Aaron Swartz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aaron Swartz
Swartz em 2008
Nome completo Aaron Hillel Swartz
Nascimento 8 de novembro de 1986
Chicago
Morte 11 de janeiro de 2013 (26 anos)
Nova Iorque
Nacionalidade Americano
Ocupação Desenvolvedor de Software, escritor e Ativista de Internet
Prémios Internet Hall of Fame (2013)
Associação de bibliotecários americanos (postumamente)
EFF Pioneer Award 2013 (postumamente)
Página oficial
aaronsw.com
rememberaaronsw.com

Aaron Hillel Swartz (Chicago, 8 de novembro de 1986Nova Iorque, 11 de janeiro de 2013)[1] [2] [3] foi um programador estadunidense, escritor, articulador político e ativista na Internet. Swartz foi co-autor da criação do RSS. Foi um dos fundadores do Reddit[4] e da organização ativista online Demand Progress. Foi também membro do Centro Experimental de Ética da Universidade Harvard.

Em 6 de janeiro de 2011, Swartz foi preso pelas autoridades federais dos Estados Unidos, por usar a rede do Instituto de Tecnologia de Massachusetts para descarregar sem pagamento, grandes volumes de artigos da revista científica JSTOR,[5] [6] [3] foi acusado pelo governo dos EUA de crime de invasão de computadores - sujeito ao cumprimento de até 35 anos de prisão mais multa de mais de um milhão de dólares - devido ao fato de ter usado formas não convencionais de acesso ao repositório da revista.[2] Ele já havia sido processado antes por publicar gratuitamente informações de domínio público que tinham seu acesso tarifado, logo restrito, mas as acusações foram retiradas.[7]

Swartz era contrário à prática da revista científica JSTOR por remunerar editoras e não remunerar os autores e cobrar o acesso aos artigos, limitando o acesso para comunidades acadêmicas.[8] [9]

Dois anos depois, na manhã do dia 11 de janeiro de 2013, Aaron Swartz foi encontrado enforcado no seu apartamento em Crown Heights, Brooklyn - num aparente suicídio.[10] [11] [12] Após a sua morte, a promotoria federal de Boston retirou as acusações contra ele.[13] [14] [1]

Vida e trabalho[editar | editar código-fonte]

Swartz em 2002 (com quinze anos) e Lawrence Lessig no almoço para o Creative Commons
Swartz descreve a natureza dos sistemas centralizados one-to-many para o descentralizado many-to-many topography of network communication. San Francisco, April 2007 (9:29)

Swartz nasceu em Chicago, Illinois, filho de Susan e Robert Swartz,[15] uma família judia.[16] Seu pai tinha uma empresa de software, a Mark Williams Company e, desde pequeno, Swartz interessou-se por computação, estudando ardentemente aspectos da Internet e sua cultura.[17]

Aos 13 anos, Swartz ganhou o prêmio Prêmio ArsDigita para jovens criadores de "websites não comerciais, úteis, educacionais e colaborativas". O prêmio incluía uma viagem para o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e encontros com pessoas experientes com a Internet.

Aos 14 anos, Swartz colaborou com especialistas em padrões de rede, como membro do grupo de trabalho que inventou a Especificação 1.0 do RSS. Sobre Swartz, a jornalista Virginia Heffernan escreveu no Yahoo! News: "Ele agitou sem cessar - e sem compensação financeira - o movimento em prol da cultura livre."[18]

W3C[editar | editar código-fonte]

Em 2001 Swartz juntou-se ao grupo de trabalho do RDF na World Wide Web Consortium (W3C),[19] onde foi o autor do RFC 3870, Application/RDF+XML Media Type Registration. O documento descreve um novo tipo de mídia para a web, “RDF/XML”, criado para suporte a Web semântica.[20]

Markdown[editar | editar código-fonte]

Swartz foi também co-autor do Markdown,[21] [22] um padrão de marcação simplificada derivado do HTML e do seu tradutor html2text.

Infogami, Reddit, Jottit[editar | editar código-fonte]

Swartz frequentou a Stanford University. Depois de seu primeiro ano acadêmico, participou do Y Combinator’s first Summer Founders Program e iniciou sua empresa de software Infogami. A plataforma wiki da Infogami foi usada para suportar o projeto Open Library do portal Internet Archive e web.py, web framework que Swartz havia criado,[23] mas ele sentiu que precisava de apoio para prosseguir com seus projetos. Os organizadores do Y-Combinator então sugeriram que ele (através da Infogami) fizesse fusão com a Reddit,[24] [25] o que aconteceu em novembro de 2005.

Em outubro de 2006, a Reddit foi adquirida pela Condé Nast Publications, proprietária da revista Wired.[17] [26] Swartz mudou-se com sua companhia de San Francisco para trabalhar na Wired.[17] Swartz não se adaptou à vida em escritório e terminou se desligando da empresa.[27]

Ativismo[editar | editar código-fonte]

Aaron Swartz num evento do Creative Commons em 13 de dezembro de 2008

Em 2008 Swartz fundou a Watchdog.net, “the good government site with teeth,” (o site do bom governo com dentes) para agregar e visualizar dados sobre políticos em exercício.[28] No mesmo ano, ele escreveu um manifesto de grande circulação chamado Guerilla Open Access Manifesto.[29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36] [37]

Em 2010,[38] Swartz co-fundou a Demand Progress,[39] um grupo político de defesa dos direitos da cidadania, organizando internautas para acompanhar as atividades parlamentares do Congresso e de outras lideranças, financiar táticas de pressão e "espalhar a palavra" sobre os direitos civis de liberdade, de reformas do governo e sobre outros diversos assuntos.[40]

Durante o ano letivo de 2010-2011, Swartz realizou estudos de investigação sobre a corrupção política como um Lab Fellow no Laboratório de Pesquisas sobre Corrupção Institucional - Edmond J. Safra, em Harvard.[41] [42] [39]

O autor Cory Doctorow, em seu livro, Homeland, baseou-se em conselhos de Swartz estabelecendo que seu protagonista poderia usar a informação já disponível sobre os eleitores para criar uma campanha política anti-establishment de raiz.”[43] Em um capítulo do livro, Swartz escreveu: "estas ferramentas [de hacktivismo político] podem ser usadas por qualquer pessoa motivada e talentosa o suficiente... Agora cabe a você mudar o sistema... Diga-me se posso ajudar."[43]

Stop Online Piracy Act[editar | editar código-fonte]

Swartz em 2012, protestando contra a Stop Online Piracy Act (SOPA)

Swartz foi fundamental na campanha para impedir a aprovação da emenda Stop Online Piracy Act (SOPA), cuja ideia central era combater a violação de direitos autorais na internet, sendo recebida com críticas.[44] Com a derrota do projeto de lei, Swartz foi convidado para falar na F2C: Um evento ocorrido em 21 de maio de 2012, Washington D.C., chamado "Freedom to Connect 2012". O título da sua palestra era “Como nós detivemos a SOPA” e ele informou a plateia:

"Este projeto de lei de fechar sites inteiros, essencialmente impede os americanos de se comunicarem plenamente com certos grupos ...

Liguei para todos os meus amigos e ficamos a noite toda criando um site para este novo grupo, cujo nome escolhido para o mesmo foi Demand for Progress, com uma petição online contra essa lei nociva .... Nós conseguimos... 300 mil assinantes .... Nós nos reunimos com o pessoal de membros do Congresso e insistimos com eles .... E, mesmo assim, foi aprovada por unanimidade ...

Então, de repente, o processo parou. O senador Ron Wyden bloqueou esse projeto de lei."[45] [46]


Ele acrescentou:

"Nós ganhamos essa luta, porque todo mundo foi o herói de sua própria história. Todo mundo teve seu papel de salvar essa liberdade fundamental ".[45] [46]


Ele estava se referindo a uma série de protestos contra o projeto de lei por inúmeros sites que foi descrito pelo Electronic Frontier Foundation como o maior na história da Internet, com mais de 115 mil sites, alterando suas páginas.[47]

Wikipédia[editar | editar código-fonte]

Swartz no Boston Wikipedia Meetup em 2009

Swartz foi um editor voluntário da Wikipédia. Em 2006 ele concorreu sem sucesso para integrar-se como membro do Conselho de Curadores da Fundação Wikimedia. Também em 2006, Swartz elaborou uma análise sobre como são escritos os artigos da Wikipédia e concluiu dizendo que a maior parte do conteúdo surgia através de milhares de colaboradores eventuais, também conhecidos como "outsiders", e por outro lado, um grupo de 500 a 1.000 editores regulares seriam capazes para corrigir a ortografia e outros erros de formatação. [48] Em suas palavras, Swartz disse: “os formatadores ajudam os colaboradores, não o contrário”.[48] [49]

Suas conclusões, com base na análise de editar histórias de vários artigos selecionados aleatoriamente, contradizia o parecer do co-fundador da Wikipédia, Jimmy Wales, que acreditava que um núcleo de editores regulares estaria fornecendo a maior parte do conteúdo, enquanto milhares de outras pessoas contribuíam para correções de formatação. Swartz chegou às suas conclusões através da contagem do número total de caracteres adicionados por um editor a um determinado artigo e Wales chegou às suas conclusões através da contagem do número total de edições. [48]

Tor2web[editar | editar código-fonte]

Em 2008, [50] Swartz trabalhou com Virgil Griffith para o design e a implementação do Tor2web, um proxy http dos serviços ocultos do TOR. O Proxy é desenhado para prover um acesso fácil através de um navegador básico.[51] [52]

Open Library[editar | editar código-fonte]

Foi relatado que por volta de 2006, Swartz adquiriu a ‘Biblioteca do conjunto de dados bibliográfica completa do Congresso’: a biblioteca cobrava taxas para ser acessada, mas como um documento do governo, não foi protegido por direitos autorais nos EUA. Ao publicar os dados sobre OpenLibrary, Swartz os tornou disponível gratuitamente. [53] O projeto ‘Library of Congress’ recebeu aprovação pelo Escritório de Copyright.[54] Outras fontes[55] mostram que o arquivo foi doado ao Internet Archive a partir do sistema de biblioteca de ‘Plymouth State University’, Scriblio. Independentemente da fonte, o arquivo se tornou a base para o Open Library, com Swartz como designer-chefe.

PACER[editar | editar código-fonte]

Em 2008, Swartz baixou e lançou cerca de 2.7 milhões de documentos da corte federal armazenados na database do PACER (Public Access to Court Electronic Records) gerenciado pelo Administrative Office of the United States Courts. [56]

O Huffington Post caracterizou suas ações como: “Swartz baixou documentos judiciais públicos do sistema PACER em um esforço para torná-los disponíveis fora do caro serviço. O movimento chamou a atenção do FBI, que finalmente decidiu não apresentar queixa de como os documentos são, de fato, públicos”. [57]

PACER estava cobrando 8 centavos por página para obter informações que Carl Malamud, que fundou o grupo sem fins lucrativos Public.Resource.Org, sustentou que deve ser livre, pois os documentos federais não são abrangidos pelos direitos de autor. [58] [59] As taxas foram "passadas de volta aos tribunais para financiar a tecnologia, mas o sistema [correu] com um excedente orçamental de cerca de US$ 150 milhões, de acordo com relatórios do tribunal", relatou o The New York Times.[58] PACER utilizou tecnologia que foi "concebido nos tempos antigos de modens de telefone screechy ... colocar [ting] um sistema legal da nação atrás de uma parede de caixa e truque."[58] Malamud apelou aos colegas ativistas, instando-os a visitar uma das 17 bibliotecas que realizam um teste gratuito do sistema PACER, para download de documentos judiciais, e enviá-los a ele para distribuição pública.[58]

Depois de ler o chamado de Malamud para a ação,[58] Swartz usou o script de computador Perl rodando num servidor em nuvem da Amazon para baixar os documentos, usando as credenciais da biblioteca de Sacramento.[56] De 4 a 20 de setembro de 2008 ele acessou os documentos e carregou-os para um serviço de computação em nuvem. [59] Ele lançou os documentos na organização de Malamud.[59]

Em 29 de setembro de 2008, [58] o GPO suspendeu o teste gratuito, "enquanto se aguarda uma avaliação" do programa.[58] [59] As ações de Swartz foram investigadas pelo FBI. [58] [59] O caso foi encerrado após dois meses sem acusações apresentadas. [59] Swartz aprendeu os detalhes da investigação, como resultado da apresentação de um pedido da FOIA com o FBI e descreveu sua resposta como a "bagunça habitual de confusões que demonstra falta de senso de humor do FBI." [59] PACER ainda cobra por página, mas os clientes que usam o Firefox tem a opção de salvar os documentos para acesso público livre com um plug-in chamado RECAP.[60]

Em um memorial de 2013 sobre Swartz, Malamud lembrou seu trabalho com PACER. Eles trouxeram milhões registros da U.S. District Court para fora através do "pay wall" do PACER, ele disse, e encontrou-os cheio de violações de privacidade, incluindo registros médicos e os nomes crianças menores e informantes confidenciais.

Enviamos nossos resultados aos juízes Chefes de 31 Tribunais Distritais ... Eles relataram esses documentos e gritaram com os advogados que lhes arquivaram ... A Conferência Judicial mudou suas regras de privacidade. ... [Para] os burocratas que dirigiam o Departamento Administrativo dos Tribunais dos Estados Unidos ... nós eram os ladrões que levaram 1,6 milhões dólares de sua propriedade. Então eles chamaram o FBI ... [O FBI] não encontrou nada de errado. [61]


Malamud escreveu um relato mais detalhado de sua colaboração com Swartz sobre o projeto Pacer em um ensaio que aparece em seu site.[62]

Escrevendo no Ars Technica, Timothy Lee, que mais tarde fez uso dos documentos obtidos por Swartz como um co-criador do RECAP, ofereceu alguns insights sobre discrepâncias nos relatórios sobre o quanto de dados que Swartz tinha baixado: "Em um cálculo back-of-the-envelope poucos dias antes que o rastreamento externo foi desligado, Swartz imaginou que ele ficou com em torno de 25 por cento dos documentos do PACER. The New York Times semelhante relatou que Swartz tinha baixado "um 20 por cento da base de dados estimada". Com base no fatos de que Swartz baixou 2,7 milhões de documentos enquanto PACER, no momento, continha 500 milhões, Lee concluiu que Swartz baixou menos de um por cento da base de dados.[56]

Wikileaks[editar | editar código-fonte]

Em 27 de dezembro de 2010, Swartz ajuizou a Freedom of Information Act (FOIA) pedindo para aprender sobre o tratamento de Chelsea Manning, alegada fonte do WikiLeaks. [63] [64]

DeadDrop[editar | editar código-fonte]

Em 2011-2012, Swartz e Kevin Poulsen desenhou e implementou o DeadDrop, um sistema que permite informantes anônimos enviarem documentos eletrônicos sem medo de divulgação. Em maio de 2013, a primeira instância do software foi lançada pelo The New Yorker sob o nome Strongbox.[65] [66] [67] O Freedom of the Press Foundation tomou desde sobre o desenvolvimento do software, que foi renomeado SecureDrop.[68]

JSTOR[editar | editar código-fonte]

De acordo com autoridades estaduais e federais, Swartz usou a JSTOR, um repositório digital,[69] para fazer download de uma grande quantidade de revistas científicas e artigos através da rede de Internet do MIT entre as últimas semanas de 2010 e começo de 2011. Até então, Swartz era um pesquisador da Universidade de Harvard, a qual lhe forneceu uma conta da JSTOR.[70] Visitantes do "open campus" do MIT são autorizados a acessar a JSTOR através da rede da universidade.[71]

As autoridades alegaram que Swartz fez download dos documentos através de um notebook conectado a um switch de rede em um bastidor de acesso restrito pelo MIT.[72] [70] [73] [74] [75] A porta do bastidor foi mantida destrancada, segundo reportagens da imprensa.[71] [76] [77] [78]

Prisão[editar | editar código-fonte]

Na noite de 6 de janeiro de 2011, Swartz foi preso próximo ao campus de Harvard pela polícia do MIT e agentes secretos do Estados Unidos. Ele foi indiciado no Tribunal do Distrito de Massachusetts por duas acusações estaduais: arrombamento e invasão com intenção de cometer um crime.[79] [72] [75] [80] [81]

Processo[editar | editar código-fonte]

Em 11 de julho de 2011, Swartz foi indiciado por um júri federal por acusações de fraude eletrônica, fraude de computador, por obter ilegalmente informações de um computador protegido, de forma imprudente e por danos a um computador protegido. [70] [82]

Em 17 de novembro de 2011, Swartz foi indiciado por um grande júri do Middlesex County Superior Court em acusações estaduais de invasão de domicílio com a intenção de cometer um crime, apropriação indébita, e acesso não autorizado a uma rede de computadores. [83] [84] Em 16 de dezembro de 2011, procuradores estaduais entraram com uma notificação de que eles estavam soltando as duas acusações originais;[72] as acusações constantes de 17 de novembro de 2011 foram retiradas em 8 de março de 2012.[85] De acordo com um porta-voz da promotoria do condado de Middlesex, as acusações estatais foram retiradas, a fim de permitir que o processo federal prosseguisse sem entraves.[85]

Em 12 de setembro de 2012, o Ministério Público Federal entrou com um indiciamento substitutivo acrescentando mais nove acusações criminais, o que aumentou a exposição penal máxima de Swartz para 50 anos de prisão e US$ 1 milhão em multas. [70] [86] [87] Durante as negociações para confissão com os advogados de Swartz, o Ministério Público ofereceu a recomendação deuma sentença de seis meses em uma prisão de baixa segurança, se Swartz se declarasse culpado de 13 crimes federais. Swartz e seu principal advogado rejeitaram esse acordo, optando por um julgamento em que os promotores teriam sido obrigados a justificar sua busca por Swartz.[88] [89]

O processo federal envolveu o que foi caracterizado por muitos críticos como o ex-conselheiro de Nixon na Casa Branca, John Dean como uma "sobrecarga" de acusações (13-count) e repressão de "excesso de zelo" por supostos crimes de computador, interposto pela procuradora dos EUA do Massachusetts Carmen Ortiz. Enfrentando potencial encarceramento por alegadas infrações penais para as vítimas, do MIT e JSTOR e, se recusou a prosseguir com o contencioso cível. Swartz cometeu suicídio em 11 de janeiro de 2013.[90] [91]

Após sua morte, os procuradores federais retiraram as acusações.[92] [93] Em 4 de dezembro de 2013, devido a um termo da Lei de Liberdade de Informação, um editor da Wired pediu que todos os documentos fossem divulgados pelo Serviço Secreto, incluindo um vídeo do Aaron entrando num closet da rede do MIT.[94]

Morte, Funeral e Memorial[editar | editar código-fonte]

Morte[editar | editar código-fonte]

Na noite de 11 de janeiro de 2013, Swartz foi encontrado morto em seu apartamento no Brooklyn por sua parceira, Taren Stinebrickner-Kauffman.[71] [95] [96] Uma porta-voz do New York's Medical Examiner informou que ele havia se enforcado.[95] [96] [97] [98] Nenhuma nota de suicídio foi encontrada.[99] A família de Swartz e sua parceira criaram um site memorial em que se emitiu uma declaração, dizendo: "Ele usou suas habilidades prodigiosas como um programador e tecnólogo não para se enriquecer, mas para tornar a Internet e o mundo mais justos e um lugar melhor".[100]

Dias antes do funeral de Swartz, Lawrence Lessig elogiou seu amigo e algum cliente em um ensaio, como o "Procurador Bully". Ele denunciou a desproporcionalidade da acusação de Swartz e disse: "A questão que este governo precisa responder é por que foi tão necessário que Aaron Swartz seja rotulado como um" criminoso". "Para os 18 meses de negociações, que era o que ele não estava disposto a aceitar".[101] Cory Doctorow, escreveu: "Aaron teve uma combinação imbatível de visão política, habilidade técnica e inteligência sobre as pessoas e os problemas. Eu acho que ele poderia ter revolucionado a política americana (e mundial). Seu legado ainda pode fazê-lo."[102]

Funeral e Memorial[editar | editar código-fonte]

Serviços funerários de Swartz foram realizados em 15 de janeiro de 2013, na Central Avenue Sinagoga em Highland Park, Illinois. Tim Berners-Lee, co-criador da World Wide Web, entregou um elogio.[103] [104] [105] [106] No mesmo dia, o Wall Street Journal publicou uma reportagem baseada em parte em uma entrevista com Stinebrickner-Kauffman.[107] Ela disse ao jornal que Swartz não tinha o dinheiro para pagar por um julgamento e "que era muito difícil para ele... fazer essa parte de sua vida ir ao público" para pedir ajuda. Ele também estava angustiado, ela disse, porque dois de seus amigos tinham acabado de serem intimados e porque ele já não acreditava que o MIT iria tentar parar o processo.[107]

Vários memoriais se seguiram logo depois. Em 19 de janeiro, centenas participaram de um memorial na Cooper Union, os que ‘falaram’ incluiu o Stinebrickner-Kauffman, o defensor da Open Source Doc Searls, do Creative Commons Glenn Otis Brown, jornalista Quinn Norton, Roy Singham da ThoughtWorks, e David Segal do Demand Progress. [108] [109] [110] Em 24 de janeiro, houve um memorial no Internet Archive com ‘falantes’, incluindo Stinebrickner-Kauffman, Alex Stamos, Brewster Kahle e Carl Malamud.[111] Em 4 de fevereiro, um memorial foi realizado na Cannon House Office Building on Capitol Hill; [112] [113] [114] [115] ‘falantes’ deste memorial incluíram o senador Ron Wyden e Darrell Issa e os representantes, Alan Grayson e Jared Polis,[114] [115] e outros legisladores presentes incluíram a senadora Elizabeth Warren e os representantes Zoe Lofgren e Jan Schakowsky.[114] [115] Um ato em memória de Aaron Swartz também teve lugar em 12 de março, no MIT Media Lab.[116]

A família de Swartz recomenda o GiveWell para doações em sua memória, uma organização que Swartz admirava, tinha colaborado com e foi o único beneficiário da sua vontade.[117] [118]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Respostas da Família e Críticas[editar | editar código-fonte]

"A morte de Aaron não é simplesmente uma tragédia pessoal, é o produto de um sistema de justiça criminal repleto de intimidação e sobrealcance procuradoria. As decisões tomadas por funcionários no escritório de US Attorney o Massachusetts e do MIT contribuiram para sua morte. " Declaração da família e da parceira de Aaron Swartz.

[119]

Em 12 de janeiro, a família e a parceira de Swartz emitiram uma declaração, criticando os procuradores e o MIT.[119]

Falando no funeral de seu filho, Robert Swartz disse: "Aaron foi morto pelo governo, e o MIT quebrou todos os seus princípios básicos."[120]

Mitch Kapor postou a declaração no Twitter. Tom Dolan, marido de Carmen Ortiz do U.S. Attorney for Massachusetts, cujo escritório processou o caso de Swartz, respondeu com críticas à família Swartz: "Verdadeiramente incrível que com o óbito de seu próprio filho vocês querem culpar os outros e nem citam os 6 meses oferecidos".[121] Este comentário desencadeou críticas generalizadas; o editor da Esquire, Charlie Pierce respondeu: "a volubilidade com que seu marido e seus defensores atiram fora de uma" mera "seis meses de prisão federal, de baixa segurança ou não, é mais um indício de que algo está seriamente fora de sintonia com a forma de como os nossos procuradores pensam nos dias de hoje."[122]

Na Imprensa e na Arte[editar | editar código-fonte]

Mural do Aaron Swartz do artista grafiteiro BAMN

The Huffington Post informou que "Ortiz enfrentou reação significativa para a prossecução do processo contra Swartz, incluindo uma petição para a Casa Branca para a demitir."[123] Outras agências de notícias relataram de forma semelhante.[124] [125] [126]

A agência de notícias Reuters chamou Aaron de "um ícone online" que "ajuda[ou] a fazer uma montanha virtual de informação ser disponível para o público, incluindo o estimado 19 milhões de documentos da Corte Federal."[127] O Associated Press (AP) noticiou que o caso de Swartz "é um dos destaques da sociedade incerta, evoluindo a vista de como tratar pessoas que invadem sistemas de dados informáticos não para enriquecer-se, mas para torná-lo disponível para os outros", [44] e que o advogado da JSTOR, o ex-procurador dos EUA para o Distrito Sul de Nova York, Mary Jo White, pediu ao procurador liderança para retirar as acusações.[44]

Como discutido pelo editor Hrag Vartanian em Hyperallergic, Brooklyn, o muralista de NY BAMN ("By Any Means Necessary") criou um mural de Swartz.[128] "Swartz era um ser humano incrível que lutou incansavelmente pelo nosso direito a uma Internet livre e aberta", o artista explicou. "Ele era muito mais do que apenas o 'cara do Reddit'."

Gawker observou a extensa cobertura do Ministério Público e do suicídio de Swartz, escrevendo "o suicídio de um gênio dos computadores de 26 anos é do tipo que revistas históricas foram feitas para cobrir. Complexo, mas se envolve instantaneamente, oferecendo uma janela para um mundo incomum.”[129]

Em 2013, Kenneth Goldsmith dedicou sua exibição "Printing out the Internet" para Swartz.[130] [131]

O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz[editar | editar código-fonte]

Em 11 de janeiro de 2014, marcando o primeiro aniversário de sua morte, uma prévia foi libertada do O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz,[132] o documentário é sobre Swartz, NSA e SOPA.[133] [134] O filme foi oficialmente lançado em janeiro de 2014 no Festival de Filmes de Sundance. [135] Democracy Now! cobriu o lançamento do documentário, bem como a vida de Swartz e o caso legal, em uma entrevista extensa com o diretor Brian Knappenberger, pai e irmão de Swartz, e seu advogado. [136] [137] [138] que estreou nos cinemas e on-demand em junho 2014.[139]

O Mashable chamou o documentário de "uma poderosa homenagem para Aaron Swartz ". Sua estréia no Festival de Sundance recebeu uma ovação de pé. Impresso pelo Mashable, "Com a ajuda de especialistas, o Menino da Internet faz um argumento claro: Swartz tornou-se injustamente uma vítima dos direitos e liberdades para os quais ele estava lutando."[140] The Hollywood Reporter descreveu como uma história de "partir o coração" de um "prodígio da tecnologia perseguido pelo governo dos Estados Unidos", e imperdível "para quem conhece o suficiente para se preocupar com a forma como as leis governam a transferência de informação na era digital".[141]


Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Referências

  1. a b Cai, Anne (January 12, 2013). «Aaron Swartz commits suicide». The Tech. Massachusetts Institute of Technology. Consultado em January 12, 2013. 
  2. a b Moody, Glyn (July 11, 2011). «How Should We Liberate Knowledge?». Computer World UK. IDG Inc. Consultado em January 14, 2013. 
  3. a b Schwartz, John (July 19, 2011). «Open-Access Advocate Arrested for Huge Download». The New York Times The New York Times Company [S.l.] Consultado em January 12, 2013. 
  4. «Reddit co-creator Aaron Swartz dies from suicide» (em inglês). Chicago Tribune. 13 de janeiro de 2013. Consultado em 15 de janeiro de 2013. 
  5. Kirschbaum, Connor (3 de agosto de 2011). «Swartz indicted for JSTOR theft». The Tech. Massachusetts Institute of Technology. 
  6. «Police Log». The Tech. Massachusetts Institute of Technology. 18 de fevereiro de 2011. 
  7. Lee, Timothy B., The inside story of Aaron Swartz's campaign to liberate court filings, Ars Technica, 8 de fevereiro de 2013. Acessado 8 de março de 2013.
  8. «Swartz “Steals” for Science». Consultado em Jan 13, 2013. 
  9. «The inspiring heroism of Aaron Swartz». Consultado em Jan 13, 2013. 
  10. Thomas, Owen (January 12, 2013). «Family of Aaron Swartz Blames MIT, Prosecutors For His Death» Business Insider [S.l.] Consultado em January 12, 2013. 
  11. «Aaron Swartz, internet freedom activist, dies aged 26» BBC News Online [S.l.] 2013-01-13. Consultado em 2013-01-13. 
  12. «Aaron Swartz, Tech Prodigy and Internet Activist, Is Dead at 26». News. Time. Consultado em January 13, 2013. 
  13. «Feds dismiss charges against Swartz». 3 News NZ [S.l.: s.n.] January 15, 2013. 
  14. Farivar, Cyrus (2013-01-14). «Government formally drops charges against Aaron Swartz». Ars Technica. Consultado em January 14, 2013. 
  15. «Aaron Swartz dies at 26; Internet folk hero founded Reddit». Los Angeles Times. 12 de janeiro de 2013. Consultado em 15 de janeiro de 2013. 
  16. שלמון, נצח (13 de janeiro de 2013). «ההאקר היהודי המפורסם תלה את עצמו» (em hebráico). Israel Life USA. Consultado em 15 de janeiro de 2013. 
  17. a b c Aaron Swartz. «How to get a job like mine». Aaron Swartz: just the facts, sir (em inglês). Jottit.com. Consultado em 15 de janeiro de 2013. 
  18. Heffernan, Virginia (12 de janeiro de 2013). «Aaron Swartz, 1986-2013: a computer hacker who is now a political martyr». Yahoo! News. Consultado em 15 de janeiro de 2013. 
  19. «RDFCore Working Group Membership». W3. December 1, 2002. Consultado em 2013-01-15. 
  20. Swartz, A. (September 2004). «Request for Comments No. 3870, ‘application/rdf+xml’ Media Type Registration». Network Working Group. The Internet Society. «A media type for use with the Extensible Markup Language serialization of the Resource Description Framework.…  [It] allows RDF consumers to identify RDF/XML documents….» 
  21. Gruber, John. «Markdown». Daring Fireball. Consultado em 23 January 2013. 
  22. «Markdown». Aaron Swartz: The Weblog. March 19, 2004. 
  23. Grehan, Rick (August 10, 2011). «Pillars of Python: Web.py Web framework». InfoWorld (em inglês). Consultado em January 12, 2013. 
  24. Swartz, Aaron (2007). «Introducing Infogami». Infogami. CondeNet. Arquivado desde o original em 2007-12-24. 
  25. «A passion for your users brings good karma: (Interview with) Alexis Ohanian, co-founder of reddit.com». StartupStories. November 11, 2006. Arquivado desde o original em 2007-08-23. 
  26. «Breaking News: Condé Nast/Wired Acquires Reddit». Techcrunch. October 31, 2006. 
  27. Lenssen, Philipp (2007). «A Chat with Aaron Swartz». Google Blogoscoped (em inglês). Arquivado desde o original em April 27, 2010. Consultado em May 11, 2010. 
  28. Klein, Sam (July 24, 2011). «Aaron Swartz vs. United States». The Longest Now. Weblogs at Harvard Law School. «He founded watchdog.net [act.watchdog.net, © 2012 Demand Progress] to aggregate … data about politicians – including where their money comes from.» 
  29. Murphy, Samantha (July 22, 2011). «‘Guerilla activist’ releases 18,000 scientific papers». MIT Technology Review [S.l.: s.n.] «In a 2008 ‘Guerilla Open Access Manifesto,’ Swartz called for activists to ‘fight back’ against services that held academic papers hostage behind paywalls.» 
  30. Norton, Quinn (March 3, 2013). «Life inside the Aaron Swartz investigation». The Atlantic (D.C. [s.n.]). Consultado em 2013-03-08. 
  31. «Anonymous hacks MIT Web sites to post Aaron Swartz tribute, call to arms». The Washington Post. Consultado em 2013-01-13. 
  32. Joanna Kao; Ethan A. Solomon (16 January 2013). «Anonymous hacks MIT». The Tech [S.l.: s.n.] Consultado em 21 January 2013. 
  33. Reilly, Ryan J., Aaron Swartz Prosecutors Weighed 'Guerilla' Manifesto, Justice Official Tells Congressional Committee, Huffington Post, 22 February 2013. Retrieved 2 March 2013.
  34. Masnick, Mike, DOJ Admits It Had To Put Aaron Swartz In Jail To Save Face Over The Arrest, techdirt, 25 February 2013. Retrieved 2 March 2013.
  35. McVeigh, Karen, Aaron Swartz's partner accuses US of delaying investigation into prosecution, The Guardian, 1 March 2013. Página visitada em 2 março de 2013.
  36. Swartz, Aaron (2008). «Guerilla Open Access Manifesto» (PDF) (em inglês). Internet Archive. «We need to buy secret databases and put them on the Web.  We need to download scientific journals and upload them to file sharing networks.»  Parâmetro desconhecido |month= ignorado (|data=) (Ajuda)
  37. https://ia902301.us.archive.org/21/items/manifesto-da-guerrilha-do-livre-acesso/manifesto-da-guerrilha-do-livre-acesso.pdf
  38. Eckersley, Peter. «Farewell to Aaron Swartz, an Extraordinary Hacker and Activist». Deeplinks Blog. Electronic Frontier Foundation. 
  39. a b Matthews, Laura (Julho 19, 2011). «Who is Aaron Swartz, the JSTOR MIT Hacker?». International Business Times (em inglês). Consultado em January 13, 2013. 
  40. «Our Mission» (blog). Demand Progress. Consultado em 2013-05-29. 
  41. Seidman, Bianca (Julho 22, 2011). «Internet activist charged with hacking into MIT network» (em inglês). Arlington, Va.: Public Broadcasting Service. «[Swartz] was in the middle of a fellowship at Harvard's Edmond J. Safra Center for Ethics, in its Lab on Institutional Corruption» 
  42. «Lab Fellows 2010-2011: Aaron Swartz». Edmond J. Safra Center for Ethics. Harvard University. 2010. «Durante o ano de bolsista, ele irá realizar estudos experimentais e etnográficos do sistema político para preparar uma monografia sobre os mecanismos da corrupção política.» 
  43. a b Sleight, Graham (Fevereiro 1, 2013). «‘Homeland,’ by Cory Doctorow». The Washington Post. 
  44. a b c Wagner, Daniel; Dobnik, Verena (Janeiro 13, 2013). «Swartz' death fuels debate over computer crime» (em inglês) Associated Press [S.l.] «JSTOR's attorney, Mary Jo White — formerly the top federal prosecutor in Manhattan — had called the lead Boston prosecutor in the case and asked him to drop it, said Peters.» 
  45. a b Swartz, Aaron (May 21, 2012). «How we stopped SOPA» (video). Keynote address at the Freedom To Connect 2012 conference. New York: Democracy Now!. «[T]he ‘Combating Online Infringement and Counterfeiting Act’ … was introduced on September 20th, 2010….  And [then] it began being called PIPA, and eventually SOPA.» 
  46. a b Goodman, Amy (Janeiro 14, 2013). «Freedom to Connect: Aaron Swartz (1986–2013) on Victory to Save Open Internet, Fight Online Censors». democracynow.org (em inglês). Consultado em 20 de janeiro 2013. 
  47. Russian Times, http://rt.com/news/sopa-postponed-anonymous-piracy-337/ 
  48. a b c Swartz, Aaron (September 4, 2006). «Who Writes Wikipedia?». Raw Thought. Consultado em January 12, 2013. 
  49. Blodget, Henry (January 3, 2009). «Who The Hell Writes Wikipedia, Anyway?». Business Insider [S.l.: s.n.] Consultado em January 12, 2013. 
  50. Aaron, Swartz. «In Defense of Anonymity». Consultado em 4 February 2014. 
  51. Zetter, Kim (December 12, 2008). «New Service Makes Tor Anonymized Content Available to All» wired.com [S.l.] Consultado em 22 February 2014. 
  52. «tor2web brings anonymous Tor sites to the "regular" web». arstechnica.com. Consultado em 22 February 2014. 
  53. F, G (January 13, 2013), "Commons man: Remembering Aaron Swartz", The Economist, http://www.economist.com/node/21569550/ 
  54. Video of Lawrence Lessig's lecture, Aaron's Laws: Law and Justice in a Digital Age. youtube dot com /watch?v=9HAw1i4gOU4. Youtube.com. 20 de fevereiro de 2013. 
  55. «MARC Records from Scriblio 2007». Internet Archive. 
  56. a b c Lee, Timothy B.,The inside story of Aaron Swartz's campaign to liberate court filings, Ars Technica, 8 February 2013. Retrieved 8 March 2013.
  57. Will Wrigley (February 7, 2013). «Darrell Issa Praises Aaron Swartz, Internet Freedom At Memorial» Huffingtonpost.com [S.l.] Consultado em February 21, 2013. 
  58. a b c d e f g h Schwartz, John (12 de fevereiro de 2009). «An Effort to Upgrade a Court Archive System to Free and Easy». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de janeiro de 2013. (pede registo (?)). 
  59. a b c d e f g Singel, Ryan (October 5, 2009). «FBI Investigated Coder for Liberating Paywalled Court Records». Wired Condé Nast [S.l.] Consultado em 12 de janeiro de 2013. 
  60. Johnson, Bobbie (November 11, 2009). «Recap: Cracking open US courtrooms». The Guardian (London [s.n.]). 
  61. Aaron's Army. Memorial for Aaron Swartz at the Internet Archive. Por Carl Malamud, 24 de janeiro de 2013.
  62. Malamud, Carl (March 30, 2013). «On Crime and Access to Knowledge: An Unpublished Essay». 
  63. Leopold, Jason (January 18, 2013). «Aaron Swartz's FOIA Requests Shed Light on His Struggle». The Public Record. Consultado em January 23, 2013. 
  64. «FOI Request: Records related to Bradley Manning». Muckrock. Consultado em January 23, 2013. 
  65. Poulsen, Kevin. «Strongbox and Aaron Swartz». The New Yorker. Consultado em 16 May 2013. 
  66. Davidson, Amy (15 May 2013). «Introducing Strongbox». The New Yorker. Consultado em 20 June 2013. 
  67. Kassner, Michael (20 May 2013). «Aaron Swartz legacy lives on with New Yorker's Strongbox: How it works». TechRepublic. Consultado em 20 June 2013. 
  68. Charlton, Alistair (October 16, 2013). «Aaron Swartz-Designed Whistleblower Tool SecureDrop Launched by Press Freedom Foundation». International Business Times. IBT Media. 
  69. «Terms and Conditions of Use». JSTOR. New York: ITHAKA. January 15, 2013. «JSTOR's integrated digital platform is a trusted digital repository providing for long-term preservation and access to ... scholarly materials: journal issues ...; manuscripts and monographs; ...; spatial/geographic information systems data; plant specimens; ...» 
  70. a b c d «Indictment, USA v. Swartz, 1:11-cr-10260, No. 2 (D.Mass. July 14, 2011)». MIT. July 14, 2011. Consultado em January 23, 2013.  Superseded by «Superseding Indictment, USA v. Swartz, 1:11-cr-10260, No. 53 (D.Mass. September 12, 2012)». Docketalarm.com. September 12, 2012. Consultado em January 23, 2013. 
  71. a b c MacFarquhar, Larissa (March 11, 2013). «Requiem for a dream: The tragedy of Aaron Swartz». The New Yorker [S.l.: s.n.] «[Swartz] wrote a script that instructed his computer to download articles continuously, something that was forbidden by JSTOR's terms of service.... He spoofed the computer's address.... This happened several times. MIT traced the requests to his laptop, which he had hidden in an unlocked closet.» 
  72. a b c Commonwealth v. Swartz 11-52CR73 & 11-52CR75 MIT Police Incident Report 11-351 Massachusetts District Court nolle prosequi, 16 de dezembro de 2011. Citação: "Captain Albert P[...] and Special Agent Pickett were able to apprehend the suspect at 24 Lee Street.... He was arrested for two counts of Breaking and Entering in the daytime with the intent to commit a felony...."
  73. Lindsay, Jay (July 19, 2011). «Feds: Harvard fellow hacked millions of papers» (Boston [s.n.]). Associated Press. Consultado em January 15, 2013. 
  74. «JSTOR Statement: Misuse Incident and Criminal Case». JSTOR. Consultado em January 12, 2013. 
  75. a b Cohen, Noam (January 20, 2013). «How M.I.T. ensnared a hacker, bucking a freewheeling culture». The New York Times [S.l.: s.n.] p. A1. «‘Suspect is seen on camera entering network closet' [in an unlocked building].... Within a mile of MIT ... he was stopped by an MIT police captain and [U.S. Secret Service agent] Pickett.» 
  76. Peters, Justin (February 7, 2013). «The Idealist: Aaron Swartz wanted to save the world. Why couldn't he save himself?». Slate (N.Y.C. [s.n.]). 6. «The superseding indictment ... claimed that Swartz had ‘contrived to break into a restricted-access wiring closet at MIT.' But the closet door had been unlocked—and remained unlocked even after the university and authorities were aware that someone had been in there trying to access the school's network.» 
  77. Merritt, Jeralyn (January 14, 2013). «MIT to conduct internal probe on its role in Aaron Swartz case». TalkLeft (blog). Att'y Jeralyn Merritt. «The wiring closet was not locked and was accessible to the public. If you look at the pictures supplied by the Government, you can see graffiti on one wall.» 
  78. «Swartz' death fuels debate over computer crime» Usatoday.com [S.l.] 14 de janeiro de 2013. Consultado em 29 de janeiro de 2013. 
  79. Gerstein, Josh (July 22, 2011). «MIT also pressing charges against hacking suspect». Politico. «[Swartz's] alleged use of MIT facilities and Web connections to access the JSTOR database ... resulted in two state felony charges for breaking into a ‘depository' and breaking & entering in the daytime, according to local prosecutors.» 
  80. Hak, Susana; Paz, Gabriella (January 26, 2011). «Compilation of December 15, 2010–January 20, 2011» (PDF). Hak–De Paz Police Log Compilations MIT Crime Club [S.l.] p. 6. «January 6, 2:20 p.m., Aaron Swartz, was arrested at 24 Lee Street as a suspect for breaking and entering....» 
  81. Singel, Ryan (February 27, 2011). «Rogue academic downloader busted by MIT webcam stakeout, arrest report says». Wired (N.Y.C. [s.n.]). «Swartz is accused ... of stealing the articles by attaching a laptop directly to a network switch in ... a ‘restricted' room, though neither the police report nor the indictment [mentions] a door lock or signage indicating the room is off-limits.» 
  82. Bilton, Nick (July 19, 2011). «Internet Activist Charged in Data Theft» (Boston: Bits Blog, The New York Times Company). Consultado em July 19, 2011. (pede registo (?)). 
  83. Hawkinson, John (November 18, 2011). «Swartz indicted for breaking and entering». The Tech (MIT [s.n.]). p. 11. «Swartz ... was indicted ... in Middlesex Superior Court ... for breaking and entering, larceny over $250, and unauthorized access to a computer network.» 
  84. Middlesex District Attorney (November 17, 2011). Cambridge man indicted on breaking & entering charges, larceny charges in connection with data theft. Press release.  “Swartz ... was indicted today on charges of Breaking and Entering with Intent to Commit a Felony, Larceny over $250, and Unauthorized Access to a Computer Network by a Middlesex Superior Grand Jury.”
  85. a b Hawkinson, John State drops charges against Swartz; federal charges remain The Tech, 16 March 2012. Retrieved 14 May 2013.
  86. «US Government Ups Felony Count in JSTOR/Aaron Swartz Case From Four To Thirteen». Tech dirt. September 17, 2012. Consultado em January 12, 2013. 
  87. Zetter, Kim (29 de janeiro de 2013). «Congress Demands Justice Department Explain Aaron Swartz Prosecution | Threat Level» Wired.com [S.l.] Consultado em 1 de fevereiro de 2013. 
  88. Smith-Spark, Laura. «Prosecutor defends case against Aaron Swartz» Cable News Network [S.l.] Consultado em 13 June 2014.  |website= e |publisher= redundantes (Ajuda)
  89. Cullen, Kevin; Ellement, John. «MIT hacking case lawyer says Aaron Swartz was offered plea deal of six months behind bars». Boston Globe Media Partners, LLC. Consultado em 13 June 2014.  |website= e |publisher= redundantes (Ajuda)
  90. Boeri, David (2013-02-20). «Ortiz Under Fire: Critics Say Swartz Tragedy Is Evidence Of Troublesome Pattern». WBUR. Consultado em 2014-05-16. 
  91. "Dealing With Aaron Swartz in the Nixonian Tradition: Overzealous Overcharging Leads to a Tragic Result", Justia, John Dean, 25 de janeiro de 2013. Visitado em 26 de maio de 2014.
  92. Landergan, Katherine (January 14, 2013). «US District Court drops charges against Aaron Swartz — MIT - Your Campus» Boston.com [S.l.] Consultado em January 23, 2013. 
  93. [https://www.docketalarm.com/cases/Massachusetts_District_Court/1--11-cr-10260/USA_v_Swartz/106/ United States v. Swartz 1:11-cr-10260 United States District Court for the District of Massachusetts, 14 de janeiro de 2013.
  94. Poulsen, Kevin (December 4, 2013). «This Is the MIT Surveillance Video That Undid Aaron Swartz» Wired [S.l.] Consultado em December 7, 2013. 
  95. a b Kemp, Joe; Trapasso, Clare; Mcshane, Larry (January 12, 2013). «Aaron Swartz, co-founder of Reddit and online activist, hangs himself in Brooklyn apartment, authorities say». NY Daily News (New York [s.n.]). «Swartz ... left no note before his Friday morning death in the seventh-floor apartment at a luxury Sullivan Place building, police sources said.» 
  96. a b «Co-founder of Reddit Aaron Swartz found dead». News CBS [S.l.] Consultado em January 12, 2013. 
  97. Lessig, Lawrence (12 de janeiro de 2013). «Prosecutor as bully». Consultado em 12 de janeiro de 2013. 
  98. Schwartz, John (January 12, 2013). «Internet Activist, a Creator of RSS, Is Dead at 26, Apparently a Suicide» The New York Times [S.l.] Consultado em January 13, 2013. (pede registo (?)). 
  99. Gustin, Sam (January 14, 2013). «MIT orders review of Aaron Swartz suicide as soul searching begins». Time [S.l.: s.n.] Consultado em January 16, 2013. 
  100. Nelson, Valerie J. (12 de january 2013). «Aaron Swartz dies at 26; Internet folk hero founded Reddit». Los Angeles Times [S.l.: s.n.] 
  101. Lessig, Lawrence (January 12, 2013). «Prosecutor as bully». Lessig Blog, v2. «Aaron consulted me as a friend and lawyer.... [M]y obligations to Harvard created a conflict that made it impossible for me to continue as a lawyer.... ...I get wrong. But I also get proportionality.» 
  102. Doctorow, Cory (January 12, 2013), "RIP, Aaron Swartz", Boing Boing, http://boingboing.net/2013/01/12/rip-aaron-swartz.html 
  103. Thomas, Owen (12 de janeiro de 2013). «Family of Aaron Swartz Blames MIT, Prosecutors For His Death». Business Insider [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de janeiro de 2013. 
  104. Gallardo, Michelle (January 15, 2013). «Aaron Swartz, Reddit co-founder, remembered at funeral». ABC News. Consultado em January 15, 2013. 
  105. «Aaron Swartz Memorial Ice Cream Social Hour – Free Software Foundation – working together for free software». Fsf.org. Consultado em January 18, 2013. 
  106. «Aaron Swartz Tribute: Hundreds Honor Information Activist» Huffingtonpost.com [S.l.] January 19, 2013. Consultado em January 20, 2013. 
  107. a b Ante, Spencer; Anjali Athavaley; Joe Palazzolo (January 14, 2013). «Legal case strained troubled activist». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] p. B1. «With the government's position hardening, Mr. Swartz realized that he would have to face a costly public trial.... He would need to ask for help financing his defense....» 
  108. Hsieh, Steven, Why Did the Justice System Target Aaron Swartz?, Rolling Stone, 23 January 2013. Retrieved 26 January 2013.
  109. Peltz, Jennifer (19 January 2013). «Aaron Swartz Tribute: Hundreds Honor Information Activist». Associated Press [S.l.: s.n.] Consultado em February 8, 2013. 
  110. Fishman, Rob (19 January 2013). «Grief And Anger At Aaron Swartz's Memorial». Buzzfeed. Consultado em 26 January 2013. 
  111. «Memorial for Aaron Swartz | Internet Archive Blogs». Blog.archive.org. Consultado em January 18, 2013. 
  112. «Aaron Swartz DC Memorial». Aaronswartzdcmemorial.eventbrite.com. Consultado em February 1, 2013. 
  113. Henry. «Aaron Swartz Memorial in Washington DC». Crookedtimber.org. Consultado em February 1, 2013. 
  114. a b c Gross, Grant, Lawmakers pledge to change hacking law during Swartz memorial, InfoWorld, 5 February 2013. Retrieved 5 February 2013.
  115. a b c Carter, Zach (5 February 2013). «Aaron Swartz Memorial On Capitol Hill Draws Darrell Issa, Elizabeth Warren». The Huffington Post [S.l.: s.n.] Consultado em 5 February 2013. 
  116. Taren Stinebrickner-Kauffman (13 de março de 2013). «TarenSK: MIT Memorial Service». Consultado em 15 de março de 2013.  Inclui links para o vídeo da cerimônia/discursos.
  117. Rob Fishman (19 January 2013). «Grief And Anger At Aaron Swartz’s Memorial». Consultado em 16 July 2014. 
  118. Holden Karnofsky (16 January 2013). «In memory of Aaron Swartz». Consultado em 16 July 2014. 
  119. a b «Remember Aaron Swartz». Tumblr. Arquivado desde o original em January 13, 2013. Consultado em January 12, 2013. 
  120. Guy, Sandra (January 15, 2013). «Aaron Swartz was ‘killed by government,' father says at funeral». Chicago Sun-Times [S.l.: s.n.] Arquivado desde o original em 2014-08-24. «Swartz's father ... said that at a school event, 3-year-old Aaron read to his parents while all of the other parents read to their children.» 
  121. Murphey, Shelly, US attorney's husband stirs Twitter storm on Swartz case, The Boston Globe, January 16, 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  122. Pierce, Charles P. (January 17, 2013). "Still More About The Death Of Aaron Swartz", Esquire. Retrieved January 18, 2013.
  123. Grandoni, Dino (January 15, 2013), "Tom Dolan, Husband of Aaron Swartz's Prosecutor", Huffington Post, http://www.huffingtonpost.com/2013/01/15/tom-dolan-aaron-swartz_n_2479980.html, visitado em January 16, 2013 
  124. McCullagh, Declan, Prosecutor in Aaron Swartz 'hacking' case comes under fire, CNet, January 15, 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  125. Stout, Matt, Ortiz: We never intended full penalty for Swartz, The Boston Herald, January 17, 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  126. Barnes, James, Hacker's suicide linked to 'overzealous' prosecutors, The Global Legal Post, 15 January 2013.. Retrieved January 17, 2013.
  127. Dobuzinskis, Alex; P.J. Huffstutter (January 13, 2013). «Internet activist, programmer Aaron Swartz dead at 26» [S.l.: s.n.] Reuters. «That belief — that information should be shared and available for the good of society — prompted Swartz to found the nonprofit group Demand Progress.» 
  128. Vartanian, Hrag (February 7, 2013). «A roller tribute to two digital anarchist heroes». Brooklyn, NY: Hyperallergic. Consultado em June 1, 2013. 
  129. Chen, Adrian (March 4, 2013). «Which long magazine profiles of Aaron Swartz should you bother to read?». Gawker. 
  130. Zak, Dan (July 26, 2013). «‘Printing Out the Internet' exhibit is crowdsourced work of art». The Washington Post [S.l.: s.n.] Consultado em 20 August 2013. 
  131. «Crowdsourced art project aims to print out entire internet». CBC News [S.l.: s.n.] July 30, 2013. 
  132. «Aaron Swartz documentary». TakePart. Consultado em November 19, 2014. 
  133. Zelman, Joanna. «WATCH: Aaron Swartz Found NSA Scope 'Scary'». Huffington Post [S.l.: s.n.] 
  134. Sneak preview of “The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz” | PandoDaily
  135. «The Internet's Own Boy: The Story Of Aaron Swartz - Festival Program». Sundance Institute. Arquivado desde o original em 2014-01-12. 
  136. «The Internet’s Own Boy: Film on Aaron Swartz Captures Late Activist’s Struggle for Online Freedom» Democracy Now! [S.l.] January 21, 2014. Consultado em January 21, 2014. 
  137. Knappenberger, Brian. «The Internet's Own Boy: The Story of Aaron Swartz». Internet Archive. Consultado em 3 August 2014. 
  138. «'The Internet's Own Boy' fights for reform after Aaron Swartz's death». 
  139. Matheson, Whitney (28 June 2014). «Internet's Own Boy: Tech activist's legacy». USA Today [S.l.: s.n.] p. B8. 
  140. «'The Internet's Own Boy' Is a Powerful Homage to Aaron Swartz» Mashable [S.l.] January 23, 2014. Consultado em January 23, 2014. 
  141. DeFore, John (January 21, 2014). «The Internet's Own Boy: The Story of Aaron Swartz: Sundance Review» The Hollywood Reporter [S.l.] Consultado em January 23, 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aaron Swartz