Nemesis (Asimov)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Nemesis, veja Nêmesis.

Nemesis (pt-br: Nêmesis) é um livro de ficção científica de Isaac Asimov, publicado em 1989. Foi um de seus últimos romances, publicado em 1989, apenas três anos antes de sua morte. O romance é vagamente relacionado com a história futura, em que o autor tenta integrar a sua produção de ficção científica com romances do começo e do fim de sua carreira, incluindo inteligência não-humana, planetas sensoriais (Erythro) e motores de rotor (Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro).

O livro narra um tempo no futuro da humanidade, onde devido a falta de espaço no planeta Terra, mas ainda sem um motor capaz de viajar a velocidades maiores que a luz, a humanidade começa a construir colônias no espaço, em órbita da Terra e do Sol.

Resumo do enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O livro começa com Marlene, uma menina habitante de uma colônia espacial, que tem um dom muito especial, pois é capaz de adivinhar o que as pessoas pensam apenas pela expressão corporal, tom de voz e outros pequenos indícios, geralmente imperceptíveis aos seres humanos normais.

O romance se passa na era em que a viagem interestelar está no processo de ser descoberta e aperfeiçoada. Antes da abertura do romance, a tecnologia que permite viajar a uma velocidade um pouco menor que a velocidade da luz, "hiper-assistência", é usada para mover a reclusa estação espacial colônia chamada Rotor, a partir da vizinhança da Terra até a recente descoberta anã vermelha, Nemesis. Lá, ela ocupa a órbita ao redor da semi-habitável lua de Erythro, nomeada assim pela luz vermelha que emana dela.

Eventualmente, é descoberto que a vida bacteriana em Erythro forma um organismo coletivo que possui uma forma de consciência e telepatia (um conceito similar de Gaia na série da Fundação). Enquanto os colonizadores discutem sobre que direção tomar no futuro da colonização — em Erythro, ou no cinturão de asteroides do sistema de Nemesis — os eventos alcançam eles. De volta à Terra, voos superluminais (mais rápidos que a luz) são aperfeiçoados, acabando com a isolamento da colônia de Rotor e abrindo a galáxia para à exploração humana.

A história também relata a separação e reunião de uma família (a mãe, a descoberta de Nemesis, e a filha que foi separada do pai ligado à Terra quando a colônia parte; o pai, que como resultado, se torna parte da pesquisa do projeto de hyperjump); a surpreendente descoberta dos habitantes bacterianos de Erythro, que, coletivamente, constituem um sensorial e telepático organismo; e a descoberta e resolução de uma crise massiva: a trajetória de Nemesis ameaça desestabilizar gravitacionalmente o sistema solar.

Notas[editar | editar código-fonte]

Pelas demandas do enredo, Asimov imaginou um sistema planetário sobre uma estrela chamada Nemesis. Na época que escreveu o livro, o nome Nemesis foi dado a um hipotético acompanhante do nosso Sol que pudesse fornecer um mecanismo para distúrbios periódicos de cometas na Nuvem de Oort, que cairia então para dentro, causando extinções em massa. A Anã vermelha (estrela) do livro não é, na verdade sua companheira; ela está só passando pelo sistema solar.

O sistema planetário do livro inclui um planeta gigante gasoso vermelho chamado Megas que tem um período de translação muito curto sobre sua estrela primária (Erythro é uma lua de Megas). Esta era uma ideia radical em 1989, mas foi justificada pela descoberta do primeiro planeta extra solar orbitando uma estrela como o Sol, em 1995 (51 Pegasi), apelidado de "Belerofonte". Além disso, o primeiro planeta, especulativamente "habitável" descoberto, o Gliese 581 c, orbita uma estrela anã vermelha (Gliese 581), localizada somente 20,3 anos-luz de distância da Terra — uma notável similaridade com o romance, em que Erythros é o primeiro corpo extra solar habitado.

No prefácio do livro, Asimov declara que Nemesis não é parte do meio que consiste das séries da Fundação, Robôs e Império. Ele também declara que ele talvez mudasse de ideia quanto ao fato de que, nada na história, pudesse excluir ou contradizer nenhuma das histórias posteriores. Alguns suspeitaram que a radiação da estrela Nemesis, poderia ter sido planejada para ser uma outra possível razão da forçada emigração na Terra. Contudo, Nemesis é referido em Crônicas da Fundação, onde Hari Seldon se refere à uma história de vinte mil anos de "uma jovem mulher que podia se comunicar com um planeta inteiro que orbitava uma estrela chamada Nemesis".

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Eugenia Insigna Fisher, da colônia dominada pela Euro, Rotor. Astrônoma do Projeto Far Probe. Descobridora de Nemesis
  • Crile Fisher, um coletor (operador de espionagem tecnológica) da Terra
  • Marlene Fisher, a filha caseira de Crile e Eugenia
  • Dr. Janus Pitt, Comissário de Rotor, etnicamente intolerante em favor dos Euros
  • Siever Genarr, o caseiro chefe do Domo de Erythro
  • Ranay D'Aubisson, chefe neuro-cirurgião do Domo de Erythro
  • Tessa Anita Wendel, da Colônia de Adelia, chefe fisicista da Teoria Superluminal (mais rápido que a luz)
  • Kattimoro Tanayama, Diretor de Inteligência da Terra
  • Igor Koropatsky, sucessor de Tanayama após usa morte
  • Aurinel Pampas, um rapaz de 17 anos, atraente, de quem Marlene se apaixona.

Referências