Nossa Senhora da China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tímpano com imagem de Nossa Senhora da China no Santuário Nacional de Nossa Senhora da China em Taiwan.

Nossa Senhora da China é uma das invocações marianas atribuídas à Virgem Maria e que surgiu com base na aparição da Virgem Maria em 1900, na aldeia chinesa de Donglu, na província de Hebei (China).[1]

História[editar | editar código-fonte]

Aparição em 1900[editar | editar código-fonte]

Em 1900, a China viveu um período conturbado, denominado de Levante dos Boxers, cujos promotores eram ultranacionalistas que, apoiados pela Imperatriz Viúva Cixi e organizados em clubes de artes marciais, tentaram travar o imperialismo ocidental na China, matando ocidentais e muitos cristãos. Em junho de 1900, os boxers anticatólicos decidiram eliminar Donglu, onde a maior parte dos seus setecentos aldeões eram católicos e onde estava sediado uma missão católica dos Lazaristas. Na altura, estavam lá também cerca de nove mil refugiados. Milhares de boxers cercaram a aldeia e aproximaram-se da localidade, até que o seu avanço foi travado por uma aparição de Nossa Senhora. Eles dispararam contra ela, que estava pairada sobre o povoado, mas, vendo que o efeito era nulo, ficaram com medo e fugiram em debandada.[1]

Para agradecer à Virgem Maria, os habitantes construíram um santuário mariano, onde passou a ser venerada uma imagem representando a Virgem Maria com os trajes de imperatriz, mandado fazer pelo pároco local para o efeito.[1]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Em 1924, no primeiro Sínodo dos bispos chineses realizado em Xangai, o bispo jesuíta Henri Lecroart defendeu a ideia de que a China, a Mongólia, o Tibete e a Manchúria fossem consagrados à Virgem Maria, sob a invocação de "Nossa Senhora Imperatriz da China". A ideia foi aceita e a consagração foi feita em junho do mesmo ano por 150 bispos, encabeçados pelo arcebispo Celso Constantini, que era na altura o delegado apostólico na China.[1]

Em 1932, o Papa Pio XI elevou o santuário de Donglu à categoria de local oficial de peregrinação, sendo ainda hoje o único santuário mariano chinês oficialmente reconhecido pelo Papa. Em 1941, o Papa Pio XII estabeleceu uma festa litúrgica a celebrar na Igreja da China em honra de Maria Medianeira de todas as graças, sob a invocação de "Santa Mãe, Imperatriz da China". Em 1973, após o Concílio Vaticano II, a conferência episcopal chinesa, com a aprovação da Santa Sé, decidiu que esta festa seria celebrada na véspera do Dia das Mães (segundo domingo de maio).[1]

Perseguição e atualidade[editar | editar código-fonte]

Apesar das perseguições anticatólicas realizadas pelo governo, o santuário de Donglu continuou a receber muitos peregrinos, chegando a atingir cem mil pessoas no ano de 1995. Em 1996, cinco mil soldados com tanques e helicópteros demoliram completamente o santuário e aprisionaram o bispo de Baoding, Su Chimin, o seu bispo auxiliar, An Shuxin, e o pároco do referido santuário, o Padre Cui Xingang. Desde então, as peregrinações foram proibidas pelas autoridades, mas continuam de forma clandestina, com um menor número de peregrinos que conseguem chegar a Donglu, que está sob forte controle da polícia.[1][2][3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.