Nicanor Parra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 24 de janeiro de 2018.)
Twemoji 1f464.svg
Nicanor Parra
Nascimento 5 de setembro de 1914
San Fabián de Alico, Chile
Morte 23 de janeiro de 2018 (103 anos)
La Reina, Chile
Residência Las Cruces, Chile
Nacionalidade Chileno
Ocupação Matemático e poeta
Prémios Prêmio Nacional de Literatura do Chile (1969)

Prémio Rainha Sofia de Poesia Iberoamericana (2001)
Prêmio Cervantes (2011)

Magnum opus Sermones y prédicas del Cristo de Elqui

Nicanor Parra (San Fabián de Alico (próximo de Chillán), 5 de setembro de 1914 - La Reina, 23 de janeiro de 2018[1]) foi um matemático e poeta chileno[2] e irmão mais velho de Violeta Parra.

Vida[editar | editar código-fonte]

Em 1932 mudou-se para Santiago, onde cursou o último ano do ensino médio no Internato Barros Arana, onde iniciou uma amizade com outros estudantes como: Jorge Millas, Luis Oyarzún e Carlos Pedraza. Os dois primeiros seriam escritores e Pedraza pintor.

Em 1933 ingressou no Instituto Pedagógico da Universidade do Chile, onde estudou matemática e física. Enquanto era estudante, trabalhou como inspetor no Internato onde estudou, onde também eram inspetores Millas e Pedraza, circunstância que o ajudou a manter laços com seus antigos colegas de estudos.

Em 1935 começou a circular a "Revista Nueva", entre os inspetores, professores e alunos do Internato.

Em 1937 publicou seu primeiro livro: "Cancionero sin nombre", com 29 poemas. Nessa época o autor tinha grande afinidade com a obra de Federico García Lorca.

No início da década de 1940, leu obras de Walt Whitman, outro autor pelo qual teve grande afinidade.

Em 1943, viajou para os Estados Unidos e realizou estudos de pos-graduação em física na Universidade Brown, localizada em Providence (Rhode Island), de onde retornou em 1945 para passar a ensinar na Universidade do Chile.

Também em 1943, escreveu uma obra de 20 poemas, que seria publicada como "Ejercicios retóricos", em 1954.

Em 1949, viajou para a Inglaterra para assistir a cursos de cosmologia na Universidade de Oxford, de onde retornou em 1952.

Em 1954, publicou: "Poemas y antipoemas". Dentre as obras que o influenciaram para escrever os "antipoemas", pode-se citar: os filmes de Charles Chaplin, obras surrealistas e os escritos de Franz Kafka, Thomas Stearns Eliot, Ezra Pound, John Donne e William Blake.

Pode-se dizer que o "antipoema" é subversivo, mas não militante, pois não toma partido ideológico, sendo, pelo contrário, um instrumento para fazer acusações contra as deformações das ideologias. O sistema antipoético inclui entre seus elementos: uma personagem antiheróica que observa no interior das casas ou se desloca por locais públicos de espaços urbanos; o humor, a ironia, o sarcasmo, que permitem perceber o que está oculto. Sua entonação e sintaxe não obedecem a um modelo literário, prefere a linguagem prosaica, falada todos os dias e em todos os cantos. Tem uma construção fragmentada e apresenta uma dissonância que evoca montagem ou colagem.

Nas suas obras posteriores, predominaram os antipoemas[3].

Em 2011, ele recebeu o Prêmio Cervantes, oferecido pelo Ministério da Cultura da Espanha[4].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Cancionero sin nombre, 1937.
  • Poemas y antipoemas, 1954.
  • La cueca larga, 1958.
  • Versos de salón, 1962.
  • Manifiesto, 1963.
  • Canciones rusas, 1967.
  • Obra gruesa, 1969.
  • Los profesores, 1971.
  • Artefactos, 1972.
  • Sermones y prédicas del Cristo de Elqui, 1977.
  • Nuevos sermones y prédicas del Cristo de Elqui, 1979.
  • El anti-Lázaro, 1981.
  • Plaza Sésamo, 1981.
  • Poema y antipoema de Eduardo Frei, 1982.
  • Cachureos, ecopoemas, guatapiques, últimas prédicas, 1983.
  • Chistes para desorientar a la policía, 1983.
  • Coplas de Navidad, 1983.
  • Poesía política, 1983.
  • Hojas de Parra, 1985.
  • Nicanor Parra: Poems and Antipoems, ed. David Unger(New Directions), 1985.
  • Poemas para combatir la calvicie, 1993.
  • Páginas en blanco, 2001.
  • Lear Rey & Mendigo, 2004.
  • Obras completas I & algo +, 2006.
  • Discursos de Sobremesa, 2006

Referências

  1. El Mercurio/GDA. «Nicanor Parra escreveu um epitáfio de si mesmo em 1969». O Globo. Globo.com 
  2. «Nicanor Parra» (em espanhol) 
  3. PARRA, NICANOR, em espanhol, acesso em 24 de fevereiro de 2017.
  4. Nicanor Parra vence Prémio Cervantes 2011. Correio da Manhã, 1 de dezembro de 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um poeta ou uma poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.