Luís Jardim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o percussionista e produtor musical Luís Jardim, veja Luís Jardim (músico).
Luís Jardim
Nome completo Luís Inácio de Miranda Jardim
Nascimento 8 de dezembro de 1901
Garanhuns
Morte 1 de janeiro de 1987 (85 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor e pintor
Prémios Prêmio Humberto de Campos (1937)
Magnum opus Maria Perigosa

Luís Inácio de Miranda Jardim (Garanhuns, 8 de dezembro de 1901Rio de Janeiro, 1º de janeiro de 1987), ou Luís Jardim, como se tornou mais conhecido, foi um escritor e pintor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Desolado com o assassinato de seu pai no ano anterior,[1] mudou-se em 1918 para Recife, onde se empregou no comércio. Fez amizade com Osório Borba e Joaquim Cardozo, que exerceram grande influência na carreira literária de Luís Jardim. Em 1929, a convite do sociólogo Gilberto Freyre, de quem se tornou amigo, publicou, no jornal A Província, o artigo "Análise Estética da Pintura".[1]

Paralelamente, foi convidado, em 1936, a expor suas aquarelas no Rio, para onde se mudaria.[2]

Em 1937, O Boi Aruá e O Tatu e o Macaco (livro de figuras) recebem, respectivamente, o 1º e o 2º prêmios do concurso de literatura infantil do Ministério da Educação.

Luís Jardim é também o responsável pela tradução de A Morte do Caixeiro Viajante, de Arthur Miller, encenada pela Companhia Jaime Costa. Ilustrou capas de obras de vários autores, como Raquel de Queirós. Foi redator em jornais do Rio e colaborou com publicações do Recife.[2]

Em Garanhuns, na casa onde viveu Luís Jardim, há uma placa comemorativa. Em sua homenagem, a prefeitura também criou o Espaço Cultural Luís Jardim.[2]

Nos últimos anos de vida, afastou-se das homenagens e eventos, preferindo enclausurar-se em seu apartamento no Rio de Janeiro, onde morreria dormindo.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Maria Perigosa — (contos, 1938). Prêmio Humberto de Campos.
  • O Boi Aruá - (1940), com ilustrações do autor. Prêmio de Literatura Infantil do Ministério da Educação.
  • O Tatu e o Macaco (1940). 2º prêmio de livros de estampas do Ministério da Educação.
  • As Confissões do Meu Tio Gonzaga (romance, 1949).
  • Isabel do Sertão (teatro, 1959). Prêmio da Academia Brasileira de Letras.
  • Proezas do Menino Jesus (1968, com ilustrações do autor e prefácio de Tristão de Athayde[1]). Prêmio da Academia Brasileira de Letras.
  • Aventuras do Menino Chico de Assis (1971, com ilustrações do autor).
  • Seleta — organização de Paulo Rónai, com notas de Eugênio Gomes (1974).
  • Meu Pequeno Mundo (1977, memórias).
  • Façanhas do Cavalo Voador (1978, com ilustrações do autor).
  • Outras Façanhas do Cavalo Voador. (1978, com ilustrações do autor)
  • O Ajudante de Mentiroso (1980, romance).

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um escritor do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.