Mónica de Miranda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Mónica de Miranda (Porto, 1976) é uma artista visual e investigadora portuguesa da diáspora angolana, fundadora do projeto Hangar em Lisboa, cujo trabalho é reconhecido por temas de arqueologia urbana e geografias pessoais [1][2][3][4]. Sua plataforma artística é interdisciplinar e mistura desenho, instalação, fotografia e audiovisual nas suas formas expandidas e nas fronteiras entre a ficção e o documentário.[5] Cria e interroga, através da fotografia e da instalação em video, os espaços de complexidade histórica e arquitectónica que descendentes de ex-colonizadores e ex-colonizados ocupam em África e nas diásporas.[6]

A sua obra pode ser encontrada em colecções de inúmeros museus e galerias, entre as quais: Fundação Calouste Gulbenkian, MNAC- Museu do Chiado, MAAT, FAS e o Arquivo Municipal de Lisboa.[7]

Mónica divide o seu trabalho entre Portugal, onde reside, e partes da África lusófona. [8][9]

Percurso[editar | editar código-fonte]

Mónica de Miranda licenciou-se em artes visuais pela Camberwell-College of Arts em Londres, em 1998. Fez o doutoramento pela Universidade de Middlesex também em Londres, em 2014. Mudou-se para Lisboa, depois de viver quase 15 anos na Inglaterra, [10] onde tirou o pós-doutoramento Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa.[11]

Expõe seu trabalho regularmente desde 2004 e já participou em várias residências, das quais se destacam - Artchipelago (Instituto Francês, Ilhas Maurícias, 2014), Verbal Eyes (Tate Britain 2009),“Living Together” (British Council/ Iniva, Georgia/London 2008).[12] [13]

Em 2019 foi uma das seis finalistas no Prémio Novos Artistas Fundação EDP no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia Moderna (MAAT).[14]

Obra[editar | editar código-fonte]

Entre as suas exposições destacam-se a participação nas exposições:

Reconhecimentos e Prémios[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Mónica de Miranda». Walk&Talk Azores. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  2. «10 African Photographers to Watch in 2020». phmuseum.com (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2020 
  3. «Exposição "Spaces in Between" reúne obras de 14 artistas africanos em Lisboa». www.cmjornal.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  4. «Mónica de Miranda». Fundação EDP. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  5. «Mónica de Miranda». www.cps.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  6. «10 African Photographers to Watch in 2020». phmuseum.com (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2020 
  7. «Mónica de Miranda». www.cps.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  8. «10 African Photographers to Watch in 2020». phmuseum.com (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2020 
  9. «Mónica de Miranda». www.cps.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  10. Lusa, Agência. «Artista Mónica de Miranda expõe em Lisboa dez anos de registos das periferias da cidade». Observador. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  11. «Mónica de Miranda». Fundação EDP. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  12. «Mónica de Miranda». Walk&Talk Azores. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  13. «HANGAR - Centro de Investigação Artística - Mónica de Miranda». HANGAR - Centro de Investigacao Artistica. 19 de abril de 2020. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  14. a b «Vencedor do Prémio EDP Novos Artistas é hoje anunciado - DN». www.dn.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  15. «Mónica de Miranda». www.cps.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  16. Miranda, Ana Cabral Martins, Teresa Pacheco. «Mónica de Miranda, um "road movie" nas fronteiras de Lisboa». PÚBLICO. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  17. «Sociedade Portuguesa de Autores». www.spautores.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  18. «Estes são os três finalistas do Prémio Novo Banco Photo - DN». www.dn.pt. Consultado em 28 de setembro de 2020 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]