Peça-de-altar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Peça-de-altar de técnicas mistas (escultura e pintura) com uma imagem central de Nossa Senhora do Amanhecer em Vilnius, Lituânia.

Uma peça-de-altar é uma obra de arte como uma pintura, escultura ou relevo sobre um tema religioso e suspenso numa moldura atrás do altar de uma igreja cristã[1][2][3]. Algumas das mais importantes obras da arte cristã são peças-de-altar, especialmente entre a Baixa Idade Média e a Contrarreforma.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Origens e primeiros desenvolvimentos[editar | editar código-fonte]

Aparentemente, as peças-de-altar passaram a ser utilizadas no século XI, com a possível exceção de alguns poucos exemplares anteriores. As razões e forças que levaram ao seu desenvolvimento, porém, não são consensuais. O hábito de colocar relicários decorados de santos no altar ou atrás dele assim como a tradição de decorar a frente do altar com esculturas ou têxteis são tradições anteriores.[5]

Muitos das primeiras peças são relativamente composições relativamente simples – possivelmente um painel retangular com uma série de santos em fileiras, com uma figura central de maior proeminência, como a Virgem Maria ou Cristo. Um elaborado exemplo de uma peça-de-altar muito antiga é a Pala d'Oro, em Veneza. O surgimento e posterior desenvolvimento destas primeiras peças marcam um importante ponto de inflexão tanto na história da arte quanto na prática religiosa cristãs.[5] Nas palavras da "Grove Encyclopedia of Medieval Art and Architecture", "o advento da peça-de-altar marca um importante desenvolvimento não apenas da história do altar, mas também da natureza e função da imagem cristã. A imagem autônoma passou a assumir uma função legítima no centro da adoração cristã".[5]

Emergência dos painéis pintados[editar | editar código-fonte]

Peça-de-altar de Vigoroso da Siena (1291), um dos primeiros exemplos de peças com painéis pintados ainda sem as dobradiças e com as imagens separadas por arcos.
Tríptico de Jan Van Dornicke (1518) já com as dobradiças características.

Altares decorados com painéis pintados surgiram na Itália no século XIII.[6] Na época, não era incomum encontrar peças-de-altar afrescadas ou murais na região, localizadas atrás do altar funcionando como um complemento visual à liturgia.[7] Estas peças foram influenciadas pela arte bizantina, especialmente pelos ícones, que chegaram à Europa em grandes números depois da queda de Constantinopla (1204). Neste período, as peças-de-altar ocasionalmente começaram a ser decoradas com uma estrutura exterior, esculpida ou na forma de um arcos, que tinha por objetivo prover uma moldura para as partes individuais da peça. A peça-de-altar de Vigoroso da Siena de 1291 é deste tipo. Este tratamento acabou por abrir caminho para a emergência, no século XIV, do políptico.[5]

Os elementos escultóricos nos emergentes polípticos geralmente foram inspirados na arquitetura gótica da época. Na Itália, eles ainda eram tipicamente executados em madeira e pintados enquanto que no norte da Europa, as peças-de-altar eram geralmente feitas de pedra.[5]

O início do século XIV testemunhou a emergência, na Alemanha, Países Baixos e na região báltica, da peça-de-altar "alada" ou "com asas".[5][6] Ao colocar dobradiças entre os painéis laterais e o central e pintando os primeiros de ambos os lados, o motivo exibido podia ser selecionado abrindo ou fechando as asas. As pinturas podiam, desta forma, ser trocadas conforme as necessidades litúrgicas. As primeiras peças geralmente mostravam esculturas nos painéis interiores, ou seja, os que visíveis quando as asas estavam abertas, e pinturas no verso, visíveis com elas fechadas.[5][6] Com o advento das peças-de-altar aladas, um mudança nas imagens representadas também ocorreu. Ao invés de se centrarem numa única figura santa, as peças-de-altar começaram a representar narrativas mais complexas ligadas ao conceito cristão da salvação.[6]

Baixa Idade Média e Renascimento[editar | editar código-fonte]

Peça-de-altar com o interior esculpido e as "asas" pintadas e móveis na Catedral de Xanten, na Alemanha.

Conforme avançava a Idade Média, as peças-de-altar começaram a ser encomendadas com maior frequência. No século XV, geralmente por indivíduos, famílias, guildas e confrarias. Esta mesma época testemunhou o nascimento da pintura flamenga primitiva nos Países Baixos; daí em diante, a pintura de painéis iria dominar a produção de peças-de-altar na região. Na Alemanha, peças-de-altar de madeira esculpida tinha preferência, ao passo que na Inglaterra, o alabastro eram amplamente utilizado. Nesta época, as peças-de-altar italianas passaram por uma evolução e os polípticos foram sendo gradualmente abandonados em favor dos painéis pintados de uma folha só.[5] Na Itália, durante o Renascimento, grupos de estátuas livres também começaram a ser utilizadas como peças-de-altar.[6] Na Espanha, as peças-de-altar se desenvolveram num estilo altamente original, geralmente na forma dos colossais reredos, de influência arquitetural, geralmente tão altos quanto a própria igreja que os abrigava.[6]

No norte da Europa, a Reforma Protestante do início do século XVI em diante levou a um rápido declínio no número de peças-de-altar produzidas.[8] Irrupções de eventos iconclastas locais levaram a destruição de muitas peças.[9] A Reforma propriamente dita promoveu uma nova visão da arte religiosa. Certos motivos, como a Última Ceia, ganharam a preferência. Os reformistas consideravam a Palavra de Deus — representada pelo Evangelho — como central e as peças-de-altar protestantes geralmente mostravam as próprias palavras da Bíblia, muitas vezes às custas das imagens. Com o tempo, o protestantismo deu origem ao chamado altar-púlpito (em alemão: kanzelaltar), uma fusão do altar e do púlpito, tornando assim a peça-de-altar literalmente a morada da Palavra de Deus.[8]

Desenvolvimentos posteriores[editar | editar código-fonte]

As pinturas em tela começaram a substituir os demais tipos de peças-de-altar de meados do século XVI em diante.[4]

No século XVIII, peças-de-altar como o políptico de Piero della Francesca sobre Santo Agostinho eram geralmente desmembrados e cada painel era visto como uma obra de arte independente. Os diferentes painéis deste políptico estão, por isso, espalhados entre vários diferentes museus[10].

Tipos de peças-de-altar[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Retábulo e Reredos

A utilização e tratamento das peças-de-altar jamais foram formalizados pela Igreja Católica e, portanto, não existe um padrão de formato.[5] Ocasionalmente, a demarcação entre o constitui uma peça-de-altar e outras formas de decoração também é pouco clara.[5] Ainda assim, as peças-de-altar podem ser divididas em dois grandes grupos, os reredos, peças grandes e complexas de madeira ou pedra esculpidas, e um retábulo, uma peça-de-altar com painéis pintados ou decorados com relevos.[4] Retábulos são colocados diretamente sobre o altar ou na superfície atrás dele enquanto que os reredos estão tipicamente assentados no piso.[4]

Retábulos são geralmente feitos de dois ou mais painéis separados criados utilizando uma técnica conhecida como pintura de painel. Eles também podem mostrar relevos ou esculturas circulares, em policromia ou sem pintura. São chamados nestes casos de díptico, tríptico ou políptico para dois, três ou múltiplos painéis respectivamente. No século XIII, cada painel era geralmente encimado por um pináculo, mas durante o Renascimento, painéis únicos (em italiano: Pala) se tornaram a norma. Em ambos os casos, o plinto que suporta a peça, chamado de predela, geralmente contava com pinturas adicionais relacionadas.

Se o altar ficava isolado no coro, ambos os lados da peça podem ser pintados. Retábulos, reredos e coros altos são geralmente decorados. Grupos estatuários também podem ser colocados no altar.[5] Além disso, uma igreja pode abrigar diversas peças-de-altar nos altares laterais das capelas.

Exemplos notáveis[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wikisource-logo.svg "Altarpiece" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  2. «altarpiece» (em inglês). Encyclopædia Britannica 
  3. «altarpiece» (em inglês). Merriam-Webster 
  4. a b c d Collins, Neil. «Altarpiece Art (c.1000-1700)» (em inglês). visual-arts-cork.com 
  5. a b c d e f g h i j k Hourihane (ed.), Colum (2012). The Grove Encyclopedia of Medieval Art and Architecture, Volume 1 (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. pp. 44–48. ISBN 0-19-539536-0 
  6. a b c d e f DeGreve, Daniel P. (2010). «Retro Tablum: The Origins and Role of the Altarpiece in the Liturgy» (PDF). Institute for Sacred Architecture. Journal of the Institute for Sacred Architecture (em inglês) (17): 12–18 
  7. Péter Bokody, "Mural Painting as a Medium: Technique, Representation and Liturgy," in Image and Christianity: Visual Media in the Middle Ages, ed. Péter Bokody (Pannonhalma: Pannonhalma Abbey, 2014), 136-151 (em inglês)
  8. a b Campbell, Gordon (ed.) (2009). The Grove Encyclopedia of Northern Renaissance Art (em inglês). 1. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 32–33. ISBN 978-0-19-533466-1 
  9. Chipps Smith, Jeffrey (2004). The Northern Renaissance (em inglês). [S.l.]: Phaidon Press. pp. 351–380. ISBN 978-0-7148-3867-0 
  10. «Saint Michael completed 1469, Piero della Francesca» (em inglês). The National Gallery 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Peça-de-altar