Radiotelescópio de Arecibo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Radiotelescópio de Arecibo
Arecibo Observatory Aerial View.jpg
Imagem do Radiotelescópio de Arecibo
Informações gerais
Nomeado de Arecibo (Porto Rico), William E. Gordon Edite isto no Wikidata
Organização SRI International, Universities Space Research Association, Metropolitan University, Fundação Nacional da Ciência Edite isto no Wikidata
Tipo de telescópio observatório, radiotelescópio, Spherical reflector, telescópio gregoriano Edite isto no Wikidata
Páginas Web www.naic.edu
Informações do telescópio
Localização atual Arecibo (Porto Rico), Porto Rico, Estados Unidos Editar isso no Wikidata
Coordenadas 18°20′39″N 66°45′10″O / 18.34417°N 66.75278°O / 18.34417; -66.75278Coordenadas: 18°20′39″N 66°45′10″O / 18.34417°N 66.75278°O / 18.34417; -66.75278
Altitude 497 m (497 m)
Comprimento de onda 3 cm (10.0 GHz)-1 m (300 MHz)
Diâmetro 305, 27 m (179, 16 sm)
Construido 1960–novembro 1963
Área de alcance 73,000 m2 (73,000 m2)
Distância focal 132.6 m (132.6 m)
Base da montagem Montagem altazimutal
Instrumentos

O Radiotelescópio de Arecibo foi o maior radiotelescópio fixo do mundo, e localiza-se em Arecibo, Porto Rico.

Sua antena parabólica tem 305 metros de diâmetro e foi construída originalmente em 1963, na cratera de um vulcão extinto, para estudar a ionosfera terrestre. Ele é operado pela Universidade Metropolitana in Puerto RIco, dos Estados Unidos da América e é atualmente a principal ferramenta na busca de vida extraterrestre, através do projecto SETI@home.

Para esses estudos, um radar poderoso é ligado e a resposta da ionosfera é medida. Uma grande antena é necessária porque somente uma pequena fração da energia do radar é espalhada de volta e retorna à antena para ser medida.

Atualmente, somente um terço do tempo do telescópio é utilizado para estudos ionosféricos; outro terço é dedicado às galáxias e o terço restante está reservado para a astronomia dos pulsares.

O radiotelescópio de Arecibo é claramente o preferido quando se trata de observar novos pulsares, pois seu tamanho torna as buscas mais sensíveis e permite que os astrônomos descubram pulsares ainda não detectados, com intensidade muito tênue para serem avistados com telescópios menores.

O tamanho do telescópio, entretanto, também tem suas desvantagens. Por exemplo, a antena é muito grande para ser orientada em diversas posições e deve permanecer fixa sobre o solo.

Como resultado, podemos visualizar somente a área do céu localizada diretamente sobre ele, sempre ao longo do caminho da rotação terrestre. Esse fato faz com que Arecibo acesse uma porcentagem relativamente pequena do céu. Em comparação, a maior parte dos outros telescópios pode observar de 75% a 90% do céu.

Em 2016, a China concluiu a construção do maior radiotelescópio do mundo com cerca de 500 metros de diâmetro, ultrapassando os 305 metros do anterior Radiotelescópio de Arecibo.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]