Mario Corso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mario Corso
Informações pessoais
Data de nasc. 25 de agosto de 1941 (78 anos)
Local de nasc. Itália Verona, Itália
Altura 1,75 m
Apelido Mandrake e O pé esquerdo de Deus
Informações profissionais
Equipa atual Aposentado
Posição Extremo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1957-1973
1973-1975
Itália Internazionale
Itália Genoa
0413 0(75)
0026 0(3)
Seleção nacional
1961-1971 Itália 23 (4)
Times/Equipas que treinou
1978-1982
1982-1983
1983-1984
1984-1985
1985-1986
1987-1989
1989-1990
Itália Napoli Primavera
Itália Lecce
Itália Catanzaro
Itália Inter Primavera
Itália Inter de Milão
Itália Mantova
Itália Baletta

Mario Corso, apelidado de Mariolino (nascido em 25 de agosto de 1941 em Verona), é um antigo jogador de futebol e treinador italiano. Um extremo esquerdo famoso e dinâmico, ele é considerado um dos maiores jogadores italianos em sua posição, ganhando os apelidos de "Mandrake" e "O pé esquerdo de Deus", devido às suas habilidades, técnica de tiro livre e capacidade de cruzamento.

Corso é principalmente lembrado por sua carreira bem sucedida na Inter de Milão e foi um membro-chave da Grande Inter de Helenio Herrera. Ele também representou a Itália em 23 ocasiões. Depois de se aposentar, ele serviu como treinador da Inter de Milão e de outras equipes, ganhando o grupo B da Série C2 com o Mantova na temporada 1987/88.[1][2][3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Corso foi um importante jogador da Inter de Milão, onde ele jogou quase que exclusivamente em toda a carreira, de 1957 a 1973, ganhando quatro títulos da Serie A, duas Liga dos Campeões e duas Copas Intercontinentais, chegando também a outra final da Liga dos Campeões e uma final da Coppa Itália.

Corso fez sua estréia aos 16 anos, em uma partida da Coppa Italia contra o Como, que a Inter ganhou 3-0; Em sua estreia, Corso marcou o segundo gol da partida, tornando-se o mais novo goleador da história do Inter. 

Em 23 de novembro de 1957, ele também fez sua estréia na Serie A, em uma vitória por 5-1 contra a Sampdoria, ele logo se tornando um membro permanente dos onze iniciais e depois atuou como capitão do time. 

Corso teve um papel na ala esquerda na equipe de Helenio Herrera da década de 1960, conhecida como La Grande Inter, conquistando títulos consecutivos da Serie A, Liga dos Campeões e da Copa Intercontinental. 

Após o seu tempo com a Inter, Corso mudou-se brevemente para o Genoa em 1973, permanecendo por duas temporadas antes de se aposentar em 1975. No total, ele jogou 436 jogos com 78 golos na Serie A.  

Na Seleção[editar | editar código-fonte]

No total, Corso fez 23 jogos para o time nacional italiano ao longo de dez anos, marcando quatro gols. Embora ele nunca tenha sido convocado para participar de um grande torneio internacional com a Itália. 

Ele fez sua estréia em 1961, em uma derrota por 3-2 contra a Inglaterra em uma partida amistosa. Em 15 de outubro de 1961, ele marcou seus primeiros gols para a Itália, marcando dois gols contra Israel em uma partida de qualificação para a Copa do Mundo de 1962, que a Itália venceu por 4-2 fora de casa. Ele também marcou um gol no jogo de volta em 4 de novembro, em Turim. 

Após uma discussão com o treinador Edmondo Fabbri, ele foi deixado de fora do time da Copa do Mundo de 1962 na Itália. Ele voltou ao time em 1964, mas ele não foi convocado para a Copa do Mundo de 1966, nem para a Eurocopa de 1968.

Ele foi mais uma vez excluído da equipe que chegaria à final da Copa do Mundo de 1970. Corso fez sua última aparição para a Itália em 9 de outubro de 1971, em uma vitória por 3 a 0 sobre a Suécia. Junto com Giuliano Sarti, Armando Picchi, Gianfranco Bedin e Antonio Angelillo, ele é um dos jogadores italianos mais bem sucedidos que nunca foram convocados para uma Copa do Mundo. 

Apesar de sua exclusão da equipe, em 1967, a FIFA o colocou em sua equipe All-Star para um amistoso internacional contra a Espanha, em homenagem ao goleiro Ricardo Zamora, ganhando a partida por 3 a 0.  

Estilo de Jogo[editar | editar código-fonte]

Corso é lembrado pela sua consistência, inteligência, ritmo e resistência como um extremo, além de ser conhecido por sua distribuição precisa, capacidade de cruzamento, criatividade e ampla gama de passes. Ele era capaz de jogar no flanco esquerdo e direito, devido à sua capacidade de fornecer cruzamentos na ala esquerda ou cortar no meio para atacar de gol do lado direito. 

Um extremo atípico, ele era notório por sua falta de disciplina tática e muitas vezes jogava entre as linhas em um papel central e livre, como uma espécie de meia-atacante; Por isso, ele era capaz de jogar como atacante e como meio-campo. Embora ele não fosse particularmente rápido, ele tinha um bom físico, bem como uma habilidade técnica excepcional e controle de bola.

Ele era conhecido por seus poderosos e curvados tiros de longa distância. Apesar de sua habilidade, o jornalista Gianni Brera o acusou de ser inconsistente, sem dinamismo e com uma fraca taxa de trabalho defensiva, o que o próprio Corso negou.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Clube[editar | editar código-fonte]

Inter de Milão

Referência[editar | editar código-fonte]

  1. «Mario Corso». www.enciclopediadelcalcio.it. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  2. Foot, John (24 de agosto de 2007). Winning at All Costs: A Scandalous History of Italian Soccer (em inglês). [S.l.]: PublicAffairs. ISBN 9781568586526 
  3. «CORSO Mario: l'atipico del calcio italiano | Storie di Calcio». Storie di Calcio (em italiano). 15 de dezembro de 2015 
Classificações desportivas
Precedido por
Armando Picchi
Capitão Internazionale
1967–1970
Sucedido por
Sandro Mazzola