Madraça de Nadir Divambegui

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Madraça de Nadir Divambegui
Madraça Nadir Divan-begi • Madraça Nodir Devonbegi
Tipo Madraça
Construção 1619-1623
Religião Islão sunita
Património Mundial
Data 1993 [♦]
Referência 602 en fr es
Geografia
País Usbequistão
Cidade Bucara
Conjunto monumental Lyab-i Hauz
Coordenadas 39° 46' 23.5" N 64° 25' 17.5" E
Localização em mapa dinâmico
Notas:
[♦] ^ Parte do sítio do Património Mundial "Centro histórico de Bucara"
Parte superior do pishtaq da entrada principal, com simurghs e um sol com rosto humano

A Madraça de Nadir Divambegui ou Madraça Nadir Divan-begi (em usbeque: Nodir devonbegi madrasasi) é uma madraça no centro histórico de Bucara, um sítio classificado como Património Mundial pela UNESCO no Usbequistão.[1] Juntamente com a Madraça Kukeldash e o Khanqah de Nadir Divambegui forma o conjunto monumental Lyab-i Hauz. O monumento situa-se na parte oriental do Lyab-i Hauz. Foi construído na mesma época da Khanqah de Nadir Divambegui, entre 1619 e 1623, pelo vizir Nadir Divambegui, tio materno de Imã Culi Cã (Imam Quli Khan ou Imomqulixon) o monarca do Canato de Bucara entre 1611 e 1641.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A planta do edifício é aproximadamente um quadrado com 70 metros de perímetro, os lados orientados nas direções leste-oeste e norte-sul, com o ângulo sudoeste mais a sul do que o ângulo sudeste. A fachada principal, virada para oeste, tem um ivã (portal monumental) com um pishtaq a meio, flanqueado em cada um dos lados por três pares verticais de arcadas pontiagudas com dois andares. Essas arcadas dão acesso a hujras (celas para alojamento de estudantes). Ao lado dessas arcadas, nos cantos da fachada, há torres semicirculares da mesma altura das arcadas. Toda a fachada é decorada com mosaicos multicoloridos. Nos tímpanos do pishtaq, além dos motivos decorativos usuais de padrões geométricos, florais e caligráficos, com trechos do Alcorão, há figuras animais e um sol com rosto humano.[3]

A planta do edifício é intrigante, pois assemelha-se muito a um caravançarai (uma combinação de armazém comercial e de pousada para caravanas). Uma evidência disso é o facto da entrada principal abrir-se diretamente para o pátio interior, quando o que é usual em madraças é haver uma parede que impede que o interior seja visível do exterior. Outra evidência é não existir um ivã na extremidade oriental do pátio, no lado oposto à entrada principal, ao contrário do que acontece com todas as outras madraças de Bucara. Além disso, o edifício não tem uma mesquita nem salas de aula nos cantos, outra caraterística presente na generalidade das madraças.[2] A inexistência de salas de aula significa que o edifício era usado apenas para alojamento e não como uma escola.[3]

Para explicar esta discrepância em relação às outras madraças há duas teorias, as quais não se excluem mutuamente. Uma teoria é que, por engano,[2] o declarou o edifício uma madraça quando o inaugurou, obrigando o seu vizir a converter o edifício em madraça apressadamente, adicionando hujras (celas para alojamento de estudantes), torres nos cantos[4] (guldastas) e uma entrada monumental. Dado que a palavra do cã era inquestionável, ninguém, nem sequer o vizir, podia apontar o erro. Outra teoria é que o declínio do comércio de caravanas no início do século XVII tornasse supérflua a existência de mais um caravançarai, levando a que o vizir a converter numa madraça o edifício parcialmente construído, pois não havia falta de estudantes. Apesar do comércio de caravanas ter continuado a declinar, continuaram a ser construídas madraças na região até ao século XIX, quando na vizinha Quiva foram construídas várias e em Bucara foram contruídas o Chor Minor e a Madraça Emir Alim Cã.[2]

Decoração figurativa[editar | editar código-fonte]

A Madraça de Nadir Divambegui é um melhores exemplos de arte figurativa em azulejo do Usbequistão, a par da Madraça Cher-Dor em Samarcanda, algo bastante raro na arte islâmica.[5] Tradicionalmente, o islão desencoraja fortemente a representação de figuras humanas e animais, pois pode conduzir à idolatria. Este princípio não foi estritamente respeitado em Bucara durante o período da dinastia xaibânida (1500–1599) e no início do século XVII assistiu-se a um relaxamento da aplicação das regras islâmicas mais ortodoxas nas artes visuais da Ásia Central e parte do mundo persa.[2]

À semelhança do que acontece na Madraça Cher-Dor de Samarcanda, construída entre 1616 e 1636, cujo ivã principal é decorado com leões caçando veados, acima dos quais há sóis com face humana, os tímpanos do ivã da Madraça de Nadir Divambegui são decorados com veados brancos disformes,[4] pássaros mitológicos (provavelmente simurghs, uma criatura alada da mitologia persa, símbolo da benevolência e da fertilidade)[2] que estão voltados para um disco solar com rosto humano de traços mongóis (reminiscente do símbolo zoroastrista de Mitra).[5]

Estas representações levam alguns autores a especular se as práticas zoroastristas não teriam persistido em Bucara de forma camuflada pelo menos até ao século XVII.[5] Há também estudiosos que apontam as semelhanças desses motivos decorativos com o que se encontra num portal dum bazar de Isfahã, no Irão, contemporâneo da Madraça de Nadir Divambegui, sugerindo que a prática era bastante difundida na época.[2]

O facto da função inicialmente planeada para o edifício não ser religiosa pode ter contribuído para que fosse usada essa decoração pouco ortodoxa, mas também há que ter em conta de que praticamente tudo o que se pode ver atualmente resulta dos restauros realizados na década de 1970, quando o edifício praticamente já não tinha azulejos.[5]

Referências

  1. Historic Centre of Bukhara. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês ; em espanhol. Páginas visitadas em 20 de janeiro de 2021.
  2. a b c d e f g «Nadir Divan-begi Madrasa, Bukhara, Uzbekistan» (em inglês). Asian Historical Architecture. www.orientalarchitecture.com. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  3. a b Pander 1996, pp. 162–164.
  4. a b Page, Dmitriy (14 de abril de 2007). «The Guide to Bukhara. History and sights» (em inglês). pagetour.org. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  5. a b c d «Lyabi-Hauz» (em inglês). caravanistan.com. Consultado em 20 de janeiro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Madraça de Nadir Divambegui
Imagem: Centro histórico de Bucara A Madraça de Nadir Divambegui está incluída no sítio "Centro histórico de Bucara", Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg