Minancora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Propaganda Pomada Minancora.jpg

A Pomada Minancora é o nome comercial do composto associação cloreto de benzalcônio/óxido de zinco/cânfora. É um produto farmacêutico tradicional no mercado brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

Farmacia Minancora Joinvile.jpg

A sua fórmula foi desenvolvida no Brasil, no início do século XX, mais precisamente em 1912, quando o farmacêutico português Eduardo Augusto Gonçalves começou sua fabricação caseira, batizando a pomada de Minancora. Tratava-se da junção dos nomes Minerva, deusa romana da sabedoria, e âncora, palavra cujo sentido remetia a permanência definitiva do seu criador, de origem portuguesa, no Brasil. Em 1915, sua fórmula foi registrada na então Diretoria Geral de Saúde Pública, que passaria a se chamar Departamento Nacional de Saúde Pública em 1920, órgãos da época responsável pelos serviços de saúde no Brasil, por onde passaram os sanitaristas Carlos Chagas e Oswaldo Cruz.[1][2] A Farmácia e Laboratório Minâncora tiveram sua primeira sede na Rua do Príncipe, 461, em Joinvile, Santa Catarina. O prédio de dois andares onde durante anos funcionou a farmácia é patrimônio histórico-cultural joinvilense. Atualmente, os produtos são fabricados em Pirabeiraba e distribuídos pela Sanofi Aventis.[3]

Fórmula e usos[editar | editar código-fonte]

O produto é uma pomada à base de cloreto de benzalcônio, óxido de zinco e cânfora. O Óxido de Zinco, também presente em outros produtos dermatológicos famosos, como o Hipoglós, é um ativo adstringente com ação antisséptica. O Cloreto de Benzalcônio é também antisséptico, bactericida e descongestionante nasal. A cânfora tem ação analgésica suave, antisséptica, antipruriginosa e rubefaciente (tem ação irritante que aumenta a circulação local e dissipa processos inflamatórios)[4].

Com base nos ativos, percebe-se que a pomada é indicada principalmente como antisséptica e cicatrizante, mas é indicada para o tratamento de doenças de pele como espinhas, frieiras, escaras. É utilizada ainda como auxiliar no tratamento de picadas de mosquitos, urticárias e pequenos ferimentos superficiais. Previne os odores desagradáveis das axilas e dos pés, o ressecamento da pele ocasionado pelo sol, frio ou poeira e as lesões do barbear. Com todas essas indicações, a minancora sempre teve seu uso mais popular mesmo para combater espinhas, para frieiras, e como desodorante para os pés e axilas, graças ao forte aroma da cânfora.

Referências

  1. «2019: 100 anos do Departamento Nacional de Saúde Pública | História, Ciências, Saúde – Manguinhos». Consultado em 4 de maio de 2021 
  2. «Departamento Nacional de Saúde Pública». mapa.an.gov.br. Consultado em 4 de maio de 2021 
  3. «O fim de uma história de 95 anos em Joinville. Fecha a Farmácia Minancora | ND». ndmais.com.br. 14 de julho de 2012. Consultado em 4 de maio de 2021 
  4. «AS MUITAS UTILIDADES DA MINANCORA!». Todamulher.com.br. 25 de junho de 2016. Consultado em 4 de maio de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre associações medicamentosas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.