Márcia Bechara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.

Márcia Bechara (Belo Horizonte, 1973) é uma jornalista, escritora, tradutora e atriz brasileira[1][2][3].

Tradutora da escritora francesa Virginie Despentes, mora em Paris desde 2009, onde trabalha e vive. Desde 2011, atua como jornalista da redação brasileira da Radio France Internationale (RFI). Formada em Teatro pelo Centro de Formação Artística (CEFAR) do Palácio das Artes, em Belo Horizonte (MG), defendeu mestrado em 2014 na universidade Sorbonne - Paris III, na capital francesa, sobre a dramaturgia da guerra e a memória na obra do autor, diretor e ator franco-libanês Wajdi Mouawad. Como atriz, adaptou para o teatro e montou Rútilo Nada, de Hilda Hilst, espetáculo criado para a programaão do evento "Mundão", do Sesc-SP, em 1998[4]. Graduada em Jornalismo pela PUC-MG, recebeu em 2004 o Prêmio Aberje São Paulo e o Prêmio USP de Comunicação Corporativa[5].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 1993 - Alegoria para Dinorah (Mazza Edições)
  • 2007 - Casa das Feras (7Letras)
  • 2009 - Métodos extremos de sobrevivência (Publisher Brasil)

Referências

  1. Márcia bechara. Fundação Bienal do Mercosul
  2. Márcia Bechara. Escritoras suicidas
  3. Jornalista mineira descreve clima de Paris após ataque. Estado de Minas, 8 de janeiro de 2015
  4. Márcia Bechara. Editora 7Letras
  5. Márcia Bechara. Rede de Escritoras Brasileiras

Artigos publicados[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.