Michel Corboz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Michel Corboz
Nascimento 14 de fevereiro de 1934 (85 anos)
Marsens
Cidadania Suíça
Ocupação maestro, diretor de coro, professor de música, compositor
Prêmios Comendador das Artes e das Letras

Michel Corboz GCIH • COAL (Marsens, 14 de fevereiro de 1934) é um músico suíço com trabalho desenvolvido na direcção coral e orquestral, maestro titular do Coro Gulbenkian e do Ensemble Vocal de Lausanne.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Michel Corboz fez a sua formação na École Normale de Fribourg e no Conservatoire de Fribourg, na Suíça, onde estudou canto e composição. Com forte interesse pela direcção decidiu trabalhar exclusivamente nesta vertente, e em 1953 torna-se director de música sacra numa igreja em Lausanne. Depressa atinge o reconhecimento e funda o Ensemble Vocal de Lausanne e o Ensemble Instrumental de Lausanne em 1961. A partir de 1964 é convidado regularmente para os cursos de iniciação à direcção coral, durante os meses de verão, promovidos pela Fundação Calouste Gulbenkian, onde começa a ter contacto com elementos do Coro Gulbenkian e com outros músicos que viriam a ser seus colaboradores no futuro. Depois de inúmeros concertos de música barroca vocal e instrumental, as distinções e aclamações da crítica musical relativamente às gravações de Vespro della Beata Vergine (1965) e de L'Orfeo (1966) de Claudio Monteverdi marcam indiscutivelmente o início da sua carreira internacional.[1] Em 1969, com o falecimento da directora titular do Coro Gulbenkian, é convidado pelo Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian, liderado por Madalena de Azeredo Perdigão para suceder no cargo. Assim, com os dois agrupamentos musicais (Lisboa e Lausanne), grava inúmeros registos (mais de 100), muitos dos quais galardoados internacionalmente. Em 1976 é nomeado instrutor de música coral no Conservatoire Supérior de Musique de Genève, cargo que ocupa até 2004.[2] Nos dais 8 e 9 de dezembro de 1984 regeu o Coro e a Orquestra Brasileira de Câmara no evento de reinauguração do Órgão da Catedral da Sé de Mariana, Minas Gerais [3] [4]

Permanece até hoje como maestro titular tanto do Coro Gulbenkian como do Ensemble Vocal de Lausanne.

Prémios e Condecorações[editar | editar código-fonte]

  • Prémio de Crítica da Argentina (1995 e 1996)
  • Commandeur de l'Ordre des Arts et des Lettres
  • Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (13 de Dezembro de 1999)
  • Grand Prix de la Ville de Lausanne (2003)[5]

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]