María Canosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde fevereiro de 2019) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
María Canosa
Nascimento 20 de agosto de 1978 (40 anos)
Cee
Cidadania Espanha
Alma mater Universidade da Corunha
Ocupação escritora

María Canosa Blanco (Cee, 20 de agosto de 1978), é uma engenheira civil galega,[1] mais conhecida pela sua participação como jurada nos programas de concurso da Televisión de Galicia e como autora de literatura infantojuvenil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha da escritora Concha Blanco, mudou-se da sua vila natal para a Corunha para realizar os seus estudos universitários. Licenciou-se em engenharia civil pela Universidade da Corunha, trabalhou de engenheira e foi a diretora de projetos no Centro de Coñecemento da Costa da Morte. É escritora e guionista de vários programas da TVG. Algumas das suas obras foram adaptadas para o teatro.

Colabora como articulista na La Voz de Galicia,[2] e participou de vários programas radiofónicos da Rádio Galega e Radio Voz. Ocupou o cargo de especialista em letras no concurso Cifras e letras da TVG em setembro de 2011[3] até 2013, após o término da transmissão do concurso. Cifras e letras foi substituído pelo concurso Verbas van, onde também foi especialista. Trabalha atualmente no programa Coma un allo.

Foi galardoada com vários prémios literários, entre eles o Prémio Merlín de Literatura Infantil 2017, pela obra Muriel.[4][5]

Obras[editar | editar código-fonte]

Literatura infantojuvenil
  • Bramido maino, 1997, Edicións do Castro.
  • A pedra de seixo, 1997, Sotelo Blanco Edicións.
  • Á espreita na penumbra, 1999, Sotelo Blanco.
  • Leo era un león, 2002. Ir Indo.
  • San Xoán, 2006.
  • Leite con cacao, 2007.
  • Entre papoulas, 2009, Editorial Everest Galicia.
  • Faíscas, 2009, Editorial Galaxia.
  • Matías, un pito de campionato, 2010, Galaxia.
  • O papaventos de Laura, 2011, junta de distrito de Ourense. Prémio Pura e Dora Vázquez
  • O Crebanoces, 2011, Pablo Zaera, editor. Publicado também em espanhol.
  • A tartaruga de Martiño, 2011, Everest Galicia.
  • Acuario, 2012, Edicións Embora.
  • Xiana, a nena pirata, 2012, Everest Galicia.
  • Viaxes de inverno, 2013, Everest Galicia.
  • Acuario 2, 2014, Embora.
  • Ana xa chegou!, 2014, Everest Galicia.
  • Druídas, 2014, Edicións Embora.
  • Papá, que son os sorrisos?, 2014, Galebook.
  • Pasen e miren, 2014, Bululú. Publicado também em espanhol e catalão.
  • Vagalume de versos, 2014, Galaxia.
  • Rubicundo, 2015, Edicións Xerais de Galicia.
  • Parar o Mundo, 2015, Editorial Trifolium.
  • O día que choveu do revés, 2016, Xerais.
  • O libro dos medos, 2016, Bolanda.
  • O neno inverno, 2016, Galaxia.
  • O que nunca che contaron, com Kike Gómez, 2017, Oqueleo.
  • A cazadora de estrelas, 2017, Xerais.
  • Muriel, 2017, Xerais.
  • Caderno de lúas, 2018, Bululú
  • O ladrón de voces, 2019, Edicións Embora.
Narrativa
  • Faíscas, 2009, Editorial Galaxia.
  • DisParo, 2016, Edicións Embora.
  • Non é París, 2016, Bolanda.
  • Cando cae a luz, 2016, Urco Editora.
Ensaios
  • Do A ao Z con Xosé Neira Vilas, 2010, Everest Galicia.
  • A que altura está o ceo?, com Jorge Mira, Alvarellos Editora
Poesia
  • Ronca o mar, 2011, Edicións Fervenza. Publicado em espanhol em 2012, sob o título Ronca el mar, Pigmalión.
Obras coletivas
  • Dezaseis relatos, 1995, concelho de Pontedeume.
  • Nós, 1997, Batallón Literario da Costa da Morte.
  • Rumbo ás illas. Escritores da Costa da Morte nas Sisargas, 1997, Asociación Cultural Monte Branco/Asociación Neria, O Couto, Ponteceso.
  • O trasno rebuldeiro (Antoloxía de literatura infantil da Costa da Morte), 1997, Asociación Neria.
  • Mini-relatos, 1999, Libraría Cartabón.
  • Narradoras, 2000, Xerais.
  • Achegamento ao libro, 2001.
  • A Coruña á luz das letras, 2008, Trifolium.
  • Letras novas, 2008, Associação de Escritoras e Escritores em Língua Galega.
  • Tres blues e un rap, 2008, Associação Galega do Livro Infantojuvenil-Junta da Galiza.
  • Ditos sobre o libro e a lectura, 2009. Concelho da Corunha.
  • Guía viva de ortodoxos y heterodoxos en la poesía contemporánea gallega, 2012, Endymion Poesía.
  • O libro dos Reis Magos, 2012, Junta da Galiza.
  • Contos da taberna, 2014, Edicións Embora.
  • 150 Cantares para Rosalía de Castro, 2015, livro eletrónico.
  • Será correcto?, com Concha Blanco, 2016, Hércules de Edicións.

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Concurso de Contos da Agrupación Cultural O Facho em 1986 e 1992.
  • Concurso Literário Terra Chá da Asociación Cultural Xermolos em 1989 e 1992.
  • Concurso de Contos em Galego da ONCE em 1992.
  • Concurso Francisco Fernández del Riego em 1993.
  • RÚA NOVA (Narrações Juvenis) (menção especial) em 1993 e 1995
  • Prémio Arume de Poesia para Crianças (Fundación Neira Vilas) em 2009 (menção especial)
  • Prémio Pura e Dora Vázquez (junta de distrito de Ourense) em 2010
  • XV Prémio de Poesia Avelina Valladares (Concelho da Estrada) em 2011, por Ronca o mar.
  • Menção no VII Prémio Arume de Poesia para Crianças em 2013, por O libro dos medos que non o son.
  • Terceiro prémio do IV Concurso de Poesia em Língua Galega Manuel María de 2016, por A desmemoria.
  • Prémio Merlín 2017 por Muriel.

Notas e referências

Notas

* Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em galego, cujo título é «María Canosa», especificamente desta versão.

Referências

  1. «Canosa, María» (em galego). Edicións Xerais de Galicia. Consultado em 11 de fevereiro de 2019 
  2. «María Canosa». La Voz de Galicia (em galego). Consultado em 11 de fevereiro de 2019 
  3. «María Canosa, nova colaboradora de "Cifras e Letras": "Gústanme tanto as ciencias coma as letras, a técnica aliméntame a cabeza e a literatura, o corazón"» (em galego). CRTVG. 20 de setembro de 2011 
  4. Blanco, Patricia (3 de novembro de 2017). «María Canosa: «'Muriel' naceu da necesidade de espir os sentimentos, ao calado, en voz baixa»» (em galego). Edicións Xerais de Galicia 
  5. Blanco, Patricia (31 de outubro de 2017). ««Muriel», o premio Merlín de María Canosa, xa na rúa». La Voz de Galicia (em galego) 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.