Pedro Ayres Magalhães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde fevereiro de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pedro Ayres Magalhães
Pedro Ayres Magalhães num concerto dos Madredeus, 2005.
Informação geral
Nome completo Pedro Ayres Ferreira de Almeida Gonçalves Magalhães
País Portugal Portugal
Género(s) Pop-rock
Afiliação(ões) Heróis do Mar
Madredeus
Resistência

Pedro Ayres Ferreira de Almeida Gonçalves Magalhães mais conhecido por Pedro Ayres Magalhães[1] OIH (n. 1959) é um guitarrista e compositor português e um dos fundadores do grupo musical Madredeus, o projecto português de maior repercussão internacional dos últimos 30 anos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frequentou o Colégio Militar, em Lisboa, que abandonou depois do 25 de Abril de 1974, para estudar música. Aprendeu música autodidactamente e principalmente na Academia dos Amadores de Música, que frequentou até 1979. A sua formação musical reflecte-se nas influências da música erudita que se encontram nas composições dos Madredeus. Na década de 1970, Pedro Ayres Magalhães começou por ser baixista, primeiro nos Faíscas, considerado como o primeiro grupo de punk rock português e depois nos Corpo Diplomático, onde lança o primeiro disco de new wave Português; com o fim deste último, Pedro Magalhães juntamente com outros elementos do Corpo Diplomático forma os Heróis do Mar, projecto bastante diferente dos anteriores, já que mais dirigido para a música pop-rock.

Em 1982 criou a Fundação Atlântica, onde foi director musical, juntamente com Miguel Esteves Cardoso, editora que produziu discos de Anamar e dos Delfins com quem chegou a tocar mais tarde.

Fundou os Madredeus com Rodrigo Leão, vindo dos Sétima Legião e foi um dos impulsionadores do projecto Resistência, onde participaram entre outros, Tim dos Xutos & Pontapés, Olavo Bilac dos Santos & Pecadores e Miguel Ângelo dos Delfins.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Em 1984 lançou o seu único registo em nome próprio, o maxi single "O Ocidente Infernal", pensado como o primeiro de uma série de discos instrumentais a solo.[2]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Pedro Ayres Magalhães teve as seguintes participações em filmes:

  • A Janela (2001) – compositor
  • A Janela Não é a Paisagem (1997) – compositor
  • Lisbon Story (1994), de Wim Wenders – actor e compositor
  • Longe (1988) – actor e compositor
  • De uma Vez por Todas (1986) – actor

Galardões[editar | editar código-fonte]

Nos Globos de Ouro de 1997 e 2002, como membro dos Madredeus foi o receptor do prémio para melhor grupo.

A 9 de Junho de 1994 foi feito Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.[3]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (pdf). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 9 de Janeiro de 2014.. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Dezembro de 2013 
  2. Revista Blitz n.º 1074, 28/12/04. Os 50 melhores discos portugueses de sempre.
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Pedro Ayres Ferreira de Almeida Gonçalves Magalhães". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 5 de julho de 2014.