Luciano Cordeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luciano Cordeiro
Nascimento 21 de julho de 1844
Mirandela
Morte 24 de dezembro de 1900 (56 anos)
Encarnação (Lisboa)
Nacionalidade  Portugal
Parentesco José Maria Cordeiro
Ocupação Escritor, historiador, político e geógrafo
Magnum opus As questões coloniais

Luciano Baptista Cordeiro de Sousa (Mirandela, 21 de Julho de 1844Lisboa, 24 de Dezembro de 1900)[1] foi um escritor, historiador, político e geógrafo português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vida pessoal e educação[editar | editar código-fonte]

Faleceu no dia 24 de Dezembro de 1900.[2]

Fez os seus primeiros estudos no Funchal, Ilha da Madeira, onde se fixou com a família. Licenciado em Letras em 1867, tornou-se professor de Filosofia e Literatura no Colégio Militar de 1871 a 1874.

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Foi director temporário do periódico Revolução de Setembro em 1869. Em 1875 fez parte da comissão encarregada do projecto de reforma do ensino artístico e formação dos museus nacionais. Fundador da Sociedade de Geografia de Lisboa[2], em 1876, desenvolveu neste âmbito uma extensa actividade. Desempenhou cargos governativos ligados ao ensino. Fundou a Revista de Portugal e Brasil e o jornal Comércio de Lisboa. Colaborou na revista literária República das Letras [3] (1875), dirigida por João Penha, de que saíram três números, e também na Revista de Estudos Livres [4] (1883-1886) dirigida por Teófilo Braga. Era filiado no Partido Regenerador e foi deputado pelo círculo de Mogadouro na legislatura de 1882-1884 e pelo de Leiria em 1884.

Foi um administrador, em nome do governo, da Companhia dos Caminhos de Ferro da Zambézia, até à sua morte, tendo sido substituído neste posto pelo seu irmão, José Maria Cordeiro.[2] Deve-se-lhe o impulso à propaganda africanista e ao movimento colonialista. Notabilizou-se pela acérrima defesa dos interesses de Portugal em África tendo ficado célebre a sua actuação quer no Congresso de Geografia Colonial que se realizou em Paris em 1878 quer na Conferência de Berlim em 1884. A sua extensa acção editorial conta com obras publicadas no campo da crítica literária, da história, das questões coloniais, da economia e da política.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • As Obras dos Jeronymos (eBook)
  • Inscripções portuguezas (eBook)
  • O Thesouro do Rei Fernando (eBook)
  • Batalhas da Índia - como se perdeu Ormuz (1896) - A publicação desta obra, ilustrada com desenhos e vinhetas de João Vaz, foi patrocinada pela Comissão Executiva do Centenário da Índia.[5]

Referências

  1. «Luciano Cordeiro» (pdf). Separata do Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa. Câmara Municipal de Mirandela. 1981. Consultado em 7 de outubro de 2010. 
  2. a b c (1 de Janeiro de 1951) "Há 50 anos: Luciano Cordeiro". Gazeta dos Caminhos de Ferro 63 (1513): 482.
  3. Helena Roldão (22-01-2015). «Ficha histórica:A republica das letras : periodico mensal de litteratura (1875)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 07 de março de 2015. 
  4. Pedro Mesquita (22 de outubro de 2013). «Ficha histórica: Revista de estudos livres (1883-1886)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 17 de abril de 2015. 
  5. Gazeta dos Caminhos de Ferro n.º 1633 (1 de Janeiro de 1956), pág. 34.