Monitor Encouraçado Silvado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Silvado
Encouraçados Silvado, Brasil, Mariz e Barros, e Herval em batalha com os paraguaios no episódio conhecido como Abordagem aos couraçados Lima Barros e Cabral.
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Operador Armada Imperial Brasileira
Fabricante Estaleiro L'Ocean em Bordeaux, França
Homônimo Américo Brasílio Silvado
Batimento de quilha 1864
Lançamento 1865
Comissionamento 1866
Descomissionamento 1880 ?
Comandante(s) Manuel Antônio Vital de Oliveira
Características gerais
Tipo de navio Monitor encouraçado
Classe Silvado
Deslocamento 2,350 t (5 180 lb)
Comprimento 66 m (217 ft)
Boca 14 m (45,9 ft)
Pontal 3,40 m (11,2 ft)
Calado 2,30 m (7,55 ft)
Propulsão 2 máquinas alternativas a vapor Mazelini, acoplados a dois eixos 200 hp (149 kW)
Velocidade 10 nós (18.52 km/h)
Armamento 2x canhões 68 cal. em duas torres duplas
2x canhões 32 cal.

Monitor Encouraçado Silvado foi um navio de guerra que serviu a Armada Imperial Brasileira entre os anos 1866 e 1880. Participou de importantes batalhas da Guerra do Paraguai.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O monitor foi construído no estaleiro L'Ocean na França, tendo seu batimento de quilha em 1864 e lançamento em 1865. No dia 25 de agosto de 1866 chega ao Brasil e atraca em Recife. Logo após sua chegada no Rio de Janeiro é oficialmente incorporado a Armada e recebe o nome de Silvado em homenagem ao 1º Tenente Américo Brasílio Silvado, morto a bordo do Encouraçado Rio de Janeiro, do qual era comandante, na batalha de Curuzu, quando esse navio foi atingido por um torpedo inimigo em 2 de setembro de 1866.[1]

Serviço[editar | editar código-fonte]

Passagem de Curupaiti

Em 1867 o Silvado participou de ações no Forte de Curupaiti e Lagoa Pires. Nesta ocasião seu comandante, CT Manuel Antônio Vital de Oliveira é mortalmente ferido.[2] No dia 15 de agosto do mesmo ano foi incorporada a divisão comandada pelo Almirante Joaquim José Inácio de Barros, formada pelos encouraçados Brasil (navio-capitânia), Tamandaré, Colombo, Mariz e Barros, Cabral, Barroso, Herval, Lima Barros, reboque blindado de transporte plana Cuevas, Lindóia e Riachuelo, que forçou a passagem de Curupaiti bombardeando as posições paraguaias até serem detidos na Fortaleza de Humaitá.[carece de fontes?].

No ano de 1868 voltou a bombardear Curupaiti e participou das operações durante a passagem de Humaitá, compondo a mesma divisão que agiu em curupaiti. No dia 2 de março foi em ajuda dos encouraçados Cabral e Lima Barros quando estes estavam sendo abordados pelos paraguaios vindos a canoa.[3] Em 1º de outubro, forçou a passagem de Angostura, junto com Encouraçados Bahia, Barroso e Tamandaré.

Em meados de maio de 1869 apoiou as operações das tropas comandadas pelo brigadeiro-general José Antônio Corrêa da Câmara, em Villa del Rosario.[2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Silverstone 1984, p. 39.
  2. a b «NGB - Monitor Encouraçado Silvado». www.naval.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  3. Donato 1996, pp. 539-540.
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Portal A Wikipédia possui o
Portal Náutico