Piracetam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Piracetam é substância química utilizada como nootrópico. Reporta-se-lhe a propriedade de melhorar as funções cerebrais envolvidas em processos de aprendizagem, memória, atenção e consciência. Indica-se usualmente no tratamento de perda de memória, perda de atenção e direção, bem assim nas alterações da função cerebral pós acidente vascular cerebral; vertigem e dificuldade de aprendizado em crianças.

Piracetam
Alerta sobre risco à saúde
Piracetam.svg Piracetam3d.png
Nome IUPAC 2-oxo-1-pirrolidinacetamida
Outros nomes 2-(2-oxopyrrolidin-1-yl) acetamida
Identificadores
Número CAS 7491-74-9
PubChem 4843
ChemSpider 4677
Código ATC N06BX03
SMILES
Propriedades
Fórmula química C6H10N2O2
Massa molar 142.15 g mol-1
Aparência Pó branco fino e cristalino
Farmacologia
Biodisponibilidade ~100%
Via(s) de administração Ora e parenteral
Meia-vida biológica 4 - 5 hr
Excreção Renal
Classificação legal


POM (UK)


Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O alívio dos sintomas aparece geralmente em poucos dias com a administração de altas doses por via intravenosa. No tratamento das doenças em fase crônica, considera-se que o efeito ótimo é geralmente alcançado após 6 a 12 semanas. Após 3 meses de tratamento, recomenda-se reavaliar a necessidade da continuação da terapêutica.

Indicações[editar | editar código-fonte]

Considera-se que piracetam é indicado para os seguintes casos:

  • Tratamento sintomático da síndrome psico-orgânica: as características melhoradas pelo tratamento são perda de memória, alterações da atenção e falta de direção.
  • Tratamento de acidente vascular cerebral e de suas sequelas, principalmente afasia.
  • Tratamento de dislexia infantil, em associação com — e em suporte de — medidas adicionais apropriadas, como logopedia.
  • Tratamento de vertigem e alterações de equilíbrio associadas, exceto nas vertigens comprovadamente de origem vasomotora ou psíquica.
  • Tratamento (Coadjuvante) de Parestesia quando ocorrida após extrações dentárias (siso).

Entretanto, deve-se salientar que faltam evidências científicas adequadas que estabeleçam a eficácia e a segurança do piracetam no tratamento dessas condições.


Mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

O mecanismo de ação exato do piracetam, assim como de outros racetans em geral, não é totalmente compreendido. O medicamento influencia as funções neurais e vasculares, e influencia na cognição sem agir como sedativo ou estimulante. Piracetam é um modulador positivo alostérico do receptor AMPA. A hipótese é de agir em canais iônicos ou portadores de íons, conduzindo assim a uma não específica excitabilidade neuronal. Isso explica a sua falta de efeito agonista ou inibitório sobre a ação sináptica, bem como sua baixa toxidade. O metabolismo do GABA e os receptores GABA não são afetados pelo piracetam. Verificou-se também aumento do fluxo sanguíneo e do consumo de oxigênio em partes do cérebro, mas isto pode ser um efeito colateral da atividade aumentada do cérebro em vez de um efeito primário ou mecanismo de ação da droga.

Piracetam melhora a função do neurotransmissor acetilcolina via receptores colinérgicos muscarínicos (ACh), o que melhora o processo da memória. Além disso, piracetam pode ter efeito sobre receptores glutamatérgicos do tipo NMDA, que estão envolvidos em mecanismos de aquisição de memórias e aprendizado. Acredita-se que o piracetam também melhore a permeabilidade da membrana das células cerebrais.

Piracetam também diminui a fadiga mental e apoia a criatividade por melhorar a comunicação entre os 2 hemisférios do cérebro.

Contraindicações[editar | editar código-fonte]

Considera-se que piracetam não deve ser utilizado em pacientes com alergia conhecida específica ao piracetam, aos derivados de pirrolidona ou a componente do produto. Piracetam também não deve ser utilizado por pacientes com hemorragia cerebral e com doença renal em estágio grave ou final.

Tem sido administrado controladamente em crianças de 1 a 3 anos, com estudos ainda não conclusivos. Todavia, ainda é contraindicado para a faixa etária inferior a 3 anos de idade.

Pessoas que possuam Angiomas Cavernosos no Sistema Nervoso Central, com ou sem histórico de sangramentos, devem evitar o uso.

Nomes comerciais[editar | editar código-fonte]

No Brasil, é comercializado como substância pura sob os seguintes nomes:

  • Cintilan® (Medley);
  • Nootrofic® (Cristália);
  • Nootron® (Biosintética);
  • Nootropil® (Aventis);
  • Piracetam® (Hexal).

Sob a forma associada ou combinada, para aplicação diferenciada, ocorre com outros nomes comerciais.

Leia mais[editar | editar código-fonte]

Carfedon

MetilFenilPiracetam [E1R]

Referências[editar | editar código-fonte]