Radia Perlman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Radia Perlman
Nascimento 1 de janeiro de 1951 (68 anos)
Portsmouth
Nacionalidade Estadunidense
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Instituto de Tecnologia de Massachusetts
Ocupação cientista da computação
Prêmios Prêmio SIGCOMM (2010), Internet Hall of Fame (2013), National Inventors Hall of Fame (2016)
Empregador Digital Equipment Corporation
Orientador(es) David Clark
Instituições Intel Corporation
Campo(s) Ciência da computação
Tese 1988: Network layer protocols with Byzantine robustness

Radia Joy Perlman (Portsmouth, 1 de janeiro de 1951) é uma cientista da computação estadunidense, projetista de software e engenheira de redes. É algumas vezes referenciada como a "mãe da Internet"[1] por sua invenção do protocolo Spanning Tree (STP), que é fundamental para a operação de pontes de rede mais conhecida por bridge (redes de computadores), enquanto trabalhava para a Digital Equipment Corporation. Ela também fez grandes contribuições para muitas outras áreas de design e padronização de redes, como os protocolos de roteamento link-state.

Mais recentemente, ela inventou o protocolo TRILL para corrigir algumas das deficiências das spanning trees. Atualmente, ela é funcionária da Dell EMC.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Perlman cresceu perto de Asbury Park, em Nova Jersey. Seus pais trabalhavam como engenheiros para o governo dos EUA. Seu pai trabalhou no Radar e sua mãe era uma matemática de formação que trabalhava como programadora de computador. Durante seus anos de escola, Perlman achava as matérias de matemática e ciência “fáceis e fascinantes”, mas não teve nenhum problema em alcançar notas altas em outras matérias também. Ela gostava de tocar piano e trompa. Enquanto sua mãe a ajudava com o dever de matemática, eles falavam principalmente sobre literatura e música. [2]

Apesar de ser a melhor estudante de ciências e matemática em sua escola, foi somente quando fez uma aula de programação no ensino médio que Perlman começou a considerar uma carreira que envolvia computadores. Ela era a única mulher na classe e depois refletiu: "Eu não era uma pessoa do tipo “mão na massa”. Nunca me ocorreu desmembrar qualquer coisa. Presumi que ou eu seria eletrocutada ou quebraria alguma coisa". [3]

Educação[editar | editar código-fonte]

Como aluna de graduação do MIT, Perlman aprendeu programação em uma aula de física. Ela recebeu seu primeiro emprego remunerado em 1971 como programadora em tempo parcial para o LOGO Lab no (então) Laboratório de Inteligência Artificial do MIT, programando software de sistema como depuradores. [2]

Trabalhando sob a supervisão de Seymour Papert, ela desenvolveu uma versão infantil da linguagem de robótica educativa LOGO, chamada TORTIS ("Sistema Interprete de Tartarugas Próprias da Criança"). Durante a pesquisa realizada entre 1974 e 1976, crianças pequenas - as mais novas com 3 anos e meio de idade, programaram um robô educacional LOGO chamado Tartaruga. Perlman tem sido descrita como uma pioneira no ensino de programação de computadores para crianças pequenas. [4]

Como formanda de matemática no MIT, ela precisava encontrar um orientador para sua tese e se juntou ao grupo MIT na BBN Technologies. Lá, ela se envolveu na criação de protocolos de rede.[2] Perlman obteve bacharelado e mestrado em matemática e um doutorado em Ciência da Computação do MIT em 1988. [5] Sua tese de doutorado no MIT abordou a questão do roteamento na presença de falhas de rede maliciosas. [6]

Ao estudar no MIT no final dos anos 60, ela era uma entre as cerca de 50 alunas, em uma turma de aproximadamente 1.000 alunos. Para começar, o MIT tinha apenas um dormitório feminino, limitando o número de mulheres que poderiam estudar. Quando os dormitórios dos homens no MIT passaram a aceitar mulheres, Perlman saiu do dormitório feminino para um dormitório misto, onde se tornou a "mulher residente". Mais tarde, ela disse que estava tão acostumada a desigualdade de gênero que se tornou normal. Somente quando ela viu outras alunas entre uma multidão de homens, ela percebeu que "parecia estranho".[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ela ficou famosa por sua invenção do Protocolo Spanning Tree (STP), que é fundamental para a operação de pontes de rede, enquanto trabalhava para a Digital Equipment Corporation. Perlman é autora de um livro sobre redes e coautora de outro sobre segurança de rede. Ela detém mais de 100 patentes.[7] Ela foi bolsista na Sun Microsystems e ministrou cursos na Universidade de Washington, na Universidade de Harvard e no MIT, e foi palestrante em eventos em todo o mundo. Perlman recebeu prêmios como o Lifetime Achievement Awards da Usenix e o Association for Computing Machinery’s Special Interest Group on Data Communication (SIGCOMM). [8]

Protocolo Spanning Tree[editar | editar código-fonte]

Perlman inventou o algoritmo spanning tree e o Protocolo Spanning Tree (STP). Enquanto trabalhava como engenheira consultora na Digital Equipment Corporation (DEC) em 1984, ela foi encarregada de desenvolver um protocolo simples que permitisse que as pontes de rede localizassem loops em uma rede local (LAN). Era necessário que o protocolo usasse uma quantidade constante de memória quando implementado nos dispositivos de rede, independentemente do tamanho da rede. Criar e expandir redes com ponte era difícil porque os loops, onde mais de um caminho leva ao mesmo destino, poderiam resultar no colapso da rede. Caminhos redundantes na rede significavam que uma ponte poderia encaminhar um quadro em várias direções. Portanto, os loops podem fazer com que os quadros Ethernet não atinjam seu destino, inundando a rede. Perlman utilizou o fato de que as pontes tinham endereços MAC exclusivos de 48 bits e criou um protocolo de rede para que as pontes dentro da LAN se comuniquem umas com as outras. O algoritmo implementado em todas as pontes na rede permitiu que as pontes designassem uma ponte raiz na rede. Cada ponte mapeou a rede e determinou o caminho mais curto para a ponte raiz, desativando outros caminhos redundantes. Apesar das preocupações de Perlman de que o protocolo spanning tree levou cerca de um minuto para reagir quando mudanças na topologia da rede ocorreram, tempo em que um loop poderia derrubar a rede, foi padronizado como 802.1d pelo Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE). ). Perlman disse que os benefícios do protocolo chegam ao fato de que "você não precisa se preocupar com topologia" ao mudar a forma como uma LAN é interconectada. Perlman, no entanto, criticou que mudanças foram feitas no decorrer da padronização do protocolo. [9]

Do artigo "Um Algoritmo para Computação Distribuída de uma ‘Spanning Tree’ em uma LAN Estendida": [1]

Algorima

Eu acho que nunca vou ver

Um gráfico mais lindo que uma árvore.

Uma árvore cuja propriedade crucial

É conectividade sem loop.

Uma árvore que deve ser certa

Assim, os pacotes podem alcançar todas as LANs.

Primeiro a raiz deve ser selecionada.

Por ID é eleito.

Os caminhos de menor custo da raiz são rastreados.

Na árvore esses caminhos são colocados.

Uma malha é feita por pessoas como eu

Então pontes encontram uma spanning tree (árvore de abrangência).

Outros Protocolos de Rede[editar | editar código-fonte]

Perlman foi a principal projetista dos protocolos DECnet IV e V, que fazem parte do conjunto de protocolos de rede DECnet para arquiteturas de rede ponto a ponto. Ela também fez contribuições importantes para o Protocolo de Rede sem Conexão (CLNP). Perlman colaborou com Yakov Rekhter no desenvolvimento de padrões de roteamento de rede, como o Protocolo de Roteamento de Interconexão de Sistema Aberto (IDRP), que permite que roteadores em redes de comutação de pacotes se comuniquem entre si através de domínios de broadcast. Na DEC, ela também supervisionou a transição do vetor de distância para os protocolos de roteamento link-state. Os protocolos de roteamento link-state tiveram a vantagem de se adaptarem às mudanças na topologia da rede mais rapidamente, e o protocolo de roteamento do estado do link do DEC ficou em segundo lugar apenas no protocolo de roteamento link-state da ARPANET. Enquanto trabalhava no projeto DECnet, Perlman também ajudou a melhorar o protocolo de roteamento do sistema intermediário para o intermediário, conhecido como IS-IS, para rotear o protocolo IP (Internet Protocol), AppleTalk e o protocolo IPX (Internetwork Packet Exchange). [10]

O protocolo Open Shortest Path First (OSPF) dependia em parte da pesquisa de Perlman sobre a difusão tolerante a falhas de informações de roteamento. [11]

Perlman posteriormente trabalhou como engenheira de rede para a Sun Microsystems, agora Oracle. Ela se especializou em protocolos de rede e segurança e, enquanto trabalhava para a Oracle, obteve mais de 50 patentes.[3]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • National Inventors Hall of Fame (2016)
  • Internet Hall of Fame  (2014)[12]
  • SIGCOMM Award (2010)[13]
  • USENIX Lifetime Achievement Award (2006)
  • Primeira colocação no Prêmio Anita Borg Institute Women of Vision Award para Inovação em 2005[14]
  • Silicon Valley Intellectual Property Law Association Inventor of the year (2003)[15]
  • Honorary Doctorate, Royal Institute of Technology (28 de Junho de 2000)
  • Duas vezes nomeada como uma das 20 pessoas mais influentes da indústria pela revista Data Communications: edição do 20o aniversário (15 de Janeiro de 1992) e edição do 25o aniversário (15 de Janeiro de 1997). Perlman é a única pessoal nomeada nas duas edições.
  • Fellow of the Association for Computing Machinery, classe de 2016[16]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Perlman, Radia (1999). Interconnections: Bridges, Routers, Switches, and Internetworking Protocols (2 ed.). Addison-Wesley Professional Computing Series. ISBN 978-0-201-63448-8.
  • Perlman, Radia; Kaufman, Charlie; Speciner, Mike (2002). Network Security: Private Communication in a Public World (2 ed.). PTR Prentice Hall. ISBN 978-0-13-046019-6.

Referências

  1. «www.networkworld.com/community/node/5738». Network World. Consultado em 26 de outubro de 2010 
  2. a b c d Rosen, Rebecca J. (3 de março de 2014). «Radia Perlman: Don't Call Me the Mother of the Internet». The Atlantic (em inglês). Consultado em 9 de março de 2019 
  3. a b Salim, N. (dezembro de 2010). «Meet the "Mother of the Internet" [Women to Watch]». IEEE Women in Engineering Magazine. 4 (2): 10–12. ISSN 1942-065X. doi:10.1109/MWIE.2010.938214 
  4. Morgado, Leonel; Cruz, Maria; Kahn, Ken. Radia Perlman – A pioneer of young children computer programming. [S.l.: s.n.] 
  5. «Lemelson-MIT Program». lemelson.mit.edu. Consultado em 9 de março de 2019 
  6. Perlman, Radia Joy (1988). «Network layer protocols with Byzantine robustness» 
  7. «Radia J. Perlman Inventions, Patents and Patent Applications - Justia Patents Search». patents.justia.com. Consultado em 9 de março de 2019 
  8. «Radia Perlman | Internet Hall of Fame». internethalloffame.org. Consultado em 9 de março de 2019 
  9. «International Standard Serial Number». Wikipedia (em inglês). 8 de março de 2019 
  10. Network world the leader in network knowledge. (em English). Southborough, Mass.: Verlag nicht ermittelbar. 1992. OCLC 984515777 
  11. «Cisco DocWiki». docwiki.cisco.com. Consultado em 9 de março de 2019 
  12. «Radia Perlman». Wikipedia (em inglês). 1 de janeiro de 2019 
  13. «Radia Perlman». Wikipedia (em inglês). 1 de janeiro de 2019 
  14. «Radia Perlman». Wikipedia (em inglês). 1 de janeiro de 2019 
  15. «Radia Perlman». Wikipedia (em inglês). 1 de janeiro de 2019 
  16. «Radia Perlman». Wikipedia (em inglês). 1 de janeiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.