Qi Baishi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Qi Baishi
Nascimento 1 de janeiro de 1864
Morte 16 de setembro de 1957 (93 anos)
Pequim
Cidadania Dinastia Qing, República Popular da China, República da China
Filho(s) Qi Liangyi
Ocupação pintor, político
Magnum opus A Palmeira

Qí Báishí (齊白石, ou Ch'i Pai-shih) (Xiangtan, China, 1 de Janeiro de 1864 - Beijing, China, 16 de Setembro de 1957) foi um dos maiores e mais celebrados pintores chineses. Assinou também obras diversas obras com os pseudônimos Qí Huáng (齊璜) e Qí Wèiqīng (齐渭清).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os seus pais eram agricultures, subsistindo de seu trabalho nas plantações de arroz. Identificado com a pintura tradicional chinesa, realizou, durante toda a sua vida, um número incontável de obras de arte. Acostumado a pintar árvores, animais ou flores, Baishi originou, na sua época, o maior desenvolvimento da arte na China, que, neste período, estava quase estagnada.

Durante todo o seu percurso artístico, pouco mudou de estilo e de técnicas. Mesmo assim, sempre se manteve inovador, quanto às ideias e aos temas, quanto às cores. Também era reconhecido por seu trabalho na esculpir selos (carimbos) de pedra, tendo recebido o título de "o tesouro de trezentos selos de pedra". Em 1953 foi eleito presidente da Associação de Artistas Chineses. Morreu em Beijing em 1957.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Qi Baishi