiga. Tem actualmente como Bispo-auxiliar D. Nuno Almeida. Possui 551 paróquias servidas por 495 padres, contando com 990 mil habitantes, com 91,8% da população jurisdicionada batizada.[1]

Território[editar | editar código-fonte]

A arquidiocese inclui o distrito de Braga e trinta paróquias no distrito do Porto, localizado ao norte do rio Ave, nos municípios de Santo Tirso, Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

A sé do arcebispo é a cidade de Braga, onde fica a catedral de Santa Maria.

O território se estende por 2.832 km² e abrange 551 paróquias, agrupadas em 3 áreas pastorais e 14 arciprestados: Amares, Barcelos, Braga, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Esposende, Fafe, Guimarães e Vizela, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila do Conde / Póvoa de Varzim, Vila Nova de Famalicão, Vila Verde.

História[editar | editar código-fonte]

Bracara Augusta era a antiga capital da província romana da Gallæcia, bem como a capital do Conventus bracarensis. O Cristianismo logo encontrou raízes na população, conforme documentado por muitos santos e mártires reverenciados pela tradição local. A diocese foi erigida nos primórdios do Cristianismo. Embora uma tradição lendária enumere bispos desde o século I, o primeiro bispo com evidências históricas é o Bispo Paterno, que aparece no Concílio de Toledo, em 397.[2] Na primeira metade do século V, a Sé Bracarense foi elevada à sé metropolitana; quando foi ereta a Sé Metropolitana de Lugo (569), a Braga se juntaram as dioceses sufragâneas de Dumio, Magneto, Coimbra, Lamego, Idanha e Viseu.[2] Assim, já no primeiro período de existência Braga tinha dignidade metropolítica, com jurisdição sobre todo o noroeste da Península (Galécia), tendo dela dependentes os bispados de Conímbriga, Viseu, Dume, Lamego, Porto e Egitânia.

Como metrópole galiciana, Braga foi sede de alguns concílios provinciais. Três deles são conhecidos: o Concílio de 561, sob a presidência de Martinho; o Concílio de 572, também liderado por Bispo Martinho; e o Concílio de 675, presidido pelo arcebispo Leodegísio Julião.[3] As origens do antigo rito de Braga remontam ao século VI e ainda estão em vigor na arquidiocese. Em 569, o Concílio de Lugo provavelmente concedeu o título de Primaz das Espanhas aos arcebispos de Braga.[4]

Durante o dominação Sueva no século VI, o território da arquidiocese foi reorganizado graças, sobretudo, ao trabalho de São Martinho, abade de Dumio, perto de Braga, que obteve que sua antiga sede monástica fosse elevada ao posto de diocese[1]; ao mesmo tempo surgiram outras dioceses, provavelmente com território desmembrado do território de Braga (Viseu, Lamego e Tui). Do período suévico-visigótico conhecem-se os nomes de 12 Prelados bracarenses.

Aquando da invasão árabe-sarracena (cerca de 745), Braga ficou sob domínio islâmico e os seus Bispos passaram a residir em Lugo. A partir desta data, os arcebispos usarão os títulos de Lugo e Braga. Em 832, a cidade de Braga estava sujeita à jurisdição da arquidiocese de Lugo e Braga, e essa situação continuou até 1070, quando a arquidiocese de Braga foi restaurada na cidade recapturada pelos cristãos. O primeiro bispo da Sé restaurada é Pedro, mencionado pela primeira vez em um documento datado de 1 de maio de 1070.

Após a reconquista cristã, mesmo antes da fundação da Monarquia, foi definitivamente restaurada a Arquidiocese (1070), tomando o seu arcebispo o título de metropolita de Braga. Depois de contendas com a Sé de Compostela, Pascoal II, em 1103, dá a Braga como sufragâneas as Dioceses de Porto, Coimbra, Lamego e Viseu (em Portugal), e mais cinco em território da Espanha.

Célebre ficou também a contenda com Toledo sobre a primazia — ainda hoje, de resto, o arcebispo de Braga usa o título de Primaz das Espanhas. Nos fins do século XIV, as Dioceses dos reinos de Leão e Galiza deixaram de prestar obediência a Braga. A área da Arquidiocese foi posteriormente reduzida com a criação das Dioceses de Miranda (1545), Bragança (1770), Vila Real (1922) e Viana do Castelo (1977)[1] e ainda pela anexação à de Bragança-Miranda do Arcediagado de Moncorvo (1881). De igual forma, a elevação de Lisboa a arquidiocese em 1394 subtraiu ao seu controlo as antigas sufragâneas do Sul do País.

Entre as particularidades mais notáveis desta Sé, considerada das mais antigas da Península Ibérica, está a de possuir um rito litúrgico próprio (rito bracarense), semelhante ao rito romano; aquando da reforma litúrgica tridentina, Braga pôde manter os seus livros, por terem mais de 200 anos e pelo cuidado que teve nisso o Arcebispo D. Frei Bartolomeu dos Mártires; depois de algumas tergiversações resultantes da tentativa de introduzir o rito romano, o bracarense foi restaurado pelo Sínodo de 1918: os novos breviário e missal, aprovados por bulas de 1919 e 1924 respectivamente, tomaram-se obrigatórios em toda a Arquidiocese em 1924. O rito bracarense permanece válido, mesmo depois da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II, mas o seu uso tornou-se facultativo, aquando desta reforma, em 18 de Novembro de 1971.

Em 14 de dezembro de 1984, com a carta apostólica Omnes fere, o Papa João Paulo II confirmou São Martinho como padroeiro principal da arquidiocese.[5]

Entre os arcebispos de Braga, dois tiveram grande relevância na história da Igreja Católica: Maurice Bourdin, defensor da Primazia de Braga sobre a Arquidiocese de Toledo e que se tornou o Antipapa Gregório VIII (1118), e um papa, Pedro Julião, eleito para o trono papal com o nome de João XXI (1276).

Ordinários[editar | editar código-fonte]

Segue-se uma lista com o nome dos ordinários da Arquidiocese de Braga. Os bispados considerados lendários estão assinalados com um asterisco.

Bispos de Braga[editar | editar código-fonte]

São Pedro de Rates, primeiro bispo de Braga
  1. São Pedro de Rates (45-60) *
  2. Basílio (60-95) *
  3. Santo Ovídio (95-130) *
  4. Policarpo (130-200) *
  5. Serfriano (200-230) *
  6. Fabião (230-245) *
  7. Félix (245-263) *
  8. Secundo (263-268) *
  9. Caledónio (268-270) *
  10. Narciso (270-275) *
  11. Paterno I (275-290) *
  12. Grato (290-299) *
  13. Salomão (299-300) *
  14. Sinágrio (300-326) *
  15. Lenóncio (326-328) *
  16. Apolónio (328-366) *
  17. Idácio I (366-381) *
  18. Lampádio (381-400) *
  19. Paterno II (400-405), primeiro bispo historicamente referenciável
  20. Profuturo I (405-410) *
  21. Pancracio ou Pancraciano (410-417) *

Arcebispos de Braga[editar | editar código-fonte]

Maurício Burdino, o 1º Senhor de Braga, que viria a se tornar o Antipapa Gregório VIII.
Dom Pedro Julião, que viria a se tornar o Papa João XXI.
Dom Jorge da Costa, o Cardeal da Alpedrinha.
D. Frei Aleixo de Menezes, que também serviria como Governador da Índia, quando era Arcebispo de Goa e como Governador de Portugal.
D. Frei Caetano da Anunciação Brandão, último Senhor de Braga.
Dom Jorge Ortiga, atual Arcebispo Primaz de Braga.
  1. D. Balcónio (417-456)
  2. D. Valério (456-494) *
  3. D. Idácio II (494-518) *
  4. D. Apolinário (518-524) *
  5. D. Castino (524-525)*
  6. D. Valério (525-527) *
  7. D. Ausberto (527-537) *
  8. D. Julião I (537-538) *
  9. D. Profuturo II (538-550)
  10. D. Eleutério (550-561) *
  11. D. Lucrécio (561-562)
  12. São Martinho de Dume e Braga, Apóstolo dos Suevos (562-579)
  13. D. Pantardo (580-589)
  14. D. Benigno (589-612) *
  15. D. Tolobeu (612-633) *
  16. Julião II (633-653)
  17. D. Potâmio (653-656)
  18. São Frutuoso de Dume e Braga (656-660)
  19. D. Manucino (660-661) *
  20. D. Pancrácio (661-675) *
  21. D. Leodegísio Julião ou Leodecísio Julião (675-678)
  22. D. Liúva (678-681)
  23. D. Quirico (681-687) *
  24. D. Faustino (688-693)
  25. São Félix Torcato ou São Torcato Félix (693-734), último bispo residente em Braga até à elevação arquiepiscopal em 1070, devido à invasão muçulmana; os seus sucessores estabeleceram-se em Lugo, na Galiza
  26. São Vítor de Braga (734-736)
  27. D. Erónio (736-737) *
  28. D. Hermenegildo (737-738) *
  29. D. Tiago (738-740) *
  30. D. Odoário (740-780)
  31. D. Ascárico de Braga (780-811) *
  32. D. Argimundo (821-832) *
  33. D. Nostiano (832) *
  34. D. Ataúlfo (832-840)
  35. D. Ferdizendo (840-842) *
  36. D. Dulcídio (842-850) *
  37. D. Gladila (850-867)
  38. D. Gomado (867-875) *
  39. D. Flaviano Recaredo (875-881)
  40. D. Flaviano (881-889) *
  41. D. Argimiro (889-910) *
  42. D. Teodomiro (910-924) *
  43. D. Hero (924-930)
  44. D. Silvatano (930-942) *
  45. D. Gundisalvo ou Gonçalo (942-950)
  46. D. Hermenegildo (951-985)
  47. D. Pelágio ou Paio (986-1003)
  48. D. Diogo ou Tiago (1003-1004)
  49. D. Flaviano (1004-1017)
  50. D. Pedro (1017-1058)
  51. D. Maurelo (1058-1060)
  52. D. Sigefredo (1060)
  53. D. Vistrário (1060-1070)
  54. D. Pedro (I) de Braga (1071 - 1091)
  55. São Geraldo de Moissac (1096 - 1108)
  56. D. Maurício Burdino (1109 - 1118), 1º Senhor de Braga, depois antipapa Gregório VIII
  57. D. Paio Mendes (1118 - 1137), 2º Senhor de Braga
  58. D. João (I) Peculiar (11391175), 3º Senhor de Braga
  59. D. Godinho (1176 - 1188), 4º Senhor de Braga
  60. D. Martinho (I) Pires (1189 - 1209), 5º Senhor de Braga
    • D. Pedro (II) Mendes (1209 - 1212), eleito
  61. D. Estêvão Soares da Silva (1213 - 1228), 6º Senhor de Braga
  62. D. Sancho (I) (1229), 7º Senhor de Braga
  63. D. Silvestre Godinho (1229 - 1240), 8º Senhor de Braga
  64. D. Gualtério (1240 - 1245), 9º Senhor de Braga
  65. D. João (II) Egas (1245 - 1251), 10º Senhor de Braga
  66. D. Sancho (II) (1251 - 1255), 11º Senhor de Braga
  67. D. Martinho (II) Geraldes (1255 - 1271), 12º Senhor de Braga
  68. D. Pedro (III) Julião (12721274), 13º Senhor de Braga, depois Papa João XXI da Igreja Católica
  69. D. Sancho (III) (1275), 14º Senhor de Braga
  70. D. Cardeal Ordonho Alvares (12751278), 15º Senhor de Braga
  71. D. Frei Telo (1279 - 1292), 16º Senhor de Braga
  72. D. Martinho (III) Pires de Oliveira (1295 - 1313), 17º Senhor de Braga
  73. D. João (III) Martins de Soalhães (1313 - 1325), 18º Senhor de Braga, antes bispo de Lisboa
  74. D. Gonçalo Pereira (1326 - 1348), 19º Senhor de Braga , antes bispo de Évora e bispo de Lisboa
  75. D. Guilherme de la Garde (1349 - 1361), 20º Senhor de Braga
  76. D. João (IV) de Cardaillac (1361 - 1371), 21º Senhor de Braga
  77. D. Vasco Fernandes de Toledo (1371 - 1372), 22º Senhor de Braga , antes bispo de Lisboa
  78. D. Lourenço Vicente (1374 - 1397), 23º Senhor de Braga
  79. D. João (V) Garcia (1397 - 1398), 24º Senhor de Braga
  80. D. Martinho (V) Afonso de Miranda ou Martinho Afonso da Charneca (1398 - 1416), 25º Senhor de Braga , antes bispo de Coimbra
  81. D. Fernando da Guerra (1416/1417 - 1467), antes bispo do Algarve e do Porto
  82. D. Luís (I) Pires (1468 - 1480), 27º Senhor de Braga
  83. D. João (VI) de Melo (1481), 28º Senhor de Braga
  84. D. Jorge (II) Vaz da Costa (1486 - 1501), 29º Senhor de Braga
  85. D. Cardeal Jorge (III) da Costa (1501 - 1505), 30º Senhor de Braga, dito Cardeal da Alpedrinha, administrador da diocese a partir de Roma
  86. D. Diogo (I) de Sousa (1505 - 1532), 31º Senhor de Braga
  87. D. Cardeal-Rei D. Henrique (15331540), 32º Senhor de Braga
  88. D. Frei Diogo (II) da Silva, O.F.M. (1540 - 1541), 33º Senhor de Braga
  89. D. D. Duarte de Portugal (1542 - 1543), 34º Senhor de Braga
  90. D. Manuel (I) de Sousa (1545 - 1549), 35º Senhor de Braga
  91. D. Frei Baltasar Limpo (1550 - 1558), 36º Senhor de Braga
  92. São Frei Bartolomeu Fernandes dos Mártires, O.P. (15591581), 37º Senhor de Braga
  93. D. João (VIII) Afonso de Menezes (1581 - 1587), 38º Senhor de Braga
  94. D. Frei Agostinho de Jesus (1588 - 1609), 39º Senhor de Braga, nascido Pedro de Castro
  95. D. Frei Aleixo de Meneses (16121617), 40º Senhor de Braga
  96. D. Afonso Furtado de Mendonça (1618 - 1626), 41º Senhor de Braga, também bispo da Guarda, bispo de Coimbra-conde de Arganil, arcebispo de Lisboa e vice-rei de Portugal
  97. D. Rodrigo (I) da Cunha (16271635), 42º Senhor de Braga, também arcebispo de Lisboa
  98. D. Sebastião de Matos de Noronha (16351641), 43º Senhor de Braga, também bispo de Elvas; suspeito de conjura contra D. João IV morreu na Torre de Belém
  99. D. Pedro (IV) de Lencastre (1654-1670), 44º Senhor de Braga, antes bispo da Guarda e arcebispo de Évora e depois 5.º Duque de Aveiro
  100. D. Veríssimo de Lencastre (16701677), 45º Senhor de Braga
  101. D. Luís (II) de Sousa (16771690), 46º Senhor de Braga
  102. D. José (I) de Menezes (16901696), 47º Senhor de Braga
  103. D. João (IX) de Sousa (16961703), 48º Senhor de Braga, depois arcebispo de Lisboa
  104. D. Rodrigo (II) de Moura Teles (17041728), 49º Senhor de Braga
  105. Infante D. José de Bragança (17411756), 50º Senhor de Braga
  106. Infante D. Gaspar de Bragança (17581789), 51º e último Senhor de Braga, menino da Palhavã
  107. D. Frei Caetano Brandão, T.O.R. (17901805)
  108. D. José (III) da Costa Torres (1807 - 1813)
  109. D. Frei Miguel da Madre de Deus da Cruz, O.F.M. (18151827)
  110. D. Pedro (V) Paulo de Figueiredo da Cunha e Melo (18431855)
  111. D. José (IV) Joaquim de Azevedo e Moura (18561876)
  112. D. Frei João (X) Crisóstomo de Amorim Pessoa, O.F.M. (18761883)
  113. D. António (I) José de Freitas Honorato (18831898)
  114. D. Manuel (II) Baptista da Cunha (18991913)
  115. D. Manuel (III) Vieira de Matos (19151932)
  116. D. António (II) Bento Martins Júnior (19331963)
  117. D. Francisco Maria da Silva (19631977)
  118. D. Eurico Dias Nogueira (19771999)
  119. D. Jorge (IV) Ferreira da Costa Ortiga (1999 – presente)

Escutismo[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Arquidiocese de Braga — Catholic Hierarchy (em inglês)
  2. a b Carlos Azevedo, op. cit., p. 222.
  3. Carlos Azevedo, op. cit., p. 237.
  4. Collecção dos principaes Auctores da Historia portugueza, t. VI, Lisboa, 1809, pp. 260-266.
  5. (em latim) Carta apostólica Omnes fere , AAS 77 (1985), p. 284.

Notas

  1. Com uma interrupção de 70 anos, de 1402 a 1472, em que a cidade foi pertença da Coroa.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquidiocese de Braga


Bandeira do Vaticano Circunscrições eclesiásticas da Igreja Católica em Portugal Bandeira de Portugal
Conferência Episcopal Portuguesa
Metrópoles Eclesiásticas
Patriarcado de Lisboa | Arquidiocese de Braga | Arquidiocese de Évora
Dioceses
Algarve | Angra | Aveiro | Beja | Bragança-Miranda | Coimbra | Funchal
Guarda | Lamego | Leiria-Fátima | Portalegre-Castelo Branco | Porto
Santarém | Setúbal | Viana do Castelo | Vila Real | Viseu
Ordinariato Castrense
Dioceses históricas entretanto extintas
Aquæ Flaviæ (Chaves) | Betecas (Boticas) | Caliábria | Castelo Branco
Dume | Elvas | Magneto (Meinedo) | Miranda | Penafiel | Pinhel | Salácia
Administração Apostólica de Valença | Isento de Tomar | Isento de Santa Cruz