Massacre de Iguala em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Massacre de Iguala
Manifestación PGR al Zocalo - 43 desaparecidos 4.jpg

Milhares protestam em frente ao Palácio Nacional no Zócalo, no centro da Cidade do México, por conta do sequestro dos 43 estudantes em Iguala.
Local do crime Iguala
 México
Data 26 de setembro de 2014
Tipo de crime Assassinato em massa
Vítimas 43
Réu(s) José Luis Abarca Velázquez e María de los Ángeles Pineda Villa (prováveis mandantes)

O Massacre de Iguala ocorreu em 26 de setembro de 2014, quando 43 alunos da Escola Normal Rural Raúl Isidro Burgos em Ayotzinapa desapareceram na cidade de Iguala, Guerrero, no México. De acordo com relatórios oficiais, os estudantes tinham viajado para Iguala neste dia para realizar um protesto para o que consideravam práticas de contratação e financiamento discriminatórias por parte do governo. Em seu caminho até lá, a polícia localizou e interceptou o grupo e um confronto se seguiu. Detalhes do que aconteceu durante e após o confronto permanecem obscuros, mas a investigação oficial alega que uma vez que os alunos estavam na prisão, eles foram sequestrados por policiais e mortos por membros do cartel de narcotraficantes chamado "Guerreros Unidos" em um aterro sanitário na cidade vizinha de Cocula.[1][2]

As autoridades mexicanas acreditam que o prefeito de Iguala, José Luis Abarca Velázquez, e sua esposa, María de los Ángeles Pineda Villa, foram os prováveis autores intelectuais do sequestro. Ambos se tornaram fugitivos após o incidente, juntamente com o chefe de polícia da cidade, Felipe Flores Velásquez. O casal foi preso cerca de um mês mais tarde, na Cidade do México. O sequestro em massa dos alunos rapidamente se tornou o maior escândalo político e de segurança pública que o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, havia enfrentado em sua administração. O caso levou ao surgimento de protestos em massa por todo o México, especialmente no estado de Guerrero e na Cidade do México, além de graves condenações por parte da comunidade internacional.[3][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Deutsche Welle Brasil, ed. (10 de novembro de 2014). «Opinião: México necessita de um debate democrático» 
  2. BBC, ed. (8 de novembro de 2014). «México confirma massacre de estudantes por polícia e gangue». Consultado em 11 de novembro de 2014 
  3. O Globo, ed. (9 de novembro de 2014). «Mexicanos protestam contra assassinato de estudantes». Consultado em 10 de novembro de 2014 
  4. CartaCapital, ed. (9 de novembro de 2014). «Após chacina, manifestantes tentam invadir sede presidencial no México». Consultado em 10 de novembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Massacre de Iguala em 2014
Ícone de esboço Este artigo sobre um crime ou atividade criminosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre o México é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.